13 de outubro de 2017

DUST - HARD ATTACK (1972)


Hard Attack é o segundo álbum de estúdio da banda norte-americana chamada Dust. Seu lançamento oficial aconteceu no ano de 1972, através do selo Kama Sutra Records. A produção ficou a cargo do produtor Kenny Kerner e do baixista Kenny Aaronson.

O Dust foi uma banda de curtíssima duração, mas que deixou seu nome gravado na história do Rock. O Blog vai abordar, resumidamente, as origens do grupo para depois se focar no álbum propriamente dito.

Surgimento do Dust

Richie Wise era um jovem guitarrista nova-iorquino no final dos anos 60. Entre os seus grupos prediletos estavam as bandas britânicas como The Yardbirds, Cream e o norte-americano Jimi Hendrix.

Estamos em Nova York, no ano de 1969, e Wise estava interessado em testar suas habilidades, formando um novo grupo e começou a procurar interessados em participar desta nova empreitada.

Kenneth Aaronson, chamado de Kenny, nasceu em 14 de abril de 1952. Em 1969, ele era um adolescente de apenas 17 anos.

Wise, Bell e Aaronson
Kenny começou a tocar bateria aos onze anos, seguindo os passos de seu irmão mais velho. Aaronson mudou para baixo elétrico aos 14 anos depois de se apaixonar pelo instrumento nos registros da histórica gravadora Motown, sendo fortemente influenciado por James Jamerson. (Nota do Blog: James Lee Jamerson foi um baixista norte-americano. Ele foi o baixista (não creditado) na maioria dos sucessos da Motown Records na década de 1960 e início da década de 1970 (A Motown não creditava seus músicos de sessão, em seus lançamentos, até 1971), e agora é considerado um dos baixistas mais influentes da história da música moderna. Ele foi eleito para o Rock and Roll Hall of Fame em 2000. Como músico de sessão, ele tocou em 30 hits que foram 1º lugar na Billboard, além de mais 70 hits número 1 do estilo R&B, mais do que qualquer outro baixista em ambas as categorias).

Marc Steven Bell nasceu em 15 de julho de 1952, no Brooklyn, em Nova York. Já em 1969, também aos 17 anos, Bell se interessava pela bateria.

Juntos, Wise, Aaronson e Bell começaram tocando covers de grupos como Rolling Stones e The Who.

Mas, na virada dos 60 para os 70, as grandes bandas britânicas de Hard Rock e Rock Progressivo estavam no auge: Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Yes, Genesis, Pink Floyd, entre diversas outras.

Toda esta gama de bandas moldariam a sonoridade do Dust que, aos poucos, passou a compor material autoral.

O primeiro álbum: Dust

Richie Wise conhecia um cara chamado Kenny Kerner, o qual incentivava Wise a compor material para a banda.

O trio que formava o Dust

Kerner logo se tornaria o manager e produtor do Dust, além de ser o principal letrista das composições do grupo.

O Dust gravou algumas demos e uma delas acabou chegando à gravadora Kama Sutra Records, a qual resolveu contratar o conjunto.

Contando com 7 músicas autorais, o autointitulado álbum de estreia do Dust foi lançado em 1971.

Seis de sete canções de Dust foram assinadas pela dupla Wise e Kerner, com a última música do álbum, “Loose Goose”, sendo composta por Kenny Aaronson.

Com uma sonoridade pesada e cheia de personalidade, Dust é um ótimo trabalho, com músicas muito boas como “Love Me Hard”, “From a Dry Camel” e o principal single do disco, “Stone Woman”.

Dust não esteve nem perto de ser um sucesso comercial, vendendo pouco, embora, hoje, seja um item de colecionador.

Mesmo assim, a Kama Sutra Records resolveu apostar novamente no Dust.

Hard Attack

A dupla de compositores Richie Wise e Kenny Kerner se uniu novamente e produziu mais 9 das 10 composições para o segundo disco do Dust, Hard Attack. A última composição, “Learning to Die”, é de Kenny Aaronson.

Hard Attack foi lançado em 1972, trazendo arranjos de cordas sob responsabilidade de Larry Wilcox.

A capa é muito bonita, obra assinada por Frank Frazetta, chamada Snow Giants.

Vamos às faixas:

PULL AWAY/SO MANY TIMES

O baixo de Kenny Aaronson é bastante dominante na primeira faixa de Hard Attack. O ritmo é intenso, embora o peso seja moderado. A melodia acaba conquistando pela abordagem praticamente acústica do guitarrista Richie Wise.

A letra fala sobre um romance difícil:

I tried to hold you
remember I told you
that I know all about your lies
now that you’re goin
your vanity’s showin
I can see it all in your eyes



WALK IN THE SOFT RAIN

A segunda canção do disco começa mantendo o clima mais leve, com a guitarra de Richie Wise se destacando pontualmente. A seção rítmica formada pelo baixista Kenny Aaronson e pelo baterista Marc Bell ditam o andamento contagiante desta bela música.

