22 de outubro de 2018

W.A.S.P. - THE LAST COMMAND (1985)



The Last Command é o segundo álbum de estúdio da banda norte-americana W.A.S.P. Seu lançamento oficial ocorreu em 9 de novembro de 1985, através do selo Capitol Records. As gravações aconteceram entre outubro de 1984 e a metade do ano seguinte no Pasha Music House, em Hollywood, nos Estados Unidos. A produção ficou por conta de Spencer Proffer.

Uma das melhores bandas do Glam Metal norte-americano, o W.A.S.P., finalmente retorna ao RAC, com seu álbum Last Command. O Blog vai, muito resumidamente, tratar dos fatos antecedentes ao lançamento do disco para depois se ater ao faixa a faixa.



Estreia do W.A.S.P.

O RAC já abordou a estreia do W.A.S.P., em seus primórdios. O leitor pode conferir o post aqui.

W.A.S.P., o álbum, foi lançado em 17 de agosto de 1984.

O disco atingiu a respeitável 74ª posição da principal parada norte-americana desta natureza, a Billboard. Além disso, o trabalho trouxe alguns clássicos imortais do grupo como “L.O.V.E. Machine”, “Hellion” e, principalmente, “I Wanna Be Somebody”.

Pouco depois do lançamento do disco, a banda fez uma aparição no filme de 1984, The Dungeonmaster.

Os singles “L.O.V.E. Machine” e “I Wanna Be Somebody” ajudaram o álbum a vender, e levaram a banda até “Blind In Texas”, uma canção escrita em St. Paul, Minnesota, por Lawless.

Troca de baterista

O baterista Tony Richards deixou o grupo após a turnê entre os anos de 1984 e 1985.

O substituto foi Steve Riley, que havia acabado de gravar o álbum The Right to Rock, o segundo disco de estúdio da banda Keel.

Steve Riley

The Last Command

Desejoso de alcançar o sucesso, o W.A.S.P. começou a trabalhar em seu segundo álbum pouco tempo após encerrar as gravações de W.A.S.P.

Para tanto, o conjunto apostou no capricho para com a produção. O escolhido para esta função foi Spencer Proffer.

Proffer ficou ainda mais conhecido pelo seu trabalho brilhante em Metal Health, de 1983, o álbum que levou o Quiet Riot ao primeiro lugar da Billboard.

O trabalho seria batizado de The Last Command e seria o último a contar com o membro fundador e guitarrista Randy Piper.

Blackie Lawless

O grupo se reuniu no estúdio Pasha Music House, em Hollywood, na Califórnia, nos Estados Unidos entre o fim de 1984 e a metade do ano seguinte para trabalhar em The Last Command.

Nesta altura, o W.A.S.P. era formado pelo líder, vocalista e baixista Blackie Lawless, os guitarristas Chris Holmes e Randy Piper e o supracitado baterista Steve Riley.

A capa é simples, com uma imagem de Lawless.

Vamos às faixas:

WILD CHILD

"Wild Child" é um hard rock de primeira linha, contando com guitarras afiadas e pesadas. O ritmo é cadenciado, mas, ao mesmo tempo, intenso. A atuação de Blackie Lawless é impecável, especialmente no refrão, o qual é sensacional. Clássico!

A letra mistura sexualidade e ameaça:

Tell me, tell me the lies you're telling him when you
Run away 'cause I wanna know
Cause I, I'm sure it's killing him to find
That you run to me when he lets you go
'Cause I'm burning, burning, burning up with fire
So - come turn me on and turn the flames up higher


Embora “Wild Child” seja um clássico do W.A.S.P., foi lançada como single, mas não repercutiu em termos das principais paradas de sucesso.



BALLCRUSHER

"Ballcrusher" é uma paulada típica do Glam Metal. Sem muitos rodeios ou muitas firulas, vai direto ao ponto, flertando diretamente com o Heavy Metal. Peso e potência em doses cavalares.

A letra tem sentido sexual:

I call her liar
Her eyes burn the flame
Liar, the princess of pain



FISTFUL OF DIAMONDS

O riff principal desta canção vai agradar fãs de música mais pesada e de bandas como o Judas Priest. O grupo continua com uma pegada bem intensa, aproximando-se intimamente do Heavy Metal. Outra ótima faixa.

