10 de dezembro de 2016

LYNYRD SKYNYRD - SECOND HELPING (1974)


Second Helping é o segundo álbum de estúdio da banda norte-americana Lynyrd Skynyrd. Seu lançamento oficial aconteceu em 15 de abril de 1974, através do selo Sounds of the South. A maior parte das gravações (exceto a faixa 1) aconteceram em janeiro de 1974, no Record Plant Studios, em Los Angeles, nos Estados Unidos. A produção ficou por conta de Al Kooper.


Após mais de 4 anos, o Lynyrd Skynyrd volta ao Blog com outro de seus trabalhos fundamentais. O Blog, brevemente e como de costume, abordará os fatos que antecederam ao lançamento do disco para depois passear por suas faixas.

Em 13 de agosto de 1973 era lançado o primeiro álbum de estúdio do Lynyrd Skynyrd, o antológico Pronounced 'Lĕh-'nérd 'Skin-'nérd.

'Pronounced' atingiu a 27ª posição da principal parada norte-americana de álbuns, a Billboard, um feito e tanto para um grupo pouco conhecido nacionalmente.

Muito mais importante que isto, o álbum apresentou uma banda com sonoridade distinta, a qual fundia o Rock com a musicalidade do sul dos Estados Unidos (como o Blues, o Soul, o Country; gênero que ficou conhecido como Southern Rock), mas também com boas doses de Hard Rock.

'Pronounced' apresentou alguns dos maiores clássicos do grupo, como a belíssima “Tuesday's Gone”, a envolvente “Gimme Three Steps”, a espetacular “Simple Man” e o épico de 9 minutos chamado “Free Bird”.

Em pouco tempo as vendas superaram a casa de 1 milhão de cópias apenas nos Estados Unidos.

A base de fãs do Lynyrd Skynyrd continuou a crescer rapidamente por todo o ano de 1973, em grande parte devido ao seu posto como grupo de abertura durante a turnê norte-americana de Quadrophenia, álbum clássico da banda inglesa The Who.

Após a turnê e com um conjunto bem entrosado, o Lynyrd Skynyrd começava a se preparar para compor, gravar e lançar seu segundo trabalho.

Já em 1974, o trio de guitarristas da banda (Gary Rossington, Ed King e Allen Collins) contribuíram com o vocalista, Ronnie Van Zant, na composição das canções que formariam o novo álbum, batizado de Second Helping.

Ed King

Completavam a formação do Lynyrd Skynyrd o tecladista Billy Powell, o baixista Leon Wilkeson e o baterista Bob Burns.

Second Helping conta com um dos maiores (senão o maior) clássicos do grupo, “Sweet Home Alabama”. Como se verá, envolta a alguma polêmica.

A capa é bem legal, contando com fotografias dos membros do grupo.

Vamos às faixas:

SWEET HOME ALABAMA

Uma melodia bela, maliciosa e cativante é a marca registrada de um dos grandes clássicos do Rock em todos os tempos. "Sweet Home Alabama" possui o swing e a malevolência típicos da sonoridade da fase clássica do Lynyrd Skynyrd. O refrão é memorável e o trabalho das guitarras, por sua vez, primoroso. Enfim, uma faixa para a história.

A letra é uma ode ao homem do sul dos Estados Unidos:

Well I heard Mr. Young sing about her
Well, I heard old Neil put her down
Well, I hope Neil Young will remember
A southern man don't need him around anyhow


Lançada como single, atingiu a excelente 8ª posição da principal parada norte-americana desta natureza. Ainda conquistou a 6ª colocação na correspondente canadense.

A inspiração para a composição de “Sweet Home Alabama” veio através do guitarrista Ed King, em um ensaio pouco tempo após o músico ter trocado o baixo pela guitarra. Em um ensaio, King ouviu um riff tocado por outro guitarrista da banda, Gary Rossington, que o marcou.

Em entrevista, King afirma que na noite daquele ensaio, os acordes e os dois principais solos de guitarra vieram até ele em sonho, nota por nota. No dia seguinte, King apresentou a música para seus companheiros de grupo. Na mesma sessão, a faixa “I Need You” teria surgido.

A faixa foi inicialmente gravada no Studio One, em Doraville, Georgia, apenas com os seguintes membros da banda: além de King, o baixista Wilkeson e o baterista Burns, estabelecendo a base de apoio da canção. King utilizou um amplificador Marshall, pertencente a Allen Collins, e a guitarra usada na gravação foi uma Fender Stratocaster de 1972. No entanto, King afirma que a guitarra era um modelo muito pobre e possuía captadores ruins, forçando-o a aumentar o amplificador ao máximo para obter um volume decente do mesmo. Esta guitarra, agora, é exibida no Rock and Roll Hall of Fame Museum, em Cleveland, Ohio, nos Estados Unidos.

