13 de julho de 2021

CREAM - DISRAELI GEARS (1967)

 


Disraeli Gears é o segundo álbum de estúdio da banda britânica chamada Cream. Seu lançamento oficial aconteceu em 2 de novembro de 1967 pelo selo Reaction. As gravações ocorreram em maio daquele mesmo ano, no estúdio Atlantic, em Nova York, nos Estados Unidos. A produção ficou a cargo de Felix Pappalardi.

 




Início de 1967

 

O site já visitou o Cream e suas origens aqui.

 

A banda visitou os Estados Unidos pela primeira vez em março de 1967, para tocar em nove datas no RKO 58th Street Theatre em Nova York. Houve pouco impacto, pois o empresário, Murray the K, colocou o grupo no final de uma apresentação de seis conjuntos que se apresentavam três vezes por data, eventualmente reduzindo a banda a uma música por show.

 

O grupo retornaria a Nova York entre 11 e 15 de maio de 1967, para a gravação de seu segundo disco de estúdio, Disraeli Gears.


Eric Clapton


 

Produção

 

Como foi afirmado, o álbum foi gravado no Atlantic Studios, em Nova York, entre 11 e 15 de maio de 1967, após os nove shows da banda como parte da série de concertos "Music in the 5th Dimension" de Murray the K.

 

O selo americano do Cream, ATCO, era uma subsidiária integral da Atlantic Records.

 

As sessões foram produzidas pelo futuro baixista do Mountain, Felix Pappalardi - que coescreveu as faixas "Strange Brew" e "World of Pain" com a esposa Gail Collins - e foram projetadas por Tom Dowd - que mais tarde trabalharia com Eric Clapton em projetos como Layla and Other Assorted Love Songs e 461 Ocean Boulevard.

 

O proprietário da Atlantic Records, Ahmet Ertegun, também esteve presente durante as sessões. De acordo com Dowd, as sessões de gravação duraram apenas três dias e meio. Os vistos da banda expiraram no último dia de gravação. O baterista Ginger Baker lembrou como o título do álbum foi baseado em um malapropismo que aludiu ao primeiro-ministro britânico do século 19, Benjamin Disraeli.

 

Além de Baker, o conjunto era formado pelo guitarrista Eric Clapton e o baixista/vocalista Jack Bruce.

 

Arte Gráfica

 

A arte da capa foi criada pelo artista australiano Martin Sharp, que morava no mesmo prédio que Clapton, The Pheasantry, em Chelsea. Sharp iria criar a arte do próximo álbum do Cream, Wheels of Fire, e coescreveu as canções "Tales of Brave Ulysses" e o tema do filme The Savage Seven, "Anyone for Tennis", com Clapton.

 

A fotografia foi de Bob Whitaker, conhecido por seu trabalho com os Beatles, incluindo a polêmica capa do "açougueiro" de Yesterday and Today.

 

A maioria das fotos foi tirada em julho de 1967, com filmagens no Hyde Park de Londres, bem como nas Highlands escocesas. Algumas das imagens foram filmadas em Ben Nevis, a montanha mais alta das ilhas britânicas.

 

As fotos mostram um Clapton barbeado com um penteado bufante com permanente. Na época do lançamento do álbum em novembro, no entanto, ele estava deixando seu cabelo crescer reto e tinha um bigode.

 

A capa frontal consiste em uma colagem psicodélica com o título centralizado e o nome da banda abaixo, cercado por um arranjo floral. Martin Sharp estava tentando capturar o som da música na capa, que ele descreve como um "som fluorescente quente".

 

A arte da capa foi posteriormente usada para a compilação Those Were the Days.


Ginger Baker


 

Música

 

Disraeli Gears apresenta o grupo se distanciando, fortemente, de suas raízes do blues e entregando-se a sons mais psicodélicos, em particular em faixas como "Tales of Brave Ulysses", "SWLABR", "World of Pain" e "Dance the Night Away", a última, com um violão de 12 cordas (a única vez em que o instrumento seria usado em uma gravação do Cream).

