DOKKEN - BACK FOR THE ATTACK (1987)



Back For The Attack é o quarto álbum de estúdio da banda norte-americana chamada Dokken. Seu lançamento oficial ocorreu no dia 27 de novembro de 1987, com suas gravações sendo realizadas entre dezembro de 1986 e agosto de 1987. A produção do álbum ficou a cargo do produtor Neil Kernon.

A história da banda Dokken está ligada de forma indissociável à de seu vocalista Donald Maynard Dokken, ou Don Dokken, fundador do grupo.



Don começou sua carreira sendo o vocalista de uma banda que se apresentava na área de Los Angeles, sua cidade natal, com o nome de Airborn. Por volta de 1978, a banda descobre que havia outro grupo com o mesmo nome e a qual já havia conseguido um contrato com gravadora e decide mudar o seu nome para Dokken.

A banda era formada por Don Dokken, Jim Monanteras, Greg Leon, e Mick Brown.

Don Dokken então vê uma oportunidade de firmar um contrato com uma gravadora na Alemanha. Após assistir a uma apresentação de uma banda chamada Xciter, Don convida o guitarrista George Lynch e o baterista Mick Brown para se juntarem a ele na busca de fecharem o contrato na Alemanha, mas ambos não estavam interessados naquele momento.

Mesmo assim, Don Dokken vai para a Alemanha. Durante seu tempo naquele país, ele acaba se tornando amigo da grande banda alemã Scorpions. Tanto que durante as gravações do álbum Blackout dos alemães, Dokken substitui Klaus Meine para gravar as guias vocais para a gravação das faixas do álbum enquanto Meine esteve com uma doença nas cordas vocais. Meine se recuperou e gravou o álbum, mas muitos dos vocais de Don Dokken foram mantidos como background na maioria das faixas de Blackout.

Enquanto Don ajudava o Scorpions, a tradicional banda alemã Accept estava gravando em outro estúdio e o manager dela assegura a Dokken um contrato com a Carrere Records, com um auxílio de uma canção da banda Xciter.

Don Dokken


Assim, o guitarrista George Lynch e o baterista Mick Brown aceitam a nova oferta de Dokken e, com a adição (para a gravação) do baixista Peter Baltes (do Accept), a banda estava formada e gravam Breaking The Chains.

Embora no álbum os créditos para o baixo sejam dados ao futuro baixista Juan Croucier, foi Peter Baltes quem gravou as partes de baixo no álbum, conforme George Lynch assegurou em uma entrevista em 2001.

O álbum foi lançado em 1981 apenas na Europa, com o nome Breakin’ The Chains, como um EP e sob o nome de Don Dokken. Ele contém algumas versões e mixagens alternativas em relação à nova versão que seria lançada mais tarde nos Estados Unidos.

Com George Lynch na guitarra, Mick Brown na baterista e, agora sim, com Juan Croucier no baixo, a banda do vocalista Don Dokken estava formada. Nos Estados Unidos, o manager Cliff Bernstein consegue um contrato com uma gravadora e uma turnê para a banda se apresentar juntamente com o Blue Öyster Cult.

Em 1983, Breaking The Chains é lançado nos Estados Unidos. Embora tenha alcançado a modestíssima 136ª posição na parada norte-americana, o álbum continha ótimas músicas, como a faixa-título “Breaking The Chains” (a qual foi eleita 62ª melhor canção de Hard Rock de todos os tempos em uma eleição do canal de TV VH1 décadas depois) e a excelente canção “Paris Is Burning”, ao vivo.

Entretanto, se o sucesso na Europa era crescente – a revista inglesa Kerrang! ajudava a divulgar o grupo – o Dokken permanecia praticamente desconhecido nos Estados Unidos e, pior, com muito pouco dinheiro.

Ainda em 1983, o baixista Juan Croucier deixa o grupo para se juntar ao Ratt e o substituto é Jeff Pilson. Com esta formação a banda grava e lança seu segundo álbum de estúdio, Tooth And Nail, no dia 13 de setembro de 1984.

