5 de setembro de 2012

ICED EARTH - THE DARK SAGA (1996)



The Dark Saga é o quarto álbum de estúdio da banda norte-americana Iced Earth. Seu lançamento oficial ocorreu no dia 23 de julho de 1996, através do selo Century Media e com a produção sob a responsabilidade de Jim Morris e do guitarrista Jon Schaffer. As gravações aconteceram entre janeiro e fevereiro de 1996, no Morrisound Studios, em Temple Terrace, na Flórida.



O Iced Earth é uma banda que passou por várias mudanças em sua formação, tendo o guitarrista e fundador, Jon Schaffer, como membro permanente ao longo de sua existência. A sonoridade da banda sempre foi calcada no estilo Heavy Metal.

Foi em 1984 que Jon Schaffer montou sua primeira banda com o nome de The Rose. A duração do grupo foi curta, com Jon logo depois formando um novo grupo, o Purgatory. O conjunto chegou a gravar uma demo em 1985, intitulada Psychotic Dreams.

Foi já em 1988 que o Purgatory mudou seu nome para Iced Earth. Schaffer disse que o nome foi sugerido por um amigo, o qual morrera antes do guitarrista ir viver na Flórida, em um acidente de motocicleta. Naquela época, o grupo era formado por Gene Adam nos vocais, Randy Shawver na guitarra solo, Dave Abell no baixo, Greg Seymour na bateria e Jon Schaffer na guitarra base e vocais.

Jon Schaffer:


Com esta formação, o conjunto grava outra demo, no ano de 1988, com o nome de Enter The Realm. Todas as faixas deste trabalho acabariam por serem lançadas no álbum de estreia do Iced Earth, com exceção das faixas “Nightmare” e “Enter The Realm”.

Já com Mike McGill na bateria, o Iced Earth assina com a gravadora Century Media Records e começa a trabalhar no seu primeiro álbum de estúdio. Entre 1989 e 1990, o grupo grava as faixas que comporiam o disco.

Seu álbum de estreia, Iced Earth, é lançado em novembro de 1990 na Europa e em fevereiro de 1991 nos Estados Unidos. O grupo promove o álbum na Europa em uma turnê em conjunto com os alemães do Blind Guardian.

O álbum de estreia do grupo é um trabalho pesado, com a sonoridade bastante Heavy Metal Clássica, músicas bem fortes e com ótimos riffs e solos. O blog destaca as ótimas “Iced Earth”, “Written On The Walls” e a excelente “Curse The Sky”.

Apesar do bom trabalho, o álbum de estreia do Iced Earth não repercutiu nas paradas de sucesso.

Logo após a turnê, a banda rapidamente começou a trabalhar no segundo álbum de estúdio do grupo.

Após se recusar a ter aulas de canto, o vocalista da banda Gene Adam é demitido do grupo, sendo substituído por John Greely. Também o baterista Mike McGill deixa o Iced Earth, entrando Richey Secchiari em sua vaga.

Gravado novamente no estúdio Morrisound, com a produção a cargo de Tom Morris e Jon Schaffer, Night Of The Stormrider foi o segundo álbum de estúdio do Iced Earth. Foi lançado em novembro de 1991 na Europa, tendo seu lançamento adiado nos Estados Unidos (abril de 1992), para que não competisse com o álbum de estreia recém-lançado.

Apostando no Heavy Metal, com uma certa pegada de Thrash Metal, o segundo álbum do Iced Earth também é um excelente trabalho. “Angels Holocaust” é uma ótima faixa, assim como “Stormrider”. Também merece destaque a excelente “Travel In Stygian”.

Outra vez, a banda excursionou pela Europa em conjunto com o Blind Guardian. Após esta turnê, a banda entraria em um hiato de três anos, na qual enfrentou diversos problemas que poderiam ter sido o fim do Iced Earth.

Entretanto, já com o vocalista Matthew Barlow e o baterista Rodney Beasley, o Iced Earth lança seu terceiro álbum de estúdio, Burnt Offerings, em abril de 1995.

