8 de junho de 2019

THE YARDBIRDS - YARDBIRDS (1966)



Yardbirds é um álbum de estúdio da banda britânica The Yardbirds. Seu primeiro lançamento oficial aconteceu em 15 de julho de 1966, através do selo Columbia Records. As gravações ocorreram entre os meses de abril a junho daquele mesmo ano, no estúdio Advision, em Londres, na Inglaterra. A produção ficou por conta de Simon Napier-Bell e Paul Samwell-Smith.

O RAC enfim traz a suas páginas uma das mais importantes e fundamentais bandas da história do Rock: The Yardbirds. Como o leitor amigo se acostumou, um breve histórico vai se antecipar ao tradicional faixa a faixa.


Origens

O vocalista Keith Relf e o baixista Paul Samwell-Smith estavam em uma banda originalmente chamada Metropolitan Blues Quartet. Eles decidiram formar um grupo, no sudoeste de Londres, em 1963.

Após a adição do guitarrista/baixista Chris Dreja, do baterista Jim McCarty e do também guitarrista Top Topham, o conjunto se apresentou na Kingston Art School, no final de maio de 1963, como uma banda de apoio para Cyril Davies. (Nota do Blog: Cyril Davies foi um músico inglês de blues e um dos primeiros gaitistas de blues na Inglaterra).

Depois de alguns shows, em setembro de 1963, como Blue-Sounds, o grupo mudou seu nome para The Yardbirds, uma expressão para os mendigos residentes em pátios ferroviários, ou prisioneiros em volta de um pátio, ou ainda uma referência ao saxofonista seminal de jazz, Charlie ‘Yardbird’ Parker. (Nota do Blog: Charles Parker Jr., também conhecido como Yardbird e Bird, foi um saxofonista e compositor americano de jazz).

O quinteto se interessou pela então florescente cena britânica de rhythm and blues quando assumiu uma posição no Crawdaddy Club, em Richmond, sucedendo os Rolling Stones. (Nota do Blog: O Crawdaddy Club era um local musical em Richmond, Surrey, Inglaterra, que começou em 1963. Os Rolling Stones eram a banda da casa em 1963; sendo seguidos pelos Yardbirds. Vários outros grupos de blues seminais britânicos também tocaram lá).

Seu repertório se baseou no chamado ‘Chicago Blues’, incluindo versões de nomes como Howlin’ Wolf, Muddy Waters, Bo Diddley, Sonny Boy Williamson II e Elmore James, e canções icônicas do naipe de “Smokestack Lightning”, “Boom Boom”, “I Wish You Would”, “Rollin' e Tumblin'” e “Got Love if You Want It”.

Keith Relf

Eric Clapton

O guitarrista original, Top Topham, saiu do grupo e foi substituído por Eric Clapton, em outubro de 1963.

O empresário do Crawdaddy Club, Giorgio Gomelsky, tornou-se o manager do The Yardbirds e o seu primeiro produtor musical. Sob a orientação de Gomelsky, o Yardbirds fez uma turnê, pela Inglaterra, como a banda de apoio para a lenda do blues, Sonny Boy Williamson II, entre dezembro de 1963 e o início de 1964, gravando faixas ao vivo em 8 de dezembro e outras datas.

As gravações seriam lançadas dois anos depois, durante o auge da popularidade do Yardbirds, no álbum Sonny Boy Williamson and The Yardbirds.

Depois das turnês com Williamson, o Yardbirds assinou com o selo Columbia, da EMI, em fevereiro de 1964, e gravou mais músicas ao vivo, no dia 20 de março, no lendário Marquee Club, em Londres.

O álbum resultante, contendo covers de rhythm and blues, Five Live Yardbirds, não seria lançado pela Columbia por mais de nove meses e não entrou na principal parada de álbuns do Reino Unido.

Com o tempo, Five Live ganhou estatura como uma das poucas gravações ao vivo, de qualidade, da época e como um documento histórico do ‘rock and roll britânico’ na década de 1960, além do registro do tempo de Clapton com a banda.

A formação com Clapton gravou dois singles, os blues “I Wish You Would” e “Good Morning, School Girl”, até que a banda fizesse seu primeiro grande sucesso, com o pop “For Your Love”, de Graham Gouldman, abertamente influenciado pelos Beatles e tocada em um cravo por Brian Auger.

