15 de junho de 2017

HURRICANE - OVER THE EDGE (1988)


Over the Edge é o segundo álbum de estúdio da banda norte-americana chamada Hurricane. Seu lançamento oficial aconteceu em outubro de 1988, através do selo Enigma, ligado à Capitol Records. A produção ficou a cargo do famoso Bob Ezrin.


A cena musical norte-americana que ficou conhecida como Glam Metal produziu uma grande quantidade de bandas, com algumas alcançando o estrelato, mas muitas outras relegadas ao ostracismo. Neste post, o Blog apresenta um breve resumo do grupo Hurricane.

As origens da banda

A história do Hurricane está diretamente ligada à do guitarrista Robert Sarzo, um dos fundadores do conjunto. E é com ele que se vai começar a contar sobre os primórdios da banda.

Robert é cubano, mas desde bem jovem foi para os Estados Unidos com a família.

Robert trabalhou com Jimmy Iovine, da Interscope/Universal Records e com os lendários produtores Bob Ezrin e Mike Clink.

Ainda nos anos 70, Sarzo trabalhou com o produtor Robert Stigwood, responsável por trilhas sonoras de filmes como Saturday Night Fever e Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band. Entre as inúmeras trilhas sonoras de que particpou, está em filmes como Times Square, de 1980, dirigido por Allan Moyle.

Robert Sarzo

Sarzo também esteve com DL Byron, o compositor do sucesso “Shadows of the Night”, de Pat Benatar.

Curiosamente, Robert Sarzo foi contratado por Ozzy e Sharon Osbourne, como o substituto original para Randy Rhoads, morto em um acidente em 1982.

Nesta época, o baixista da banda de Ozzy Osbourne era Rudy Sarzo, irmão mais velho de Robert, e que havia sido indicado para o grupo de Osbourne por Rhoads, pois ambos haviam tocado juntos no Quiet Riot.

Robert nunca chegou a sair em turnê com Ozzy, porque Don Arden, da Jet Records, e também pai de Sharon, contratou um guitarrista diferente, Bernie Torme, sem contar a ninguém.

Após a morte de Rhoads, Rudy Sarzo deixou a banda de Ozzy e se juntou ao vocalista Kevin DuBrow para gravar uma música, mas que acabou resultando na reforma do Quiet Riot.

Nesta nova versão do Quiet Riot, o guitarrista era o mexicano Carlos Cavazo, o qual possuía um irmão baixista chamado Tony Cavazo.

Foi Kevin DuBrow quem apresentou Robert Sarzo a Tony Cavazo. E, assim como seus irmãos mais velhos, os dois decidiram formar um novo grupo.

Em 1984, Robert e Tony encontrariam o vocalista para a banda: o nome dele era Kelly Hansen.

Hansen já possuía experiência musical, pois atuava como cantor independente para gravações em estúdios. Além da posição de vocalista, Hansen também seria o guitarrista-base do novo conjunto que se formava.

O posto de baterista do novo grupo foi ocupado por Jay Schellen.

Em 1979, ainda como um adolescente, Jay foi apresentado aos palcos atuando com a lenda do R&B norte-americano, Al Wilson, apoiando a banda Ohio Players. (Nota do Blog: o Ohio Players foi uma banda norte-americana de Funk, Soul e R&B, de muito sucesso especialmente nos anos 70, mais conhecida pelos seus sucessos “Fire” e “Lover Rollercoaster”).

Depois de se mudar para Los Angeles, em 1981, Jay entrou na cena da musical da cidade e tocou localmente com a banda do ex-guitarrista do Yes, Peter Banks.

Kelly Hansen

Ao mesmo tempo, Schellen adentrava as arenas nacionais com o grupo Danny Johnson and The Bandits, o qual estava em turnê como banda de abertura na turnê do ZZ Top.

