12 de janeiro de 2019

ELVIS PRESLEY - ELVIS PRESLEY (1956)



Elvis Presley é o álbum de estreia do cantor norte-americano Elvis Presley. Seu lançamento oficial ocorreu em 23 de março de 1956, através do selo RCA Victor. O álbum conta com gravações que vão de julho de 1954 a janeiro de 1956. Os produtores responsáveis são Sam Phillips (Sun recordings) e Steve Sholes (RCA recordings).

Este será um post especial e diferente do que ocorreu no RAC durante todos estes anos de sua existência. Uma homenagem ao The King, Elvis Presley, com seu álbum de estreia.


Infância difícil

Elvis Aaron Presley nasceu em Tupelo, no Estado norte-americano do Mississippi, em 8 de janeiro de 1935, na casa de dois cômodos construída por seu pai, Vernon Elvis Presley, em preparação para o nascimento do filho.

Jesse Garon Presley, seu irmão gêmeo idêntico, veio ao mundo 35 minutos antes dele, natimorto. Presley tornou-se próximo de ambos os pais e formou um vínculo especialmente estreito com sua mãe. A família frequentou uma igreja da Assembleia de Deus, onde encontrou sua inspiração musical inicial.

Do lado de sua mãe, a ascendência de Presley era escocesa/irlandesa, com algum laço francês. Gladys, a mãe de Elvis, e o resto da família aparentemente acreditavam que sua tataravó, Morning Dove White, era Cherokee; no que a biografia de Elaine Dundy apoia a ideia, mas há, pelo menos, um pesquisador da genealogia do Rei que a contestou. Os antepassados de Vernon eram de origem alemã ou escocesa.

Gladys era considerada, por parentes e amigos, como o membro dominante da pequena família. Vernon mudou de um trabalho para o outro, evidenciando pouca ambição. A família muitas vezes contou com a ajuda de vizinhos e assistência alimentar do governo.

Em 1938, eles perderam sua casa depois que Vernon foi considerado culpado de alterar um cheque a seu proprietário e algum empregador. Ele foi preso por oito meses, enquanto Gladys e Elvis foram morar com parentes.

Em setembro de 1941, Presley entrou na primeira série pelo East Tupelo Consolidated, onde seus professores o consideravam ‘mediano’. Ele foi incentivado a participar de um concurso de canto depois de impressionar seu professor com uma versão da música country “Old Shep”, de Red Foley, durante as orações matinais. (Nota do Blog: Clyde Julian Foley, conhecido profissionalmente como Red Foley, foi um cantor, músico e apresentador de rádio e TV que contribuiu muito para o crescimento da música country após a Segunda Guerra Mundial).

O concurso, realizado no Mississippi-Alabama Fair and Dairy Show em 3 de outubro de 1945, foi sua primeira apresentação pública. Presley, de dez anos, estava vestido de vaqueiro; ele ficou em uma cadeira para alcançar o microfone e cantou “Old Shep”. Ele se lembrou de ter ficado em quinto lugar.

Alguns meses depois, Presley recebeu seu primeiro violão em seu aniversário; ele esperava por algo diferente – fontes diversas afirmam uma bicicleta ou um rifle.

No ano seguinte, ele recebeu lições básicas de violão de dois de seus tios e do novo pastor da igreja da família. Presley lembrou: “Eu peguei o violão, observei as pessoas e aprendi a tocar um pouco. Mas eu nunca cantaria em público. Eu era muito tímido para isso”.

Em setembro de 1946, Presley entrou em uma nova escola, Milam, para o sexto ano; e era considerado um solitário. No ano seguinte, ele começou a trazer seu violão para a escola diariamente. Ele tocava e cantava durante a hora do almoço, e era frequentemente provocado como um garoto ‘vulgar’ que tocava música caipira. Até então, a família vivia em um bairro predominantemente afro-americano.

Presley era um fã do show de Mississippi Slim na estação de rádio Tupelo WELO. Ele foi descrito como ‘louco por música’ pelo irmão mais novo de Slim, que era um dos colegas de classe de Presley e muitas vezes o levava para a rádio. (Nota do Blog: Carvel Lee Ausborn, mais conhecido por seu nome artístico, Mississippi Slim, era um cantor caipira que teve um programa de rádio na TELO de Tupelo, no final dos anos 1940).

Slim complementou as aulas de violão de Presley, demonstrando técnicas de acordes. Quando o seu prodígio tinha doze anos, Slim o programou para duas apresentações no ar. Presley foi superado pelo medo do palco na primeira vez, mas teve sucesso na semana seguinte.

Mudança para o Tennessee

Em novembro de 1948, a família mudou-se para Memphis, no Tennessee. Depois de residir por quase um ano em cômodos, eles receberam um apartamento de dois quartos no complexo habitacional conhecido como Lauderdale Courts.

Inscrito na L. C. Humes High School, Presley recebeu apenas um C, em música, na oitava série. Quando seu professor de música lhe disse que ele não tinha aptidão para cantar, ele trouxe seu violão no dia seguinte e cantou um sucesso recente, “Keep Them Cold Icy Fingers Off Me”, em um esforço para provar o contrário. Mais tarde, um colega de classe lembrou que a professora “concordou que Elvis estava certo quando disse que ela não gostava de seu tipo de canto”.

Ele costumava ser muito tímido para se apresentar abertamente e ocasionalmente era intimidado por colegas que o viam como um “filhinho da mamãe”.

Em 1950, ele começou a praticar violão regularmente sob a tutela de Lee Denson, um vizinho dois anos e meio mais velho. Eles e três outros garotos - incluindo dois futuros pioneiros do rockabilly, os irmãos Dorsey e Johnny Burnette - formaram um coletivo musical informal que tocava com regularidade. (Nota do Blog: Dorsey Burnette foi um cantor americano de rockabilly. Com seu irmão mais novo, Johnny Burnette, e um amigo chamado Paul Burlison, ele foi um dos fundadores do The Rock and Roll Trio. Ele também é o pai do músico country e membro do Fleetwood Mac, Billy Burnette./Nota do Blog: John Joseph "Johnny" Burnette foi um cantor e compositor americano de rockabilly e pop music).

Em setembro daquele ano, ele começou a trabalhar como assistente do Teatro Estadual de Loew. Outros trabalhos foram na Precision Tool, novamente no Loew's e MARL Metal Products.

