27 de outubro de 2013

DIO - THE LAST IN LINE (1984)


The Last In Line é o segundo álbum de estúdio da carreira-solo do vocalista Ronnie James Dio. Seu lançamento oficial aconteceu no dia 13 de julho de 1984, pelos selos Vertigo/Warner Bros. As gravações ocorreram naquele ano, no estúdio Caribou Ranch, no Colorado, Estados Unidos. O próprio Dio foi o responsável pela produção do disco.



O Blog, em seus primórdios, já tratou do álbum de estreia do Dio, o clássico Holy Diver. Abaixo, o link a quem se interessar:

Para a turnê de Holy Diver, Dio sentiu a necessidade de transformar sua banda em um quinteto com a adição de um tecladista. O escolhido foi Claude Schnell.

Já para o trabalho de composição e gravação do próximo álbum, Schnell já estava contratado como o quinto membro da banda.

Os demais membros permaneciam os mesmos, formando um grande grupo: Vivian Campbell nas guitarras, Jimmy Bain no baixo, Vinny Appice na bateria e, evidentemente, o baixinho Ronnie James Dio nos vocais.

Vivian Campbell


Ser o sucessor de um álbum em nível estratosférico como Holy Diver (1983), não seria nada fácil para nenhum trabalho. Mas Dio não se esmoreceu com o desafio e passou a se voltar para tamanho desafio tão logo a turnê de seu predecessor se encerrou.

Na verdade, o baixinho, inteligentemente, acabou por seguir a mesma fórmula que funcionou no disco anterior.

Primeiramente, manteve o mesmo time que compôs e gravou Holy Diver, com a já adição do supracitado tecladista.

Em segundo lugar, também permaneceu no posto de produtor do trabalho, fator que acabou catalisando o resultado de maneira muito eficiente.

Vinny Appice


Em seguida, Dio manteve a mesma sonoridade do álbum anterior, um Heavy Metal tradicional até o talo, com as composições servindo como base para favorecer o brilho da voz de um dos ícones do vocal no Heavy Metal em todos os tempos.

Até a arte da capa manteve a linha do disco anterior: possui uma tonalidade das cores bem semelhantes à de Holy Diver e conta com o demônio Murray, a mascote da banda.

Como foi dito, dificilmente, para qualquer conjunto existente, manter o nível de um disco como o clássico Holy Diver. Mas, como será mostrado, o resultado de The Last In Line, surpreende.

WE ROCK

Abre o disco o clássico “We Rock”.

Um riff veloz e preciso dá as cartas do primeiro trabalho do álbum. “We Rock” apresenta o melhor do Heavy Metal tradicional: peso, rapidez e muita melodia. Desnecessário dizer que os vocais de Ronnie James Dio estão praticamente perfeitos. Ótimo início.

Na letra, Dio conta uma história sobre descobertas e esperança:

We pray to someone
But when it's said
And done it's really all the same
With just a different name
So many voices
All giving choices
If we listen they will say
Oooh,we can find the way
But we'll sail on sing a song carry on

“We Rock” é um grande sucesso da carreira-solo de Dio, sendo a canção que muitas vezes fechava seus shows.



Lançada como single, atingiu a 42ª posição da parada britânica desta natureza.



THE LAST IN LINE

Homônima ao álbum, o clássico “The Last In Line” é a segunda faixa do álbum.

O início suave e melódico de “The Last In Line” pode até enganar o ouvinte, induzindo-o a pensar que se trata de uma balada. Mas logo os pesos da guitarra e bateria, juntamente à voz potente de Dio, demonstram que o Heavy Metal está de volta. Desta vez a canção, embora continue pesada, aposta em um ritmo mais lento e cadenciado. Brilhante construção.

A letra também conta uma história que envolve magia, conhecimento e a disputa entre bem e mal:

We're all born upon the cross
The throw before the toss
You can release yourself
But the only way is down

“The Last In Line” não foi lançada como single no Reino Unido, mas apenas nos Estados Unidos e outros países como a Holanda, por exemplo. Nos EUA, conseguiu a 10ª posição na parada de singles.