Tooth And Nail é um divisor de águas para a carreira do Dokken. Os poderosos e melódicos vocais de Don Dokken, aliados a grande habilidade do guitarrista George Lynch, são responsáveis por chamar a atenção do público para a banda. E tudo isto está muito “visível” em Tooth And Nail.

O álbum atingiu a ótima 49ª posição na parada norte-americana da Billboard. Também os singles para promoverem o trabalho foram muito bem sucedidos.

A excelente “Into The Fire” foi o primeiro single do álbum e alcançou a 21ª posição da parada de singles dos Estados Unidos. Também teve um videoclipe promocional com boa circulação na MTV daquele país.

O segundo single (e clipe) foi de outra grande faixa de Tooth And Nail, “Just Got Lucky”. Ficou com a 27ª posição da parada de singles. Mas maior sucesso viria com o terceiro single do álbum, a belíssima e melódica balada, “Alone Again”. Ficou com a 20ª posição na parada de singles e seu videoclipe teve maciça divulgação na MTV norte-americana.

O álbum vendeu mais de 1 milhão de cópias nos Estados Unidos e estima-se que outro milhão tenham sido vendidas pelo mundo.

O sucesso de Tooth And Nail empolgou o grupo a lançar mais um álbum, o qual seria o seu terceiro de estúdio. Em 9 de novembro de 1985 saiu o ótimo Under Lock And Key.

O ótimo Under Lock And Key também se torna um sucesso, atingindo a excelente 32ª posição da parada norte-americana de álbuns, a Billboard.

Os singles impulsionaram o sucesso do álbum. A ótima “In My Dreams” foi bem na parada de singles norte-americana, alcançando a 24ª posição. Também outra excelente canção, “The Hunter”, ficou com a 25ª posição na mesma parada.

Under The Lock And Key também vendeu mais de 1 milhão de cópias apenas nos Estados Unidos.

Nesta época, o Dokken estava se consolidando como uma grande banda. O grupo fez turnês e shows de abertura para grandes nomes do rock mundial, como Judas Priest, AC/DC, Aerosmith e DIO.

Em 1986, após uma muito bem sucedida turnê com os amigos do Scorpions, o grupo se prepara para entrar em estúdio para gravar um single, “Dream Warriors”, que seria trilha sonora para o filme A Nightmare On Elm Street 3: Dream Warriors, da série de filmes com a personagem Freddy Krueger.

“Dream Warriors” trouxe novamente a atenção da banda para o público de Hard Rock do Reino Unido, sendo lançado um single em fevereiro de 1987 que continha “Dream Warriors”, “Back For The Attack” (até então, faixa inédita) e “Paris Is Burning”, do primeiro álbum do grupo.

O single “Dream Warriors” é um novo sucesso para o Dokken e acaba atingindo a 22ª posição da parada de singles. A banda demoraria mais 6 meses para fazer um novo lançamento de um trabalho. Este seria seu quarto álbum de estúdio, Back For The Attack.

KISS OF DEATH

A primeira faixa de Back For The Attack é “Kiss Of Death”.

Um excelente riff criado por George Lynch abre a canção com um ritmo rápido, pesado e muito intenso. Esse riff se estende por toda a música, com pequenas variações. Don Dokken canta-a com bastante intensidade e emoção. Um ótimo início para um álbum promissor! Lynch faz um solo muito bom!

A letra da canção é simples, trazendo a ideia de perigo e ameaça em um relacionamento envolvendo uma garota. Como mostra o simples, mas empolgante refrão:

As she took me in her arms
And brought me to an end
With the kiss of death
The kiss of death



PRISONER

A segunda faixa de Back For The Attack é “Prisoner”.

