10 de setembro de 2018

WARLOCK - HELLBOUND (1985)



Hellbound é o segundo álbum de estúdio da banda alemã Warlock. Seu lançamento oficial ocorreu em 29 de maio de 1985, através dos selos Vertigo e Mercury. As gravações aconteceram entre fevereiro e abril daquele mesmo ano, no Country Lane Studios, em Munique, na Alemanha. A produção ficou por conta Henry Staroste e Rainer Assmann.

O RAC traz pela primeira vez o grupo alemão Warlock. Primeiramente, o Blog vai abordar as origens da banda para depois se passar para o álbum em si.


Doro Pesch

Dorothee Pesch nasceu em Düsseldorf, na Alemanha, em 3 de junho de 1964, filha única de Walter, um motorista de caminhão, e Barbara Pesch.

A primeira lembrança de Doro sobre a música rock é a canção “Lucille”, de Little Richard, que ela cantou quando tinha apenas três anos de idade. Ela aprendeu a tocar piano e começou a cantar aos dez anos de idade, quando foi exposta ao glam rock de bandas como T. Rex, Sweet e Slade. (Nota do Blog: Richard Wayne Penniman, mais conhecido por Little Richard, é um cantor, compositor e pianista dos Estados Unidos. Foi eleito pela Rolling Stone o 8º maior artista da música de todos os tempos).

Quando ela tinha dezesseis anos e depois de contrair uma forma de tuberculose com risco de vida, ela decidiu se dedicar mais tempo e energia para cantar, sem desistir de seu estudo de design gráfico.

Em 1980, ela foi aceita em sua primeira banda, chamada Snakebite, a qual tocava rock em um porão de Düsseldorf, usado como espaço de ensaio por muitos outros grupos underground. (Nota do Blog: Underground (subterrâneo, em inglês) é uma expressão usada para designar um ambiente cultural que foge dos padrões comerciais, dos modismos e que está fora da mídia. Também conhecido como Cultura Underground ou Movimento Underground, para designar toda produção cultural com estas características, ou Cena Underground, usado para nomear a produção de cultura underground em um determinado período e local).

A primeira gravação com Doro nos vocais foi uma demo barata de 7 faixas lançada pelo Snakebite para sua promoção. Quando o Snakebite se separou, em 1981, Doro passou a cantar em bandas de garagem, como Beast e Attack, antes de formar o Warlock com Peter Szigeti, Rudy Graf, Thomas Studier e Michael Eurich, em 1982.

Doro Pesch

Warlock em formação

O primeiro núcleo da banda foi formado sob o nome de Snakebite em Düsseldorf, na Alemanha Ocidental, em 1980, e era composto por Doro Pesch nos vocais, Michael Bastian na guitarra, Frank Rittel no baixo e Thomas Franke na bateria, este último vindo da banda Stallion.

Franke foi logo substituído por Michael Eurich e, pouco antes de se separar, o Snakebite adquiriu o canhoto Peter Szigeti como segundo guitarrista, oriundo da banda Beast. Snakebite e Beast eram duas das muitas bandas que tocavam nos clubes e bares locais e gravavam demos baratas para promoverem sua música.

Pesch, Szigeti e Eurich fizeram testes com outros grupos, mas, em outubro de 1982, formaram uma nova banda, com Thomas Studier no baixo e o guitarrista Rudy Graf, o qual sugeriu o nome Warlock e chegou cheio de músicas.

A nova banda encontrou um gerente em Peter Zimmermann, quem organizou shows de abertura com o conjunto alemão Trance, contribuindo para construir uma sólida reputação do Warlock na cena underground local.

Warlock se estabelece e primeiro álbum

Depois de gravar uma demo com quatro faixas e enviá-la para várias gravadoras e revistas musicais, a banda conseguiu um contrato com a gravadora independente belga Mausoleum Records.

O baixista Frank Rittel se juntou ao Warlock antes do conjunto começar a gravar seu álbum de estreia, Burning the Witches, em 1984, com o produtor Axel Thubeauville, um caçador de talentos dos grupos de heavy metal alemães.

Burning the Witches foi gravado em apenas seis dias e remixado por Rainer Assmann e Henry Staroste antes do lançamento.

O disco foi bem recebido pelos críticos e pelos fãs e o Warlock fez uma turnê, pela primeira vez, fora da Alemanha para divulgá-lo, frequentemente ao lado de seus companheiros de gravadora, o Steeler.

Infelizmente, a má distribuição e o baixo financiamento para a turnê, por parte da gravadora, prejudicaram o potencial comercial do disco, deixando a banda profundamente insatisfeita com a Mausoleum Records.

Warlock nos palcos

Hellbound

No início de 1985, a banda assinou um contrato com uma gravadora maior, a Phonogram Inc.

Já em fevereiro de 1985, o Warlock se reuniria em Munique, no sul da Alemanha, no Country Lane Studios, para trabalhar no que se tornaria seu segundo disco, Hellbound.