BREATHLESS

“Breathless” é a terceira música do trabalho.

Outro riff bem pesado é a marca de “Breathless”. Dio emprega uma interpretação bem forte, acompanhando o ritmo da canção. O peso está presente em uma construção que se apresenta em uma velocidade não tão acelerada. Boa faixa.

A letra confronta o desejo de conhecimento com o medo do que se pode se tornar:

You said a single word
No one really heard
It's always worse at night
'cause when the darkness kills the light



I SPEED AT NIGHT

“I Speed At Night” é a quarta canção do álbum.

Como o próprio nome sugere, “I Speed At Night” aposta em um ritmo mais veloz e rápido. O riff é pesado e intenso, mas com a tradicional melodia que Dio sempre empregou em suas composições por toda sua carreira. Faixa interessante, com um ótimo solo por parte de Campbell.

As letras são simples e demonstram um espírito de aventura:

My demons they seem to disappear no vision
I only see to hear
Protection
I never needed none direction just nowhere near the sun



ONE NIGHT IN THE CITY

A quinta faixa de The Last In Line é “One Night In The City”.

O riff principal da canção é empolgante, pois possui na medida exata peso, melodia e intensidade. O ritmo é mais cadenciado e Dio a canta de maneira exímia, proporcionando um dos melhores momentos do disco. O casamento entre a voz do cantor e a guitarra de Vivian Campbell é espetacular. Ponto altíssimo do trabalho!

A letra conta a história de dois personagens: Johnny e a princesa Sally:

But one child went away and one child stayed to play for one night in the city
One night looking pretty yeah one night in the city one night touching pretty
But chains don't make a wall and dreams lay where they fall
Dark is never night when dreams make up the light one night in the city



EVIL EYES

Sexta música de The Last In Line é “Evil Eyes”.

A canção aposta em um riff bem rápido e simples, sendo bem direta. Um Heavy Metal bem típico dos anos oitenta, contando com um solo inspirado de Vivian Campbell. O maior destaque, como sempre, é a inspirada interpretação de Dio.

A letra mistura magia e maldição:

Yes evil eyes
Oh those eyes
Hide in the night time turn out the light
They'll see you anyway



MYSTERY

A sétima faixa do trabalho é “Mystery”.

“Mystery” começa com teclados mais presentes e dando a melodia base da canção. O riff é ótimo, repleto de sonoridade em uma linha entre o Heavy Metal e o Hard Rock, o qual faz desta música única dentro do álbum. Outro ótimo momento do disco.

Outra vez a letra aposta em uma temática que envolve magia e mistério:

We are lightning we are flame and we burn at the touch of a spark
When there's the fire but no one sees the there's only the dark
Just imagine will you try I can see that you've opened your mind
Silver linings can disappear but they always shine

Lançada como single, atingiu boas posições nas duas principais paradas desta natureza: 20ª posição nos Estados Unidos e 34ª colocação no Reino Unido.



EAT YOUR HEART OUT

A oitava música do disco é “Eat Your Heart Out”.

Esta é outra faixa do trabalho que soa bastante direta ao ouvinte. O riff é pesado e com um ritmo mais lento, cadenciado. A interpretação de Dio é também um pouco mais “agressiva”, acompanhando a parte instrumental. Mais um bom solo de Vivian Campbell.

A letra demonstra um espírito de decepção e vingança:

And all the promises of springtime
Turned to lies so cold
But I'm stronger than you know and
I've come to let you go



EGYPT (THE CHAINS ARE ON)

A nona – e última – música de The Last In Line é “Egypt (The Chains Are On)”.

A derradeira faixa do álbum é também a mais extensa do trabalho. Apresenta um riff sensacional por parte de Campbell, que aposta novamente no peso e no ritmo mais arrastado, que funciona de maneira impressionante nesta construção. Dio tem uma interpretação magnífica, cantando de maneira belíssima e transmitindo muita emoção.