Em 1982, Schellen foi convidado para se juntar à banda inglesa Badfinger, tocando com nomes como Tommy Evans, Joey Molland, Glen Sherba e o tecladista Tony Kaye.

Em 1984, Schellen fez parte do Stone Fury, trabalhando com o cantor Lenny Wolf e o guitarrista Bruce Gowdy.

Em 1985, Jay Schellen se uniu ao Hurricane, a tempo de gravar seu primeiro álbum.

O grupo chegou a ter um segundo guitarrista, Michael Guy, mas ele não participou das gravações do disco de estreia.

Take What You Want

Lançado em 1986, Take What You Want é o álbum de estreia do Hurricane.

A banda procurou várias gravadoras anteriormente ao lançamento do trabalho, mas despertou pouco, ou mesmo nenhum interesse, por parte dos selos importantes.

Desta forma, o grupo resolveu gravar e lançar o disco de forma independente.

Take What You Want possui 7 faixas e algumas muito boas como “Hurricane” e “Take Me in Your Arms”.

Entre 1986 e 1987, o Hurricane foi banda de abertura para a turnê do Stryper, o qual promovia seu clássico disco To Hell with the Devil, de 1986.

A boa repercussão da turnê, aliada com a qualidade musical de Take What You Want, permitiram ao Hurricane assinar com uma gravadora grande, a Enigma Records, a mesma do Stryper.

Tony Cavazo

Ainda em 1987, o Hurricane também foi banda de abertura para a turnê norte-americana do grande Gary Moore, que promovia o ótimo Wild Frontier.

Já em 1988, a banda começou a trabalhar em seu segundo disco, o qual se tornaria Over the Edge.

Na produção, o experiente Bob Ezrin, o qual havia trabalhado com bandas do calibre de KISS, Pink Floyd e Alice Cooper, por exemplo.

A capa, idealizada pelo próprio grupo, explora a sensualidade, como já havia feito no álbum anterior.

Vamos às faixas:

OVER THE EDGE

Após uma longa introdução, a canção se desenvolve em um Hard Rock típico dos anos 80, com um bom balanceamento entre peso e melodia. Ótimos vocais de Kelly Hansen e um solo de guitarra muito legal de Robert Sarzo. Destaque para o refrão, o qual funciona muito bem.

A letra é sobre viver intensamente:

I'll think about tomorrow
When yesterday's begun
My life is spinning faster
Like a rollercoaster on the run

“Over the Edge” é um dos maiores clássicos do Hurricane. Foi lançada como single para promover o álbum homônimo, mas não obteve maior repercussão em termos das principais paradas de sucesso desta natureza.



I'M EIGHTEEN

Seguindo a proposta da faixa anterior, o Hard Rock pesado e cadenciado continua conduzindo o álbum em uma versão eficiente para o clássico "I'm Eighteen". O destaque é a guitarra de Robert Sarzo que aparece de maneira contagiante.

Obviamente, a letra fala sobre ter 18 anos de idade:

I'm eighteen
And I don't know what I want
Eighteen
I just don't know what I want
Eighteen
Got to get away
I've got to get out of this place
I'll go running in outer space again

“I'm Eighteen” é uma canção originalmente composta e criada pela banda de Alice Cooper, primeiramente lançada como single em novembro de 1970 e, depois, presente no álbum Love It to Death, de 1971.



I'M ON TO YOU

O peso, moderado, é verdade, continua dando às cartas. Em "I'm on to You", a seção rítmica dita o andamento da canção de maneira ainda mais evidente, com a bateria de Jay Schellen mais evidente e o baixo eficiente de Tony Cavazo. Faixa divertida.

A letra possui teor romântico:

You can play with your money
But you can't play with love
The company you keep
You put yourself above
What I wanna know is
What you want with me
You've got my attention
But not my sympathy


“I'm on to You” é, bem possivelmente, a canção mais conhecida do Hurricane. Também foi lançada como single para promover Over the Edge.