Presley começou a se destacar mais entre seus colegas de classe, em grande parte por causa de sua aparência: ele criou suas costeletas e modelou seu cabelo com óleo de rosas e vaselina. Em seu tempo livre, dirigia-se à Beale Street, o coração da próspera cena de blues de Memphis, e olhava ansiosamente as roupas selvagens e vistosas nas vitrines da Lansky Brothers. (Nota do Blog: Lansky Brothers (mais conhecido como Lansky's) é uma alfaiateria em Memphis, Tennessee, dirigida por Bernard Lansky. Ela ganhou reconhecimento mundial por ser o local escolhido para comprar roupas para músicos, incluindo Roy Orbison, Isaac Hayes e Elvis Presley).

No seu último ano de ensino médio, ele usava estes tipos de roupas. Superando sua reticência em atuar fora dos Lauderdale Courts, ele competiu no show anual ‘Minstrel’ de Humes, em abril de 1953. Cantando e tocando violão, ele estreou com “Till I Waltz Again with You”, um sucesso recente de Teresa Brewer. (Nota do Blog: Teresa Brewer foi uma cantora americana cujo estilo incorporou country, jazz, R&B, musicais. Ela foi uma das cantoras mais prolíficas e populares da década de 1950, gravando quase 600 músicas).

Desde então, o tímido garoto conheceu a popularidade.

Elvis em ação!

Definindo sua história

Presley, que não recebeu nenhum treinamento musical formal e não sabia ler música, estudava e tocava de ouvido. Ele também frequentava lojas de discos que ofereciam jukeboxes e cabines de escuta para os clientes.

Elvis conhecia todas as músicas de Hank Snow e adorava discos de outros cantores country como Roy Acuff, Ernest Tubb, Ted Daffan, Jimmie Rodgers, Jimmie Davis e Bob Wills. O cantor gospel Jake Hess, um de seus artistas favoritos, foi uma influência significativa em seu estilo de cantar balada. (Nota do Blog: Jake Hess foi um cantor gospel premiado com o Grammy americano).

Presley era um membro regular da audiência no centro mensal All-Night Singings, onde muitos dos grupos evangélicos brancos que atuavam refletiam a influência da música espiritual afro-americana. Ele adorava a música da cantora negra gospel Sister Rosetta Tharpe. (Nota do Blog: Sister Rosetta Tharpe foi uma cantora, compositora, violonista americana. Como pioneira da música de meados do século 20, ela alcançou popularidade nas décadas de 1930 e 1940, com suas gravações de gospel, caracterizadas por uma mistura única de letras espirituais e acompanhamento rítmico que foi um precursor do rock and roll. Ela foi a primeira grande estrela de gravação da música gospel e entre os primeiros músicos gospel a apelar para o público de rhythm-and-blues e rock-and-roll, mais tarde referida como ‘a irmã original do soul’ e ‘a madrinha do rock and roll’).

Como alguns de seus pares, ele pode ter comparecido a locais onde se apresentavam blues - necessariamente, no sul segregado, apenas em noites designadas para audiências exclusivamente brancas.

Ele certamente ouvia as estações de rádio regionais, como a WDIA-AM: espirituais, blues e o som moderno e pesado do rhythm and blues. Muitas de suas gravações futuras foram inspiradas por músicos afro-americanos locais, como Arthur Crudup e Rufus Thomas.

B.B. King lembrou que conhecia Presley antes deste ser popular, quando ambos costumavam frequentar a Beale Street. Quando se formou no ensino médio, em junho de 1953, Presley já havia escolhido a música como seu futuro.

Conhecendo Sam Phillips

Em agosto de 1953, Presley registrou-se nos escritórios da Sun Records. Ele pretendia pagar por alguns minutos de tempo no estúdio, para gravar um disco de acetato de dois lados: “My Happiness” e “That's When Your Heartaches Begin”.

Posteriormente, Elvis alegou que pretendia oferecer o disco como um presente para sua mãe, ou que estava apenas interessado em como ‘soaria’, embora houvesse um serviço amador de gravação de discos muito mais barato em uma loja próxima.

O biógrafo Peter Guralnick argumentou que Presley escolheu a Sun na esperança de ser descoberto. Perguntado pela recepcionista Marion Keisker que tipo de cantor ele era, Presley respondeu: ‘Eu canto todos os tipos’. Quando ela o pressionou sobre quem ele soava, ele repetidamente respondeu: ‘Eu não soo como ninguém’.

Depois que Presley gravou, o chefe da Sun, Sam Phillips, pediu a Keisker para anotar o nome do jovem, o que ela fez junto com seu próprio comentário: ‘Bom cantor de baladas. Segure’.

Em janeiro de 1954, Presley gravou um segundo acetato na Sun Records - “I'll Never Stand In Your Way” e “It Wouldn't Be the Same Without You” - mas, de novo, nada aconteceu.

Elvis em 1954

Não muito tempo depois, Presley falhou em uma audição para um quarteto vocal local, the Songfellows. Ele explicou a seu pai: ‘Eles me disseram que eu não podia cantar’. Jim Hamill, do quarteto, mais tarde afirmou que ele foi rejeitado porque não demonstrou um bom ouvido para a harmonia na época.

Em abril, Presley começou a trabalhar para a empresa Crown Electric, como motorista de caminhão. Seu amigo Ronnie Smith, depois de tocar em alguns shows locais com ele, sugeriu que ele contatasse Eddie Bond, líder da banda profissional de Smith, e que tinha uma vaga para um vocalista. Bond o rejeitou depois de um teste, aconselhando a Presley para se ater à condução de caminhões “porque você nunca vai conseguir ser cantor”.

Phillips, enquanto isso, estava sempre à procura de alguém que pudesse trazer, para um público mais amplo, o som dos músicos negros os quais a gravadora Sun Records focalizava. Como Keisker relatou: “Mais e mais eu me lembro de Sam dizendo: 'Se eu pudesse encontrar um homem branco que tivesse o som negro e o feeling negro, eu poderia ganhar um bilhão de dólares'”.

Em junho, Sam adquiriu uma gravação demo de Jimmy Sweeney de uma balada, “Without You”, a qual ele achava que poderia se adequar a um cantor adolescente. Presley veio ao estúdio, mas foi incapaz de fazê-lo bem.

Apesar disso, Phillips pediu a Presley para cantar quantas canções ele conhecesse. Sam foi suficientemente afetado pelo que ouviu, convidando dois músicos locais, o guitarrista Winfield ‘Scotty’ Moore e o baixista Bill Black, para trabalharem com Presley para uma sessão de gravação.

A sessão, realizada na noite de 5 de julho de 1954, mostrou-se inteiramente infrutífera até tarde. Quando eles estavam prestes a abortarem e irem para casa, Presley pegou seu violão e lançou um número de blues de 1946, “That's All Right”, de Arthur Crudup.