“For Your Love” alcançou o topo das paradas no Reino Unido e no Canadá e conquistou a sexta posição nos Estados Unidos, mas desagradou a Clapton, um purista em relação ao blues e com a visão que se estendia muito além dos singles de três minutos.

Frustrado com a abordagem comercial, Clapton deixou a banda abruptamente, em 25 de março de 1965, o dia em que o single foi lançado. Logo ele se juntaria ao John Mayall & the Bluesbreakers, mas não antes de recomendar Jimmy Page, um proeminente jovem guitarrista de estúdio, para substituí-lo.

Contente com suas lucrativas sessões de trabalho no estúdio, preocupado com sua saúde e com a política saída de Clapton, Page, por sua vez, recomendou seu amigo Jeff Beck.

Beck fez seu primeiro show com o Yardbirds apenas dois dias depois da partida de Clapton.

Paul Samwell-Smith

Jeff Beck

As técnicas experimentais de Beck ajustaram-se bem ao estilo cada vez mais cru da música beat britânica. O Yardbirds começou a experimentar arranjos ecléticos que lembravam cânticos gregorianos e vários estilos europeus e asiáticos, enquanto Beck introduziu uma influência generalizada do Oriente Médio nesta mistura. (Nota do Blog: A música beat, também conhecida como merseybeat (para bandas de Liverpool), ou brumbeat (para bandas de Birmingham), é um gênero de música pop desenvolvido no Reino Unido no começo da década de 1960. Trata-se de uma fusão de rock and roll, doo-wop, skiffle e R&B/soul).

Beck foi eleito o guitarrista principal de 1966 na revista de música britânica Beat Instrumental.

O Yardbirds da era Beck produziu várias gravações inovadoras. Estas incluem os singles de sucesso “Heart Full of Soul”, “Evil Hearted You”/”Still I'm Sad”, um cover de “I'm a Man”, de Bo Diddley (apenas nos EUA), “Shapes of Things” e “Over Under Sideways Down”.

O riff de guitarra de Beck em “Heart Full of Soul” introduziu o estilo raga indiano às paradas pop, no verão britânico de 1965. “Evil Hearted You”, carregada de reverberações, promoveu a influência oriental, enquanto seu lado B, “Still I'm Sad”, apresentava a banda cantando como monges gregorianos.

O cover de Diddley, “I'm a Man”, era um blues rock, apresentando a ‘rave-up’ do Yardbirds, na qual o ritmo mudava para o dobro do tempo e a gaita de Relf aliada à violenta guitarra de Beck ‘corriam’ até o clímax, antes de voltarem à batida original.

A banda embarcou para sua primeira turnê nos Estados Unidos, no final de agosto de 1965. Dois álbuns foram lançados para o mercado norte-americano: For Your Love e Having a Rave Up, com metade de cada saindo do álbum Five Live Yardbirds, combinado com novas faixas. como “Mister, You're a Better Man Than I” e “Train Kept A-Rollin’”, ambas gravadas com o lendário produtor Sam Phillips, no Sun Studios, em Memphis, no Tennessee, durante a primeira turnê americana.

Houve mais três turnês pelos EUA, durante o período de Beck com a banda, e uma breve turnê europeia, em abril de 1966.

O single “Shapes of Things”, lançado em fevereiro de 1966, “pode ser justificadamente classificado como o primeiro clássico do rock psicodélico”, de acordo com o crítico Ritchie Unterberger, do site AllMusic, e anunciava a chegada da psicodelia britânica, três meses antes do sucesso dos Beatles, “Rain”, lado B do single “Paperback Writer”.

Alcançando o número 3 nas paradas britânicas e 11 nos EUA, ‘Shapes’ também foi o primeiro hit composto pelo próprio Yardbirds, pois os três anteriores A-sides britânicos foram escritas por Gouldman.

As letras de protesto antiguerra de Relf e o solo de guitarra, com influências do Oriente Médio, de Beck, refletiram o crescente envolvimento da banda com a psicodelia, bem como o lado B “Mister, You're a Better Man Than I” e o sucessor, “Over Under Sideways Down”, esta última, lançada em maio e traz mais letras quixotescas de Relf e outra linha de guitarra inspirada no raga de Beck.

Jeff Beck

Roger the Engineer

As sessões para “Over Under Sideways Down” foram realizadas em abril de 1966 e produziriam o álbum Yardbirds.