 

As melodias mais blues do disco são o arranjo de Clapton em "Outside Woman Blues", a composição de Bruce-Brown "Take it Back", que foi inspirada nas imagens contemporâneas da mídia de estudantes americanos queimando suas cartas de rascunho que apresentavam gaita de Jack Bruce, e a faixa de abertura "Strange Brew", que foi baseada em uma canção de blues de 12 compassos chamada "Lawdy Mama" e apresenta um solo de guitarra de Albert King, copiado nota por nota.

 

Ao contrário do anterior Fresh Cream, que era dominado vocalmente por Bruce, os vocais em Disraeli Gears eram mais democráticos. Clapton canta em "Strange Brew" e "Outside Woman Blues", e divide os vocais em "World of Pain", "Dance the Night Away" e "Sunshine of Your Love". Baker, por sua vez, executa os vocais principais em sua composição "Blue Condition". Todos os três membros da banda cantam juntos em "Mother's Lament".

 

Em contraste com muitos dos outros trabalhos da banda, Disraeli Gears compreende principalmente canções curtas e independentes, sem nenhum improviso e jamming pelos quais a banda era conhecida no palco.


Jack Bruce


 

Vamos às faixas:

 

STRANGE BREW

 

“Strange Brew” bebe na rica fonte do Blues Rock e a guitarra de Clapton é o grande destaque deste clássico.

 

A letra é bem divertida:

 

On a boat in the middle of a raging sea,

She would make a scene for it all to be

Ignored.

And wouldn't you be bored?

 

“Strange Brew” foi lançada como single e atingiu a 17ª posição da principal parada britânica desta natureza.




 

Em abril de 1967, durante sua primeira viagem a Nova York, o Cream gravou uma música chamada "Lawdy Mama", com Ahmet Ertegun, no Atlantic Studios, no início das sessões do que viria a ser o álbum Disraeli Gears. A banda tocou duas versões da música, a primeira um shuffle típico de blues, e a segunda convertida para o tempo direto em um estilo mais rock 'n' roll (ambas as versões podem ser ouvidas em These Were the Days).

 

O produtor Felix Pappalardi pegou a fita da segunda versão de "Lawdy Mama" e, com a ajuda de sua esposa Gail Collins, transformou a música em "Strange Brew".

 

Um jornalista notou que Clapton, nesta fase, estava empregando estilos de guitarra de Albert King; e que tanto "Strange Brew" quanto outra faixa do Cream, "Born Under a Bad Sign", "eram praticamente paródias de Albert King".

 

Clapton executa os vocais principais na música em um estilo de falsete. Foi o primeiro single do Cream em que ele cantou solo. Ao contrário do single anterior do grupo, "I Feel Free", nenhum vídeo promocional foi feito para a música, mas a banda a dublou na televisão, no programa alemão Beat Club, em 19 de maio de 1967.

 

SUNSHINE OF YOUR LOVE

 

O riff sensacional de “Sunshine of Your Love” é dos mais icônicos da história do Rock, em uma de suas canções mais espetaculares.

 

A letra possui uma conotação romântica:

 

I'm with you, my love

The light's shining through on you

Yes, I'm with you, my love

It's the morning and just we two

 

A música foi lançada como single, atingindo a 25ª posição na principal parada britânica desta natureza, conquistando a 5ª colocação em sua correspondente norte-americana.




 

No início de 1967, o Cream estava escrevendo e ensaiando canções para um segundo álbum. Seu disco de estréia, de dezembro de 1966, Fresh Cream, foi uma mistura de blues atualizados e canções de rock com orientação pop.

 

Inspirado por desenvolvimentos recentes na música rock, o grupo começou a buscar uma direção mais abertamente psicodélica. "Sunshine of Your Love" começou como uma frase de baixo (ou riff) desenvolvido pelo baixista do Cream, Jack Bruce. O Cream compareceu a um concerto, em 29 de janeiro de 1967, da Jimi Hendrix Experience no Saville Theatre em Londres que teria inspirado o grupo.

 

Os compositores musicais Covach e Boone descrevem o riff como derivado do blues, que usa uma escala pentatônica de blues menor com uma quinta nota achatada adicionada (ou escala de blues comum). A música segue uma progressão de acordes de blues durante os primeiros oito compassos.

 

Brown teve dificuldade em escrever letras que se encaixassem no riff. Depois de uma sessão que durou a noite toda, Bruce tocou em um contrabaixo enquanto o letrista Pete Brown olhava pela janela. Lentamente, ele começou a escrever "Está quase amanhecendo e as luzes fecham seus olhos cansados", que é usado no primeiro verso. Mais tarde, para quebrar o ritmo, Clapton escreveu um refrão que também rendeu o título da música.

