7 de novembro de 2012

BAD COMPANY - BAD COMPANY (1974)



Post dedicado a Lígia Polizzi

Bad Company é o álbum de estreia e homônimo à banda inglesa, obviamente, chamada Bad Company. Seu lançamento oficial aconteceu no dia 26 de junho de 1974, com a produção a cargo do próprio grupo. As gravações ocorreram no mês de novembro de 1973, em Headley Grange (com os estúdios móveis de Ronnie Lane), em East Hampshire, na Inglaterra. O disco saiu sob o selo Swan Song.



Quando o Blog fez a resenha do álbum Fire And Water (1970), da banda Free, mencionou-se parte da história de dois dos fundadores do Bad Company, o vocalista Paul Rodgers e o baterista Simon Kirke. A partir dela é que se começará o texto sobre o Bad Company. Para quem se interessar, o post sobre o Free: http://rockalbunsclassicos.blogspot.com.br/2012/05/free-fire-and-water-1970.html

Assim que o Free se desfez, Paul Rodgers e Simon Kirke quiseram formar um novo conjunto para trabalharem. A ideia que surgiu foi a de formar um “supergrupo” e, assim, prosseguirem com suas carreiras.

Para o trabalho das guitarras, o escolhido foi o ex-guitarrista da banda Mott The Hoople, o ótimo Mick Ralphs. Ele seria responsável, no futuro, por várias composições (isoladamente ou em parceria) de sucesso do Bad Company.

Mick Ralphs:


Para o baixo, o escolhido foi o baixista Boz Burrell, que havia tocado na excelente banda setentista King Crimson.

O nome da banda, Bad Company, teria sido sugerido por Paul Rodgers, o qual seria completamente fascinado pelo filme de mesmo nome, Bad Company, de 1972, um Western com direção de Robert Benton e estrelado por Jeff Bridges.

Rodgers, em entrevista, rechaçou esta ideia, explicando que a ideia do nome surgiu de uma imagem que ele viu em um livro de moral Vitoriana, na qual uma criança inocente está olhando para uma personagem desagradável, a qual está encostada em um poste de luz. A legenda da imagem dizia “cuidado com as más companhias” – em inglês: “beware of Bad Company”.

A banda assinou contrato com a Swan Song Records (Atlantic Records) na América do Norte e com a Island Records para outros países. A Island Records tinha sido a gravadora que detinha os direitos do Free e do King Crimson no Reino Unido, além de haver lançado os 4 primeiros álbuns do Mott The Hoople.

A Atlantic, por sua vez, lançou os primeiros álbuns do King Crimson e do Mott The Hoople nos Estados Unidos através de um contrato com a Island Records.

O manager do Bad Company acabou sendo Peter Grant, que, na época, também conseguiu ser o gestor do Led Zeppelin. Ele ficaria com o grupo de Paul Rodgers até 1982, quando a Swan Song Records faliu.

O álbum foi gravado em um local chamado Headley Grange, em East Hampshire, na Inglaterra, com ajuda dos estúdios móveis de Ronnie Lane. Foi neste local que o Led Zeppelin compôs e/ou gravou algumas canções dos álbuns III, IV, Houses Of The Holy e Physical Graffiti.

Paul Rodgers:


CAN’T GET ENOUGH

Abre o álbum a clássica “Can’t Get Enough”.

Um riff simples, mas contagiante, embala a primeira canção do álbum Bad Company. O ritmo é simples, típico dos anos setenta, contribuindo para um clima bastante descontraído da faixa. O trabalho da seção rítmica é ótimo, assim como a atuação de Paul Rodgers. Excelente música.

As letras falam de um romance:

Well it's late, and I want love
Love that's gonna break me in two
Don't hang me up in your doorway
Don't hang me up like you do
Come on, come on, come on and do it
Come on, and do what you do

“Can’t Get Enough” é um grande clássico do Bad Company, tida por muitos, como sua canção de maior sucesso. Até mesmo nos dias atuais (38 anos após seu lançamento), continua sendo uma canção com grande veiculação nas rádios britânicas e norte-americanas.

Lançada como single, atingiu a excelente 5ª posição na parada de sucesso norte-americana desta natureza. Na parada britânica correspondente, uma ótima 15ª posição.



A canção aparece no filme “What the Bleep Do We Know!?” (2004) e tem uma versão gravada pelo guitarrista americano Frank Lee Sprague. Um verdadeiro clássico do Rock & Roll.



