2 de janeiro de 2017

KING CRIMSON - IN THE COURT OF THE CRIMSON KING (1969)


In The Court of the Crimson King é o álbum de estreia da banda britânica King Crimson. Seu lançamento oficial aconteceu em 10 de outubro de 1969, através do selo Island Records. As gravações ocorreram entre junho e agosto daquele mesmo ano, no Wessex Sound Studios, em Londres, na Inglaterra. A produção ficou por conta do próprio grupo.


Na estreia do Blog em 2017, já começamos com uma novidade: o 'debut' de um dos gigantes do Rock Progressivo setentista, estilo que gradativamente começará a aparecer mais por aqui. Como tradição, será feita uma descrição dos fatos que antecederam o lançamento do disco para depois se abordar suas faixas.

A história do King Crimson começa no ano de 1967, quando os irmãos Michael Giles, baterista, e Peter Giles, baixista, fizeram um anúncio procurando um músico que tocasse órgão e cantasse, a fim de constituírem uma nova banda.

Peter e Michael já tocavam profissionalmente em algumas bandas desde meados de suas adolescências, portanto, tendo experiência no assunto.

Quem respondeu ao supracitado anúncio foi o guitarrista Robert Fripp, que também era da mesma cidade dos irmãos Giles, Dorset, na Inglaterra. O trio formou um novo conjunto e que foi batizado de Giles, Giles and Fripp.

A base musical do novo grupo era um Pop excêntrico, substancialmente enriquecido por uma instrumentalidade bem complexa. O conjunto gravou vários singles, todos com pouco ou nenhum sucesso, e até mesmo um álbum, chamado The Cheerful Insanity of Giles, Giles e Fripp (1968).

A banda ficou pairando em torno do sucesso, incluindo várias aparições em programas de Rádio e até mesmo uma na televisão, mas nunca conseguiu gravar um hit o qual teria sido crucial para atingir o almejado sucesso comercial.

Desta forma, o disco não fez mais barulho que os singles, chegando a receber uma crítica negativa do baterista do The Who, Keith Moon, em uma revista.

Em uma tentativa de expandir sua abordagem musical, o grupo recrutou o tecladista Ian McDonald, o qual trouxe consigo sua então namorada, Judy Dyble, ex-vocalista do conjunto Fairport Convention.

A estadia de Judy foi bastante efêmera, com a vocalista deixando a banda assim que seu relacionamento com McDonald chegou ao fim.

McDonald, então, trouxe ao grupo o letrista, roadie e artista Peter Sinfield, com quem havia escrito canções desde que Ian havia sugerido a Sinfield que sua banda (de nome Creation) era musicalmente sem esperança, mas que se juntasse a ele na qualidade de compositor.

Simultaneamente, Robert Fripp assistiu a um show da banda Clouds, no Marquee Club, em Londres, e que o inspiraria em acrescentar elementos de música clássica e jazz na sua forma de compor música.

Ademais, Fripp não estava mais disposto a prosseguir no estilo Pop extravagante de Peter Giles e convidou seu amigo, o excelente guitarrista e vocalista Greg Lake, para se juntar ao grupo e substituir Peter Giles (ou seu irmão Michael).

Mais tarde, Peter Giles chamaria este ato de Fripp de “sutil movimento político” ao mesmo tempo em que, desiludido com a falta de sucesso do Giles, Giles and Fripp, acabou deixando a banda e permitindo a Greg Lake se tornar o baixista e vocalista do conjunto.

A primeira encarnação do King Crimson surgiu na cidade inglesa de Londres, em 30 de Novembro de 1968, e seu primeiro ensaio aconteceu em 13 de janeiro de 1969. O nome da banda foi cunhado por Sinfield, embora não tivesse o objetivo de ser um sinônimo de Belzebu, o príncipe dos demônios.

De acordo com Robert Fripp, belzebu (em inglês Beelzebub) era uma forma inglesa da frase árabe “B'il Sabab”, a qual significaria “o homem com um objetivo”.