“Prisoner” começa com um riff bem estilo do Hard Rock oitentista feito nos Estados Unidos, com um ótimo ritmo, mas desta vez Lynch optou por um andamento mais arrastado. A seção rítmica faz um trabalho muito bom, com Don Dokken contribuindo de maneira muito positiva para o sucesso da canção com seus vocais. Lynch esbanja feeling em seu solo.

As letras da canção são bastante simples, revelando uma personagem apaixonada, como se vê no trecho:

It's so easy to see
I could never be free
I'm a prisoner
Chained by love

“Prisoner” foi o primeiro single lançado para promover o álbum Back For The Attack. Alcançou a ótima 37ª posição da parada norte-americana desta natureza.



Evidentemente, tornou-se uma das canções favoritas dos fãs e presença quase obrigatória nos shows do grupo.



NIGHT BY NIGHT

“Night By Night” é a terceira faixa do álbum.

Com um Hard Rock novamente mais cadenciado, Lynch construiu um riff arrastado que possibilita Don Dokken abusar de vocais mais intensos que se casam de maneira perfeita com a música. Uma das melhores faixas de Back For The Attack. Esbanjando feeling, o solo de Lynch é grandioso!

As letras novamente contam com um lado mais romântico, como nos revela o refrão:

We're living night by night
It's just you and me
Living night by night
We're living night by night
We never see the light of day
So baby can't you see
We're living night by night
yeah, we're living it night by night
The night is all that we need



STANDING IN THE SHADOWS

A quarta faixa de Back For The Attack é “Standing In The Shadows”.

Outra ótima canção é “Standing In The Shadows”. Conta com um ritmo mais acelerado, mas ainda demonstrando o melhor do Hard Rock da década de oitenta. Peso e melodia são aliados com muito feeling, assim como os vocais de Don Dokken contribuem de maneira harmônica com a música. George Lynch, outra vez, destrói no solo!

Nas letras, “Standing In The Shadows” abandona o romantismo e aposta em uma trama psicológica, mesmo que simples, por um homem que teria cometido um crime:

Standing in the shadows
Watching the world go by
Standing in the shadows
He was looking
Looking for a place to hide



HEAVEN SENT

“Heaven Sent” é a quinta faixa de Back For The Attack.

Mais uma vez a base da canção é um clássico Hard Rock, desta vez mais cadenciada, continuando com a manutenção do peso da guitarra de George Lynch. O ponto alto da canção é o solo, mais uma grande construção do guitarrista.

O romantismo é retomado na canção, de maneira que a personagem principal não quer mais se apaixonar:

Save me
Dont let me fall
Heaven sent
I heard the call
Stop me
Dont let me go
Touch my heart
Then let me know



Lançada como single, não conseguiu obter maior repercussão.



MR. SCARY

A sexta faixa do álbum é “Mr. Scary”.

“Mr. Scary” é uma faixa de pouco mais de 4 minutos, sendo totalmente instrumental. George Lynch esbanja feeling na canção, fazendo solos precisos. A canção apresenta um Hard Rock com flertes consideráveis com o Heavy Metal tradicional.



SO MANY TEARS

“So Many Tears” é a sétima faixa do álbum.

A canção é construída com um Hard Rock tipicamente do Dokken, de maneira envolvente. A sonoridade da música é pesada, mas sem nunca perder a melodia. O refrão é bem contagiante, contando com vocais muito belos por parte de Don.

A faixa apresenta letras românticas em tom de uma despedida:

There's only so many tears you can cry
There's only so many ways you can say goodbye
There's only so many tears you can cry
There's only so many ways you can say goodbye
So many tears you can cry



BURNING LIKE A FLAME

A oitava faixa de Back For The Attack é o clássico “Burning Like A Flame”.

“Burning Like A Flame” segue um ritmo clássico de Hard Rock, sendo um riff divertido e muito empolgante. A seção rítmica faz sua parte de maneira competente, mas o grande destaque da faixa é realmente a atuação vocal de Don Dokken, que canta de maneira entusiasmada e com vocais emotivos.

