5 de julho de 2021

GENESIS - NURSERY CRYME (1971)

 


Nursery Cryme é o terceiro álbum de estúdio da banda inglesa Genesis. O lançamento oficial aconteceu em 12 de novembro de 1971 através do selo Charisma. As gravações ocorreram entre agosto e setembro daquele mesmo ano no Trident Studios, em Londres, na Inglaterra. A produção ficou a cargo de John Anthony.

 




Pós Trespass

 

Para quem se interessar, o site fez a análise de Trespass aqui.

 

Após uma extensa turnê de apoio ao álbum anterior, Trespass (1970), que incluiu o recrutamento do baterista Phil Collins e do guitarrista Steve Hackett, a banda começou a escrever e a ensaiar para uma sequência na Luxford House, em East Sussex, com gravação seguinte no Trident Studios.

 

O Genesis gravou seu primeiro álbum como um conjunto profissional, Trespass, em junho de 1970, mas imediatamente depois, o membro fundador e guitarrista Anthony Phillips saiu devido ao aumento do estresse e infelicidade na turnê.

 

Os outros fundadores, o vocalista Peter Gabriel, o tecladista Tony Banks e o baixista/guitarrista Mike Rutherford quase separaram o grupo, mas decidiram continuar e substituir o baterista John Mayhew por alguém de estatura igual aos outros e que soubesse compor.

 

Phil Collins entrou como novo baterista em agosto, também se tornando um importante backing vocal, mas eles não conseguiram encontrar um substituto adequado para Phillips. Isso levou o grupo a completar a primeira metade de sua turnê de 1970-1971 como um quarteto, com Rutherford tocando guitarra base e pedais de baixo e Banks tocando linhas de guitarra solo em um Pianet por meio de um amplificador Fuzz Box distorcido, além de suas próprias partes de teclado.

 

Banks atribuiu isso ao aprimoramento de sua técnica, uma vez que exigia que ele tocasse dois teclados simultaneamente. O grupo sentiu que Collins era o melhor baterista com quem trabalharam até aquele momento, e seu estilo de tocar e gostos musicais deram uma nova dimensão ao som.

 

Algumas músicas não eram práticas para tocar ao vivo, como um quarteto, então eles decidiram procurar novamente por um guitarrista solo. Em novembro de 1970, Mick Barnard se juntou ao grupo por recomendação de Friars Aylesbury's David Stopps, e "The Musical Box" foi adicionada ao set ao vivo.

 

No entanto, o resto do grupo percebeu rapidamente que Barnard não tinha o mesmo padrão que os outros, e eles procuraram por um guitarrista melhor.

 

O Genesis recrutou Steve Hackett depois que Gabriel viu um anúncio na revista Melody Maker em dezembro de 1970, que dizia "Guitarrista/compositor imaginativo busca envolvimento com músicos receptivos, determinado a ir além das formas musicais estagnadas existentes".

 

Hacket viu o Genesis fazer um show no Lyceum Theatre, em Londres, em 28 de dezembro, e foi informado por Gabriel que Barnard teria que ser substituído. Hackett desenvolveu rapidamente um relacionamento com Rutherford, compartilhando seu amor por guitarras de doze cordas e novas ideias musicais, e se juntou à banda no início de 1971.

 

Com a adição de Hackett, o Genesis continuou a turnê que incluiu a "Six Bob Tour" com seus colegas de selo, da Charisma Records, Lindisfarne e Van der Graaf Generator, seus primeiros shows no exterior que ocorreram na Bélgica e a primeira de três aparições no Festival de Leitura anual.

 

As primeiras tentativas de trabalhar no material para seu próximo álbum de estúdio, no que Hackett descreveu como "um dia estranho em um salão de igreja com muito vento", durante a turnê foram improdutivas, fazendo com que o grupo dedicasse tempo posteriormente para composição. Em julho, eles começaram uma pausa de três meses da turnê para escrever e gravar, que foi a primeira experiência de Hackett ensaiando com um grupo em um padrão profissional.


Phil Collins


 

Os caras se mudaram para a residência do proprietário da Charisma, Tony Stratton-Smith, a Luxford House, um edifício listado de Grau II do século 16 em Crowborough, East Sussex. O grupo apelidou a casa de "Toad Hall".

 

O grupo estava apreensivo em escrever sem Phillips, e tanto Collins quanto Hackett não tinham certeza do nível de contribuições musicais que seriam capazes de fazer. Hackett estava interessado em explorar novos sons e ideias musicais e sugeriu que o grupo comprasse um Mellotron, que Banks usava como seu instrumento principal, junto com o órgão Hammond, em vez do piano. Algum material foi escrito quando Phillips e Mayhew ainda estavam na banda e foi retrabalhado pelos novos membros. Collins era um workaholic e ficava feliz em tocar com qualquer pessoa a qualquer momento.