A letra é sobre ganância:

I want a fistful, fistful of diamonds
I live for the glory and fame
I want a fistful, fistful of diamonds
The millions are calling my name



JACK ACTION

Outro riff muito bom toma conta de "Jack Action". Embora com o andamento mais arrastado, a música ganha com o peso absurdo das guitarras. Não se deixe enganar, "Jack Action" é uma verdadeira paulada!

A letra é sobre vingança:

Now I can't believe she's gone away
He better run, ya know I don't play
Took my babe, my life, he's on the run
Look out Jack now, here's my gun, yeah



WIDOWMAKER

Caminhando sobre a tênue linha que separa o Heavy e o Hard, "Widowmaker" é mais um "soco no estômago" do ouvinte. O andamento cadenciado apenas reforça o peso das guitarras e da seção rítmica. Belíssima faixa!

A letra é sobre mistério:

The cries of sadness never heard
Fall deaf upon my ears
The stench of madness, raging wars
I've seen a million years
The smell of sorrow fills the fields
And lingers in the sky
The littered ground will swallow down
The souls that fill my eyes



BLIND IN TEXAS

Se o leitor quiser saber porque o Glam Metal é um estilo que o escritor deste blog tanto gosta, basta apenas ouvir "Blind in Texas", o exemplo ideal para se conhecer aquilo que o estilo possui de melhor. Música espetacular.

A letra é sobre uma festança no Texas:

I drank Dallas whiskey and lost my mind
Had high-balls in Houston, three for a dime
Everything starts to spin, loaded on gin
I fell out the door, what I said is



“Blind in Texas” é, talvez, o maior sucesso do W.A.S.P.

A música foi lançada como single, mas não repercutiu em termos das principais paradas de sucesso desta natureza.



CRIES IN THE NIGHT

O ritmo diminui em "Cries in the Night", embora o peso ainda esteja efetivo, especialmente no que tange ao refrão. O trabalho de guitarras continua bem feito e o solo no meio da faixa é de ótimo gosto.

A letra possui sentido melancólico:

I'm hearing Cries in the Night,
I can't wait another day
No, no, no, tell me no lies,
I'm standing cold in the light
I lose the dream and I go crazy,
I'm hearing Cries in the Night

A canção foi mais uma lançada como single, mas também não repercutiu nas paradas de sucesso desta natureza.



THE LAST COMMAND

O peso e a intensidade continuam com força em "The Last Command". Nesta composição, o trabalho do baterista Steve Riley é ainda mais notável enquanto as guitarras seguem conduzindo a sonoridade. Outro ponto alto do disco.

A letra possui sentido bélico:

A thousand times I had this dream
the flag was high, I heard a scream
That cut through the still of the night
just like a knife
But that was yesterday
the darkness has gone away
I stand on the edge, and I pledge my life



RUNNING WILD IN THE STREETS

Esta canção segue a sonoridade proposta no álbum com peso, intensidade e sentimento de urgência. Os vocais de Lawless estão ótimos.

A letra possui um chamamento:

I'm standin' proud,
We're screaming loud,
I'll lead the crowd
Running wild in the streets



SEX DRIVE

A décima - e última - faixa de The Last Command é "Sex Drive". Outro riff que lembra bastante o Judas Priest é a base desta poderosa música que encerra o disco. Vocais poderosos e guitarras muito pesadas conduzem o trabalho a um encerramento em altíssimo nível.

A letra possui conotação sexual:

I got a message for you,
It's something you love to do
You're thinking bout it all the time
You're lying in bed and it runs through your head
Cause you can't get it off your mind
You been thinking pink and you're losing sleep
That rush is almost all you can stand
You feel it getting hard and your crotch starts to throb
It's body language you understand



Considerações Finais

The Last Command conseguiu aumentar o sucesso do W.A.S.P., elevando o patamar anterior do grupo.

O álbum atingiu a respeitável 47ª posição da Billboard, a principal parada norte-americana desta natureza.