A famosa frase "Turn it up", proferida pelo vocalista Ronnie Van Zant no início da canção, realmente não era para estar na música. Van Zant estava simplesmente pedindo ao produtor Al Kooper e ao engenheiro de som Rodney Mills para aumentar o volume em seus fones de ouvido para que ele pudesse ouvir melhor a faixa.

A contagem ouvida no início da música é falada por King. Esta contagem, na primeira música de um álbum foi uma espécie de assinatura que o produtor Al Kooper costumava colocar em discos que ele produzia.

Curiosamente, nenhum dos três compositores da canção eram do Alabama. Ronnie Van Zant e Gary Rossington eram ambos nascidos em Jacksonville, Flórida. Ed King era de Glendale, Califórnia.

A letra de “Sweet Home Alabama” foi escrita como uma resposta a duas canções, “Southern Man” e “Alabama”, do cantor canadense Neil Young, que tratava de temas como o racismo e a escravidão, ambos presentes no Sul dos Estados Unidos. Segundo o vocalista Ronnie Van Zant: “Nós pensamos que Neil estava atirando em todos os patos para matar um ou dois”.

Ronnie Van Zant

Neil Young, em sua autobiografia de 2012, Waging Heavy Peace, comentou sobre o seu papel na criação da música, escrevendo: “Minha própria música “Alabama” mereceu o tiro que o Lynyrd Skynyrd me deu com o seu grande sucesso. Eu não gosto de minhas palavras quando as ouço. Elas são acusatórias e condescendentes, não inteiramente pensadas, e muito fáceis de serem mal interpretadas”.

Outro motivo de controvérsia na letra é que ela se refere ao governador do Alabama, George Wallace (claramente segregacionista) e ao escândalo que ficou conhecido como Watergate:

In Birmingham, they love the governor (boo boo boo)
Now we all did what we could do
Now Watergate does not bother me
Does your conscience bother you?
Tell the truth

Muitas vezes, a letra foi apontada como um reforço ao governador Wallace, o que Ronnie Van Zandt claramente rechaçava: “As letras sobre o governador do Alabama foram mal compreendidas. O público em geral não percebeu as palavras Boo Boo Boo!!!... após essa linha, em particular, e os meios de comunicação pegaram apenas a referência ao povo amando o governador”.

O jornalista Al Swenson argumenta que a canção é bem mais complexa do que, às vezes, é dado o crédito, sugerindo que a imprensa só a olha como um endosso a Wallace.

Atente aos versos abaixo:

Now Muscle Shoals has got the Swampers
And they've been known to pick a song or two

Isto refere-se à cidade de Muscle Shoals, no Alabama, um local que ficou conhecido para a gravação de música popular por causa do "som" trabalhado em seus estúdios de gravação locais e pelos talentosos músicos de back-up.

A palavra Swampers se refere ao Muscle Shoals Rhythm Section, músicos, os quais trabalharam na formação do chamado “Muscle Shoals Sound”, sendo eternizados no Alabama Music Hall of Fame, em 1995.

Parte da referência vem dos anos de 1971-1972 em que o Lynyrd Skynyrd havia gravado demos em Muscle Shoals, com Jimmy Johnson (um dos Swampers) como engenheiro de produção/gravação. Johnson ajudou a refinar muitas das canções que seriam ouvidas pela primeira vez pelo público no álbum Pronounced.

O Lynyrd Skynyrd permanece conectado a Muscle Shoals, tendo gravado uma série de obras na cidade e tornando-se um dos pontos de parada em suas turnês.

Kid Rock, Garth Brooks e bandas como a alemã Bonfire fizeram versões para o clássico. A revista Rolling Stone colocou “Sweet Home Alabama” na 398ª posição em sua lista The 500 Greatest Songs of All Time.



I NEED YOU

Já em "I Need You", a banda opta por uma melodia mais amena, mas com uma inegável atmosfera dolorida. Há uma inconfundível influência bluesy a qual traz um aspecto soturno em um trabalho incrível da seção rítmica. Música espetacular.

A letra possui sentido romântico:

I woke up early this morning
And sun came shining down
And it found me wishin' and hopin'
Mama, you could be around
Well ,you know that I need you
More than the air that I breathe
And I guess I'm just trying to tell you woman
Oh, what you mean to me



DON'T ASK ME NO QUESTIONS

A terceira canção do trabalho traz um ótimo ritmo, alegre e envolvente, contrastando absurdamente com o clima da faixa anterior. O solo de guitarra próximo aos 2 minutos é muito legal, especialmente pelo acompanhamento dos teclados de Billy Powell.

