AEROSMITH - AEROSMITH (1973)



Aerosmith é o álbum de estreia da banda norte-americana de Rock de mesmo nome. Seu lançamento oficial ocorreu em janeiro de 1973, sendo o disco gravado no Intermedia Studios, em Boston, nos Estados Unidos. A produção do trabalho ficou a cargo de Adrian Barber.

O início do Aerosmith remonta ao final da década de sessenta. O vocalista Steven Tyler tinha uma banda chamada The Strangeurs na cidade de New Hampshire.

Steven Tyler


Enquanto isso, o guitarrista Joe Perry e o baixista Tom Hamilton possuíam uma banda chamada Jam Band, que era calcada em uma sonoridade rock, mas com forte influência de Blues.

Perry e Hamilton se mudam para Boston onde conheceriam um estudante da famosa escola de música Berklee College Of Music, o baterista Joey Kramer. Este já havia conhecido Steven Tyler e o auxiliado tocando em uma banda com ele. Mais tarde, Kramer abandonaria seus estudos para entrar na banda Jam Band, de Perry e Hamilton.

Em 1970, a banda de Steven Tyler, agora se chamando Chain Reaction, toca em um mesmo evento com a Jam Band de Perry, Hamilton e Kramer. Logo de cara, Tyler fica fortemente atraído pela sonoridade da Jam Band e quis combiná-las.

Em outubro de 1970, as bandas se encontram novamente e passam a considerar a proposta. Tyler, que havia sido baterista e backing vocal da Chain Reaction, faz a ‘exigência’ que gostaria de ser o vocalista e frontman da nova banda e os demais acabam por concordar com isso. Surgia um novo conjunto, embora ainda sem nome.

Em uma tarde, o baterista Kramer sugeriu uma palavra que ele escrevia em todos os seus cadernos enquanto estudante, Aerosmith. O nome teria surgido em sua cabeça quando ele ouviu o álbum Aerial Ballet, de Harry Nilsson. Trata-se de uma palavra criada, inventada, sem qualquer significado. Embora com alguma relutância, os outros membros aceitaram a sugestão de Kramer para o nome do grupo.

Logo após isso, a banda recruta outro guitarrista, Ray Tabano, amigo de infância do vocalista Steven Tyler, começando a fazer apresentações locais. O primeiro show data de novembro de 1970, em uma escola de ensino médio (High School).

Já em 1971, a banda substitui o guitarrista Tabano por Brad Whitford, que também estudou na Berklee School of Music. Esta seria a formação clássica que se fixaria no Aerosmith, com um hiato de 5 anos entre 1979 e 1984, permanecendo a mesma: Tyler, Perry, Whitford, Hamilton e Kramer.

Aerosmith em sua formação clássica:


Fazendo seus shows locais, o grupo começou a conquistar um público fiel em suas apresentações. Depois de trocar de agenciamento por duas vezes, o Aerosmith consegue um contrato de gerenciamento com David Krebs e Steve Leber, já no ano de 1972.

Krebs e Leber conseguem convidar o presidente da Columbia Records, Clive Davis, para assistir a uma apresentação do grupo no Max’s Kansas City, na cidade de Nova Iorque. O interessante é que a banda não estava agendada para se apresentar no local naquela noite, mas acabaram pagando de seus próprios bolsos para garantirem um show e serem vistos por Clive Davis. Isso está de certa forma retratado na canção “No Surprize”, do álbum Night in the Ruts, de 1979.

Assim, a banda assina com a Columbia Records na metade de 1972, por supostos 125 mil dólares, conseguindo um acordo para o lançamento de um álbum de estúdio.

Em janeiro de 1973, a banda lançaria seu álbum de estreia, homônimo ao grupo!

MAKE IT

O álbum é aberto com a faixa “Make It”. A música apresenta um ótimo riff, com uma sonoridade bastante contagiante. É clara, logo de início, a influência de Blues no som do grupo. Tyler faz um inspirado trabalho nos vocais.



SOMEBODY

Outro riff muito inspirado abre a segunda faixa do trabalho, “Somebody”. Mais um bom trabalho de Tyler nos vocais que se casa perfeitamente com o trabalho das guitarras, fazendo uma ótima canção, muito empolgante.