Histórica e etimologicamente, um "King Crimson" seria qualquer monarca em cujo reinado houve agitação civil e derramamento copioso de sangue. Curiosamente, seu primeiro álbum estreou no auge da oposição mundial ao envolvimento militar dos Estados Unidos no sudeste asiático (Nota do Blog: Guerra do Vietnã).

Naquela altura, Ian McDonald era o principal compositor do grupo, embora com contribuições de Greg Lake e Robert Fripp, enquanto Peter Sinfield escrevia as letras, criava e operava a iluminação de palco da banda, sendo creditado nos termos “sounds e visions” (sons e visões, em uma tradução literal).

Ian McDonald

Ian McDonald sugeriu à banda a comprar um Mellotron e eles começaram a usá-lo para criar um som de rock orquestral, inspirado na banda inglesa The Moody Blues. (Nota do Blog: Mellotron é um teclado eletromecânico polifônico desenvolvido originalmente em Birmingham, Inglaterra, no início da década de 1960, por uma empresa de mesmo nome).

Peter Sinfield descreveu o King Crimson assim: “Se ele soasse muito popular, estava fora. Portanto, ele deveria ser complicado, deveria possuir acordes mais expansivos, e ter influências estranhas. Se soasse muito simples, nós o tornaríamos mais complicado (...)”.

O King Crimson fez a sua estreia, ao vivo, em 9 de abril de 1969, e acabou tendo sua grande premier ao tocar com o Rolling Stones em seu famoso concerto gratuito no Hyde Park, em Londres, em Julho de 1969, ante um público estimado de 500 mil pessoas.

As sessões iniciais para gravação do álbum foram realizadas no início de 1969, com o produtor Tony Clarke, mais conhecido por seu trabalho com o The Moody Blues. Estas sessões se revelaram um fracasso e o grupo conseguiu a permissão para produzir o disco por si mesmo.

O álbum foi gravado no Wessex Sound Studios, em Londres, com o engenheiro de som Robin Thompson e auxílio de Tony Page.

Com o objetivo de alcançar os exuberantes sons orquestrais, característicos do álbum, Ian McDonald passou muitas horas na mixagem das camadas de Mellotron e dos vários instrumentos de sopro usados na gravação.

Algum tempo depois que o álbum havia sido concluído, no entanto, descobriu-se que o gravador stereo master utilizado durante a fase de mixagem do álbum havia alinhado as cabeças de gravação incorretamente.

Este desalinhamento resultou em perda de altas frequências e introduziu alguma distorção indesejada. Isto é evidente em algumas partes do disco, em particular em “21st Century Schizoid Man”.

Por conseguinte, enquanto se preparava a primeira versão americana do disco para a Atlantic Records, uma cópia especial foi feita a partir do gravador 2-track stereo master (analógico), em uma tentativa de corrigir algumas dessas anomalias. (O processo de cópia da fita analógica geralmente resulta em perda de qualidade).

De 1969 a 2003, essa cópia de gravação 'corrigida' foi a fonte usada na produção de cópias em vinil, cassete e CD lançadas ao longo dos anos. As gravações originais, no entanto, haviam sido arquivadas logo após as sessões originais de mixagem, em 1969. Estas fitas foram consideradas perdidas até o ano de 2003.

Greg Lake

Barry Godber, um programador de computador, pintou a capa do álbum. Godber morreu em fevereiro de 1970, de um ataque cardíaco, pouco depois do lançamento do disco. Esta foi sua única capa de álbum e a pintura original agora pertence a Robert Fripp.

Fripp sobre Godber: “Peter trouxe esta pintura e a banda adorou. Recentemente, recuperei o original dos escritórios (da E.G. Records), porque eles mantiveram-no exposto à luz brilhante, com o risco de estragá-lo, então eu acabei por removê-lo de lá. A face do lado de fora é o Homem esquizóide, e a do interior é o King Crimson. Se você cobrir o rosto sorridente, os olhos revelam uma tristeza incrível. O que se pode acrescentar? Ele reflete a música”.

A capa do álbum é pintada em uma parede no filme Surf Nazis Must Die, de 1987.