A letra é uma mensagem para pessoas de fora da banda as quais a cobravam pelo seu sucesso:

So, don't ask me no questions
And I won't tell you no lies
So, don't ask me about my business
And I won't tell you goodbye



Lançada como single, não obteve maior repercussão nas principais paradas de sucesso desta natureza.



WORKIN' FOR MCA

"Workin' for MCA" possui a inegável pegada do Lynyrd Skynyrd, mas, simultaneamente, flerta mais deliberadamente com o Hard Rock e o Blues Rock. Alterna passagens mais aceleradas com outras mais cadenciadas. Trabalhos impecáveis de Billy Powell nos teclados e Van Zant nos vocais.

A letra possui um tom sarcástico e crítico:

Want you to sign your contract
Want you to sign today
Gonna give you lots of money
Workin for MCA



THE BALLAD OF CURTIS LOEW

Como o próprio nome diz, trata-se de uma balada. Há as incontestáveis influências Country e Bluesy na sonoridade, mas com o toque de swing e criatividade típicos do Lynyrd Skynyrd. Ótima atuação de dos vocais de Van Zant. Linda música.

A letra é uma homenagem a um Bluesman:

Play me a song Curtis Loew, Curtis Loew
I got your drinking money, tune up your dobro
People said he was useless, them people are the fools
'Cause Curtis Loew was the finest picker to ever play the blues

Segundo o site oficial da banda, a canção é baseada em um composto de pessoas que realmente viveram no bairro original do vocalista Ronnie Van Zant em Jacksonville, no estado norte-americano da Florida. Especificamente, a loja (Country Store) “é baseada na mercearia de Claude Midway, na esquina da Plymouth com a Lakeshore, em Jacksonville”.



SWAMP MUSIC

"Swamp Music" é uma verdadeira homenagem à música sulista dos Estados Unidos, pois a banda funde seu Rock com as sonoridades típica da região, criando uma canção divertida e repleta de ritmos, sendo dominada pelo teclado de Billy Powell e pelo baixo de Leon Wilkeson. 

A letra é simples e em tom de diversão:

Hound dog sing that
Swamp, swamp, swamp, swamp music
Swamp, swamp, swamp, swamp music
When the hound dog starts singin'
I ain't got them big ol' city blues



THE NEEDLE AND THE SPOON

O baixo de Wilkeson está bem presente nesta ótima faixa, a qual é dominada pelo trio de guitarristas. O peso está na dose exata e, ao mesmo tempo, o riff principal, embora simples, é muito criativo e dominante. O refrão é éxcelente, especialmente pela forma grandiosa que é interpretado por Ronnie Van Zant.

A letra é divertida, mas pode ser interpretada como um aviso para quem se arrisca com uso de drogas:

Lord, their gonna bury you boy
Don't mess with the needle
Now I know, I know, I know...



CALL ME THE BREEZE

A oitava - e última - faixa de Second Helping é "Call Me the Breeze". JJ Cale é sinônimo de música de altíssima qualidade e, claro, que esta magnífica canção não é exceção. O Lynyrd Skynyrd executa uma competentíssima versão com um envolvente toque Bluesy, mas com o peso das guitarras mais acentuado. Fecha o disco em alta performance.

A letra é uma mensagem de se seguir em frente:

Well now, they call me the breeze
I keep blowin' down the road
Well now, they call me the breeze
I keep blowin' down the road

"Call Me the Breeze" é uma canção composta originalmente pelo músico norte-americano JJ Cale. Ela apareceu pela primeira vez em seu primeiro álbum, Naturally (1972), como a faixa de abertura.



Considerações Finais

Embalado pelo sucesso estrondoso de “Sweet Home Alabama”, Second Helping foi um grande sucesso de crítica e, também, comercial.

Em termos de paradas de sucesso, alcançou a ótima 12ª colocação na principal parada norte-americana, a Billboard, embora não tenha repercutido na correspondente britânica. Ficou com a 9ª posição na parada canadense.

Stephen Thomas Erlewine, do site AllMusic, dá ao álbum nota máxima, definindo: “Esta é a parte do Skynyrd de que a maioria das pessoas se esquecem - eles eram uma grande banda, mas porque eles eram indelevelmente casados como grande compositores. E em nenhum lugar isso foi mais evidente que em Second Helping”.

Também o crítico Robert Christgau avalia o disco muito positivamente.

