19 de julho de 2011

LED ZEPPELIN - LED ZEPPELIN II (1969)



Led Zeppelin II é o segundo álbum de estúdio da banda inglesa de Rock Led Zeppelin. Seu lançamento aconteceu no dia 22 de outubro de 1969 e a produção do álbum ficou a cargo do guitarrista da banda, Jimmy Page, que utilizou as técnicas de gravação do engenheiro e produtor musical, Eddie Kramer.

Led Zeppelin II foi gravado quase que totalmente enquanto a banda estava em turnê pela América do Norte, divulgando seu álbum de estreia Led Zeppelin (ou I). Todas as vezes que havia uma pequena folga entre um show e outro, o grupo corria para o estúdio a fim de gravar mais material para o que veio a se tornar Led Zeppelin II.

Os seguintes estúdios foram usados: Olympic and Morgan Studios em Londres, Inglaterra; A&M, Quantum, Sunset, Mirror Sound and Mystic Studios em Los Angeles, Califórnia; Ardent Studios em Memphis, Tennessee, EUA; A&R, Juggy Sound, Groove and Mayfair Studios em Nova Iorque, EUA; e um estúdio que ficou conhecido como "hut" em Vancouver, Canadá.

Como o álbum foi gravado durante a turnê, o período de gravação se estendeu de Janeiro a Agosto de 1969. O baixista John Paul Jones afirmou que muitas das ideias para as faixas do álbum surgiram no palco, durante as improvisações que a banda fazia na música “Dazed And Confused”. Jones disse que os riffs de Page surgiam “rápidos e furiosos”.

Nesta época os shows do Zeppelin duravam comumente mais de duas horas, por vezes chegando a três, quatro horas. A banda tocava em locais pequenos, como clubes e salões.

A arte da capa foi desenvolvida pelo artista David Juniper. Sua ideia se baseou em um cartaz com a fotografia da famosa Divisão Jasta 11 da força aérea alemã da Primeira Guerra Mundial, que era liderada pelo lendário Barão Vermelho. David utilizou a fotografia como base, substituindo os rostos originais pelos membros e staff da banda.

O álbum é aberto com um dos riffs mais poderosos e fantásticos da história do Rock, criado por Jimmy Page. Estamos falando de “Whole Lotta Love”, uma das grandes músicas da história. O riff de Page foi influência para muita coisa que surgiu na música depois.

Envolta em uma polêmica, as letras de “Whole Lotta Love” sofreram uma ação judicial por plágio. Em 1962, Muddy Waters gravou “You Need Love”, que foi escrita para ele pelo bluesman Willie Dixon. Plant sempre foi um grande fã de Blues e cantores de Soul e disse que as influências muitas vezes saem naturalmente, pois havia um grande riff e ele precisava cantar alguma coisa. Em 1985, veio o veredito a favor de Dixon.

Page desmente que “Whole Lotta Love” tenha sido composta no palco. Ele afirma que chamou os outros membros a sua casa quando criou o riff para mostra-los sua recente criação.

“Whole Lotta Love” foi um sucesso estrondoso. Lançada em formato single, exceto na Inglaterra, a canção foi número um na Alemanha e número quatro na Holanda e nos Estados Unidos. Em 1970, somente o single da faixa havia vendido um milhão de cópias.

“What Is And What Should Never Be” é a segunda canção do álbum. As letras, supostamente, seriam sobre um affair entre Plant e a irmã mais nova de sua esposa. A canção tem um ritmo bem lento, sendo intercalada por um bom riff.

Outro sucesso da banda que está no álbum é “The Lemon Song”.  A banda gravou a faixa “ao vivo” no estúdio Mystic Studios, em Holywood.

Trata-se de uma das faixas com mais claras demonstrações da influência de blues na discografia da banda. A performance vocal de Robert Plant é incrível assim como o solo de Page na faixa.

Outro destaque da faixa é o baixo de John Paul Jones, com grandes influências da sonoridade funk oriunda dos Estados Unidos. Anos após a gravação, Jones afirmou que havia improvisado por toda a canção durante sua gravação.

“The Lemon Song” também foi acusada de infração a direitos autorais por suas letras. Ela teria incorporado letras da música “Killing Floor”, do bluesman Howlin Wolf. Durante execuções de “The Lemon Song”, a banda incorporava partes de “Killing Floor”, em uma espécie de “medley”.

Outro grande clássico do Zeppelin no álbum é “Heartbreaker”. O riff também é dos mais conhecidos e o destaque maior da faixa vai para a guitarra de Jimmy Page, um verdadeiro show de feeling.

