10 de maio de 2017

PINK FLOYD - ATOM HEART MOTHER (1970)


Atom Heart Mother é o quinto álbum de estúdio da banda britânica Pink Floyd. Seu lançamento oficial ocorreu em 2 de outubro de 1970, através dos selos Harvest e Capitol Records. As gravações aconteceram entre fevereiro e agosto daquele mesmo ano, no lendário Abbey Road Studios, em Londres, na Inglaterra. A produção ficou por conta do próprio Pink Floyd, contando com Norman Smith como produtor-executivo.

Depois de quase 6 anos, uma das maiores instituições da música Rock do planeta retorna ao Blog: o Pink Floyd. Vamos fazer um histórico resumido do conjunto até chegarmos ao álbum propriamente dito.


Origens

As origens do Pink Floyd remontam ao ano de 1963, quando o aluno de arquitetura da London Polytechnic, Roger Waters, conheceu um colega de curso chamado Nick Mason. Ambos formaram um grupo com Keith Noble, sua irmã Sheilagh e um cara chamado Clive Metcalfe.

Quando outro aluno de arquitetura, Richard Wright, se juntou à banda ainda naquele ano, eles formaram um sexteto de nome Sigma 6. Waters era o guitarrista-solo, Mason era o baterista e Wright tocava a guitarra-base, pois raramente havia um teclado disponível. A banda tocava em eventos particulares e ensaiava em um salão de chá no porão da Regent Street Polytechnic. Algumas canções que eles tocavam foram escritas pelo seu manager e compositor, o também estudante Ken Chapman.

Já em 1964, Bob Klose se junta ao grupo, promovendo Waters ao posto de baixista. O Sigma 6 passa por várias mudanças de nomes, sendo chamado de the Meggadeaths, the Abdabs and the Screaming Abdabs, Leonard's Lodgers, e the Spectrum Five, até se estabelecer como Tea Set.

Metcalfe e Noble deixam o grupo a fim de formar sua própria banda enquanto o guitarrista Syd Barrett juntou-se a Klose e Waters em Stanhope Gardens (onde ficava o apartamento que os dois dividiam). Barrett, dois anos mais novo, se mudou para Londres em 1962 para estudar na Camberwell College of Arts. Waters e Barrett eram amigos de infância; Roger frequentemente visitava Syd e o assistia tocar guitarra na casa da mãe de Barrett.

Foi Klose quem apresentou a banda ao vocalista Chris Dennis, técnico da Royal Air Force (RAF). (Nota do Blog: a Royal Air Force (RAF) é a força aérea britânica). Em dezembro de 1964, eles conseguiram seu primeiro tempo de gravação, em um estúdio em West Hampstead, através de um dos amigos de Wright, que os deixou usar o local por algum tempo livre. Quando a RAF atribuiu a Dennis uma função no Bahrain, em 1965, Barrett se transformou no frontman do conjunto.

Mais tarde, ainda em 1965, a banda se apresentava fixamente no Countdown Club, perto de Kensington High Street, em Londres, onde desde o final da noite até o início da manhã eles tocavam três shows de 90 minutos cada.Foi durante esse período, no qual estavam estimulados pela necessidade do grupo de ampliar seus sets para minimizar a repetição de canções, em que a banda percebeu que “as músicas poderiam ser estendidas com longos solos”, segundo Mason.

Após a pressão de seus pais e conselhos de seus tutores de faculdade, Klose deixou a banda em meados de 1965 e Syd Barrett assumiu a guitarra-solo. O grupo se chamou pela primeira vez como “Pink Floyd Sound” no final de 1965. Barrett criou o nome no impulso do momento em que ele descobriu que outra banda, também chamada de Tea Set, iria se apresentar em um de seus shows.

O termo Pink Floyd é derivado dos nomes dados a dois músicos de blues cujos álbuns, da Piedmont Blues records, Barrett tivera em sua coleção, Pink Anderson e Floyd Council. (Nota do Blog: Piedmont blues é uma das mais antigas formas de country blues. O country blues ou rural blues é o mais antigo estilo de blues, devido a este surgir das canções de trabalho nas fazendas).

Durante 1966, o grupo continuou suas apresentações, quando conheceram Peter Jenner, o qual ficou impressionado com a categoria da banda. Jenner e seu amigo Andrew King acabaram se tornando os empresários do conjunto. Foi Peter quem sugeriu que o grupo se chamasse apenas Pink Floyd.