Vamos às faixas:

21ST CENTURY SCHIZOID MAN

O álbum começa com um flerte deliberado a sonoridades mais pesadas, seja pela guitarra pesada de Robert Fripp, seja pela voz transtornada de Greg Lake, alterada no estúdio. O peso e o riff magistral logo dão caminho a uma extensa jornada com pegada jazzística. Ao final, o retorno ao tema inicial. Faixa incrível!

A letra é inteligente, apresentando uma linguagem que traduz figuras e críticas à sociedade política:

Blood rack, barbed wire
Politicians' funeral pyre
Innocents raped with napalm fire
Twenty first century schizoid man

As letras de "21st Century Schizoid Man" foram escritas por Peter Sinfield e consistem, principalmente, de frases desconexas as quais apresentam uma série de imagens. Todos as três estrofes seguem um padrão definido em apresentar essas imagens.

O primeiro verso de cada estrofe apresenta duas imagens relativamente vagas, como “Cat's foot, iron claw”. O segundo verso é uma única imagem, muitas vezes, mais específica que as duas primeiras, e o terceiro verso se aproximaria de uma sentença real. O quarto e último verso de cada estrofe é o título da canção.

A música faz referência à Guerra do Vietnã com as letras “Politicians' funeral pyre/Innocents raped with napalm fire” sendo uma referência às bombas de napalm usadas no conflito.

Antes de uma performance ao vivo da canção, em 14 de dezembro de 1969, ouvida no álbum ao vivo Epitaph (1997), Robert Fripp comentou que a canção foi dedicada a “uma personalidade política americana a quem todos nós conhecemos e amamos muito. Seu nome é Spiro Agnew”. (Nota do Blog: Spiro Theodore Agnew foi um político estadunidense, vice-presidente do seu país entre 1969 e 1973, de origem familiar grega. Teve uma notável subida na carreira política: em apenas seis anos passou de executivo municipal a vice-presidente. Renunciou ao cargo de vice-presidente em 1973 por ter sido acusado de evasão fiscal).

A canção é notável por seus vocais fortemente distorcidos, cantados por Greg Lake, e sua seção instrumental no meio da execução, batizada de “Mirrors”.

O solo de guitarra de Robert Fripp foi escolhido como 82º colocado na lista Top 100 Greatest Guitar Solos, de 2008, realizada pela revista norte-americana Guitar World. Entre os fãs da canção, está o ex-primeiro ministro britânico, Tony Blair.

Entre algumas bandas famosas que gravaram versões para o clássico atemporal do King Crimson estão as bandas Voivod, Gov't Mule e Ozzy Osbourne.



I TALK TO THE WIND

Já em sua segunda faixa, "I Talk to the Wind", Greg Lake canta de forma contida e suave, casando os vocais com a sonoridade leve, mas muito envolvente. Mas o grande destaque é a flauta sublime de Ian McDonald, que não apenas encanta o ouvinte, mas também cria uma atmosfera especial para a canção. Linda música.

A letra é ótima e passa uma mensagem sobre a fugacidade do tempo:

You don't possess me
Don't impress me
Just upset my mind
Can't instruct me or conduct me
Just use up my time

É a única música do álbum que não possui uma seção separadamente batizada. Entre algumas versões estão artistas como Opus III, Jordan Rudess e Klaus Waldeck.



EPITAPH

Com mais de 8 minutos, "Epitaph" traz uma melodia belíssima, mas ao mesmo tempo uma sonoridade escurecida e totalmente melancólica. Impossível não ressaltar o trabalho de Greg Lake, não apenas nos vocais, mas sobretudo no Baixo. Mas o destaque maior fica para o trabalho de Ian McDonald no teclado Mellotron, responsável direto pelo clima sombrio da canção. Espetacular.

A letra é profunda, mas pode ser inferida com um sentimento sombrio e resignado:

Confusion will be my epitaph
As I crawl a cracked and broken path
If we make it we can all sit back
And laugh
But I fear tomorrow I'll be crying
Yes, I fear tomorrow I'll be crying

Em “Epitaph”, estão incluídas duas passagens denominadas “March for No Reason” e “Tomorrow and Tomorrow”.

A música se tornou famosa pelo uso intenso do Mellotron, de Ian McDonald.