DREAM ON

A terceira faixa de Aerosmith acabou se tornando uma das mais conhecidas músicas da história do Rock. Trata-se de “Dream On”.

“Dream On” é uma balada muito forte, com um ritmo lindo e cativante. Mesmo nessa canção, é possível reconhecer como a banda tinha fortes influências de Blues. A atuação vocal de Tyler é boa parte da explicação da canção ter-se tornado um grande clássico.

“Dream On” é o primeiro single lançado pelo Aerosmith para promover seu álbum de estreia. Atingiu a modesta 59ª posição da parada norte-americana em 1973. Entretanto, foi primeira posição daquele ano em uma rádio chamada WBZ-FM em Boston, ficando em 5º e 16º em outras duas estações radiofônicas de sua cidade natal.



Segundo Tyler, a inspiração para a composição de “Dream On” vem desde sua pequena infância, quando ele assistia a seu pai tocando piano clássico. A música se tornou praticamente obrigatória nos shows do Aerosmith.

Interessante notar que “Dream On” fez um sucesso muito maior quando a banda ‘estorou’ definitivamente com os lançamentos dos álbuns Toys in the Attic (1975) e Rocks (1976). Nessa época, “Dream On” foi relançada como single, em 1976, alcançando a 6ª posição da parada norte-americana.

A música também foi executada ao vivo, com a banda acompanhada por uma orquestra, algumas vezes – uma delas na festa de 10 anos da MTV americana, em 1991, com a orquestra sendo conduzida pelo falecido maestro Michael Kamen (que trabalharia no álbum orquestrado do Metallica S&M, de 1999).

“Dream On” faz parte da lista de 500 canções que moldaram o Rock and Roll do Hall Of Fame do estilo. Também está na 172ª posição da lista de melhores músicas de todos os tempos feita pela revista Rolling Stone.

Inúmeras versões da canção podem ser encontradas e por diferentes músicos e estilos musicais. Há versões como a de Ronnie James Dio em parceria com Yngwie Malmsteen, a versão do Rapper Eminem chamada “Sing For The Moment” ou mesmo a cantada pela cantora pop Anastacia, entre várias outras.

Incontáveis, também, são as presenças do clássico em outros tipos de mídia como filmes (Last Action Hero, 1993, Arnold Schwarzenegger) e games como Guitar Hero.



ONE WAY STREET

A quarta faixa do trabalho é “One Way Street”. É mais uma faixa com grande influência de Blues. É a maior faixa do álbum, com quase 7 minutos. Joe Perry faz um excelente trabalho na guitarra durante quase toda a canção – com solos muito inspirados. Mais uma vez destaque, também para a interpretação de Tyler. Excelente momento do álbum!



MAMA KIN

A quinta canção do álbum de estreia do Aerosmith é “Mama Kin”.

“Mama Kin” também foi lançada como single para promover o álbum e conseguiu alcançar a 75ª posição da parada norte-americana.

Steven Tyler tinha tanta confiança na canção que durante as gravações do álbum ele fez uma tatuagem em seu braço com a inscrição “Ma. Kin”. Segundo ele, seu braço era fino demais para o nome inteiro da música.

Tyler estava correto, a excelente “Mama Kin” se tornou um dos grandes clássicos do grupo e presença muito frequente nos shows da banda. Tanto que inspirou o nome de uma banda sueca homônima à canção. E também inspirou o nome de um clube noturno que a banda abriu em Boston, o Mama Kin Music Hall, hoje extinto.

Uma boa amostra da qualidade inquestionável da música é a ótima e conhecida versão da canção feita pelos Guns N’ Roses. Ela está presente no EP do grupo Live ?!*@ Like a Suicide (1986) e relançado em outro EP G N’ R Lies (1988). Há, inclusive, um vídeo com uma apresentação do Guns tocando a canção com a presença de Joe Perry e Steven Tyler.

A canção é também citada na música “Cry For Help”, da banda americana Shinedown. Aparece, também, no game Guitar Hero. O saxofone presente na música é tocado por David Woodford.



WRITE ME A LETTER

Outro grande riff bastante inspirado está presente na sexta faixa do álbum, “Write Me a Letter”. Outra faixa em que a banda transborda um excelente rock and roll calcado em fortes influências do Blues. O trabalho das guitarras é novamente muito inspirado e de qualidade soberba, em uma das melhores canções do álbum!