 

Gravações

 

Com o novo material elaborado, o Genesis gravou Nursery Cryme no Trident Studios, em Londres, em agosto de 1971, com John Anthony como seu produtor e David Hentschel seu engenheiro assistente que, como Anthony, havia trabalhado no mesmo papel em Trespass.

 

O álbum apresenta Hackett tocando uma guitarra Les Paul que a banda comprou para ele junto com um amplificador Hiwatt. Ele se lembrou de alguma dificuldade em entender sobre o que Banks e Rutherford estavam falando enquanto os dois inventavam seus próprios ditos, por exemplo, uma passagem que eles tocaram foi chamada de "cara legal".

 

"The Musical Box" foi uma longa peça que descreve uma história macabra situada na Grã-Bretanha vitoriana. Um menino, Henry, é acidentalmente decapitado por sua amiga Cynthia enquanto jogava croquet. Voltando para a casa, Cynthia toca a velha caixa musical de Henry, que liberta o espírito de Henry como um homem velho. Henry tornou-se sexualmente frustrado e tenta seduzir Cynthia. A enfermeira entra na sala, arremessa a caixa de música na parede, destruindo tanto ela quanto Henry.

 

"For Absent Friends" é uma música acústica que marcou a primeira contribuição significativa de Hackett para o grupo, e a primeira música do Genesis com Collins nos vocais principais. "The Return of the Giant Hogweed" adverte sobre a disseminação da planta tóxica Heracleum mantegazzianum depois que foi "capturada" na Rússia e trazida para a Inglaterra por um explorador vitoriano.


Steve Hackett


 

"Seven Stones" foi concebida por Banks, que usou o que Rutherford descreveu como "seus grandes acordes de music hall que ele amava". "Harold the Barrel" mostrou um lado humorístico do Genesis, que foi incentivado por Collins.

 

"Harlequin" foi composta por Rutherford. Ele tocou duas partes distintas separadamente em uma única guitarra de 12 cordas que ele achou que produziu resultados "bastante duvidosos", e também foi crítico de suas letras. "The Fountain of Salmacis" conta o mito grego de Salmacis e Hermafrodito.

 

Capa

 

A capa do álbum foi desenhada e ilustrada por Paul Whitehead, que também desenhou a capa de Trespass e do próximo álbum da banda, Foxtrot.

 

A capa retrata personagens e cenas baseadas em "The Musical Box" e Coxhill, a mansão com um gramado de croquet, ela mesma baseada na casa vitoriana em que Gabriel cresceu.

 

Quando o grupo viu originalmente a pintura de Whitehead, eles disseram que não parecia velha o suficiente, então ele a envernizou com mel, o que a fez parecer uma antiguidade do século XIX. Quando originalmente lançada, a capa chocou algumas pessoas, por causa das cabeças decepadas nela retratadas.


O Genesis em 1971


 

A capa interna lembrava um álbum de fotos antigo, com um painel para cada música junto a uma imagem ilustrada. Whitehead, mais tarde, escolheu seu design para Nursery Cryme como seu favorito dos três feitos para o Genesis, observando: "Funciona muito bem com a música. Encaixa-se perfeitamente. É a cor certa, a vibração certa".

 

Vamos às faixas:

 

THE MUSICAL BOX

 

A peça principal da obra é, a fantástica e indescritível, “The Musical Box”, cujas melodias apresentam a soberba técnica dos músicos da banda e a aguçada sensibilidade musical dos mesmos.

 

A letra é com temática de terror:

 

I've been waiting here for so long

And all this time that passed me by

It doesn't seem to matter now

You stand there with your fixed expression

Casting doubt on all I have to say

Why don't you touch me, touch me?

Why don't you touch me, touch me?

Touch me now, now now, now, now

 

A música se originou quando Phillips ainda estava no grupo e costumava compor com Rutherford em violões de 12 cordas. Este último tinha começado a experimentar afinações de guitarra não ortodoxas e tinha as três primeiras cordas afinadas em Fá sustenido, que fornecia o som estridente ouvido na abertura e o acorde que sinalizava o início do solo de guitarra elétrica.

 

Uma versão anterior da canção, intitulada "Manipulation", foi apresentada com Phillips em 1970 para a trilha sonora de um documentário inédito da BBC sobre o pintor Michael Jackson.

 

FOR ABSENT FRIENDS

 

Pequena faixa suave e sutil que apresenta uma sonoridade folk.

 

Há uma mensagem nostálgica na letra:

 

Inside the archway

The priest greets them with a courteous nod

He's close to God

Looking back at days of four instead of two

Years seem so few (four instead of two)

Heads bent in prayer

For friends not there

 

THE RETURN OF THE GIANT HOGWEED

 

Espetacular canção que supera 8 minutos de duração e apresenta elementos como mudanças de andamento e de dinâmica, mas com considerável maior presença de peso.