 

Uma gravação botleg, no clube Ricky-Tick em Londres, antes que o Cream gravasse a música no estúdio, mostra "Sunshine of Your Love" com uma batida comum ao rock da época. O baterista Ginger Baker comparou-o ao uptempo "Hey Now, Princess", outra composição de Bruce/Brown que o Cream gravou em março.

 

Bruce e Brown tinham uma série de novas canções em vários estágios de desenvolvimento e entraram no estúdio em 3 de abril. Inicialmente, Ertegun designou Dowd para trabalhar com o trio e o Cream foi sua primeira exposição a níveis extremos de volume.

 

Ertegun trouxe o produtor Felix Pappalardi, que ele acreditava que poderia trabalhar como um intermediário entre o grupo e Dowd. Eles começaram com "Strange Brew", "Tales of Brave Ulysses" e "Sunshine of Your Love".

 

Ertegun ouviu as demos e não gostou, esperando mais material baseado em blues como o de Fresh Cream. Booker T. Jones (produtor e tecladista de Booker T. & the MG's) e Otis Redding (ambos cujas gravações da Stax na época foram distribuídas pela Atlantic, pai da Atco) deram a "Sunshine of Your Love" sua total aprovação. As diferenças foram suavizadas quando o Cream voltou em maio de 1967 para terminar de gravar as músicas para Disraeli Gears.

 

A guitarra que Clapton usou foi identificada como uma Gibson SG de 1964, conhecida como "the Fool". É um dos exemplos mais conhecidos do chamado ‘tom feminino’ e cita a melodia do padrão pop "Blue Moon". Ao usar a escala pentatônica maior da música, Clapton oferece um contraste com a escala de blues do riff.

 

Em 2004, a canção ficou em 65º lugar na lista das "500 melhores canções de todos os tempos" da revista Rolling Stone. Em março de 2005, a revista Q colocou "Sunshine of Your Love" no número 19 em sua lista das "100 melhores faixas de guitarra de todos os tempos!"

 

Em 2009, a VH1 incluiu-o no número 44 de sua lista do "Top 100 Hard Rock Songs". A canção está na lista do Rock and Roll Hall of Fame das "500 canções que deram forma ao rock and roll".

 

WORLD OF PAIN

 

“World of Pain” é uma faixa mais suave, contando com uma melodia delicada e, mesmo assim, encantadora.

 

A letra é em tom de sofrimento:

 

Is there a reason for today?

Is there a reason for today?

Do you remember?

I can hear all the cries of the city

No time for pity for a growing tree

 

DANCE THE NIGHT AWAY

 

“Dance the Night Away” tem um ritmo forte, abraçando a psicodelia, em um ótimo trabalho de Baker.

 

A letra é bem psicodélica:

 

Will find myself an ocean

Sail into the blue

Live with golden swordfish

Forget the time of you

Dance the night away

 

BLUE CONDITION

 

“Blue Condition” tem uma profusa base bluesy, com andamento mais lento, mas, mesmo assim, empolgante.

 

A letra possui um tom de resiliência:

 

Early rising every day

You must be enterprising in your way

For you will hear no laughter, nor see the Sun

Life would be one disaster all the way through

 

TALES OF BRAVE ULYSSES

 

Um rock bem vigoroso, com as guitarras de Clapton bem proeminentes, é a face da ótima “Tales of Brave Ulysses”.

 

A letra se refere à tragédia mitológica grega, Ulisses:

 

And the colors of the sea blind your eyes with trembling mermaids

And you touch the distant beaches with tales of brave Ulysses

How his naked ears were tortured by the sirens sweetly singing

For the sparkling waves are calling you to kiss their white laced lips

 

A música foi a primeira colaboração entre o guitarrista Eric Clapton e o artista Martin Sharp. Clapton compôs a música, inspirada no hit de 1966 do Lovin' Spoonful, "Summer in the City".

 

“Comecei a conversar com Eric”, disse Sharp, que morava no mesmo prédio. “Eu disse a ele que tinha escrito um poema. Ele, por sua vez, me disse que tinha composto algumas músicas. Então eu dei a ele meu poema. Duas semanas depois, ele apareceu com ele no lado B de um disco 45 polegadas”.