Como foi dito, o álbum foi o primeiro grande sucesso comercial da banda, e contou com o seu mais popular single, “Sweet Home Alabama”, uma resposta a “Southern Man”, de Neil Young, e com trabalho de guitarra criado por Ed King.

Ao contrário do que se pensa, Young e Van Zant não eram rivais, mas fãs recíprocos da música de cada um e bons amigos. Tanto que Young escreveu a canção “Powderfinger” para o Lynyrd Skynyrd, mas o grupo nunca a gravou.

O sucesso era tal que, em julho de 1974, o Lynyrd Skynyrd foi um das atrações principais no festival The Ozark Music Festival, realizado no estado norte-americano do Missouri.

Em Janeiro de 1975, o baterista Bob Burns deixou o grupo e foi substituído por Artimus Pyle, o qual gravaria o terceiro álbum do conjunto, Nuthin' Fancy, lançado em março de 1975.

Second Helping supera a casa de 2 milhões de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.



Formação:
Ronnie Van Zant - Vocal
Gary Rossington - Guitarra
Allen Collins - Guitarra
Ed King - Guitarra, Backing Vocal, Baixo em “I Need You” e “Don' t Ask Me No Questions”
Billy Powell - Teclados
Leon Wilkeson - Baixo, Backing Vocal
Bob Burns - bateria, exceto “I Need You”
Músicos Adicionais:
Mike Porter - bateria em “I Need You”
Merry Clayton, Clydie King, Sherlie Matthews – Backing Vocal em “Sweet Home Alabama”
Bobby Keys, Trevor Lawrence e Steve Madaio - Horns em “Don' t Ask Me No Questions” e “Call Me the Breeze”
Al Kooper - Backing Vocal, Piano em “Don' t Ask Me No Questions” e “The Ballad of Curtis Loew”

Faixas:
01. Sweet Home Alabama (King/Rossington/Van Zant) – 4:43
02. I Need You (King/Rossington/Van Zant) – 6:55
03. Don't Ask Me No Questions (Rossington/Van Zant) – 3:26
04. Workin' for MCA (King/Van Zant) – 4:49
05. The Ballad of Curtis Loew (Collins/Van Zant) – 4:51
06. Swamp Music (King/Van Zant) – 3:31
07. The Needle and the Spoon (Collins/Van Zant) – 3:53
08. Call Me the Breeze (Cale) – 5:09

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/lynyrd-skynyrd/

Opinião do Blog:
É sempre bom ressaltar o valor inestimável que o Lynyrd Skynyrd tem para a história do Rock e o quanto de música de primeira linha a banda produziu, especialmente em seus primeiros anos de trajetória. A fusão inteligente do Rock com a tradicional música sulista norte-americana fez do grupo um dos padrões do chamado Southern Rock.

Para o Blog, o melhor e mais sensacional álbum que a banda produziu foi mesmo sua estreia, 'Pronounced', já analisado pelo Blog em 2012. Mas Second Helping consegue a façanha de chegar próximo à qualidade estratosférica de seu antecessor.

Isto só comprova a alta categoria dos músicos que formavam o Lynyrd Skynyrd naquela época. O entrosamento e a competência deles são comprovados não apenas pela alta qualidade das composições, mas também, com a execução praticamente impecável das músicas.

Difícil apontar destaques individuais quando o conjunto fala mais alto. Mas o Blog ressalta o bom trabalho, muito criativo, do tecladista Billy Powell; abusando do feeling e trazendo um frescor para as melodias presentes nas músicas. Também a atuação de Ronnie Van Zant merece ser mencionada, especialmente em "I Need You".

As letras são simples e divertidas. Não deixe de conferir, especialmente "Sweet Home Alabama".

Por falar em "Sweet Home Alabama", é retórico, mas necessário, reafirmar que se trata do maior clássico gravado pelo Lynyrd Skynyrd e sua canção símbolo, a qual define o estilo e a sonoridade desta histórica formação. Uma música para a eternidade.

Mas nem só deste estandarte vive Second Helping. A intimista "The Ballad of Curtis Loew" é uma faixa belíssima e instigante. Assim como a intensa "The Needle and the Spoon", com as guitarras brilhando intensamente.

Mas o Blog coloca como maior destaque, obviamente após "Alabama", para a lindíssima e dramática "I Need You", a qual transborda dor e sentimento por todos os poros.

Enfim, o Lynyrd Skynyrd dos anos 70 não merece apenas ser ouvido como também reverenciado pelo seu trabalho excelente produzido naquela década. A banda ficou marcada pela tragédia que sofreu em 1977, mas, felizmente, deixou música de primeira linha gravada na história do Rock. Second Helping é uma prova disto. Extremamente obrigatório!

0 comentários:

Postar um comentário