A letra conta uma história fantástica:

In the land of the lost horizon
Where the queen lies dark and cold
And when the stars won't shine
Then the story's told yeah



Considerações Finais

Como foi dito, não deve ter sido muito fácil fazer o sucessor de Holy Diver.

Em termos de parada de sucessos, The Last In Line superou seu antecessor: 23ª posição na parada norte-americana de álbuns com a excepcional 4ª colocação na sua correspondente britânica. Ainda abocanhou o 6º lugar na parada sueca.

A recepção da crítica também foi positiva, tanto na época quanto posteriormente. The Last In Line foi colocado na 372ª colocação de uma lista de The 500 Greatest Rock & Metal Albums of All Time, criada pela revista Rock Hard, em 2005.

Após 6 meses de seu lançamento, o álbum já havia superado a casa de 500 mil cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.



Formação:
Ronnie James Dio – Vocal
Vivian Campbell – Guitarra
Jimmy Bain – Baixo
Claude Schnell - Teclado
Vinny Appice – Bateria, Percussão

Faixas:
01. We Rock (Dio) - 4:36
02. The Last in Line (Bain/Campbell/Dio) - 5:40
03. Breathless (Campbell/Dio) - 4:04
04. I Speed at Night (Appice/Bain/Campbell/Dio) - 3:22
05. One Night in the City (Appice/Bain/Campbell/Dio) - 5:15
06. Evil Eyes (Dio) - 3:38
07. Mystery (Bain/Dio) - 3:46
08. Eat Your Heart Out (Appice/Bain/Campbell/Dio) - 3:49
09. Egypt (The Chains Are On) (Appice/Bain/Campbell/Dio) - 6:57

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, indica-se o acesso a: http://letras.mus.br/dio/

Opinião do Blog:
Ronnie James Dio atingiu o ápice de sua carreira-solo já no seu álbum de estreia, o extraordinário Holy Diver. Isto deixou uma árdua tarefa após sua divulgação, a qual seria, compor e gravar o seu sucessor.

Quase 30 anos depois, pode-se dizer que Dio fez com sucesso a missão. The Last In Line é um trabalho muito bom.

Evidentemente, não possui o brilho do anterior, já que este era um álbum estratosférico. Mas mesmo assim, o disco aqui analisado tem o seu valor.

Dio apostou na manutenção do estilo do trabalho prévio. A temática das letras é bastante semelhante, assim como a estrutura da parte instrumental. Até o número de canções é o mesmo: nove.

O Heavy Metal tradicional é o estilo proposto. Dio, desnecessário dizer, tem uma atuação inspirada e somente isto já valeria a audição do trabalho.

Vivian Campbell nos presenteia com um ótimo trabalho nas guitarras, com bons riffs e solos. Bain é preciso no baixo, e Appice demonstra todo seu talento na bateria. Schnell também faz corretamente sua missão.

Em termos de composição, The Last In Line não tem a mesma força do brilhante Holy Diver. Aqui, temos sim ótimas canções como “We Rock”, a brilhante “One Night In The City”, “Egypt” e a faixa-título. Todas apresentam Dio em sua melhor forma.

As outras faixas oscilam em boas composições como “Evil Eyes” e outras apenas medianas, como “Eat Your Heart Out”.


Mesmo assim, o Blog recomenda (e muito) a audição atenta do segundo trabalho solo de um dos maiores vocalistas da história da música, o saudoso Ronnie James Dio.

3 comentários:

  1. Acabei de ouvir Holy Diver na semana passada, e realmente este disco é ótimo. Já este The Last in Line, posso dizer que ainda não ouvi. Em suma, ainda falta pouco pra eu me tornar um fã do saudoso Dio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, Igor. Holy Diver está entre os meus álbuns preferidos de todos os tempos. The Last in Line também é muito bom, mas está em um patamar inferior. Para complementar a audição da obra do mestre Dio, indico os álbuns do Rainbow (especialmente Rising) e o seu trabalho com o Sabbath (notoriamente Heaven & Hell). Abraço!

      Excluir
    2. Obrigado pelas dicas, amigo. Abraço pra você também!

      Excluir