 

A canção foi o lado B do single "Strange Brew" em junho de 1967, vários meses antes do lançamento do segundo disco do grupo, Disraeli Gears, que incluía ambas as canções.

 

Matthew Greenwald do AllMusic a chama de "Uma das poucas canções abertamente psicodélicas que envelheceram graciosamente ... Liricamente, é uma versão relativamente factual e colorida da grande tragédia grega Ulisses".


Clapton, Bruce e Baker


 

SWLABR

 

A guitarra de Clapton está realmente infernal na incrível “SWLABR”.

 

A letra é bem legal:

 

Running to me a-cryin' when he throws you out

Running to me a-cryin', on your own again

You've got that pure feel, such good responses

But the picture has a mustache

 

A música foi o lado B do single "Sunshine of Your Love" do Cream.

 

O poeta Pete Brown escreveu as palavras e o baixista do Cream, Jack Bruce, compôs a música. Bruce canta e toca baixo, com Eric Clapton nas guitarras e Ginger Baker na bateria. O título é a soma das iniciais de "She Walks Like a Bearded Rainbow". Bruce disse mais tarde que o W significa "Was" (era) em vez de "Walks” (Caminha).

 

WE’RE GOING WRONG

 

“We’re Going Wrong” é mais lenta e contida, com um clima mais sorumbático.

 

A letra é curta e divertida:

 

Please open your mind

See what you can find

I found out today we're going wrong,

We're going wrong

 

Com a letra da música tendo apenas duas estrofes, os vocais de Jack Bruce são estendidos por toda a duração da música e são apoiados pelo trabalho de guitarra de estilo psicodélico de Eric Clapton e a batida de bateria de Ginger Baker.

 

A fórmula de compasso 6/8 também dá à música um som distinto e irregular. Os vocais de Bruce são em falsete e são acompanhados por uma linha de baixo lenta e uma melodia de guitarra blues/psicodélica; no entanto, a bateria de Baker é frequentemente frenética e rápida, tornando-se completamente em “desacordo” com o resto dos instrumentos.

 

OUTSIDE WOMAN BLUES

 

Sensacional a versão agressiva do Cream para o clássico “Outside Woman Blues”.

 

A letra possui um sentido engraçado:

 

I'm gonna buy me a bulldog, watch my lady whilst I sleep

I'm gonna buy me a bulldog, watch my lady whilst I sleep

'Cause women these days, they're so doggone crooked

That they might make off 'fore day creep

 

"Outside Woman Blues" é uma canção de blues gravada originalmente pelo Blind Joe Reynolds, em 1929. É uma das poucas gravações conhecidas feitas por Reynolds, que usou "Woman Blues" em vários títulos de músicas.

 

TAKE IT BACK

 

A gaita de Bruce e a guitarra de Clapton dominam este Blues Rock viciante chamado “Take It Back”.

 

A letra fala sobre uma mulher:

 

Don't let them take me to where streams are red

I want to stay here and sleep in my own bed

Need all your loving, long blonde hair,

Don't let them take me 'cause I'm easily scared

Take it back, take it back, take that thing right out of here

 

MOTHER’S LAMENT

 

“Mother’s Lament” encerra o disco de modo divertido.

 

A letra brinca com a vida de uma mãe:

 

A mother was washing her baby one night;

The youngest of ten and a delicate mite

The mother was poor and the baby was thin;

'Twas naught but a skeleton covered with skin

 

Considerações Finais

 

Disraeli Gears foi um sucesso praticamente imediato. O álbum ficou com a 5ª posição na parada britânica e com a 4ª colocação na sua correspondente norte-americana. O disco também conquistou o 1º lugar nas paradas de Austrália, Finlândia e Suécia.

 

A crítica tem o álbum em alta conta.

 

Escrevendo para a BBC, Chris Jones descreveu o álbum como "um encapsulamento perfeito do ponto em que o blues se tornou psicodélico e, por sua vez, ficou pesado".

 

Thomas Erlewine, do AllMusic, descreve o álbum como "um álbum de rock pesado quintessencial dos anos 60". Dave Swanson, da Ultimate Classic Rock, acredita que o álbum seja "sua obra-prima". Em 1999, o álbum foi incluído no Grammy Hall of Fame.