O disco foi comumente referido como Roger the Engineer, que foram as palavras rabiscadas em uma caricatura, desenhada por Chris Dreja, do engenheiro Roger Cameron, e que seria a capa do álbum no lançamento no Reino Unido.

Nos EUA, uma versão abreviada do álbum, e sem a capa com a caricatura, foi lançada como Over Under Sideways Down.

A sessão de gravação marcou a separação do Yardbirds com seu empresário, Giorgio Gomelsky, quando o escritor Simon Napier-Bell assumiu a gerência e compartilhou o crédito de produção com o baixista Paul Samwell-Smith.

Este é o único álbum do Yardbirds com o guitarrista Jeff Beck e que contém todo o material original. Foi produzido pelo baixista Paul Samwell-Smith e pelo empresário Simon Napier-Bell.

O single “Over Under Sideways Down”, junto com o lado B “Jeff's Boogie”, foram gravados no Advision Studios, em Londres, em 19 e 20 de abril de 1966.

O resto do álbum foi gravado de 31 de maio a 4 de junho de 1966, também no Advision. O trabalho foi lançado pela Columbia Graphophone Company no Reino Unido, em 15 de julho de 1966, e pela Epic Records, nos EUA, em 18 de julho de 1966.

A banda, liderada por Relf e McCarty, evitou covers, escrevendo o álbum inteiro.

O grupo reservou ‘uma semana inteira’ para gravar o álbum, de acordo com Dreja, resultando em uma mistura ‘abarrotada’, embora eclética, de blues, hard rock, canto (“Turn into Earth”, “Ever Since the World Began”) e ritmos tribais africanos (“Hot House of Omagararshid”). As linhas de guitarra de Beck eram uma constante unificadora por toda parte.

Vamos às faixas:

LOST WOMAN

O groove e o balanço impostos pelo baixo de Samwell-Smith são impressionantes e conduzem a canção por caminhos muito interessantes. Vocais precisos de Relf e a guitarra de Beck complementam um verdadeiro petardo.

A letra fala sobre uma garota:

But if you come back
I won't be the same
What you did to me
You can hardly call humane
But I lost you
But I still love you
The only woman
Woman who was my kind



OVER UNDER SIDEWAYS DOWN

O clima festivo e alegre de "Over Under Sideways Down" é contagiante. A guitarra de Beck é certamente um diferencial, assim como seu talento no baixo. Peso e intensidade incríveis para uma faixa de 1966!

A letra fala sobre a juventude:

Cars and girls are easy come by in this day and age
Laughing, joking, drinking, smoking
Till I've spent my wage
When I was young people spoke of immorality
All the things they said were wrong
Are what I want to be


“Over Under Sideways Down” é um clássico do The Yardbirds.

A canção foi lançada como single, atingindo o 10º lugar da principal parada britânica, atingindo a 13ª colocação em sua correspondente norte-americana. O formato foi lançado em maio, dois meses antes do álbum Yardbirds.

A música foi inspirada em “Rock Around the Clock”, de Bill Haley and His Comets, e Jeff Beck toca a guitarra e o baixo.

“Over Under Sideways Down” ficou em 23º lugar na lista 100 Greatest Guitar Songs of All Time, da revista norte-americana Rolling Stone.

A música foi regravada (como “Overundersidewaysdown”) pelo neozelandês Alec Bathgate em seu álbum de 2004, The Indifferent Velvet Void.



THE NAZZ ARE BLUE

"The Nazz Are Blue" é uma música espetacular. Surfando no Blues Rock, a guitarra de Beck está completamente infernal! Até mesmo seus vocais se casam perfeitamente com a sonoridade. Enfim, um grande momento do álbum.

A letra é simples e em tom de brincadeira:

Well I've got myself a car,
And the thing is painted blue
Well I've got myself a car,
And that thing is painted blue
But no matter what's done to me baby,
I guess I'll always be blue



I CAN’T MAKE YOUR WAY

Uma abordagem mais simples e refrescante é a tônica desta canção. A sonoridade que aproxima o Rock e o Pop, da época, é uma construção com personalidade e talento. Destaque para os ótimos trabalhos vocais.

A letra é sobre escolhas:

I can't make your way
Silly men, they all get worried,
Live their life so worthlessly,
Troubled, bothered, flustered, hurried,
They should take a look at me
Taxman, rentman, they all chase me,
I ain't home when they come round
Got no money, live my life free,
That's the best way, I have found



RACK MY MIND

Novamente o baixo de Samwell-Smith conduz a faixa, em uma musicalidade Bluesy mais contida, mas igualmente envolvente. Quando a guitarra de Beck 'desperta', a música ganha em intensidade de modo incrível.