Winfield Moore relembrou: “De repente, Elvis começou a cantar essa música, pulando e agindo como um idiota, e então Bill pegou seu baixo, e também começou a agir como um idiota, e eu comecei a tocar com eles. Sam, eu acho que estava com a porta da cabine de controle aberta... ele enfiou a cabeça para fora e disse: “O que vocês estão fazendo?” E nós dissemos: “Não sabemos”. “Bem, voltem”, ele disse, “tentem achar um lugar para começarem, e façam de novo””.

Phillips rapidamente começou a gravar; esse era o som que ele procurava. Três dias depois, o popular DJ de Memphis, Dewey Phillips, tocou “That's All Right” em seu programa Red, Hot e Blue.

Ouvintes começaram a telefonar, ansiosos para descobrirem quem realmente era o cantor. O interesse era tal que Phillips tocou o disco repetidamente durante as duas horas restantes de seu show. Entrevistando Presley no ar, Phillips perguntou-lhe sobre o ensino médio que ele frequentou, a fim de esclarecer sua cor para os muitos ouvintes que haviam pensado que ele era negro.

Durante os próximos dias, o trio gravou um número de bluegrass, “Blue Moon of Kentucky”, de Bill Monroe, novamente em um estilo distinto e empregando um efeito de eco composto por um júri que Sam Phillips apelidou de ‘slapback’. Um single foi lançado com “That's All Right” no lado A e “Blue Moon of Kentucky” no verso.

O trio tocou publicamente pela primeira vez, em 17 de julho, no clube Bon Air - Presley ainda ostentando seu violão infantil.

No final do mês, eles apareceram no Overton Park Shell, com a atração principal de Slim Whitman. Uma combinação de sua forte resposta ao ritmo e nervosismo, em tocar diante de uma grande multidão, levou Presley a sacudir as pernas enquanto se apresentava: suas calças largas enfatizavam seus movimentos, fazendo com que as jovens na plateia começassem a gritar. (Nota do Blog: Ottis Dewey Whitman Jr, profissionalmente conhecido pelo nome artístico de Slim Whitman, era um cantor, compositor e instrumentista de música country americana, música ocidental e cantor folk; conhecido por suas habilidades yodeling. seu falsetto suave, alto, de três oitavas, em um estilo batizado de ‘countrypolitan’).

Moore relembrou: “Durante as partes instrumentais, ele se afastava do microfone, tocava e tremia, e a multidão ficava louca”. Black, um showman natural, gritava e montava seu baixo, batendo dois licks os quais Presley mais tarde lembraria como “um som realmente selvagem, como um tambor de selva ou algo assim”.

Logo depois, Moore e Black deixaram sua antiga banda, os Starlite Wranglers, para tocar regularmente com Presley, e o DJ/promotor Bob Neal tornou-se o empresário do trio. De agosto a outubro, eles tocaram com frequência no clube Eagle's Nest e voltaram ao Sun Studio para mais sessões de gravação, com Presley, rapidamente, ficando mais confiante no palco.

De acordo com Moore, “Seu movimento era uma coisa natural, mas ele também estava muito consciente do que causava uma reação. Ele fazia algo uma vez e depois expandia rapidamente”.

Presley fez o que seria sua única aparição no Grand Ole Opry, de Nashville, no dia 2 de outubro; depois de uma resposta educada do público, o empresário da Opry, Jim Denny, disse a Phillips que seu cantor “não estava mal”, mas não se adequou ao programa.

O começo da fama

Em novembro de 1954, Presley se apresentou no Louisiana Hayride - o principal rival da Opry e mais aventureiro. O show baseado em Shreveport foi transmitido para 198 estações de rádio em 28 estados. Presley teve outro ataque de nervos durante o primeiro set, que provocou uma reação muda. (Nota do Blog: Louisiana Hayride foi um programa de rádio e mais tarde televisivo do Shreveport Municipal Memorial Auditorium, em Shreveport, Louisiana, que durante seu auge, de 1948 a 1960, ajudou a lançar as carreiras de alguns dos maiores nomes da música country e ocidental americana. Elvis Presley se apresentou na versão de rádio do programa em 1954 e fez sua primeira aparição na televisão na versão desta mídia, de Louisiana Hayride, em 3 de março de 1955).

Um segundo set mais composto e enérgico inspirou uma resposta entusiástica. O baterista da casa, D. J. Fontana, trouxe um novo elemento, complementando os movimentos de Presley com batidas acentuadas a qual ele havia dominado em clubes de striptease.

Logo após o show, o Hayride contratou Presley para um ano de aparições no sábado à noite. Trocando seu antigo violão por US$ 8 (e vendo-o prontamente despachado para o lixo), ele comprou um instrumento Martin por US$ 175, e seu trio começou a tocar em novos locais, incluindo Houston, Texas e Texarkana.

Estrela nascente

Elvis fez sua primeira aparição na televisão, na transmissão da KSLA-TV, da Louisiana Hayride. Logo depois, ele falhou em uma audição para o Talent Scouts, de Arthur Godfrey, na rede de televisão CBS. No início de 1955, as aparições regulares de Presley na Hayride, as constantes turnês e os lançamentos de discos bem recebidos o transformaram em uma estrela regional, do Tennessee ao oeste do Texas. (Nota do Blog: O Talent Scouts de Arthur Godfrey (também conhecido como Talent Scouts) foi um programa de variedades de rádio e televisão americanos que funcionou na CBS de 1946 até 1958. Patrocinado por Lipton Tea, foi estrelado por Arthur Godfrey, que também estava capitaneando o show Arthur Godfrey and His Friends ao mesmo tempo).

Em janeiro, Neal assinou um contrato de gestão formal com Presley e chamou a atenção do Coronel Tom Parker, considerado por ele o melhor promotor do mundo da música. Parker - que afirmava ser da Virgínia Ocidental (na verdade ele era holandês) - havia adquirido a licença de coronel honorário do cantor country que se tornou o governador da Louisiana, Jimmie Davis. (Nota do Blog: James Houston Davis foi um cantor e compositor americano de canções sagradas e populares, bem como político e ex-governador da Louisiana. Um político e compositor, Davis foi eleito por dois mandatos não-consecutivos de 1944 a 1948 e de 1960 a 64 como governador de sua Louisiana natal).

Tendo dirigido com sucesso o astro country Eddy Arnold, Parker estava trabalhando com o novo cantor country número um, Hank Snow. Parker escalou Presley na turnê de Snow, em fevereiro de 1955.