A música, na realidade, foi composta pelo músico Jeff Jones, mais reconhecido pelo seu trabalho nas bandas Ocean e Red Rider.



MESSIN' WITH A HURRICANE

Na quarta música do disco, o Hurricane aposta em um Hard Rock muito semelhante à sonoridade de bandas como o Ratt. O ritmo é mais cadenciado, o peso mediano, mas o refrão funciona de maneira bem convincente. Os vocais de Kelly Hansen são bem eficientes e o baixo de Tony Cavazo está bem presente. Boa canção!

A letra é em tom de ameaça:

So come on I tell you
Just step across that line
I'll show you what I mean
One on one
I'll drag you through the dirt
Banging on your knees
Cause when you mess with me
You're messin' with a hurricane



INSANE

Em "Insane", a banda aposta em um som ainda mais pesado, mas muito mais lento, flertando mais deliberadamente com o Blues. O resultado é uma faixa divertida, eficiente e muito contagiante! A guitarra de Robert Sarzo aparece com brilho. O Mötley Crüe assinaria a faixa facilmente.

A letra é divertida:

All in all
I've been wonderin'
If you're insane
When you play that game
If you're insane
You're messin' with my brain
Oh if I didn't know the truth
It is gonna drive me insane



WE ARE STRONG

Um Glam Metal típico é o resultado final de "We Are Strong". A música permanece naquela tênue e praticamente intangível linha que separa o Hard Rock do Heavy Metal. Um refrão muito eficiente se casa perfeitamente com um riff bastante pesado e a seção rítmica muito marcante. Ótima faixa!

A letra possui sentido romântico:

Facing hard times
Hold on
Time's still on our side
You can surrender
But you will remember
It was the best love
The best love of all



SPARK IN MY HEART

Em "Spark in My Heart", a banda continua apostando em um riff pesado e um andamento um pouco mais acelerado, flertando ainda mais com o Heavy Metal. O refrão, com um trabalho bem elaborado de backing vocals, é bem legal.

A letra é sobre amadurecimento pessoal:

Now there's nowhere to run to
Nowhere to hide
I'm gonna pack up my things
And leave them all behind
And go away



GIVE ME AN INCH

"Give Me an Inch" flerta com a música pop dos anos 80, com teclados bem evidentes e se abdicando quase completamente do peso. O baixo de Tony Cavazo está bem presente e o refrão acaba funcionando.

A letra é em sentido de conquista amorosa:

Give me an inch
Give me a chance
To find, to find, to find our love
It all relies on you
Give me an inch
Give me a chance
To find, to find, to find
What is it girl that I can do



SHOUT

"Shout" recupera a sonoridade Glam Metal, com muita influência do Heavy Metal, tanto no peso do riff quanto na poderosa bateria de Jay Schellen. Os vocais de Kelly Hansen são dos mais eficientes de todo o disco. Faixa bem legal!

A letra é em tom de rebeldia:

If you stand strong together
Back them up to the wall
We can show them mercy
Or you can try and fight all



BABY SNAKES

A décima - e última - faixa de Over The Edge é "Baby Snakes". A sonoridade é pesada e intensa, com um andamento rápido e a seção rítmica muito presente, em um estilo bem próximo do Van Halen. Mas a vinheta com a conversa telefônica arruína qualquer possibilidade da canção funcionar.



Considerações Finais

Over the Edge é o álbum mais bem-sucedido do Hurricane.

O disco alcançou a 92ª posição na principal parada norte-americana desta natureza, a Billboard. Um feito considerável para uma banda muito pouco conhecida.

Em uma revisão retrospectiva, Joe Viglione, do site AllMusic, dá ao trabalho uma nota 3 de um máximo possível de 5. E atesta: “Over the Edge é uma excelente coleção de dez canções de Rock na extremidade final dos anos 1980, AOR metal com ganchos e viradas inteligentes que o trazem a um patamar acima do esperado daquilo que a infinidade das bandas de Hair Metal deram à audiência naquela era”.