A letra fala sobre uma mulher inesquecível:

Tell me woman
Got a hold on my mind
My, my, my, my, my, mind
You sure are the strangest kind
Got no words for you baby
Ain't no words I can find



FAREWELL

"Farewell" é a menor faixa do disco e conta com Chris Dreja ao piano. Um coro de vozes acompanha a de Relf, em um efeito tocante.

A letra é em tom bucólico:

Friday's sadness began to creep,
Upon me like the deepest sleep
It seemed that only I could see,
Just what my world would finally be



HOT HOUSE OF OMAGARASHID

Com uma sonoridade repleta de balanço e swing, "Hot House of Omagarashid" apresenta uma certa experimentalidade e flerta com sonoridades orientais. Bem interessante.

As letras faladas no início de “Hot House of Omagarashid” são pouco entendíveis.



JEFF’S BOOGIE

Nesta música instrumental, a guitarra de Jeff Beck é a grande estrela. Solos envolventes e uma musicalidade de arrepiar!



HE’S ALWAYS THERE

Rock em estado bruto. Com uma abordagem sonora que arrebata o ouvinte, graças a um trabalho brutal da seção rítmica, há poucas músicas como "He's Always There". 

A letra é sobre se encontrar:

I'd like to get to know you, sure,
And take this thing just one step more,
And find out just what it's all for,
But he's always there



TURN INTO EARTH

Keith Relf e Jim McCarthy são os maiores destaques desta canção. Mais contida e sorumbática, "Turn into Earth"é um momento mais calmo do trabalho.

A letra possui um sentido sombrio:

Distant dreams of things to be
Wandering thoughts that can't be free
I feel my mind
Turning away
To the darkness of my day



WHAT DO YOU WANT

"What DoYou Want" possui a típica sonoridade do Rock sessentista, mas com a criatividade e o talento do The Yardbirds. Ótima participação de McCarty na bateria e os vocais de Relf estão impressionantes.

A letra é sobre mudança:

Sit spellbound by a flickering screen
Watch the ever changing scenes
Listen to the rising screams
Of children of today
Lock your doors and stay within
Upon your face the stupid grins
Penalty for unrealised sins
Committed on your way



EVER SINCE THE WORLD BEGAN

A décima-segunda - e última - faixa de Yardbirds é "Ever Since the World Began". O álbum se encerra com uma canção que se inicia tensa e soturna, mas que, ao seu final, desenvolve-se como o típico Rock sessentista.

A letra fala do bem contra o mal:

Ever since the world began
Satan's followed every man
Trapping evil if he can
I tell you now his greatest plan
Invented when I cannot tell
Defied the thoughts of man so well
Man wants money for his need
But soon it sows its evil seed
Unhappiness it only brings
As man wants more and better things
If not enough the evil lies
But soon you'll find somebody dies
Throughout the years there have been wars
Power and richness have been the cause
Trapped in money's evil net
Man wants more than he can get



Considerações Finais

Yardbirds é um registro indubitável da qualidade do grupo The Yardbirds.

O álbum atingiu a boa 20ª posição da principal parada britânica, conquistando a 52ª colocação em sua correspondente norte-americana.

Stephen Thomas Erlewine, do site AllMusic, dá uma nota 4,5 (em 5), definindo bem o trabalho: “Assim que Jeff Beck se juntou aos Yardbirds, o grupo começou a explorar territórios inexplorados, expandindo seu blues-rock em permutações sonoras selvagens de psicodelia, música indiana e ruídos de vanguarda. Cada single subsequente exibiu uma nova direção, expandindo as ideias do [single] anterior, então parece que Roger the Engineer - o primeiro álbum completo de Beck com o grupo e o primeiro álbum da banda com todo o material original - ofereceu-lhes a oportunidade de explorar plenamente suas inclinações aventureiras”.

Por fim, Erlewine conclui: “O resultado é um registro desfocado que combina o ótimo com o meramente adequado, mas os Yardbirds sempre tiveram um problema com a consistência - nenhum de seus primeiros álbuns teve o impacto dos singles, e Roger the Engineer sofre do mesmo problema. No entanto, é o melhor álbum de estúdio individual do Yardbirds, oferecendo algumas de suas melhores psicodélicas, mesmo que não esteja entre os grandes álbuns de sua época”.