Quando a turnê chegou a Odessa, no Texas, Roy Orbison, então com 19 anos, viu Presley pela primeira vez: “Sua energia era incrível, seu instinto era simplesmente incrível... Eu simplesmente não sabia o que fazer com isso. Simplesmente não havia ponto de referência na cultura para compará-lo”. (Nota do Blog: Roy Kelton Orbison foi um cantor, compositor e músico norte-americano conhecido por sua voz poderosa, amplo alcance vocal, estilo de canto apaixonado, estruturas de músicas complexas e baladas emocionais sombrias. A combinação levou muitos críticos a descrever sua música como operística, apelidando-o de ‘Caruso of Rock’ e ‘Big O’).

Em agosto, a Sun Records havia liberado dez lançamentos creditados a “Elvis Presley, Scotty e Bill”; nas últimas gravações, o trio foi acompanhado por um baterista. Algumas das músicas, como “That's All Right”, estavam no que um jornalista de Memphis descreveu como “o idioma R&B do jazz de campo negro”; outros, como “Blue Moon of Kentucky”, eram “mais no campo do country”, “mas havia uma mistura curiosa das duas músicas diferentes em ambos”.

Essa mistura de estilos tornou difícil para a música de Presley encontrar rádios. De acordo com Neal, muitos disc-jóqueis de música country não tocariam porque ele soava muito como um artista negro e nenhuma das estações de ritmo e blues tocaria nele porque ‘ele soava muito parecido com um caipira’.

Esta mistura veio a ser conhecida como rockabilly. Na época, Presley foi descrito como ‘O Rei do Bop Ocidental’, ‘O Gato Caipira’ e ‘O Flash de Memphis’.



Ascensão contínua

Presley renovou o contrato de gestão com Neal, em agosto de 1955, nomeando, simultaneamente, Parker como seu conselheiro especial. O grupo manteve uma extensa programação de turnês durante o segundo semestre daquele ano.

Neal lembrou: “Foi quase assustador, a reação que veio para Elvis, dos garotos adolescentes. Tantos deles, através de algum tipo de inveja, praticamente o odiavam. Havia ocasiões em algumas cidades, no Texas, quando precisávamos não nos esqueçermos de ter uma guarda policial, pois alguém sempre tentaria agredi-lo. Eles tinham uma gangue e tentariam atacá-lo ou algo assim”.

O trio se tornou um quarteto quando o baterista Fontanana Hayride se juntou como um membro em tempo integral. Em meados de outubro, eles fizeram alguns shows de apoio a Bill Haley, cuja faixa “Rock Around the Clock” foi o número um do ano anterior. Haley observou que Presley tinha uma sensação natural de ritmo e o aconselhou a cantar menos baladas. (Nota do Blog: William John Clifton Haley foi um músico americano de rock and roll. Ele é creditado por muitos com a primeira popularização desta forma de música, no início dos anos 1950, com seu grupo Bill Haley & His Comets e hits como “Rock Around the Clock”, “See You Later, Alligator”, “Shake, Rattle and Roll”, “Rocket 88”, “Skinny Minnie” e “Razzle Dazzle”).

Na Country Disc Jockey Convention, no início de novembro de 1955, Presley foi eleito o artista masculino mais promissor do ano. Várias gravadoras já haviam mostrado interesse em contratá-lo. Depois que três grandes gravadoras fizeram ofertas de até US$ 25.000, Parker e Phillips fecharam um acordo com a RCA Victor, em 21 de novembro, para adquirir o contrato da Sun por US$ 40.000.

Presley, aos 20 anos, ainda era menor de idade e seu pai assinou o contrato. Parker arranjou com os proprietários da Hill & Range Publishing, Jean e Julian Aberbach, para criar duas entidades, Elvis Presley Music e Gladys Music, para lidar com todo o novo material gravado por Presley.

Os compositores foram obrigados a renunciar a um terço de seus royalties habituais em troca de tê-lo executando suas composições. Em dezembro, a RCA começou a promover intensamente seu novo cantor, e, antes do final do mês, reeditou muitas de suas gravações na Sun Records.

Fenômeno nos EUA

Em 10 de janeiro de 1956, Presley fez suas primeiras gravações pela RCA, em Nashville.

Estendendo a já habitual banda de apoio do vocalista (Moore, Black, Fontana e Hayride) ao pianista Floyd Cramer - que se apresentou em shows ao vivo com Presley -, RCA alistou o guitarrista Chet Atkins e três cantores de background, incluindo Gordon Stoker, do popular quarteto Jordanaires, para preencherem o som.

A sessão produziu o sombrio e incomum “Heartbreak Hotel”, lançado como single em 27 de janeiro.

Parker finalmente trouxe Presley para a televisão nacional, contratando-o no Stage Show, da CBS, para seis aparições durante dois meses. O programa, produzido em Nova York, foi apresentado em semanas alternadas pelos líderes de big bands e irmãos, Tommy e Jimmy Dorsey.

Após sua primeira aparição, em 28 de janeiro de 1957, Presley ficou na cidade para gravar no estúdio da RCA em Nova York. As sessões renderam oito músicas, incluindo um cover do hino rockabilly de Carl Perkins, “Blue Suede Shoes”.

Em fevereiro, “I Forgot to Remember Forget”, de Presley, uma gravação da Sun Records, lançada inicialmente no mês de agosto do ano anterior, chegou ao topo da parada da Billboard.

O contrato com Neal foi rescindido e, em 2 de março, Parker se tornou o empresário de Presley.

Primeiro álbum de estúdio

Na segunda metade de 1955, os singles de Presley lançados pela Sun Records começaram a subir nas paradas de sucesso de country e de western, “Baby Let's Play House” e “I Forgot to Remember to Forget”, conquistando o 5º e o 1º lugares, respectivamente.

O Coronel Tom Parker, o novo manager de Presley, tinha extensas relações com a RCA por conta de seu cliente anterior, o cantor Eddy Arnold, e mais especialmente com o chefe da divisão Country and Western and Rhythm and Blues, Steve Sholes.

A pedido de Parker, em 21 de novembro de 1955, Sholes comprou o contrato de Presley com Sam Phillips, o chefe da Sun Records and Studio, por uma quantia sem precedentes de US$ 35 mil dólares (aproximadamente 318 mil em 2017).

Presley e o rock and roll ainda não haviam sido testados para as grandes gravadoras do mundo da música, mas o futuro álbum, com o single “Heartbreak Hotel”, provariam o poder de venda de ambos.

Escolhendo o repertório e gravações

Conforme se mencionou, Presley fez aparições em quatro semanas consecutivas no programa televisivo dos Dorsey Brothers, o Stage Show, no início de 1956, nos dias 28 de janeiro, 4 de fevereiro, 11 de fevereiro e 18 de fevereiro.