O título da canção, mais tarde, foi usado como o nome para um álbum ao vivo do King Crimson, Epitaph, de 1997.

O grandioso trio Emerson, Lake & Palmer, mais tarde, incorporaria um trecho de “Epitaph” em uma versão ao vivo de sua música “Tarkus” (após uma parte denominada “Battlefield”), do álbum Tarkus (1971), conforme documentado no disco ao vivo Welcome Back My Friends to the Show That Never Ends... Ladies and Gentlemen (1974).

A gravadora Epitaph Records também tomou seu nome da canção.



MOONCHILD

"Moonchild" é a mais longa faixa do disco, superando a casa dos 12 minutos. Os vocais de Greg Lake são encontrados apenas nos primeiros minutos, dando passagem a uma extensa viagem instrumental, na qual técnica e improviso se abraçam harmoniosamente em uma turnê repleta de experimentalismo.

Embora seja uma letra dotada de notável fantasia, há um inegável sentimento de tristeza e melancolia em seu significado:

Call her moonchild
Dancing in the shallows of a river
Lonely moonchild
Dreaming in the shadows
Of the willow

“Moonchild” é dividida em duas seções denominadas “The Dream” e “The Illusion”.

A primeira seção, “The Dream”, é uma balada predominantemente donimada pelo Mellotron, mas, após dois minutos e meio de execução, ela muda para uma forma completamente livre de improvisação instrumental da banda (chamada “The Illusion”), a qual dura até o final da canção.

Robert Fripp toca um trecho de “The Surrey With the Fringe on Top” (retirada do musical Oklahoma, de Rodgers & Hammerstein) durante a seção “The Illusion”.

Na versão remasterizada do álbum, de 2009, a faixa foi editada por Fripp e seu amigo músico, Steven Wilson, com os cerca de 2,30 minutos de improvisação original (exatamente o trecho “The Surrey With the Fringe on Top”) sendo removido. Esta edição do álbum, no entanto, oferece a versão original como faixa bônus.

A canção também contém uma alternância única entre os pratos da bateria, a qual foi elogiada por muitos críticos musicais da época. Alguns críticos também descreveram a música como “Space Jam”.

A banda italiana Twenty Four Hours fez uma versão para “Moonchild”.



THE COURT OF THE CRIMSON KING

A quinta - e última - faixa de In the Court of the Crimson King é "The Court of the Crimson King". Com seus mais de 9 minutos, a última canção do álbum é belíssima. O coro de vozes ajuda a criar um clima denso e pesado, juntamente a uma melodia repleta de melancolismo. Toda esta beleza é auxiliada pela ótima interpretação de Greg Lake nos vocais. Uma música estupenda!

A letra pode ser inferida como uma contenda através da dualidade do bem com o mal:

The gardener plants an evergreen
Whilst trampling on a flower
I chase the wind of a prism ship
To taste the sweet and sour
The pattern juggler lifts his hand
The orchestra begin
As slowly turns the grinding wheel
In the court of the crimson king


Lançada como single, atingiu a 80ª posição da principal parada norte-americana desta natureza.

“The Court of the Crimson King” é dividida em duas seções, chamadas “The Return of the Fire Witch” e “The Dance of the Puppets”.

A faixa é dominada por um riff tocado no Mellotron. A principal parte da música é dividida em 4 estrofes, dividido por uma seção instrumental chamada “The Return of the Witch Fire”.

A canção tem seu clímax por volta dos sete minutos, mas continua com uma reprise (chamada de “The Dance of the Puppets”), antes de terminar em uma abrupta livre escala de tempo.

A faixa foi usada no filme Children of Men, dirigido por Alfonso Cuarón, de 2006, aparecendo em sua trilha sonora. Também é amplamente utilizada na série de televisão canadense Kenny vs. Spenny.

A parte instrumental da canção pode ser ouvida no filme francês Cineman. A canção foi recentemente escolhida como tema de encerramento para o videogame Natural Doctrine.

Entre versões cover famosas estão a de bandas como Saxon, Asia e Arc Angel.



Considerações Finais

A qualidade inquestionável do álbum foi refletida no seu desempenho nas paradas de sucesso.