 

A letra apresenta uma mistura de humor e fantasia:

 

Long ago in the Russian hills

A Victorian explorer

Found the regal Hogweed by a marsh

He captured it and brought it home

Botanical creature stirs, seeking revenge

Royal beast did not forget

He came home to London

And made a present of the Hogweed

To the Royal Gardens at Kew

 

SEVEN STONES

 

Outra faixa que mistura sensibilidade melódica com pujança instrumental, em uma interpretação impecável de Peter Gabriel.

 

A letra fala sobre o acaso:

 

Despair that tires the world

Brings the old man laughter

The laughter of the world only grieves him

Believe him

The old man's guide is chance

 

HAROLD THE BARREL

 

Apesar de ser mais curtinha, “Harold the Barrel” é uma faixa muito boa e extremamente divertida.

 

A letra possui uma boa dose de humor negro:

 

Man-in-the-street:

"Father of three its disgusting"

"Such a horrible thing to do"

Harold the Barrel cut off his toes

And he served them all for tea

"Can't go far", "He can't go far"

"Hasn't got a leg to stand on"

"He can't go far"

 

HARLEQUIN

 

Menor música do disco, mas que conta com outra brilhante atuação de Gabriel.

 

A letra é fantasiosa:

 

There was once a harvest in this land

Reap from the turquoise sky, harlequin, harlequin

Dancing round, three children fill the glade

Theirs was the laughter in the winding stream

And in between

Close your door, the picture fades again

From the flames in the firelight

 

THE FOUNTAIN OF SALMACIS

 

O álbum se encerra com outra canção longa, com cerca de 8 minutos, e igualmente brilhante, muito por conta da categoria da composição.

 

A letra é fantasiosa:

 

From a dense forest of tall dark pinewood

Mount Ida rises like an island

Within a hidden cave, nymphs had kept a child

Hermaphroditus, son of gods

So afraid of their love

 

Considerações Finais

 

Nursery Cryme foi lançado em novembro de 1971. A gravadora Charisma promoveu o álbum menos que o anterior Trespass, já que a companhia estava ocupada com Fog on the Tyne, do Lindisfarne.

 

O grupo se sentiu desencorajado pela indiferença geral da gravadora, e acreditava que canções como "The Musical Box" poderiam ter sido tão populares quanto "Stairway to Heaven", lançada ao mesmo tempo.

 

O álbum não entrou nas paradas do Reino Unido até maio de 1974, quando alcançou a posição 39, e novamente quando reeditado em 1984, alcançando a 68ª colocação.

 

Embora o grupo ainda tivesse um pequeno culto de seguidores em casa, eles começaram a obter sucesso comercial e de crítica na Europa continental, com o álbum alcançando a quarta posição nas paradas italianas.

 

A resposta crítica ao álbum foi mista. Richard Cromelin, da Rolling Stone, não gostou da produção do disco. Ele, no entanto, comentou positivamente em algumas das canções, e notou que via uma promessa na banda.

 

Em um anúncio, de página inteira, publicado no Melody Maker, o tecladista Keith Emerson escreveu um resumo positivo: "Este não é o começo nem o fim do Genesis. Sem besteira: seu novo álbum é realmente incrível". O crítico do Village Voice, Robert Christgau, mostrou-se menos entusiasmado em uma crítica compilada para seu Record Guide: Rock Albums of the Seventies (1981).

 

As avaliações retrospectivas foram ligeiramente positivas. A BBC Music elogiou os dois novos membros da banda como fundamentais para o sucesso artístico do Genesis. Stephen Thomas Erlewine, do AllMusic, considera o disco altamente irregular, ele considerou "The Musical Box" e "The Return of the Giant Hogweed" como "verdadeiras obras-primas" e concluiu que mesmo que o resto do álbum "não seja bem assim tão convincentes ou tão estruturadas, não importa muito porque essas são as músicas que mostraram o que o Genesis poderia fazer, e ainda são o pináculo do que a banda poderia alcançar".

 

Geddy Lee, do Rush, incluiu este álbum entre seus favoritos em uma lista de uma entrevista para o The Quietus.

 

De novembro de 1971 a agosto de 1972, o Genesis fez uma turnê para divulgar o álbum, que incluiu mais visitas à Bélgica e à Itália pela primeira vez, onde tocou para uma multidão entusiasmada.

 

Durante a turnê, o Genesis gravou "Happy the Man", um single com "Seven Stones" de Nursery Cryme em seu lado B. O grupo tocou um set de trinta minutos na televisão belga para promover o álbum, que é a primeira transmissão completa do conjunto que sobreviveu e foi repetida várias vezes.

 

Gabriel ainda não tinha desenvolvido seu traje de palco e apresentou o show em um papel de frontman mais direto. Este foi um dos bootlegs mais populares do Genesis.