A letra é uma metáfora sobre a transitoriedade das relações:

They say the day is lonely so totally blue
it calls out for us only but mainly for you
A walk in the soft rain alone
a walk and then everything's gone



THUSLY SPOKEN

"Thusly Spoken" é absolutamente diferente das faixas que a antecedem. O andamento é totalmente arrastado e o peso ausente. O órgão pode ser ouvido ao fundo, assim como algumas passagens orquestradas. É uma canção tocante, mas que está inteiramente deslocada da proposta do disco.

A letra é sombria:

The lonely lost on the caravan
Still pursuing just a desert tan
Quite a coutly game
For the pure insane
Written by the mask



LEARNING TO DIE

Um bom riff principal oriundo da guitarra de Richie Wise comanda "Learning to Die". Também a bateria de Marc Bell apresenta uma abordagem bem mais agressiva. Nesta faixa, o grupo apresenta um Hard Rock ainda mais vigoroso e próximo ao das bandas britânicas da mesma época.

A letra é sobre a finitude da vida:

Now we have to leave
Our shiny jewels behind
Diamonds and tears
Women and whips
Under the earth we move



ALL IN ALL

A intensa "All in All" mantém o peso de sua antecessora, com a guitarra de Wise podendo brilhar graças a uma base poderosa advinda do baixo de Aaronson. Aqui o Hard Rock é mesclado com uma abordagem Rock 50's bem próximas, com muito swing e bom gosto. Grande música!

A letra é inteligente e mostra como o tempo é a medida de tudo:

Who knows and who can tell
why the sea was livin in a wishing well
and why were the clouds below my feet
and where did they put the street





I BE THINKIN

Sutileza e leveza são as palavras de ordem em "I Be Thinkin". O clima bucólico é intensificado pelo violão guiado por Wise e sua ótima interpretação vocal. Mesmo lenta, trata-se de uma boa música.

A letra é em tom reflexivo:

In the mornin' sun
Wastin' my time
Playin' with the flowers
Too many years of trouble, girl
And not enough fun



IVORY

"Ivory" é uma faixa totalmente instrumental em que a banda propõe um Hard Rock, com certa pegada Bluesy, e ritmo intenso. O grande destaque é a abordagem extrema do baterista Marc Bell. Bom momento do disco.



HOW MANY HORSES

Não se sinta estranho: "How Many Horses" possui uma inegável pegada Country, com um ritmo bem arrastado e abusando do swing. Richie Wise providencia ótimos vocais e o baixo de Aaronson é outra vez onipresente. O solo de guitarra é interessante.

A letra fala sobre dependência:

How many moments
Do you think have gone
Till you'll be returning
From your forest of fun
You'll never take it
Oh no, but you wanna try, alone
Can't you see you'll be nothing?
When I'm gone



SUICIDE

Em "Suicide", o peso e a distorção retornam e, embora o andamento seja mais cadenciado, a guitarra de Richie Wise está dominando o ambiente. Os vocais do guitarrista/vocalista são bem mais agressivos e funcionam perfeitamente. Mais no meio de sua execução, o guitarrista domina completamente as ações e o grupo flerta com um som bem "a la Black Sabbath". Excelente!

A letra é em tom de despedida:

Pretty soon I'll be gone
On a long one way ride
Tell your friends not to call
Say it was suicide



ENTRANCE

"Entrance", décima e última faixa de Hard Attack, é uma pequena passagem instrumental que encerra o disco.



Considerações Finais

Hard Attack não conseguiu fazer com que o Dust deslanchasse, ao menos em termos comerciais e como negócio viável.

O álbum não repercutiu em termos das duas principais paradas de sucesso do mundo, a britânica e a norte-americana.

Entretanto, nos dias atuais, mais de 40 anos depois de seu lançamento, Hard Attack é bem visto pela mídia especializada. O site Sputnikmusic dá ao trabalho uma nota 4 em um máximo de 5.

Joe Viglione, do site AllMusic, dá a Hard Attack uma nota 3 de um máximo possível de 5, afirmando: “Hard Attack, do Dust, é uma melhoria em relação ao desempenho aceitável da estreia autointitulada do ano anterior. A equipe do produtor Kenny Kerner e o vocalista/guitarrista/produtor Richie Wise faz exatamente o que o título sugere, trazendo um ataque mais duro para músicas como “Pull Away/So Many Times” e “Ivory”, a última, um instrumento com ênfase em riffs de guitarra e o trabalho dos pratos”.

Por fim, Viglione atesta: “Há uma bela faixa de 19 segundos intitulada “Entrance”, que conclui a poesia escura do álbum Hard Attack, um álbum que é um dos soldados esquecidos na história do rock”.