Letras bastante românticas constituem a canção, com um amor que o “eu lírico” não pensava que fosse perdurar, mas mostrando-se apaixonado:

Don't you know that
It's our love that's burning
Burning like a flame
And you know that
It's out love that's never gonna change
'Cause every time I touch you
You just make me go insane
Don't you know that
It's our love that's burning
Our love burning like a flame

“Burning Like A Flame” foi lançada como single para promover Back For The Attack, para qual foi também lançado um videoclipe promocional. A canção atingiu a 20ª colocação da parada norte-americana de singles.



“Burning Like A Flame” também se tornou um clássico da banda e uma canção adorada pelos fãs do grupo.



LOST BEHIND THE WALL

A nona faixa do álbum é “Lost Behind The Wall”.

A canção tem um ritmo bem cadenciado, mas com uma veia Heavy Metal bem realçada. O peso da música contribui perfeitamente para um clima tenso, sendo muito bem interpretada pelo vocalista Don Dokken. O solo é belíssimo, repleto de feeling, o ponto alto de “Lost Behind The Wall”. Grande George Lynch!



STOP FIGHTING LOVE

A décima faixa de Back For The Attack é “Stop Fighting Love”.

“Stop Fighting Love” é uma ótima canção de Hard Rock que segue o ritmo das canções anteriores do álbum, sendo bem pesada, mas sem perder a melodia. George Lynch se destaca ao fazer belas linhas de guitarra e contribui com os vocais de Don Dokken. Mais um solo muito bonito.

A banda aposta em mais uma letra romântica, como mostra o refrão:

Stop fighting love
Baby I just want to know the reason why
Stop fighting love
Don't say goodbye
And you'll be back in my arms again



CRY OF THE GYPSY

“Cry Of The Gypsy” é a décima primeira faixa do álbum.

“Cry Of The Gypsy” tem um riff muito bom e que mantém um ritmo bastante forte e intenso, com peso marcante, flertando bastante com o Heavy Metal. A guitarra de George Lynch é, sem sombra de dúvidas, o grande destaque desta excelente canção de Back For The Attack.

As letras da canção mostram um personagem que sofre bastante, o refrão é empolgante:

Must be the gypsy
The cry of the gypsy
Must be the gypsy
The cry of the gypsy
Must be the gypsy in me



SLEEPLESS NIGHT

A décima segunda faixa do álbum é “Sleepless Night”.

“Sleepless Night” talvez seja a música mais pesada do trabalho, entretanto tem um ritmo bastante cadenciado, lento mesmo. Don Dokken faz bons vocais, mas talvez seja o ponto mais baixo do disco, mesmo longe de ser uma faixa ruim.



DREAM WARRIORS

A décima terceira, e última, faixa de Back For The Attack é “Dream Warriors”.

Com fortes influências de Heavy Metal, “Dream Warriors” é uma excelente canção e dos maiores clássicos da carreira do Dokken. O riff é bastante pesado, mas, ao mesmo tempo, repleto de melodia, refletindo toda a qualidade do guitarrista George Lynch. Don faz um trabalho excelente nos vocais e a seção rítmica está ótima!

As letras têm uma temática bastante aterrorizante, casando com sua finalidade sobre a qual trataremos:

With the dream warriors
Don't wanna dream no more
With the dream warriors
And maybe tonight
Maybe tonight you'll be gone

Como foi dito no início do texto, “Dream Warriors” foi lançada antes do álbum, como trilha sonora do filme da série da personagem Freddy Krueger, A Nightmare on Elm Street 3: Dream Warriors.

Foi lançada como single, antes mesmo do álbum, em fevereiro de 1987. Alcançou a 22ª posição da parada norte-americana de singles e fez bastante repercussão também no Reino Unido.



Também foi feito um videoclipe para a mesma, com os integrantes da banda interagindo com personagens do filme, muito legal!