A RCA queria um disco nas lojas rapidamente para capitalizar tanto a exposição nacional de TV quanto o sucesso do primeiro single de Elvis (pela RCA) nas paradas, com “Heartbreak Hotel”, subindo rapidamente ao topo após seu lançamento, em 27 de janeiro.

Havia apenas duas séries de sessões de gravação de Presley para a RCA Victor ao final do período de aparições com os Dorsey Brothers, após o qual Elvis e sua banda estariam de volta à estrada. Essas duas sessões renderam onze faixas adicionais, quase o suficiente para preencher um LP inteiro, apesar de algumas faixas terem potencial para singles.

As sessões de gravações aconteceram nos dias 10 de janeiro e 11 de janeiro nos estúdios de gravação da RCA Victor em Nashville, Tennessee, e em 30 de janeiro e 31 de janeiro nos estúdios da RCA Victor em Nova York.

Na década de 1950, a prática geral ditava que as faixas com maior potencial comercial seriam lançadas como singles, com as faixas de menor apelo nos álbuns; e, como tal, a RCA Victor nem colocou todas as onze faixas e simplesmente fez um novo álbum, nem mesmo colocou “Heartbreak Hotel” no mesmo.

Material adicional foi originado de sessões no Sun Studio, em Memphis, Tennessee, em 5 de julho, 19 de agosto e 10 de setembro de 1954, e em 11 de julho de 1955.

Os direitos das fitas do Sun Studio foram transferidos para a RCA Victor, com a venda de seu contrato, e então cinco músicas inéditas da época da Sun, sendo elas “I Love You Because”, “Just Because”, “Tryin' to Get to You”, “I' ll Never Let You Go (Little Darlin’)” e “Blue Moon” foram adicionadas a sete faixas das sessões da RCA Victor para aumentar o tempo de execução do álbum para um tamanho aceitável.

Sam Phillips produziu as sessões no Sun, e nenhum produtor foi listado oficialmente para as sessões da RCA Victor, levando à crença de que o próprio Presley as produziu.

Como as faixas do The Sun eram na maior parte em estilo country, Elvis e a RCA Victor fermentaram a seleção com covers de músicas recentes de rhythm and blues. Duas delas, “Money Honey”, de Jesse Stone, conhecida por Elvis em uma versão de Clyde McPhatter, e “I Got a Woman”, de Ray Charles, de 1955, estiveram nos shows de Presley por um ano.

Um terceiro cover surgiu com o anúncio frenético, para o mundo, da existência de Little Richard, em 1955, através da inesquecível “Tutti Frutti”.

Um petardo de rockabilly, a qual foi considerada um sucesso em potencial e que poderia se manter com o material de R&B, “Blue Suede Shoes”, não foi inicialmente lançada como um single por conta de uma promessa feita por Sholes a Sam Phillips, para proteger a carreira de outro artista da Sun, Carl Perkins, o autor da música. Em vez disso, a faixa foi desviada para a abertura do disco.

Em 31 de agosto de 1956, a RCA Victor tomou a decisão incomum de lançar o álbum inteiro como singles. No entanto, “Blue Suede Shoes”, também lançada como single pela RCA Victor, no entanto, mantendo a promessa para Phillips e Perkins, esperando oito meses desde o lançamento da música pela Sun para levar ao mercado o single com a versão de Presley.

Elvis, no palco

A icônica capa do disco

A capa é a 40ª na lista da revista norte-americana Rolling Stone, das 100 maiores capas de discos de todos os tempos, publicada em 1991.

A fotografia foi tirada no Fort Homer Hesterly Armory, em Tampa, na Flórida, em 31 de julho de 1955. Inicialmente, pensava-se que Popsie Randolph era o responsável pela imagem em destaque na capa, devido ao fato de que o álbum só creditou um fotógrafo. (Nota do Blog: William ‘PoPsie’ Randolph foi um fotógrafo norte-americano de ascendência grega. Filho de imigrantes gregos, Randolph capitalizou seu sucesso inicial fotografando a cena musical nova-iorquina da década de 1940, continuando a fotografar muitos dos grandes nomes da indústria da música, mas também estrelas de cinema, atletas e políticos).

No entanto, em agosto de 2002, Joseph A. Tunzi informou que o fotógrafo real era William V. ‘Red’ Robertson, da Robertson & Fresch. O crédito a Popsie atribuído ao álbum se aplicava apenas a uma série de fotos na contracapa, tiradas em Nova York, no início de dezembro de 1955, pouco depois de Presley ter assinado contrato com a RCA Victor.

O estilo gráfico e a foto também foram usadas em um EP (e um EP duplo) compostos por músicas deste álbum, também lançados em março de 1956.

O design foi ecoado pelo The Clash para a capa de seu álbum de 1979, London Calling; ela é a 39ª colocada da supracitada lista da Rolling Stone de 100 maiores capas de álbuns.

Vamos às faixas:

BLUE SUEDE SHOES

"Blue Suede Shoes" é uma das mais icônicas canções interpretadas por Elvis Presley. Sua versão é um verdadeiro estandarte para o nascente Rock 'n' Roll, seja pela dinâmica de sua sonoridade, seja pela interpretação marcante de Presley. Um clássico!

A letra é bastante divertida:

Well, you can knock me down, step in my face
Slander my name all over the place
Do anything that you want to do, but, uh, uh
Honey, lay off of my shoes
Don't you step on my blue suede shoes
You can do anything but lay off
Of my blue suede shoes



Gravação de versões cover de músicas era uma prática comum durante os anos 1940 e 1950, e “Blue Suede Shoes” foi uma das primeiras músicas que a RCA Victor queria que seu artista recém-contratado, Elvis Presley, gravasse.

“Heartbreak Hotel” e ‘Shoes’ subiram nas paradas mais ou menos na mesma época. A RCA Victor, com sua excelente distribuição e contatos nas rádios, sabia que provavelmente poderia “roubar” o sucesso de Sam Phillips e Carl Perkins.

Presley, que conhecia tanto Perkins quanto Phillips de seus dias na Sun Records, cedeu à pressão da RCA, mas pediu que a empresa retivesse sua versão do lançamento como single. A versão de Presley apresenta dois solos de guitarra de Scotty Moore, com Bill Black no baixo e D.J. Fontana na bateria.

De acordo com Moore, quando a música foi gravada, “Acabamos de entrar lá e começamos a tocar, apenas voamos. Apenas seguimos, no entanto, [o que] Elvis sentiu”.