MOVIN’ OUT

A sétima faixa do álbum é “Movin’ Out”. Ótimas linhas de guitarra fazem uma bela introdução da canção que se desenvolve em um riff animado. O solo é também bastante inspirado. A boa atuação nos vocais de Tyler constrói uma música bem interessante.



WALKIN’ THE DOG

“Walkin’ The Dog” é a canção que fecha o trabalho, oitava faixa do disco.

A ótima faixa é na realidade uma versão para a canção composta por Rufus Thomas e que fez sucesso quando o mesmo a lançou em 1963. Na primeira prensagem do álbum, a música foi erroneamente creditada na capa como “Walkin’ The Dig”. Quando uma segunda prensagem foi lançada em 1976, a canção foi corretamente nomeada.

Ótima versão, acabou se tornando uma música com presença frequente nos shows do grupo. Excelente faixa.



Considerações Finais

Inicialmente, o sucesso do álbum de estreia do Aerosmith foi relativo. Em 1973, o trabalho atingiu a muito modesta 166ª posição da parada norte-americana.

Entretanto, tanto a crítica quanto o público acabaram abraçando o trabalho. Ele apresentou as bases da sonoridade rock-blues tão característica da banda, além de apresentar canções que se tornaram marcas do grupo como “Drem On”, “Mama Kin” e “Walkin’ The Dog”, muito pedidas em shows e nas rádios.

O reconhecimento a esse grande trabalho viria anos mais tarde, quando o Aerosmith alcançou o estrelato. O álbum foi relançado em 1976, quando atingiu a 21ª posição da parada norte-americana.

O gigantesco sucesso da banda décadas depois, permitiu que mais pessoas conhecessem o álbum e elevassem a sua vendagem, atingindo a marca de 2 milhões de cópias vendidas já em 1986.

Formação:
Steven Tyler – Vocal, Piano em "Dream On"
Joe Perry – Guitarra, Backing Vocals
Brad Whitford – Guitarra
Tom Hamilton – Baixo
Joey Kramer – Bateria, Percussão

Faixas:
01. Make It (Tyler) - 3:38
02. Somebody (Tyler/Steven Emspack) - 3:45
03. Dream On (Tyler) - 4:28
04. One Way Street (Tyler) - 7:00
05. Mama Kin (Tyler) - 4:25
06. Write Me a Letter (Tyler) - 4:11
07. Movin' Out (Tyler/Perry) - 5:03
08. Walkin' the Dog (Rufus Thomas) - 3:12

Letras:
Para o conteúdo das letras, indicamos o acesso a: http://letras.terra.com.br/aerosmith/

Opinião:
O Aerosmith é uma banda tida como, se não a maior, um dos mais importantes grupos de Rock da história dos Estados Unidos (e porque não, do mundo).

O sucesso comercial e de público do grupo é incontestável, podendo ser explicado pela frutífera parceria entre o vocalista Steven Tyler e o guitarrista Joe Perry, a qual sempre rendeu músicas de muito boa qualidade. O fato de se ter uma formação regular e estável também contribui para toda a repercussão alcançada pelo conjunto.

E a banda sempre mesclou seu estilo rock and roll com elementos de outros estilos, como R&B, Pop, Heavy Metal, Rap, de maneira muito criativa e bem sucedida. Basta ver o enorme sucesso atingido pelo Aerosmith nas três últimas décadas.

Mas, pessoalmente, os álbuns da década de setenta, carregados do Rock com fortes influências de Blues, ainda permanecem como os meus favoritos, pois penso que a banda realiza esta fusão com extrema categoria, como poucos já fizeram.

O álbum de estreia da banda não é o mais bem sucedido comercialmente do grupo, longe disso. Mas traça de maneira forte e singular o estilo musical da banda, pelo menos em seu início. Define parâmetros musicais de um grupo que influenciaria um infindável números de outras bandas que surgiram depois.

Além disso, é o álbum que possui músicas do calibre de “Dream On” – uma das mais belas que eu já ouvi – e “Mama Kin”. Álbum e banda mais que recomendados.

1 Comentários