A versão de “Dream Warriors” que foi incluída em Back For The Attack, é ligeiramente mais curta e também foi remixada. Certamente, é outra das canções favoritas dos fãs e bastante presente no set list do grupo através dos anos.



Considerações Finais

Back For The Attack se tornou o álbum mais bem sucedido comercialmente da história do Dokken, estimando-se que tenha superado a casa das 2 milhões de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.

O álbum atingiu a excelente 13ª posição da parada norte-americana de álbuns, refletindo com fidelidade a qualidade do trabalho.

Com tanto sucesso comercial e repercussão, o Dokken foi convidado a participar do Monsters Of Rock Tour, um festival de 1988, ao lado de nomes como Scorpions, Van Halen, Kingdom Come e Metallica.

Os shows que a banda realizou no Japão em abril de 1988 foram gravados e permitiram o lançamento de um álbum ao vivo, Beast from the East, surgindo oficialmente em 16 de Novembro daquele ano, alcançando a 33ª posição da parada de álbuns norte-americana.

Já em Março de 1989, o Dokken se dissolveu devido a diferenças pessoais e criativas entre Don Dokken e George Lynch. Don se lançou em carreira solo e George Lynch juntamente com o baterista Mick Brown formou a banda Lynch Mob.

George Lynch


O Dokken só voltaria a se juntar e lançar um material inédito com Dysfunctional, de maio de 1995.

Formação:
Don Dokken - Vocal
George Lynch - Guitarras
Jeff Pilson - Baixo
Mick Brown – Bateria

Faixas:
01. Kiss of Death (Lynch/Dokken/Pilson) — 5:51
02. Prisoner (Lynch/Pilson/Brown) — 4:20
03. Night by Night (Pilson/Lynch/Brown/Dokken ) — 5:23
04. Standing in the Shadows (Dokken/Lynch/Pilson) — 5:07
05. Heaven Sent (Dokken/Lynch/Pilson) — 4:52
06. Mr. Scary (Lynch/Pilson) — 4:31
07. So Many Tears (Dokken/Lynch/Pilson) — 4:56
08. Burning Like a Flame (Lynch/Pilson/Dokken/Brown) — 4:46
09. Lost Behind the Wall (Lynch/Brown/Dokken/Pilson) — 4:19
10. Stop Fighting Love (Pilson/Lynch/Dokken/Brown) — 4:52
11. Cry of the Gypsy (Dokken/Pilson/Lynch) — 4:51
12. Sleepless Night (Lynch/Brown/Pilson) — 4:32
13. Dream Warriors (Lynch/Pilson) — 4:42

Letras:
Para o conteúdo das letras, indicamos o acesso a: http://letras.terra.com.br/dokken/

Opinião do Blog:
Apesar do grande sucesso na década de oitenta, hoje o Dokken não é uma banda tão conhecida assim. Isso não impede de que se reconheça a qualidade dos trabalhos lançados pelo grupo, especialmente aqueles da supracitada década.

Dois fatores despertam interesse pela banda, aos nossos olhos. O primeiro é o empenho aliado à qualidade do vocalista Don Dokken em fazer a banda especial. Don é um cantor talentoso e imprime técnica e emoção aos vocais.

O outro fator é o guitarrista George Lynch. Ele mostra do que é capaz em Back For The Attack, especialmente em seus incríveis solos, um dos maiores destaques do álbum e, também, de sua carreira.

O Dokken faz um Hard Rock que flerta constantemente com o Heavy Metal e isto está presente no ótimo álbum Back For The Attack. “Kiss Of Death”, “Dream Warriors” e “Prisoner” são grandes músicas e provas de tudo isto que se afirma.

Outra característica da banda é que, se suas músicas por muitas vezes contêm boas doses de peso, ao mesmo tempo o grupo nunca abre mão das melodias e belas linhas de guitarra.

Álbum e bandas mais que indicados pelo Blog. Dê-se uma chance de ser envolvido pela categoria deste ótimo Dokken!

2 Comentários