Com músicas como a faixa-título, “Last December” e a incrível “Dante’s Inferno”, o disco Burnt Offerings é um álbum forte, bem pesado e que apresentou o excelente vocalista Matthew Barlow para os fãs do grupo.

Matt Barlow:


Já em 1996, o Iced Earth voltaria ao estúdio Morrisound, desta vez com Jim Morris, irmão de Tom, como produtor para auxiliar Jon Schaffer na produção daquele que se tornaria o quarto álbum de estúdio da banda.

A banda, desta vez, contaria com o baterista Mark Prator, que substituiu Rodney Beasley. Foi, também, o último álbum a contar com o baixista Dave Abell, que deixou o grupo logo após a gravação do disco.

Embora Abell e Prator tenham gravado o álbum, não são eles que aparecem na fotografia constante no encarte do trabalho, pois a gravadora Century Media Records exigiu que na tal foto constassem os músicos que fariam a turnê promocional do disco.

Então, o baixista Keith Menser e o baterista Brent Smedley é que estão na supracitada fotografia do encarte. Entretanto, Menser foi demitido pouco tempo depois de ter sido contratado, pois ele não aprendeu nenhuma das músicas do grupo para a turnê, vindo a ser substituído pelo baixista James MacDonough.

O nome deste quarto álbum do grupo é The Dark Saga, tratando-se de um álbum conceitual.

O líder da banda, guitarrista Jon Schaffer, é um grande fã da personagem em quadrinhos Spawn. Schaffer procurou o criador da personagem, Todd McFarlane, sobre a possibilidade de escrever uma música sobre Spawn e que esta faria parte da então vindoura adaptação da personagem para o cinema e série animada de televisão. Ainda, Schaffer pediu para Todd fazer a capa do trabalho, no que o autor assentiu.

No decorrer do processo, Schaffer acabou optando por escrever todo o álbum sobre a história de Spawn, mas as participações das canções no filme ou na série animada nunca chegaram a acontecer.

Bom, para o leitor do Blog não chegado em quadrinhos, buscamos na Net (wikipedia) uma pequena descrição de quem é Spawn.

“Spawn é um personagem de quadrinhos criado por Todd McFarlane em 1992. Spawn era o agente da CIA Al Simmons, que após ser morto numa armadilha armada por seu chefe vai para o inferno. Lá, ganha poderes após negociar com o demônio Malebolgia para se tornar um "filho do inferno". Spawn depois revolta-se contra os demônios e passa a enfrentar as criaturas sobrenaturais e da Máfia.”

“Al Simmons era um soldado a serviço do governo norte-americano, que cumpria todo tipo de tarefas perigosas em território doméstico e no exterior. Seguindo ordens de seu superior Jason Wynn, Simmons era escalado principalmente para missões de execução. Tornou-se herói nacional ao salvar o presidente americano de um atentado.”

Spawn:


“Entretanto, Al Simmons começou a se tornar um incômodo para Wynn a partir do momento que passou a questionar suas missões. Quando tais questionamentos se tornaram intoleráveis, Simmons foi traído e morto durante uma missão.”

“Por seus crimes e sua vida de assassino executor, Simmons foi enviado ao inferno. No oitavo círculo fez um pacto com o demônio Malebolgia para voltar à Terra e poder ver sua esposa (Al era extremamente apaixonado por sua esposa, Wanda Blake). Todavia, o pacto incluía a obrigação de Al se tornar um Spawn, um soldado do inferno vestindo um traje simbionte à serviço do demônio, que Malebólgia costuma criar com intervalos de 50 anos (pois a criação de tais soldados consome seu poder) para liderar suas forças no Armagedon. Quando Spawn voltou a Terra, 5 anos haviam se passado e Wanda estava casada com o antigo melhor amigo de Al, Terry Fitzgerald. Confuso por sua nova e inesperada existência como Spawn (que incluía uma pele completamente queimada e feições irreconhecíveis), Al sofre ao ver Wanda com seu velho amigo. Pior ainda: ela tinha com este uma filha chamada Cyan, o que deixou Al ainda mais arrasado, pelo fato de ter sido estéril e portanto não poder ter dado uma filha à Wanda quando era vivo (posteriormente, Wanda teria gêmeos, em uma situação nada natural). Nesse meio tempo, passou a ser atormentado pelo Violador um demônio mandado para confundi-lo e colocá-lo no caminho do mal.”