In the Court of the Crimson King conquistou a excepcional 5ª posição da principal parada britânica de álbuns, alcançando a 28ª colocação na sua correspondente norte-americana. Ainda ficou com o 27º e o 41º lugares nas paradas de Canadá e Polônia, respectivamente.

O álbum recebeu elogios públicos de Pete Townshend, guitarrista do The Who, que chamou o disco de “uma obra de arte incrível”. O som do trabalho, incluindo a sua faixa de abertura, “21st Century Schizoid Man”, foi descrito como uma prévia do que se tornaria, futuramente, o rock alternativo e o grunge, enquanto suas canções mais suaves são referidas como possuidoras de sensações “etérea” e “quase sagrado”.

Em contraste com o Hard Rock, baseado no blues, das cenas britânica e norte-americana da época, o King Crimson apresentou uma abordagem mais europeizada, a qual misturava antiguidade e modernidade.

Robert Fripp

A música do conjunto se baseou em uma ampla gama de influências fornecidas por todos os cinco membros do grupo. Estes elementos incluíam música clássica, o rock psicodélico encabeçado por Jimi Hendrix, Folk, Jazz, música militar (parcialmente inspirada por Ian McDonald), a improvisação ambiente, Victoriana e Pop britânico.

Inicialmente, In the Court of the Crimson King recebeu reações mistas dos críticos. Robert Christgau destruiu o disco. A revista norte-americana Rolling Stone foi favorável, escrevendo que “eles combinaram aspectos de muitas formas musicais para criarem uma obra surreal de força e originalidade”. O álbum, desde então, alcançou um status de clássico.

Bruce Eder, do site AllMusic, dá nota máxima ao disco, realçando: “o álbum definitivo do grupo, e um dos álbuns de estreia mais ousados já registrados por qualquer banda”.

Em seu livro de 1997, Rocking the Classics, o crítico e musicólogo, Edward Macan, observa que, “In the Court of the Crimson King pode ser o mais influente álbum de rock progressivo já lançado”.

Em um especial das revistas britânicas Q e Mojo, chamado Pink Floyd & The Story of Prog Rock, o álbum ficou em quarto lugar na lista de 40 Cosmic Rock Albums. O disco também foi incluído na lista 50 Albums That Built Prog Rock da revista britânica Classic Rock.

Em 2015, a revista norte-americana Rolling Stone nomeou In the Court of the Crimson King o segundo melhor álbum de rock progressivo de todos os tempos, atrás apenas de The Dark Side of the Moon, do Pink Floyd.

Depois de fazer shows em toda a Inglaterra, a banda excursionou nos Estados Unidos, com vários grupos pop e rock. Seu primeiro show foi no Goddard College, em Plainfield, nos Estado de Vermont. Enquanto o seu som original surpreendeu o público contemporâneo e críticos, algumas tensões criativas já estavam se desenvolvendo dentro da banda.

Michael Giles e Ian McDonald se esforçavam para lidar com o rápido sucesso do King Crimson bem como com as realidades da vida em turnê e ficaram desconfortáveis com a direção da banda.

Embora não fosse o compositor principal e nem o frontman do grupo, Robert Fripp representava sua força motriz e se tornou o porta-voz da banda, levando o King Crimson a áreas musicais progressivamente mais escuras e intensas.

McDonald e Giles, privilegiando um estilo mais leve e mais romântico da música, tornaram-se cada vez mais desconfortáveis com a proposta do grupo e demitiram-se da banda durante a turnê norte-americana.

Para salvar o que via como os elementos mais importantes do King Crimson, Fripp se ofereceu a deixar ele mesmo o grupo, mas McDonald e Giles declararam que a banda era “mais (ele) do que eles” e que deveriam, portanto, serem eles a saírem.

O line-up fez seu último show no Fillmore West, em San Francisco, Estados Unidos, em 16 de dezembro de 1969.

Depois de sua primeira turnê pelos Estados Unidos, o King Crimson estava em um estado de fluxo com várias mudanças de formação, planos frustrados de turnê, e dificuldades em encontrar uma direção musical satisfatória.