ROCK STEADY

A segunda faixa do álbum é “Rock Steady”.

“Rock Steady” resgata um pouco da sonoridade que Rodgers e Kirke experimentavam no Free, pois tem aquele toque bluesy característico. Com um riff repleto de melodia e ritmo, o resultado da canção é excepcional. Com uma atuação brilhante de Paul Rodgers nos vocais, temos outro clássico do grupo!

As letras também têm uma conotação mais romântica:

Turn on your light
and stay with me a while
and ease your worried mind
Turn on light ( now babe )
and stay with me a while
and rock steady

“Rock Steady” acabou se tornando uma das faixas prediletas entre os fãs da banda!



READY FOR LOVE

Outra excelente faixa é a terceira de Bad Company, “Ready For Love”.

Em um tom mais suave e repleto de melodia, “Ready For Love” é uma canção bastante cativante e com um feeling tremendo. A guitarra de Mick Ralphs traça linhas brilhantes, casando-se com uma atuação vocal extremamente talentosa de Paul Rogers. O refrão é simples e, simultaneamente, perfeito. Um clássico.

As letras ainda apostam em uma temática romântica, mas, desta vez, em um tom ambíguo de depressão contrapondo à esperança:

Walkin' down this rocky road
Wondering where my life is leadin'
Rollin' on to the bitter end
Finding out along the way
What it takes to keep love living
You should know how it feels, my friend

“Ready For Love” foi composta por Mick Ralphs ainda nos tempos de Mott The Hoople, presente no álbum All The Young Dudes, de 1972. Mas acabou se tornando mais um clássico do Bad Company, sendo uma canção muita querida entre os fãs do conjunto.



DON’T LET ME DOWN

A quarta música do trabalho é “Don’t Let Me Down”.

A canção tem um ritmo bem suave e cativante, com um toque bluesy bem interessante. Sue Glover e Sunny Leslie contribuem com backing vocals que intensificam a emoção da faixa no refrão, bem como o saxofone de Mel Collins. O solo de Ralphs também é ótimo. Embora lenta, “Don’t Let Me Down” conquista os ouvintes.

As letras possuem uma conotação cheia de remorso:

If I had a love that was so true
Then I wouldn't have to make do
With the half a love that I have found
That is tear in me down to the ground



BAD COMPANY

Homônima ao álbum e à banda, a quinta faixa do disco é “Bad Company”.

Com uma belíssima introdução ao piano acompanhando uma atuação vocal maravilhosa de Paul Rodgers, “Bad Company” já mostra que é uma canção contagiante. Suas linhas melódicas e leves na maior parte da música contrastam com o maior peso da guitarra no refrão (e no belo solo), mas produzindo um efeito perfeitamente interessante. Pesa, além disso, a atuação extraordinária do vocalista, mais uma vez. Faixa extraordinária.

As letras apresentam um discurso juvenil de afirmação, baseado em poder conquistado por rebeldia e armas:

Rebel souls, deserters we are called
Chose a gun and threw away the sword
Now these towns, they all know our names
Six gun sound is our claim to fame
I can hear 'em say

Lançada como single, não obteve repercussão nas paradas de sucesso do gênero. Entretanto, por ser uma canção de qualidade inquestionável, acabou se tornando outra das músicas prediletas dos fãs do conjunto.



THE WAY I CHOOSE

A sexta faixa de Bad Company é “The Way I Choose”.

Mais uma vez o grupo aposta em uma sonoridade bem suave e leve e com linhas melódicas bastante cativantes. “The Way I Choose” é a maior faixa de Bad Company e, mesmo sendo uma balada, não deixa o ritmo do disco cair. Destaque para a seção rítmica e o saxofone de Mel Collins.

As letras têm um significado de conquista amorosa:

I live my life the way that i choose
I'm satisfied nothing to lose
I dont ask no favor i dont know the reason why
If i dont ask no questions i dont get no lies



MOVIN’ ON

A sétima canção do álbum é “Movin’ On”.

“Movin’ On” é mais um clássico do Bad Company. É, também, a menor faixa do álbum de estreia do grupo. Um típico rock setentista clássico, possui um riff bem animado e contagiante, mesmo sendo simples. A guitarra de Mick Ralphs é o ponto mais alto da música, com um solo muito bom.