De acordo com relatos confirmados por Sam Phillips, o produtor da RCA Victor, Steve Sholes, concordou em não divulgar a versão da música de Presley como single, enquanto o lançamento de Perkins estava ‘quente’.

Presley cantou a música na televisão nacional, por três vezes, em 1956. A primeira foi em 11 de fevereiro no Stage Show. Ele também a apresentou novamente em sua terceira aparição no Stage Show, em 17 de março, e, novamente, no Milton Berle Show, em 3 de abril.

Em 1º de julho, Steve Allen apresentou Presley no programa The Steve Allen Show, e Presley, vestido com roupas formais para a noite, disse: “Acho que estou pensando em algo que não é certo para a noite”. Allen perguntou: “O que é isso, Elvis?” “Sapatos de camurça azul” foi a resposta, quando ele levantou o pé esquerdo para mostrar ao público.

Moore afirmou que Presley gravou a música para ajudar Perkins após o seu acidente, em março de 1956. “Elvis não estava realmente pensando naquele momento que ganharia dinheiro para Carl; ele estava fazendo isso mais como uma coisa do tipo tributo. Claro que Carl estava feliz por ele (ter feito isso). Isso realmente o ajudou quando seu álbum começava a cair”.

“Blue Suede Shoes” foi a primeira música do álbum inovador Elvis Presley, lançado em março. A RCA Victor lançou dois outros discos contendo “Blue Suede Shoes” no mesmo mês: um EP com quatro músicas e um EP duplo, estendido, com oito músicas.

RCA Victor lançou a versão de Presley, como single, em 8 de setembro, um dos vários singles lançados simultaneamente pela RCA, todos selecionados do álbum Elvis Presley. Este single alcançou a 20ª posição da parada desta natureza, enquanto a versão de Perkins havia a liderado.

Em 1960, Presley regravou “Blue Suede Shoes” para a trilha sonora do filme G.I. Blues. Esta regravação de estúdio foi uma das poucas ocasiões na carreira de Presley em que ele concordou em regravar uma música previamente lançada. Ele fez isso, nesta ocasião, porque o resto da trilha sonora foi gravado em estéreo, e, portanto, uma versão estéreo de “Blue Suede Shoes” foi necessária.

A versão de 1960 usa praticamente o mesmo arranjo da gravação de 1956. Esta versão foi incluída no álbum da trilha sonora de G.I. Blues, mas nunca foi lançado como single nos Estados Unidos.

Em 1985, a RCA lançou um videoclipe da versão original de “Blue Suede Shoes”, de Presley. O vídeo apresentou um cenário contemporâneo e atores (e Carl Perkins em uma aparição), com Presley mostrado em filmagens de arquivo.

Em 1999, a versão de Presley foi certificada por superar as 500 mil cópias vendidas.



I’M COUNTING ON YOU

"I'm Counting on You" já possui um ritmo mais lento e calmo e permitindo uma interpretação mais intimista de Elvis. A faixa é uma ótima oportunidade de se ouvir a beleza da voz de Presley.

A letra é apaixonada:

All the words that I let her know
Still could not say
How much I need you so in every way
I hope you will guide me



I GOT A WOMAN

Elétrica e empolgante, "I Got a Woman" apresenta um ritmo delicioso e uma vocação dançante que é praticamente irresistível. A guitarra de Scotty Moore e o piano são os destaques.

A letra fala sobre uma mulher:

She's there to love me both day and night
No groans or fusses, treats me right
Never running in the street
Loving me alone
She knows a woman's place is around home at night

Trata-se de uma versão para o clássico composto por Ray Charles e Renald Richard, gravada e lançada pelo primeiro em 1954.



ONE SIDED LOVE AFFAIR

A Bluesy "One Sided Love Affair" continua com o ritmo acelerado e contagiante, abusando de melodias maliciosas e empolgantes. A atuação de Elvis é magistral!

A letra é bem divertida e fala sobre amor correspondido:

Well, fair exchange bears no robbery,
And the whole world will know that it's true.
Understanding solves all problems, baby,
That's why I'm telling you

A música (tanto a letra quanto a música) foi composta por Bill Campbell, que também foi quem originalmente a gravou.

Presley gravou a música em 30 de janeiro de 1956, no RCA Studio, em Nova York.

Havia seis músicas escolhidas a dedo pelo próprio Steve Sholes, para Presley gravar em seu primeiro álbum nas sessões, mas “One-sided Love Affair” foi a única que Presley gostou e gravou.

Em 24 de março de 1956, em uma entrevista, a faixa foi citada por Presley como sua favorita do álbum.



I LOVE YOU BECAUSE

Já nesta canção, Elvis faz uma interpretação emocionante para uma balada incrível. Ao fundo, a guitarra de Moore é o acompanhamento perfeito para a voz de Presley. Momento belíssimo do disco.

A letra é sobre o amor:

No matter what the world may say about me,
I know your love will always see me through
I love you for the way you never doubt me
But most of all I love you 'cause you're you

A canção foi composta e originalmente lançada em 1949, pelo cantor Leon Payne.

“I Love You Because” foi gravada, pela primeira vez, em 4 e 5 de julho de 1954, no Sun Studio. A sessão começou no dia 4 e terminou cedo, na manhã do dia 5, em Memphis, Tennessee, no mesmo dia em que gravou “That's All Right”.

O produtor Sam Phillips não achou que “I Love You Because” fosse a música certa para o primeiro single de Elvis, a qual, então, acabou ficando para o seu primeiro álbum.



JUST BECAUSE

"Just Because" também traz a intensidade dos ritmos sulistas dos EUA em uma interpretação mais acelerada e intensa. Elvis dá uma roupagem mais "agressiva" com sua voz o que produz um efeito muito interessante.

A letra é novamente romântica:

Well, well, well,
Just because you think you're so pretty,
And just because your momma thinks you're hot,
Well, just because you think you've got something
That no other girl has got,
You've caused me to spend all my money
You laughed and called me old Santa Claus
Well, I'm telling you,
Baby, I'm through with you.
Because, well well, just because

“Just Because” é uma canção escrita por Joe Shelton, Sydney Robin e Bob Shelton e originalmente gravada pelo Naystone's Hawaiians (Hubert Nelson e James D. Touchstone), em 1929, e depois regravada pelo The Shelton Brothers, em 1933.



TUTTI FRUTTI

"Tutti Frutti" é outro clássico imortal do Rock e a versão original do magnífico Little Richard é inigualável. Mas Elvis faz um ótimo trabalho nesta versão com sua voz inconfundível e a boa atuação de Moore.