Para a produção, os escolhidos foram Henry Staroste e Rainer Assmann. A arte da capa, simples, possui uma fotografia com o conjunto.

Vamos às faixas:

HELLBOUND

A bateria de Michael Eurich frenética anuncia o ritmo acelerado da faixa-título, "HellBound". Guitarras conduzindo um riff veloz e pesado se casam perfeitamente com os vocais agressivos de Doro Pesch. Heavy Metal em essência!

A letra é sobre magia:

I swear... I've been under a spell
The time is right
I will flee from this hell
Ooh everywhere I see
Ghosts all around
(I'm hellbound) (I'm hellbound)



ALL NIGHT

O peso continua em alta na segunda faixa do disco, "All Night". Desta feita, a banda aposta em um ritmo mais cadenciado e contido, com o baixo de Frank Rittel no comando. O refrão é empolgante, contando com uma atuação impecável de Doro. Um verdadeiro clássico!

A letra fala sobre paixão:

I feel the danger
I can't break loose
You are the son of the devil
I'm longing for you


“All Night” foi lançada como single para promover Hellbound, mas não repercutiu em termos das principais paradas de sucesso.



EARTHSHAKER ROCK

A velocidade alucinante da seção rítmica, no início da música, revela uma inegável influência da NWOBHM e do, então, nascente Power Metal. As guitarras estão bem presentes, mas o destaque é o perfeito trabalho de Doro.

A letra é uma ode ao Heavy Metal:

Higher, higher
Set your light on fire
You get higher
Bang your head, bang your head



WRATHCHILD

"Wrathchild" permanece naquela linha tênue e efêmera entre o Hard e o Heavy. Sua pegada é cativante e o ritmo cadenciado também envolve. Os vocais agressivos de Doro são muito bons, em um dos grandes destaques do disco.

A letra fala sobre um destino:

This is your story
It's all about you
Yeah it's all about you
- Wrathchild
You beat up everyone in your way
- Never satisfied
With a wall all around you



DOWN AND OUT

"Down and Out" possui uma melodia que remete a bandas como o Dokken, o que é ótimo. O trabalho dos guitarristas Rudy Graf e Peter Szigeti é realmente cativante. O baixo de Rittel continua ditando o ritmo.

A letra menciona medo e condenação:

When you start to explain
That you did it just for me
I tell you straight: "Too far out !"
Forget all your fears
Cry out all your tears
It's the only chance to save your soul



OUT OF CONTROL

"Out of Control" continua a pegada mais pesada e intensa do álbum. Indo direto ao ponto, a canção se mostra pesada e com guitarras afiadas, contando com um riff principal bem interessante. Os solos de guitarra são bem legais.

A letra é sobre guerra:

Out of control
I can hear the warlord calling :
Give your soul



TIME TO DIE

"Time to Die" se revela como outra música que remete à urgência da NWOBHM ao mesmo tempo que apresenta a velocidade do Power Metal, especialmente na atuação frenética da seção rítmica. Doro é ótima, mais uma vez.

A letra possui uma temática aterrorizante:

Tonight it's time to die
The shadows take me
To the damned in the darkness
Tonight it's time to die
All my nightmares will come true



SHOUT IT OUT

"Shout It Out" flerta fortemente com o Hard Rock oitentista, apresentando uma canção pesada, mas cadenciada e, ao mesmo tempo, repleta de uma melodia muito malemolente. Os solos de guitarra são muito legais.

A letra pode ser inferida como uma mensagem sobre determinação:

So pave the way for
Pave the way for
What you wanna do
So do it
What you wanna do
So go and do it
Try to find your destination
Things can get you so high
When you know what's life
Then you can get enough



CATCH MY HEART

A nona - e última - faixa de Hellbound é "Catch My Heart". Uma introdução mais suave e bem arrastada apresenta uma faceta mais contida do grupo e uma atuação comovente de Doro. A balada encerra o disco de um modo diferente, mas não menos comovente. O solo de guitarra é muito bom.

A letra possui uma mensagem melancólica:

Tomorrow sleeps in the same old lonely places
Just an empty dream filled with yesterday's faces
Can you tell me, where are my memories?



Considerações Finais

A qualidade de Hellbound auxiliou ao Warlock em estabelecer uma base de fãs no Heavy Metal, especialmente na Europa.

O disco atingiu a modesta 53ª posição na principal parada alemã desta natureza, não repercutindo em termos das principais paradas mundiais, a britânica e a norte-americana.

Em retrospectiva, os críticos especializados têm o álbum em boa conta. O canadense Martin Popoff, em seu renomado Collector's Guide to Heavy Metal, dá ao trabalho uma nota 6 em 10. Já o site AllMusic atribui a nota 3 (em 5) ao trabalho.

O Warlock, então, começou a receber atenção da mídia e apareceu em programas de TV, no Reino Unido e na Alemanha. Sua primeira turnê europeia completa os levou ao Camden Palace Theatre, em Londres, na Inglaterra, onde o show foi filmado para o primeiro vídeo do Warlock, Metal Racer.