As letras se referem à vida de músico, itinerante e agitada:

Get up in the morning and it's just another day
Pack up my belongings I got to get away
Jump into a taxi and the time is getting tight
I got to keep a moving I got a show tonight



Lançada como single, conseguiu destaque na parada norte-americana, atingindo a ótima 19ª posição. Também conseguiu a 30ª colocação no Canadá. É mais um clássico deste extraordinário álbum do Bad Company.



SEAGULL

A oitava – e última – faixa de Bad Company é “Seagull”.

A canção “Seagull” é bem suave, acústica, com apenas a voz e o violão de Paul Rodgers, formando um tom muito emotivo. Rodgers, que é o único músico do grupo que participa da faixa, canta-a de maneira emocionante, sendo o fator fundamental de sua qualidade.

O tom melancólico da sonoridade da canção é perfeitamente refletido em suas letras:

Here is a man asking the question
Is this really the end of the world?
Seagull, you must have known for a long time
The shape of things to come
Now you fly, through the sky, never asking why,
And you fly all around 'til somebody, Shoots you down



Considerações Finais

Bad Company foi o álbum de estreia do conjunto e foi um tremendo sucesso. Em termos de paradas de sucesso, sua categoria é incontestável: 1º lugar na parada norte-americana, 3ª posição na sua correspondente britânica, além da 7ª no Canadá e 17ª na Noruega.

Para se ter uma ideia do sucesso do disco, ele permaneceu cerca de 25 semanas consecutivas na parada de álbuns britânica. A tradicional revista Kerrang! o colocou na 40ª posição de sua lista de "100 Greatest Heavy Metal Albums of All Time", de 1989.

Em 2006, uma versão limitada do álbum (formato CD) em ouro 24k foi lançada. É o 46º disco mais vendido da década de setenta.

Desde o seu lançamento oficial, estima-se que mais de 5 milhões de cópias do álbum Bad Company foram vendidas.



Formação:
Paul Rodgers – Vocal, Guitarra-Base em "Can't Get Enough", Piano em "Bad Company" e "Don't Let Me Down", todos os instrumentos em "Seagull"
Mick Ralphs– Guitarra, Teclado em "Ready for Love"
Simon Kirke – Bateria
Boz Burrell – Baixo

Músicos Adicionais:
Sue Glover e Sunny Leslie – Backing Vocals em "Don't Let Me Down"
Mel Collins – Saxofone

Faixas:
01. Can't Get Enough (Ralphs) – 4:16
02. Rock Steady (Rodgers) – 3:46
03. Ready for Love (Ralphs) – 5:01
04. Don't Let Me Down (Rodgers/Ralphs) – 4:22
05. Bad Company (Rodgers/Kirke) – 4:50
06. The Way I Choose (Rodgers) – 5:05
07. Movin' On (Ralphs) – 3:21
08. Seagull (Rodgers/Ralphs) – 4:06

Letras:
Para o conteúdo complete das letras, indicamos o acesso a: http://letras.mus.br/bad-company/

Opinião do Blog:
Quando o Blog falou sobre o Free, todo o talento de Paul Rodgers como vocalista foi devidamente (e justamente, frise-se) enaltecido. Sua atuação no álbum de estreia do Bad Company é, mais uma vez, excepcional. Seu talento foi todo colocado de forma decisiva a contribuir com o sucesso do trabalho.

Rodgers juntamente com o guitarrista Mick Ralphs compuseram – em conjunto ou isoladamente – grandes músicas neste álbum. Ralphs produziu riffs e linhas de guitarra belíssimos, sendo também importante na qualidade do que se ouve.

O disco de estreia do Bad Company é bom como se fora uma coletânea. Não é todo trabalho que possui faixas do calibre de “Movin’ On”, “Can’t Get Enough”, “Rock Steady”, além das sensacionais “Ready For Love” e “Bad Company”.

A banda Bad Company é um dos expoentes dos anos setenta no Rock & Roll. Rodgers e Kirke conseguiram, após saírem do Free, manter a categoria de seus trabalhos formando um ótimo conjunto e gravando vários álbuns de muita qualidade durante aquela década.

Bad Company é um dos álbuns favoritos deste blogueiro em todos os tempos. Banda e álbuns mais que obrigatórios para os fãs do Blog!

2 comentários:

  1. Bacana demais!!! Rodgers e Kirke realmente conseguiram manter a mesma excelência que vinham trabalhando no Free. Vale muito a pena conhecer a história deste grupo e de seus integrantes... Além, claro, das ótimas canções!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Lígia, o post foi dedicado a você.
      Obrigado por acompanhar o Blog. Em breve, mais posts!

      Excluir