Voltemos, então, ao álbum e ao Iced Earth.

Musicalmente, o álbum mostra uma direção diferente na sonoridade da banda. As músicas são consideravelmente mais curtas – muitas delas com menos de 4 minutos. Além disso, o processo de criação apostou muito mais em melodias e harmonias vocais, o que diferencia The Dark Saga profundamente de seu predecessor, Burnt Offerings.

Segundo Schaffer, em The Dark Saga, o guitarrista e compositor se encontrava em um momento bem mais feliz e positivo e o álbum, assim, tornou-se o caminho que ele gostaria que a banda seguisse musicalmente. Isto contrapõe-se a Burnt Offerings, segundo o qual, Schaffer se encontrava em um momento mais negativo de sua vida.

Gravado entre janeiro e fevereiro de 1996, The Dark Saga é o primeiro trabalho do grupo com o produtor Jim Morris.

DARK SAGA

Abre o disco a música “Dark Saga”.

A faixa se inicia revelando que o Iced Earth apostaria realmente em melodias e passagens mais suaves. Logo um pesado e clássico riff Heavy Metal passa a ser a base da canção. Os vocais de Matt Barlow são excelentes, mesclando passagens em que o vocalista canta mais calmamente e em outras ele abusa da agressividade.

Liricamente, a primeira faixa conta como Simmons volta a Terra já como Spawn e se recusa a aceitar sua nova realidade:

I know there's goodness in me
Though I'm not the same
I will defy the master
I will refuse to be his slave



I DIED FOR YOU

A segunda faixa do álbum é a clássica “I Died For You”.

Belíssima linha de guitarra, cheia de melodia e suavidade abre a música “I Died For You”. Logo após um riff mais forte e marcante introduz uma passagem um pouco mais pesada. A canção se alterna entre estes tipos de abordagens, construindo uma excelente faixa da discografia do Iced Earth. O solo de Randall Shawver é repleto de feeling e os vocais de Matt Barlow casam-se perfeitamente com a sonoridade. Um espetáculo!

Em suas letras, a canção revela como Simmons reencontra sua amada – agora casada com seu melhor amigo – e se sente culpado por tudo que fez:

The pain was just to much
When I finally saw her
She's happy and in love
In love with my best friend
What makes it hurt so bad
Is that I love them both
And they will never know
For love I sold my soul



VIOLATE

A terceira canção do álbum é “Violate”.

“Violate” se inicia com uma passagem pesada e cadenciada, mas que logo mostra influência de Thrash Metal que o Iced Earth teve, pois a canção apresenta um riff mais veloz e a bateria também mais acelerada. É uma faixa consideravelmente mais agressiva que as duas anteriores e mesmo assim, brilhante.

A canção introduz o demônio Violador, o responsável pelo treinamento de Spawn:

A I'll beat you with your spinal cord
Split your skull in two
I'll feast on your intestines
There's nothing I can't do
I'll rip your heart out of your chest
Watch it beat as you cry
I revel in your agony
I violate and make you die



THE HUNTER

A quarta faixa do trabalho é “The Hunter”.

A banda volta a apostar em uma leve e bela introdução para a canção, mas que rapidamente se desenvolve para um riff de Heavy Metal Clássico. Os vocais de Barlow são bastante fortes e combinam perfeitamente com a música, fazendo um conjunto perfeito. O solo é simples, mas muito bom. Ótima faixa!

Agora o álbum introduz A Caçadora, uma “anja” enviada do Céu para destruir demônios:

Heaven sent the hunter
Her mission to crucify
Slay the hellborn
His offspring demonic force



THE LAST LAUGH

A quinta música de The Dark Saga é “The Last Laugh”.

A faixa é aberta com mais peso. O riff é mais rápido e com uma bateria acelerada. A partir da metade da canção, o peso se mantém, porém, de uma forma um pouco mais cadenciada, entretanto, voltando à velocidade mais à frente. Barlow faz um trabalho incrível!