A letra fala sobre uma garota:

I got a girl, named Sue
She knows just what to do
I got a girl, named Sue
She knows just what to do
She bop to the east
She bop to the west
But she's the girl
That I love the best

A faixa foi composta por Little Richard e Dorothy LaBostrie e lançada originalmente pelo primeiro, em outubro de 1955.



TRYIN’ TO GET TO YOU

A incrível atuação de Elvis nesta lindíssima canção é emocionante. O ritmo cadenciado e cativante é abrilhantado pela voz inesquecível de Presley.

A letra é uma metáfora sobre uma conquista amorosa:

I've been traveling over mountains
Even through the valleys, too
I've been traveling night and day
I've been running all the way
Baby, trying to get to you

A canção foi composta por Rose Marie McCoy e Charles Singleton, da banda de Blues chamada The Eagles, lançada em 1954.

Presley gravou cinco versões da música. A primeira em 23 de março de 1955 e a segunda em 11 de julho de 1955, com a segunda sessão sendo liberada durante sua vida.

Ele também gravou versões ao vivo da faixa em Elvis (Elvis: NBC TV Special), Elvis: As Recorded Live on Stage in Memphis, e Elvis in Concert.

Na versão anterior, que apareceu na coletânea de 1999, Sunrise, Presley gravou essa música enquanto tocava piano simultaneamente (e não ajudado por sua guitarra base, como se acreditava anteriormente). Como seu piano não estava à altura dos padrões esperados, o produtor Sam Phillips apagou o som do piano na master take, assim, além dos vocais tentadores de Elvis, tudo o que se ouve são guitarra, baixo e bateria.

O piano de Elvis é ouvido na versão da sessão de julho e foi aquela que apareceu em seu autointitulado LP, de 1956.

A faixa também apareceu no famoso lançamento The Sun Sessions, de 1976, e em vários outros esforços e coleções de Elvis.



I’M GONNA SIT RIGHT DOWN AND CRY (OVER YOU)

Nesta faixa, o Rockabilly é o ritmo dominante e a melodia contagia. O balanço 'swingado' é bem interpretado pela atuação cativante de Elvis.

A letra fala sobre tristeza:

I'm gonna sit right down and cry over you
I'm gonna sit right down and cry over you
And if you say good-bye
If you ever even try

A canção foi originalmente composta por Joe Thomas e Howard Biggs, em 1953.



I’LL NEVER LET YOU GO (LITTLE DARLIN’)

Outra atuação memorável de Elvis e que forjaria sua fama como um intérprete praticamente perfeito para este tipo de balada. Intenso e ao mesmo tempo contido, sua voz é impecável.

A letra é sobre um forte amor:

The stars would tumble down beside me
The moon would hang its head and cry
My arms would never hold another baby doll
If we should ever say good-bye

A faixa foi originalmente composta por Jimmy Wakely.



BLUE MOON

A versão de "Blue Moon" é cativante, pois a atuação vocal de Elvis se casa perfeitamente com a sonoridade contida da canção. Impecável e comovente.

A letra é melancólica:

Blue moon, you saw me standing alone
Without a dream in my heart
Without a love of my own



“Blue Moon” é uma canção popular clássica, composta por Richard Rodgers e Lorenz Hart em 1934, e se tornou uma balada padrão. A faixa foi sucesso nos Estados Unidos, em 1949, com versões de Billy Eckstine e Mel Tormé.

A primeira gravação de “Blue Moon”, cruzada com o rock and roll, veio de Elvis Presley, em 1954, produzida por Sam Phillips.

“Blue Moon” passou dezessete semanas no Top 100 da Billboard, embora tenha atingido apenas o 55º lugar.

No filme de Jim Jarmusch, Mystery Train, de 1989, as três histórias distintas que compõem a narrativa estão ligadas por um pedaço da versão de “Blue Moon” de Elvis Presley (ouvida em uma transmissão de rádio) e um subsequente tiro fora da tela, os quais são ouvidos uma vez durante cada história, revelando que as três histórias ocorrem simultaneamente e em tempo real.



MONEY HONEY

A décima-segunda - e última - faixa de Elvis Presley é "Money Honey". Com um ritmo acelerado e divertido, a canção encerra o álbum com chave-de-ouro. Divertida e contagiante, a guitarra de Moore é bem legal!

A letra é descontraída:

Well, I've learned my lesson and now I know
The sun may shine and the winds may blow.
The women may come and the women may go,
But before I say I love you so,
I want

“Money Honey” é uma canção composta por Jesse Stone e que foi lançada em setembro de 1953, por Clyde McPhatter, acompanhado pela primeira vez pelos recém-formados The Drifters.



Considerações Finais

Mais de 60 anos depois, ficou muito fácil perceber a importância que Elvis Presley teve na carreira de Elvis.

Elvis Presley tornou-se o primeiro álbum de rock and roll no topo da parada da Billboard, posição que ocupou por 10 semanas consecutivas.

Segundo o crítico Robert Hilburn: “Ao contrário de muitos artistas brancos... que encharcaram as bordas ásperas das versões originais de R&B, das canções nos anos 50, Presley reformulou-as. Ele não só injetou as músicas com seu próprio personagem vocal, mas também fez da guitarra, e não do piano, o instrumento principal em todos os casos”.

Enquanto Presley não era um guitarrista inovador, como Moore, ou os roqueiros afro-americanos contemporâneos como Bo Diddley e Chuck Berry, o historiador cultural Gilbert B. Rodman argumentou que a imagem da capa do álbum, “(…) de Elvis ter o tempo de sua vida no palco com uma guitarra em suas mãos desempenharam um papel crucial no posicionamento da guitarra... como o instrumento que melhor capturou o estilo e o espírito dessa nova música”.

Em uma crítica contemporânea, Bruce Eder, do AllMusic, dá uma nota máxima ao disco, apontando: “As circunstâncias que cercam este álbum não eram nem simples nem promissoras, no entanto, nem havia nada na história da música popular até aquele momento para sugerir que Elvis Presley seria algo diferente de ‘a loucura de Steve Sholes’, que era o que os executivos rivais já estavam sussurrando. Então, foi muito instável e não testado o primeiro de dois grupos de sessões que produziram o álbum Elvis Presley - não havia certeza de que havia algum motivo para um artista de rock & roll lançar um álbum, porque adolescentes compravam 45s (singles), não Lps”.

Por fim, Eder conclui: “Este foi um disco de estreia impressionante, como qualquer outro já feito, representando todos os lados das influências musicais de Elvis, exceto o gospel - rockabilly, blues, R&B, country e pop -, tudo em uma combinação explosiva e sedutora. Elvis Presley tornou-se o primeiro álbum de rock and roll a alcançar o primeiro lugar nas paradas nacionais, e o primeiro álbum pop de milhões de dólares da RCA”.