A performance ao vivo do Warlock foi bem recebida com uma crítica da revista britânica Kerrang! e o grupo sendo eleito ‘Best New Band’ de 1985, em pesquisa dos leitores daquela revista.

Doro Pesch também foi eleita a melhor cantora pelos leitores da revista de música Metal Forces, no final daquele ano.

A banda tocou no Metal Hammer Festival, em Loreley, na Alemanha, em setembro, ao lado de Metallica, Venom, Running Wild, Pretty Maids, Nazareth e Wishbone Ash.

Mais tarde, naquele mesmo ano, após a turnê de Hellbound, o guitarrista Rudy Graf deixou o conjunto e foi substituído por Niko Arvanitis, um ex-companheiro de banda de Rittel no Stormwind.

True as Steel, terceiro álbum do Warlock, seria lançado em 18 de agosto de 1986.



Formação:
Doro Pesch - Vocal
Rudy Graf - Guitarra
Peter Szigeti - Guitarra
Frank Rittel - Baixo
Michael Eurich - Bateria

Faixas:
01. Hellbound (Szigeti/Staroste/Pesch/Rittel/Eurich/Graf) - 3:42
02. All Night (Szigeti/Staroste/Maué/Graf/Rittel/Eurich/Pesch) - 4:06
03. Earthshaker Rock (Graf/Rittel/Pesch/Szigeti/Eurich) - 3:27
04. Wrathchild (Szigeti/Staroste/Pesch/Rittel/Eurich/Graf) - 3:35
05. Down and Out (Graf/Rittel/Pesch/Szigeti/Eurich) - 4:06
06. Out of Control (Graf/Staroste/Pesch/Maué/Rittel/Szigeti/Eurich) - 4:50
07. Time to Die (Graf/Staroste/Pesch/Rittel/Szigeti/Eurich) - 4:28
08. Shout It Out (Szigeti/Staroste/Pesch/Rittel/Eurich/Graf) - 4:20
09. Catch My Heart (Szigeti/Maué/Pesch/Rittel/Eurich/Graf) - 4:55

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/warlock/

Opinião do Blog:
Quem acompanha o RAC desde o seu início sabe que o Blog começou praticamente como um site voltado ao Heavy Metal. Então, é até estranho que o Warlock tenha demorado tanto tempo para aparecer por aqui.

Mas, como se diz, "antes tarde do que nunca". E, finalmente, o RAC traz a banda que revelou a grande vocalista Doro Pesch para um post especial.

O Warlock apresenta uma formação com muito talento. Rudy Graf e Peter Szigeti formam uma afiada dupla de guitarristas. O baixo de Frank Rittel é um elemento dominante e a bateria de Michael Eurich é um dos destaques do disco.

Claro, a fantástica Doro Pesch é o maior destaque do trabalho. Sua capacidade de interpretação aliada a sua voz incrível são os grandes diferenciais da banda. Em Hellbound, Doro está em uma grande performance.

Aliás, Hellbound apresenta o Warlock com seu Heavy Metal agressivo e vibrante. Mas, longe de ser unicamente constante, o disco mostra influências marcantes da NWOBHM e Power Metal em sua sonoridade. O grupo, também, flerta com o Hard e o Glam Metal, como em "Down and Out".

As letras são na média em geral.

Um álbum de qualidade homogênea traz canções empolgantes para fãs de sonoridade Heavy Metal tradicional.

Pauladas como "Hellbound" e "Wrathchild" conquistam facilmente 'headbangers' tradicionais. "Catch My Heart" é bem mais que uma balada comovente.

Mas o RAC elege a sensacional "All Night" e o petardo "Shout It Out" como suas prediletas no disco.

Concluindo, o Warlock não tenta recriar a roda, mas apresenta um Heavy Metal muito bem tocado e verdadeiramente empolgante em Hellbound. Suas composições são muito bem constituídas e, de quebra, traz a atuação impecável da fantástica Doro Pesch. Tanto a banda quanto o álbum são muito bem recomendados pelo Blog.

4 comentários:

  1. Homenagem super justa do blog não apenas ao Warlock, uma das mais lendárias bandas da Alemanha (juntamente com Accept e Scorpions, por exemplo), mas também para a grande estrela revelada por esta banda: genial e fantástica vocalista e compositora Doro Pesch, talvez a voz feminina mais conhecida e emblemática do heavy metal mundial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, meu caro, nem eu mesmo acredito que demorei tanto tempo a escrever sobre o Warlock e a Doro.

      Excluir
    2. Sim, patrão, mas posso dizer que finalmente essa demora compensou. Qualquer álbum seja do Warlock e da carreira solo de Doro Pesch é sempre muito bem-vindo por aqui. Valeu mesmo por me responder, meu caro chefe Daniel!

      Excluir
    3. É isso mesmo, meu caro! Disponha!

      Excluir