Nas letras, Malebolgia, o demônio que criou Spawn, passa a torturá-lo psicologicamente:

I am your father destroyer of the light
I've taken your soul and have given you life
You are the damned condemned by my hand
My son creature of the night



DEPTHS OF HELL

“Depths Of Hell” é a sexta faixa do álbum.

A canção é a menor do disco e aposta em uma sonoridade bem clássica do Heavy Metal. No seu início o peso está presente de forma cadenciada, mas acelerando logo em seguida. Uma música com muita influência da New Wave Of British Heavy Metal. Certamente, uma das melhores do trabalho!

As letras demonstram a confusão de Spawn o qual luta contra forças do bem e do mal:

Battles won and nothing gained
Feel the pain
Feel the shock
From the depths of hell



VENGEANCE IS MINE

A sétima canção do disco é “Vengeance Is Mine”.

A partir desta canção, as músicas restantes do álbum são maiores, com mais de quatro minutos. “Vengeance Is Mine” é uma faixa com a sonoridade bem Heavy Metal, com boa pegada e peso tradicional, mas sem nenhuma perda de melodia. Os vocais de Barlow se destacam e o solo de Shawver é dos melhores do disco. Excelente canção.

Nesta faixa, Spawn decide fazer justiça contra um Serial Killer (Billy) que, supostamente recuperado, é colocado em liberdade:

For all the young lives you have slain
Fear now you shall obtain
Vengeance is mine
For every young one that has died
Your psychopathic genocide
Vengeance is mine



SCARRED

A oitava faixa de The Dark Saga é “Scarred”.

“Scarred” começa com uma bela e suave melodia que logo se desencadeia em um riff mais pesado e cadenciado e este, outra vez, dá lugar a uma leve melodia na qual Barlow canta de forma mais sombria. Assim, a canção se alterna entre passagens mais calmas e mais pesadas, resultando em uma música extremamente interessante.

Nas letras, Spawn é retratado como um ser que vive em dualidade com seu sentimento de culpa e sua vontade de mudar sua própria situação:

I brought this all upon myself
Sold my soul to change my life
It's up to me and no one else
The beast in me can't control my life



SLAVE TO THE DARK

A nona canção do álbum é “Slave To The Dark”.

A faixa tem uma pequena introdução bem lenta e leve, mas logo dá lugar a um riff de Heavy Metal tradicional, com peso e certa velocidade. A música tem um ótimo ritmo e o vocalista Barlow a canta de forma bastante inspirada e envolvente. O solo é muito bom.

As letras retratam o sentimento de arrependimento por parte de Simmons e sua busca por perdão:

And so I must repent or will I be destroyed
Will the one that lives in me release me from this lie
And will the wrath of god have mercy on my soul
Or humilate me, desecrate me, like his only son



A QUESTION OF HEAVEN

A décima – e última – canção do trabalho é “A Question Of Heaven”.

“A Question Of Heaven” é a maior faixa do álbum e tem pouco mais de sete minutos. É uma canção que sintetiza todo o disco, pois possui momentos mais pesados e outros mais suaves, sem nunca deixar de ser melódica. Pode-se sentir um quê de Iron Maiden na música e está se tratando de um dos melhores trabalhos feitos pelo Iced Earth, fechando o álbum de maneira magnífica! Barlow está simplesmente perfeito e o solo esbanja feeling.

As letras mostram um Spawn resignado com sua situação, que ainda pede perdão, mas sem muitas esperanças de que seja perdoado e que fez tudo por um amor verdadeiro:

I did what I thought was right
All for the love of my life
I know it's sad but true
Something is very wrong
Condemned to suffer so long
For a love so true



Considerações Finais

A conexão entre o álbum The Dark Saga e a personagem Spawn se mantiveram mesmo após o lançamento do trabalho. O criador da personagem, Todd McFarlane, ficou satisfeito com o resultado do disco, embora nenhuma música tenha entrado nas trilhas sonoras do filme ou da série animada.

Além disso, o álbum também foi vendido em lojas especializadas em quadrinhos, com a banda se apresentando em várias feiras/convenções voltadas para o público fã de HQ.