É uma das faixas que o Led Zeppelin sempre tocou em suas apresentações até o fim da banda. Normalmente era a segunda canção dos shows, logo após “Immigrant Song”, mas por vezes ficou para o ‘bis’.

O solo foi gravado em um improviso de Page no estúdio e foi incorporado à música após a mesma já estar pronta.

Outra grande faixa do álbum é “Ramble On”, composta por Plant e Page. A faixa tem uma levada simples, mas contagiante, que no refrão passa para um rock característico da banda. A letra foi inspirada em o Senhor dos Anéis, e, supõem-se que seja influenciada pelo poema de J. R. R. Tolkien chamado “Namárie”.

“Moby Dick” é mais uma faixa famosa da banda presente no álbum. É uma canção instrumental. Por várias vezes, Page encontrava Bonham improvisando nos estúdios e foi gravando algumas partes para, depois, juntá-las e formar o que se tornou “Moby Dick”. Page e Jones criaram uma base com forte influência de blues para o começo e o final da canção.

“Bring It On Home” fecha o álbum. É mais uma grande canção, mas também envolvida em mais um processo judicial. Na verdade, a música foi escrita por Willie Dixon e o Led Zeppelin acabou fazendo uma versão da canção original. A primeira versão da música foi gravada por Sonny Boy Williamson II.

Led Zeppelin II trouxe muito mais popularidade à banda. A partir do seu lançamento, a banda começou a tocar em locais cada vez maiores, continuando sua intensa turnê pelos Estados Unidos. Foi nesta turnê que o Zeppelin começou a também criar sua fama de excessos durante as turnês.

Led Zeppelin II foi o primeiro álbum da banda a conseguir o primeiro lugar das paradas nos Estados Unidos e na Inglaterra na época de seu lançamento. O álbum superou a casa das 12 milhões de cópias vendidas por volta do ano 2000.

Formação:
Jimmy Page – Guitarra
Robert Plant – Vocal
John Bonham – Bateria, Backing Vocals
John Paul Jones – Baixo, Backing Vocals

Faixas:
01. Whole Lotta Love  (Bonham/Willie Dixon/Jones/Page/Plant) -  5:34
02. What Is and What Should Never Be (Page/Plant) - 4:47
03. The Lemon Song (Bonham/Burnett/Jones/Page/Plant) - 6:20
04. Thank You (Page/Plant) - 4:47
05. Heartbreaker (Bonham/Jones/Page/Plant) - 4:15
06. Living Loving Maid (She's Just a Woman) (Page/Plant) - 2:40
07. Ramble On (Page/Plant) - 4:35
08. Moby Dick (Bonham/Jones/Page) - 4:25
09. Bring It On Home (Page/Plant/Dixon) - 4:19

Letras:
Para o conteúdo das letras, recomendamos o acesso a: http://letras.terra.com.br/led-zeppelin/

Opinião do Blog:
O Led Zeppelin é daquelas bandas que são até chatas de se comentar. A discografia da banda é praticamente perfeita, difícil escolher qual é o seu álbum favorito quando é assim.

Destaca-se o Led Zeppelin II por ser o primeiro álbum da banda a conquistar a primeira posição das paradas tanto nos Estados Unidos quanto na Inglaterra. O álbum foi o propulsor para os voos cada vez maiores do grupo.

Sem falar que é o álbum que possui a sensacional “Whole Lotta Love”, faixa que tem um dos riffs mais fantásticos da história da música e que virou referência para muitos guitarristas que surgiram depois. Assim como todo o trabalho do baterista John Bonham, que se tornou um paradigma para os bateristas de rock, pelo seu estilo e por sua técnica.

O Led Zeppelin se tornou a banda a ocupar a lacuna deixada no rock com o fim dos Beatles. Durante os anos setenta a banda atingiu um patamar gigantesco e segue até hoje sendo a segunda banda que mais vendeu álbuns na história do rock. A primeira? Bem, você já ouviu falar de uns quatro caras de Liverpool...

Led Zeppelin II é um álbum obrigatório para todos. Mais que recomendado.

Vídeos Recomendados:

Whole Lotta Love, ao vivo


"The Lemon Song"


Heartbreaker, ao vivo


Moby Dick


2 comentários:

  1. Perfeita sua opinião sobre o Led.
    Parabens pelo Blog
    Abraços...
    Andre Benedetti

    ResponderExcluir
  2. Valeu, muito obrigado pelos elogios!

    ResponderExcluir