As críticas da imprensa especializada são mistas. A revista alemã Rock Hard dá ao trabalho uma nota 6,5 (de 10) enquanto o site Metal Cryptic atribui uma nota 4 (de 5).

Greg Prato, do site AllMusic, dá ao disco uma nota 3 (de 5), afirmando: “No segundo trabalho do W.A.S.P., em 1985, The Last Command, a banda contratou o produtor de Quiet Riot, Spencer Proffer, para manipular os limites, resultando em um som pouco mais acessível do que a sua autointitulada estreia”.

Prato conclui: “Embora o álbum não tenha sido o grande avanço comercial o qual a banda esperava, resultou em seu segundo lançamento com certificação de ouro consecutivo, uma vez que se tornou uma das bandas de metal mais populares da metade dos anos 80”.

Em seguida, o W.A.S.P. iniciou a bem-sucedida ‘The Last Command tour’, chegando a se apresentar com nomes como Iron Maiden e Black Sabbath.

Ao término da turnê, o guitarrista Randy Piper deixou o conjunto. Seu substituto foi Johnny Rod, oriundo da banda King Kobra.

Já no ano seguinte, o W.A.S.P. lançaria Inside the Electric Circus, terceiro disco de estúdio do grupo.

The Last Command suplanta a casa de 1 milhão de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.

Formação:
Blackie Lawless - Vocal, Baixo
Chris Holmes - Guitarras
Randy Piper - Guitarras, Backing Vocals
Steve Riley - Bateria, Backing Vocals
Músicos adicionais:
Carlos Cavazo - Vocais Adicionais
Chuck Wright - Vocais Adicionais

Faixas:
01. Wild Child (Lawless/Holmes) – 5:12
02. Ballcrusher (Lawless/Holmes) – 3:27
03. Fistful of Diamonds (Lawless) – 4:13
04. Jack Action (Lawless/Riley) – 4:16
05. Widowmaker (Lawless) – 5:17
06. Blind in Texas (Lawless) – 4:21
07. Cries in the Night (Lawless) – 3:41
08. The Last Command (Lawless) – 4:10
09. Running Wild in the Streets (Lawless) – 3:30
10. Sex Drive (Lawless/Holmes) – 3:12

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/wasp/

Opinião do Blog:
Mais de 5 anos separam a estreia do W.A.S.P., aqui no RAC, de nosso segundo post sobre a banda. É um bom tempo, mas, como ficou claro no texto, o apreço pelo grupo se mantém o mesmo.

The Last Command apresenta o conjunto com quase a mesma formação e, basicamente, a mesma sonoridade. Os guitarristas Chris Holmes e Randy Piper são os maiores destaques do álbum, embora a interpretação que Blackie Lawless dá às canções seja um pedaço fundamental da obra.

Para o Blog, o Glam Metal do W.A.S.P. possui uma pegada mais Metal, com mais peso e uma clara influência do Judas Priest, expressa principalmente nos riffs infernais contidos no disco.

Desta forma, as melodias estão sempre presentes, mas ganham uma dose impressionante de peso e, como foi dito, os riffs são extremamente pesados, embora o ritmo soe cadenciado. The Last Command está sempre intenso e se situando no limiar entre o Hard e o Heavy.

A produção de Spencer Proffer permite que as qualidades do álbum sejam facilmente percebidas, não obstante The Last Command esteja em um degrau inferior à homônima estreia do conjunto.

Mas, mesmo assim, o nível desta obra é elevado. Pauladas como "Sex Drive", "Jack Action" e "The Last Command" são de indubitável classe.

Mas o RAC elege os clássicos "Wild Child" e "Blind in Texas" como suas favoritas. Elas estão entre as melhores composições da carreira do W.A.S.P.

Portanto, The Last Command é um ótimo exemplar da qualidade do W.A.S.P. como banda e de como sua sonoridade pesada era um diferencial dentro do próprio Glam Metal. Embora, para o Blog, o álbum esteja em um degrau inferior a estreia do grupo, seu segundo disco traz canções memoráveis como "Blind in Texas" e "Wild Child", algumas das melhores que o Glam Metal já produziu.

0 comentários:

Postar um comentário