Embora Wise tenha começado a escrever material para um terceiro álbum, a banda se dissolveu devido à falta de promoção e ao interesse de Wise em produzir música.

Kenny Aaronson, como o Dust já sugeria, tornou-se um grande músico. Após o final da banda, ele se juntou ao grupo Stories, com o qual gravou o sucesso “Brother Louie”. Além disto, ele chegou a gravar e/ou sair em turnê com músicos do calibre de Edgar Winter, Bob Dylan e Joe Cocker, entre outros.

Richie Wise e Kenny Kerner partiram para trabalhar com produção e, entre outros, produziu os dois primeiros álbuns da banda KISS.

O próximo projeto de Marc Bell após o Dust foi o Estus, tocando em seu álbum homônimo de 1973. Em meados da década de 1970, ele se juntou ao Richard Hell & the Voidoids, tocando em seu primeiro disco, Blank Generation.

Em 1978, Bell substituiu Thomas Erdelyi no Ramones, assumindo o pseudômino de Marky Ramone. Os Ramones foram imortalizados no Rock and Roll Hall of Fame, em 2001, e receberam o Grammy Lifetime Achievement Award, em 2011.

Marc Bell também se apresentou com o Marky Ramone and the Intruders, The Ramainz, Marky Ramone & the Speedkings, Teenage Head, the Misfits, and Marky Ramone's Blitzkrieg, bem como em gravações individuais dos ex-companheiros de banda Dee Dee Ramone e Joey Ramone.

Os dois álbuns do Dust foram reeditados em 16 de abril de 2013, como um único CD combinado, intitulado Hard Attack/Dust (pela Legacy Recordings), bem como em vinil, no dia 20 de abril, para as comemorações do chamado Record Store Day.



Formação:
Richie Wise - Guitarras Elétricas e Acústicas, Vocal
Marc Bell - Bateria
Kenny Aaronson - Baixo, Steel, Dobro e Bottleneck Guitar

Faixas:
01. Pull Away/So Many Times (Wise/Kerner) - 5:02
02. Walk in the Soft Rain (Wise/Kerner) - 4:25
03. Thusly Spoken (Wise/Kerner) - 4:27
04. Learning to Die (Aaronson) - 6:27
05. All in All (Wise/Kerner) - 4:06
06. I Been Thinkin' (Wise/Kerner) - 2:12
07. Ivory (Wise/Kerner) - 2:42
08. How Many Horses (Wise/Kerner) - 4:18
09. Suicide (Wise/Kerner) - 4:53
10. Entrance (Wise/Kerner) - 0:19

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.musixmatch.com/pt-br/album/Dust-7/Hard-Attack)

Opinião do Blog:
Excetuando-se os aficionados pelo Hard Rock setentista e/ou aqueles que gostam de garimpar bandas das décadas passadas, o Dust é uma banda praticamente desconhecida. Seus fracassos comercial e de crítica contribuem para que o conjunto continue passando em branco.

O que impede um desconhecimento ainda maior é o fato do baterista Marc Bell ter passado por sua formação. Bell seria eternizado na história do Rock, anos depois, assumindo o pseudônimo de Marky Ramone e tocando no grupo punk Ramones.

Mas o RAC optou por um momento anterior da carreira de Marky, quando, ainda desconhecido, fez parte do Dust. O grupo possuía uma sonoridade voltada ao Hard Rock, mas também construindo faixas fora desta abordagem principal. Hard Attack é basicamente isto.

O conjunto demonstra entrosamento e talento. O vocalista/guitarrista, Richie Wise, é o principal compositor do grupo e apresenta seu talento tanto ao cantar quanto ao tocar. A seção rítmica formada pelo baixista Kenny Aaronson e o baterista Marc Bell mostra um grande entrosamento e é o destaque do disco.

As letras são mais simples, mas valem uma conferida.

O ouvinte mais atento perceberá que o Dust prima pela sutileza de suas melodias, preferindo abordagens leves e suaves ao peso propriamente dito. A construção de belas linhas melódicas, em praticamente todas as faixas, é uma forte característica das composições da banda.

Hard Attack apresenta faixas em que peso e intensidade dão lugar a uma abordagem melódica e bucólica, como em "Thusly Spoken" e "I Been Thinkin".

Mas, para o Blog, quando o disco faz jus ao nome, é que estão os seus momentos mais relevantes. A forte "Walk in the Soft Rain" é uma das melhores canções do Dust. "Learning to Die" é outra ótima canção.

Entretanto, o RAC escolhe a psicodélica e inquietante "Suicide" como a melhor do trabalho.

Enfim, o Dust, como foi dito, não é uma banda que ficou famosa ou fez sucesso, mas, mesmo assim, apresentava talento e boas composições. Hard Attack é mesmo seu álbum mais relevante, sendo composto por boas canções e uma intrigante diversidade de abordagens musicais. Disco bem recomendado pelo Blog.

0 comentários:

Postar um comentário