 

O disco foi eleito o 182º lugar na terceira edição do All Time Top 1000 Albums de Colin Larkin (2000). Em 2003, o álbum foi classificado como a 114ª posição na lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone, mantendo a classificação em uma lista revisada de 2012.

 

O canal VH1 nomeou-o 87º maior álbum de todos os tempos em 2001. Em 2008, o álbum ganhou o prêmio Classic Rock Roll of Honors for Classic Album.

 

Embora o álbum seja considerado um dos melhores esforços do Cream, ele nunca foi bem representado nos sets ao vivo da banda. Embora o grupo tenha tocado consistentemente "Tales of Brave Ulysses" e "Sunshine of Your Love", várias canções de Disraeli Gears foram rapidamente retiradas das apresentações em meados de 1967, preferindo jams mais longas em vez de canções pop curtas. "We are Going Wrong" foi a única música adicional do álbum que o grupo tocou ao vivo.

 

Na verdade, em seus shows de reunião de 2005 em Londres, a banda tocou apenas três músicas de Disraeli Gears: "Outside Woman Blues", "We’re Going Wrong" e "Sunshine of Your Love"; em suas três apresentações em outubro de 2005 em Nova York, "Tales of Brave Ulysses" também foi incluída no setlist.

 

Em agosto de 1967, a banda fez suas primeiras apresentações nos Estados Unidos, primeiro no The Fillmore em San Francisco e depois no The Pinnacle em Los Angeles. Os shows foram um grande sucesso e tiveram grande influência tanto na própria banda quanto na florescente cena hippie que os rodeava.

 

Ao descobrir um público ouvinte crescente, a banda começou a se esticar no palco, incorporando mais tempo em seu repertório, algumas canções chegando a jams de vinte minutos. Jams longas e prolongadas em números como "Spoonful", "NSU", "I'm So Glad" e "Sweet Wine" tornaram-se favoritas ao vivo, enquanto músicas como "Sunshine of Your Love", "Crossroads" e " Tales of Brave Ulysses" permaneciam razoavelmente curtas.

 

Em 1968 veio o terceiro lançamento da banda, Wheels of Fire.

 

Disraeli Gears supera a casa de 1 milhão de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.




 

Formação:

Ginger Baker - Bateria, Percussão, Vocal

Jack Bruce - Baixo, Piano, Vocal, Gaita

Eric Clapton - Guitarras, Vocal

 

Faixas:

01. Strange Brew (Clapton/Pappalardi/Collins) - 2:46

02. Sunshine of Your Love (Bruce/Clapton/Brown) - 4:10

03. World of Pain (Pappalardi/Collins) - 3:03

04. Dance the Night Away (Bruce/Brown) - 3:34

05. Blue Condition (Baker) - 3:29

06. Tales of Brave Ulysses (Clapton/Sharp) - 2:46

07. SWLABR (Bruce/Brown) - 2:32

08. We're Going Wrong (Bruce) - 3:26

09. Outside Woman Blues (Reynolds, arr. Clapton) - 2:24

10. Take It Back (Bruce/Brown) - 3:05

11. Mother's Lament (Tradicional, arr. Bruce/Clapton/Baker) - 1:47

 

Letras:

Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/cream/

 

Opinião do Blog:

Ginger Baker, Jack Bruce e Eric Clapton formaram uma das mais incríveis e talentosas bandas da história do Rock: o Cream.

 

Disraeli Gears é o atestado final do talento grandioso desta formação. Abraçando o Blues e a Psicodelia, unindo-os através do Rock, o Cream traz neste disco uma coleção praticamente perfeita de canções, oferecendo um retrato fiel da cena roqueira do final dos anos 1960.

 

Em outro disco sem faixas de enchimento, fica difícil escolher sua música preferida. Mas estão entre “Strange Brew”, “Tales of Brave Ulysses” e, claro, “Sunshine of Your Love”.

 

Enfim, não há muito que ficar dizendo sem soar repetitivo. Disraeli Gears é um dos melhores álbuns que você ouvirá na vida, a prova final dos talentos do Cream e de Eric Clapton. Obrigatório!


0 Comentários:

Postar um comentário