Em 3 de abril de 1956, Presley fez a primeira de duas aparições no Milton Berle Show, da rede de televisão NBC. Seu desempenho, no convés do USS Hancock, em San Diego, Califórnia, provocou gritos e aplausos de uma plateia de marinheiros e suas acompanhantes.

Poucos dias depois, um voo levando Presley e sua banda para Nashville, a fim de uma sessão de gravação, deixou-os muito abalados quando um motor morreu e o avião quase caiu sobre o Arkansas.

Doze semanas após seu lançamento original, o single “Heartbreak Hotel” se tornou o primeiro hit pop de Presley.

No final de abril, Presley começou uma série de apresentações de duas semanas no New Frontier Hotel and Casino, na Las Vegas Strip. Os shows foram mal recebidos pelos hóspedes conservadores de meia-idade - “como uma garrafa de licor de milho em uma festa de champanhe”, escreveu um crítico da revista norte-americana Newsweek.

Em meio a suas apresentações em Vegas, Presley, que tinha sérias ambições de ser um ator, assinou um contrato de sete anos com a Paramount Pictures.

Elvis começou uma turnê pelo meio-oeste americano, em meados de maio, estando em 15 cidades por muitos dias. Ele participou de vários shows de Freddie Bell e Bellboys, em Las Vegas, e ficou impressionado com a versão de “Hound Dog”, um sucesso, de 1953, do cantor de blues Big Mama Thornton, composta por Jerry Leiber e Mike Stoller.

“Hound Dog” tornou-se o novo número de fechamento das apresentações de Presley.

Depois de um show em La Crosse, no Wisconsin, uma mensagem urgente, em papel timbrado, do jornal da diocese católica local, foi enviada ao diretor do FBI, J. Edgar Hoover. Ele advertia que “Presley é um perigo definitivo para a segurança dos Estados Unidos... [Suas] ações e movimentos eram de tal forma a despertarem as paixões sexuais da juventude adolescente… Após o show, mais de 1.000 adolescentes tentaram entrar no quarto de Presley no auditório... Indícios do dano que Presley fez em La Crosse foram as duas garotas do ensino médio... cujo abdômen e coxa tinham autógrafos de Presley”.

Em 2003, o disco ficou em 56º lugar na lista da revista Rolling Stone dos 500 maiores álbuns de todos os tempos. Elvis Presley também foi um dos três álbuns de Presley a estar presente no livro de referência 1001 Álbuns que você deve ouvir antes de morrer, com os outros sendo Elvis Is Back! e From Elvis in Memphis.

Esta é uma minúscula amostra do começo do fenômeno que Elvis Presley se tornaria e este espaço é muito curto para abrangê-lo.

O segundo álbum de Elvis Presley, simplesmente nomeado Elvis, foi lançado em 19 de outubro de 1956.

Estima-se que Elvis Presley supera a casa de 1 milhão de cópias vendidas.



Formação:
Elvis Presley - Vocal, Violão, Piano em 08
Scotty Moore - Guitarra
Chet Atkins - Violão em 02 e 12
Floyd Cramer - Piano
Shorty Long - Piano
Bill Black - Baixo
D. J. Fontana - Bateria, exceto em 05, 06, 08, 10 e 11
Johnny Bernero - Bateria em 08
Gordon Stoker - Backing Vocals
Ben Speer - Backing Vocals
Brock Speer - Backing Vocals
Doug Poindexter - Percussão e Guitarra em 06

Faixas:
01. Blue Suede Shoes (Perkins) - 2:00
02. I'm Counting on You (Robertson) - 2:25
03. I Got a Woman (Charles/Richard) - 2:25
04. One Sided Love Affair (Campbell) - 2:11
05. I Love You Because (Payne) - 2:43
06. Just Because (Shelton/Shelton/Robin) - 2:34
07. Tutti Frutti (LaBostrie/Penniman) - 1:59
08. Tryin' to Get to You (McCoy/Singleton) - 2:31
09. I'm Gonna Sit Right Down and Cry (Over You) (Biggs/Thomas) - 2:01
10. I'll Never Let You Go (Little Darlin') (Wakely) - 2:24
11. Blue Moon (Rodgers/Hart) - 2:40
12. Money Honey (Stone) – 2:36

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/elvis-presley/

Opinião do Blog:
É totalmente dispensável que o RAC perca o tempo do amigo leitor apresentando novamente Elvis Presley, um dos ícones da cultura pop do século XX.

Dito isto, cabe ao Blog enaltecer um dos principais responsáveis pela popularização do Rock 'n' Roll através do mundo. É impossível saber quantos jovens foram influenciados pelo astro norte-americano.

Foi, sem dúvidas, como ficou claro no texto, um ato de coragem lançar um álbum completo ao invés de se concentrar em singles, fugindo da prática daquela época. Mas, com 12 canções em apenas 28 minutos de duração, Elvis Presley conquistou o público.

Claro, Elvis contou com músicos muito competentes ao seu lado, especialmente o criativo e ousado Scotty Moore, um dos principais responsáveis pela roupagem mais "agressiva" e ousada para as canções.

E é aí que reside o maior mérito do álbum. Para a época, tanto a musicalidade mais rápida, intensa e dinâmica, em pareceria com a interpretação única de Elvis, eram novidades. Assim, Presley levou o nascente Rock 'n' Roll para as massas.

Há quem perca seu tempo em menosprezar o legado de Elvis pelo fato de ele não ser compositor como seus geniais contemporâneos Little Richard e Chuck Berry. Mas a energia, o carisma e a popularidade de Presley foram essenciais para que o Rock se tornasse popular.

E, claro, Elvis era um cantor excepcional. Tanto pela belíssima voz quanto por sua forma única de interpretar qualquer música. Em todas as canções que cantou, Presley imprimiu sua marca inigualável.

Com 12 faixas incríveis, Elvis Presley é um disco essencial para se conhecer as origens do Rock. Não há música de enchimento e o prazer de se ouvi-lo é garantido.

O RAC elege como suas prediletas as versões de "Tryin' To Get To You", "Blue Moon" e, obviamente, "Blue Suede Shoes".

Apenas para concluir, cabe ressaltar que Elvis Presley não é apenas um dos mais influentes álbuns da história do Rock, mas também um dos melhores. Elvis foi um cantor excepcional e um dos artistas mais importantes do século XX e toda reverência ainda é pouca.

0 comentários:

Postar um comentário