Por fim, Viglione conclui: “As falhas são mínimas, encontradas apenas em algumas das letras e na faixa final, “Baby Snakes”, que é arruinada por uma conversa telefônica brega e é uma anomalia em um trabalho muito bom. Cada uma das outras canções contêm pontos fortes que tornam toda a oferta algo especial e acessível para além do seu período de tempo”.

Obviamente, ao lançamento do disco se sucedeu uma vitoriosa turnê para promoção do trabalho.

Em 1989, Robert Sarzo deixou o grupo e foi substituído pelo ex-guitarrista do Lion, Doug Aldrich. Esta formação gravou o terceiro álbum de estúdio do Hurricane, Slave to the Thrill, o qual foi lançado em 1990.



Formação:
Kelly Hansen - Vocal, Guitarra
Jay Schellen - Bateria, Percussão e Backing Vocal
Robert Sarzo - Guitarras e Backing Vocal
Tony Cavazo - Baixo e Backing Vocal

Faixas:
01 - Over the Edge (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 5:35
02 - I'm Eighteen (Cooper/Bruce/Buxton/Dunaway/Smith) – 4:15
03 - I'm on to You (Jones) – 3:56
04 - Messin' with a Hurricane (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 5:02
05 - Insane (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 3:48
06 - We Are Strong (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 4:41
07- Spark in My Heart (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 4:56
08 - Give Me an Inch (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 4:17
09 - Shout (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 4:46
10 - Baby Snakes (Cavazo/Hansen/Sarzo/Schellen) – 4:30

Letras:
Para conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: http://www.elyrics.net/song/h/hurricane-lyrics.htm

Opinião do Blog:
Os leitores mais fiéis do Rock: Álbuns Clássicos sabem que o estilo conhecido como Glam Metal é um dos prediletos de quem mantém a página. Vários álbuns do estilo já passaram por aqui e, enquanto este site existir, muito provavelmente, muitos outros grupos e discos do estilo aparecerão por aqui.

O Hurricane é mais um grupo ligado a esta sonoridade a dar às caras nas páginas do nosso Site. É uma banda que não fez sucesso nos anos 80 e é praticamente desconhecida nos dias de hoje. Este post tenta resgatar o que pensamos ser seu melhor trabalho.

Em Over the Edge, o ouvinte está na presença de um grupo entrosado e em sua melhor fase. Os destaques são mesmos o entrosamento do grupo e o grande trabalho do bom vocalista Kelly Hansen, o qual se monstra eficiente e versátil.

As letras são absolutamente comuns. Sugerimos uma rápida conferida.

"Messin' with a Hurricane" é uma boa canção com a típica sonoridade Glam Metal. "Spark in My Heart" possui um quê de Europe e é bem divertida. "Shout" é praticamente um Heavy Metal repleto de melodia, com ótimos vocais de Hansen.

A pesada faixa-título, "Over the Edge", é um 'clássico' do grupo com uma grande atuação do guitarrista Robert Sarzo. Na mesma linha está outra ótima canção, "We Are Strong".

Mas a preferida do site é a bluesy "Insane", uma música envolvente e contagiante, com a cara do Mötley Crüe, facilmente entre as melhores composições do conjunto, quiçá a melhor.

Enfim, o Hurricane não conquistou o sucesso comercial e de crítica e hoje é praticamente uma banda esquecida do grande público, mesmo entre os fãs de Rock. Mas Over the Edge é um ótimo trabalho, típico de sua época, mas, ao mesmo tempo, com qualidade suficiente para ouvintes além de seu tempo. Não irá mudar a vida de ninguém que o ouvir, mas é diversão garantida para fãs de um bom Rock 'n' Roll. Recomendado pelo Rock: Álbuns Clássicos.

0 comentários:

Postar um comentário