 

Nursery Cryme supera 60 mil cópias vendidas apenas no Reino Unido.




 

Formação:

Tony Banks - Hammond, Mellotron, Piano, Piano elétrico, Guitarra de 12 cordas, Backing Vocal

Mike Rutherford - Baixo, Guitarra de 12 cordas, Backing Vocal

Peter Gabriel - Vocal, Flauta, Oboé, Bumbo, Pandeiro

Steve Hackett - Guitarra elétrica, Guitarra de 12 cordas

Phil Collins - Bateria, Vozes, Percussão, Vocal principal em "For Absent Friends", Co-vocal principal em "Harold the Barrel" e "Harlequin"

 

Faixas:

Todas as canções creditadas a Banks, Collins, Gabriel, Hackett, e Rutherford.

 

1. The Musical Box - 10:25

2. For Absent Friends - 1:48

3. The Return of the Giant Hogweed - 8:09

4. Seven Stones - 5:08

5. Harold the Barrel - 3:01

6. Harlequin - 2:56

7. The Fountain of Salmacis - 8:02

 

Letras:

Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/genesis/

 

Opinião do Blog:

O Genesis é, bem provavelmente, a banda de Rock Progressivo preferida deste fã de música que escreve por aqui.

 

Nursery Cryme começa a apresentar o real potencial desta soberba formação do conjunto, com Steve Hackett e Phil Collins agregando técnica absurda ao talento incrível dos outros componentes.

 

O disco contém faixas absurdas como “The Return Of The Giant Hogweed” e “The Fountain Of Salmacis”, além de, claro, a sensacional “The Musical Box”, minha preferida do disco. Nestas canções, não só a pujança instrumental é demonstrada, mas, também, a variação de dinâmicas, a alternância de andamentos e a complexidade dos arranjos.

 

Enfim, o Genesis começava a se tornar uma referência dentro do Rock Progressivo e influenciaria uma infinidade de bandas, não apenas de prog, mas de todo o rock em geral.

 

Concluindo, em Nursery Cryme, o Genesis origina seu voo rumo ao estrelato e ao desenvolvimento de uma identidade dentro do Rock Progressivo. Mesmo não sendo seu melhor trabalho, incrivelmente, o álbum é uma peça essencial para quem quer conhecer esta vertente fascinante do Rock.

4 comentários:

  1. Este foi um dos primeiros álbuns do Genesis que eu conheci há quase dez anos, quando eu comecei a ouvir melhor o trabalho deles, já que antes eu tinha um certo preconceito com a banda por causa daquela fase mais "pop" que tornou o Genesis mundialmente conhecido. Só que aqui em Nursery Cryme, era uma outra época. Era a época de ouro do rock progressivo, que começava a ganhar seu espaço na mídia graças ao sucesso de várias bandas do estilo (como o Pink Floyd, o Yes e o ELP), dentre os quais o Genesis foi incluído a partir deste discaço de 1971.

    Ignorando completamente os dois primeiros álbuns, pode-se dizer que o verdadeiro começo do Genesis "clássico" foi através de Nursery Cryme, terceiro álbum da banda (que em novembro completará 50 anos de lançamento) que apresenta ao mundo a sua melhor formação, a meu ver: Peter Gabriel (voz principal, flauta e percussão), Phil Collins (bateria, percussão e backing vocais), Steve Hackett (guitarras e violões) Tony Banks (teclados) e Mike Rutherford (baixo, guitarras e violões), que depois lançaria outras duas grandes obras-primas de estúdio não só do rock progressivo e do Genesis, mas da música em geral: Foxtrot (1972) e Selling England by the Pound (1973) - este último para mim o melhor disco da banda - que não seriam lançados se não fosse pelo impacto grandioso deste Nursery Cryme, que por sorte, não fica muito atrás de seus dois sucessores citados. E não vou mencionar The Lamb Lies Down on Broadway (1974) porque não sou lá muito fã deste álbum duplo-conceitual que marcou o fim desta formação clássica do Genesis, pela saída de Peter Gabriel.

    De Nursery Cryme destaco daqui as clássicas "The Return of the Giant Hogweed", "Seven Stones", "The Fountain of Salmacis" e, claro, a brilhante abertura com "The Musical Box", também a minha favorita do LP. Enfim, para quem quer conhecer o Genesis de uma maneira mais profunda e se libertar de todo o preconceito do passado em se tratando desta banda, este álbum Nursery Cryme é, sem dúvida, uma ótima porta de entrada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, obrigado pelo ótimo comentário!
      Saudações!

      Excluir
    2. Por nada, chefe... Demorei um pouquinho, mas estou de volta!

      Excluir
    3. Seja bem-vindo de volta, prezado Igor!

      Excluir