As versões americanas originais deste álbum (lançadas com uma capa diferente e intitulada Over Under Sideways Down, após o hit de mesmo nome) omitiram as músicas “The Nazz Are Blue” (que foi cantada por Jeff Beck) e “Rack My Mind” e é mixada de forma diferente que as edições britânicas.

Roger the Engineer foi lançado em junho de 1966.

Logo depois, Samwell-Smith deixou a banda, quando chegou bêbado a um show, no Queen's College, em Oxford e embarcou em uma carreira como produtor de discos. Jimmy Page, que estava no show, concordou, naquela noite, em tocar baixo até que o guitarrista Dreja pudesse ensaiar no instrumento.

A banda fez uma turnê com Page no baixo, e Beck e Dreja nas guitarras, tocando em Paris, no Reino Unido, no meio-oeste americano e na costa da Califórnia. Beck ficou doente, ao final da última turnê, e foi hospitalizado em São Francisco. Assim, Page assumiu o cargo de guitarrista principal no Carousel Ballroom (San Francisco), em 25 de agosto e Dreja mudou para o baixo.

Beck ficou em San Francisco para se recuperar, com sua namorada Mary Hughes, enquanto o resto da banda completava a turnê. Depois que o Yardbirds se reuniu, em Londres, Dreja continuou no baixo e o ataque duplo de guitarristas principais do grupo nasceu.

A revista norte-americana Rolling Stone colocou Yardbirds na 349ª posição, em 2003, e na 350ª colocação, em 2012, em sua famosa lista 500 greatest albums of all time.

Yardbirds (ou Roger the Engineer) também faz parte do livro 1001 Albums You Must Hear Before You Die, de Robert Dimery.

Um novo álbum, Little Games, seria lançado em julho de 1967.



Formação:
Keith Relf - Vocal (exceto em 03), Gaita
Jeff Beck - Guitarra, Vocal em 03, Baixo em 02
Chris Dreja - Guitarra-base, Backing Vocals, Piano
Paul Samwell-Smith - Baixo (exceto em 02), Backing Vocals
Jim McCarty - Bateria, Backing Vocals, Percussão

Faixas:
01. Lost Woman (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 3:16
02. Over Under Sideways Down (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 2:24
03. The Nazz Are Blue (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 3:04
04. I Can't Make Your Way (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 2:26
05. Rack My Mind (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 3:15
06. Farewell (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 1:29
07. Hot House of Omagararshid (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 2:39
08. Jeff's Boogie (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 2:25
09. He's Always There (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 2:15
10. Turn into Earth (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 3:06
11. What Do You Want (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 3:22
12. Ever Since the World Began (Beck/Dreja/McCarty/Relf/S.-Smith) - 2:09

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/yardbirds/

Opinião do Blog:
Finalmente o The Yardbirds chega ao RAC, com seu trabalho mais significativo: Yardbirds.

Sofrendo com constantes mudanças de formação ao longo de sua existência, este fato se mostrou decisivo para que a banda não tivesse o justo e merecido reconhecimento que lhe era devido. Entretanto, qual outra banda do mundo teve guitarristas como Eric Clapton, Jeff Beck e Jimmy Page?

Não há o que se comentar em termos de qualidade do grupo em Yardbirds. A cozinha formada por Jim McCarty e Paul Samwell-Smith é garantia de balanço e inventividade. Chris Dreja deixa Jeff Beck à vontade para brilhar intensamente na guitarra enquanto Keith Relf lidera o grupo com seus ótimos vocais.

Yardbirds representa muito bem a época em que foi concebido. Suas canções apostam em sonoridades que têm o Rock como amálgama. Psicodelia, Blues, algumas experimentações são sentidas em um álbum que passa muito rápido. As letras são divertidas e merecem uma olhadela.

Com todas as faixas no mínimo excelentes, o disco tem vários destaques: "He's Always There" e "What Do You Want" são exemplos da qualidade do Rock do grupo.

Mas as favoritas do Blog são "The Nazz Are Blue", "Rack My Mind" e a incrível "Jeff's Boogie".

Concluindo, não há dúvidas de que o The Yardbirds foi uma das melhores formações da história do Rock, não apenas pela qualidade do que produziu, mas, claro, por ter sido origem do Led Zeppelin. E Yardbirds é o seu melhor álbum. Recomendado!

0 Comentários:

Postar um comentário