Este período foi posteriormente referido como o interregnum - um apelido que implica que o 'King' (King Crimson) não estava adequadamente nos eixos durante esse tempo. Por fim, Robert Fripp tornou-se o único músico que permaneceu na banda, com Sinfield expandindo seu papel criativo a tocar sintetizadores.

In the Court of the Crimson King supera a casa de 500 mil cópias vendidas apenas na América do Norte.



Formação:
Robert Fripp - Guitarras
Michael Giles - Bateria, Percussão, Backing Vocals
Greg Lake - Vocal, Baixo
Ian McDonald - Instrumentos de sopro (Saxofone, Flauta, Clarinete, Clarinete baixo), Teclados (Mellotron, Cravo, Piano, Órgão), Vibrafone, Backing Vocals
Peter Sinfield - Letras, Iluminação

Faixas:
01. 21st Century Schizoid Man (Fripp/Giles/Lake/McDonald/Sinfield) - 7:24
02. I Talk to the Wind (McDonald/Sinfield) - 6:04
03. Epitaph (Fripp/Giles/Lake/McDonald/Sinfield) - 8:49
04. Moonchild (Fripp/Giles/Lake/McDonald/Sinfield) - 12:13
05. The Court of the Crimson King (McDonald/Sinfield) - 9:26

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/king-crimson/

Opinião do Blog:
Após muito tempo, o Rock Progressivo aparece novamente no Blog, como forma magnífica de inaugurar as nossas atividade para o ano de 2017.

Dispensável gastar este espaço para ficar enaltecendo as indiscutíveis e amplamente reconhecidas qualidades do King Crimson como banda. Em sua estreia, músicos do quilate de Greg Lake, Ian McDonald e, claro, Robert Fripp, compunham uma formação que deve ser classificada como irretocável.

Cabe, então, discutir o peso da obra-prima chamada In the Court of the Crimson King,

Se em 1969, bandas como o The Nice, por exemplo, já haviam iniciado suas incursões pelo experimentalismo que conduziria ao surgimento do Rock Progressivo, In the Court of the Crimson King, entretanto, pode ser considerado como uma pedra fundamental para a incipiente vertente que estava aflorando.

Boa parte dos elementos os quais se tornariam presença constante nas principais obras do estilo progressivo durante os anos seguintes, apareceram consolidados no álbum.

A forma como Ian McDonald atua no teclado Mellotron se tornaria influência para grandes tecladistas do progressivo, como Rick Wright, do Pink Floyd. McDonald, outra vez, no uso belíssimo da flauta em canções como "I Talk to the Wind", tornou-se referência para diversas bandas progressivas, como Genesis e Jethro Tull.

O mesmo pode ser dito da atuação vocal de Greg Lake, contida, mas na exata medida que a sonoridade solicitava. A bateria de Michael Giles, fortemente identificada com o Jazz, é outra marca forte do álbum de estreia do King Crimson. Claro, Robert Fripp é um músico muito além de seu tempo, um verdadeiro artista de vanguarda.

Outra forte característica do álbum é a maneira como as músicas e, em especial, as passagens instrumentais foram construídas: com acordes em progressão e de forma a criar verdadeiros ciclos harmoniosos. Simplesmente genial.

As letras são normalmente sombrias e angustiantes, contrapondo o imaginário psicodélico tão em alta na segunda metade dos anos 60.

Difícil destacar faixas em um álbum tão espetacular como este. Claro, "21st Century Schizoid Man" é um clássico, pesada e inquietante. "I Talk to the Wind" é uma belíssima balada. E a faixa-título, "The Court of the Crimson King" é uma verdadeira aventura alucinante.

Mas o Blog aponta como favorita a magnífica "Epitaph", uma música com uma beleza inconfundível.

Concluindo, In the Court of the Crimson King, não é apenas um álbum clássico. Muito menos somente uma obra-prima. Este disco é uma das pedras fundamentais do Rock Progressivo e um dos trabalhos mais influentes da história do Rock. E, também, um dos melhores álbuns de todos os tempos. Obrigatório e essencial para fãs de boa música.

0 comentários:

Postar um comentário