Durante a turnê para promover The Dark Saga, o grupo chegou a se apresentar com o Nevermore e, também, fez apresentações como banda principal na Alemanha.

Embora o álbum não tenha conseguido entrar nas paradas de sucessos, The Dark Saga recebeu críticas bastante positivas pela mídia especializada.

Sephiroth, do Website Metal Storm, disse que The Dark Saga foi “um grande álbum que deve ser escutado inteiramente e em sua ordem, para se apreender sua linha harmônica que lhe dá unidade”. Já Adrian Bromley, do Website Chronicle of Chaos, achou o álbum “um disco conceitual legal o qual prende o ouvinte do início ao fim”, mas criticou a “falta de peso”. Eduardo Rivadavia, do Allmusic, considerou o álbum forte e um dos melhores do grupo.

Entre as críticas negativas, muita gente reclamou sobre a mudança de direcionamento do grupo musicalmente, em especial a simplificação das composições e a redução do “peso” das músicas, como, por exemplo, Mike Stagno, do Sputnikmusic.

The Dark Saga consolidou um novo estilo para o Iced Earth, além de destacar toda a capacidade do vocalista Matthew Barlow.



Todos os álbuns de estúdio do Iced Earth lançados após The Dark Saga conseguiram entrar nas paradas de sucesso através do mundo, demonstrando a força deste ótimo grupo!

Formação:
Jon Schaffer – Guitarra Base, Backing Vocals
Matt Barlow – Vocal
Randall Shawver – Guitarra Solo
Dave Abell – Baixo
Mark Prator – Bateria, Backing Vocals

Faixas:
01. Dark Saga (Schaffer) - 3:43
02. I Died for You (Schaffer) - 3:47
03. Violate (Schaffer) - 3:38
04. The Hunter (Schaffer) - 3:55
05. The Last Laugh (Barlow/Schaffer/Shawver) - 3:47
06. Depths of Hell (Schaffer/Shawver) - 3:02
07. Vengeance Is Mine (Barlow/Schaffer/Shawver) - 4:22
08. Scarred (Schaffer/Shawver) - 5:54
09. Slave to the Dark (Schaffer) - 4:03
10. A Question of Heaven (Schaffer) - 7:40

Letras:
Para o conteúdo das letras, indicamos o acesso a: http://letras.mus.br/iced-earth/

Opinião do Blog:
O Iced Earth é uma ótima banda que possui muitos álbuns de qualidade inquestionável em sua discografia. O grupo possui uma sonoridade que, se não é inovadora, é extremamente competente no que se propõe a realizar.

O grupo mantém sua sonoridade calcada em um Heavy Metal Clássico, com boas pitadas de Thrash Metal. O guitarrista, líder e principal compositor do Iced Earth, Jon Schaffer, fez fluir no Iced Earth, toda sua inspiração em ótimas bandas como Blue Öyster Cult, KISS, Metallica e, especialmente, na NWOBHM (New Wave Of British Heavy Metal) e, em particular, no Iron Maiden e na maneira do baixista da donzela de ferro, Steve Harris, de tocar.

The Dark Saga é um álbum brilhante. Musicalmente, a mudança na sonoridade do grupo em comparação com os álbuns anteriores fez transbordar o talento de Schaffer como compositor de lindíssimas linhas de guitarra, sem que, ao mesmo tempo, ele deixasse de compor ótimos e pesados riffs.

O fato de se inspirar em uma personagem sinistra com uma história mais obscura como Spawn, construiu um álbum conceitual muito interessante. A forma como as letras e as músicas se casam constroem um álbum atraente até mesmo para quem não é fã do herói.

Músicas excelentes como “Dark Saga”, “I Died For You” e “A Question Of Heaven” falam por si mesmas e demonstram boa parte da qualidade do trabalho, embora o blog sugira que o leitor ouça a obra por inteiro e acompanhe as letras através de um encarte ou site.

Enfim, se você desconhece o Iced Earth e gosta de uma sonoridade mais tradicional do Heavy Metal, a banda é muito bem recomendada pelo Blog. Dificilmente você se arrependerá em ouvi-los.

0 comentários:

Postar um comentário