Nesta época, King e Jenner investiram na compra de equipamentos e instrumentos para o conjunto e o Pink Floyd acabou se tornando um dos expoentes da cena musical underground de Londres, tocando em lugares como o All Saints Hall e the Marquee.

Ainda em 1966, a banda reforçou sua relação de negócios com a Blackhill Enterprises, empresa fundada por Jenner e King, tornando-se sócios em igualdade com ambos, cada um detendo uma quota de um sexto dos direitos sobre o conjunto.

No final de 1966, o conjunto adotou uma sonoridade menos bluesy, adotando mais padrões originais compostos por Barrett, muitos dos quais seriam incluídos em seu primeiro álbum. Embora tivessem aumentado significativamente a frequência de seus shows, a banda ainda não era amplamente aceita.

Depois de uma apresentação em um clube de juventude católico, o proprietário recusou-se a pagá-los, reivindicando que sua execução não era música. Quando a administração do grupo entrou com uma ação em um tribunal de pequenas causas contra o proprietário da organização juvenil, um magistrado local confirmou a decisão do proprietário.

A banda foi muito melhor recebida no UFO Club, em Londres, onde começaram a construir uma base de fãs, muito por causa das performances ensandecidas de Syd Barrett.

Roger Waters

Em 1967, o Pink Floyd começou a atrair a atenção da indústria da música. Enquanto se mantinham em negociações com as gravadoras, o gerente e cofundador do UFO, Joe Boyd, e o agente de shows do Pink Floyd, Bryan Morrison, organizaram e financiaram uma seção de gravação no estúdio Sound Techniques, em West Hampstead.

Três dias depois, o Pink Floyd assinou com a EMI, recebendo um adiantamento de 5 mil libras inglesas. A gravadora lançou o primeiro single da banda, “Arnold Layne”, com “Candy and a Currant Bun” como lado B, em 10 de março de 1967, pelo selo Columbia.

A EMI-Columbia lançou o segundo single do Pink Floyd, “See Emily Play”, em 16 de junho de 1967. Ele atingiu 6ª posição da parada de singles no Reino Unido.

O Pink Floyd apareceu no Top of the Pops, da Rede britânica de TV BBC, um programa popular que, controversamente, exigia que os artistas mimetizassem seus cantos e sua forma de tocar. Embora o Pink Floyd tenha retornado para mais duas apresentações, na terceira, Barrett havia começado a se 'desvendar' e foi nessa época que a banda começou a perceber mudanças significativas em seu comportamento.

No início de 1967, Syd usava regularmente LSD, e Mason descreveu-o como “completamente distanciado de tudo o que estava acontecendo”. (Nota do Blog: LSD é a sigla de Lysergsäurediethylamid, palavra alemã para a dietilamida do ácido lisérgico, que é uma das mais potentes substâncias alucinógenas conhecidas).

O Primeiro Disco

Em 5 de agosto de 1967, foi lançado The Piper at the Gates of Dawn, o primeiro álbum de estúdio do Pink Floyd.

O álbum vendeu mais de 100 mil cópias apenas na Inglaterra, onde conquistou o 6º lugar da principal parada britânica de álbuns. Barrett é creditado como compositor solitário de 7 das 10 faixas, tendo contribuído em mais 2.

Tido e havido pela crítica musical como um clássico, The Piper at the Gates of Dawn possui uma sonoridade baseada no Rock Psicodélico, mas com muita originalidade. Alguns de seus clássicos são “Astronomy Domine” e “Interstellar Overdrive”.

O grupo continuava formado pelo vocalista/guitarrista Syd Barrett, o baixista Roger Waters, o tecladista Rick Wright e o baterista Nick Mason.

O Pink Floyd continuou a atrair grandes multidões no UFO Club; entretanto, o surto mental de Barrett estava causando séria preocupação.

Rick Wright

O grupo, inicialmente, esperava que seu comportamento errático fosse apenas uma fase passageira, mas alguns eram menos otimistas, incluindo o manager Jenner e seu assistente, June Child, o qual comentou: “Eu o encontrei [Barrett] no vestiário e ele estava tão... desaparecido. Roger Waters e eu conseguimos colocá-lo de pé, [e] nós o levamos para o palco... A banda começou a tocar e Syd só ficou lá. Estava com sua guitarra ao redor do pescoço e seus braços apenas pendurados para baixo”.

Forçado a cancelar a aparição do Pink Floyd no prestigioso Festival Nacional de Jazz e Blues, bem como em vários outros shows, King informou à imprensa musical que Barrett estava sofrendo de exaustão nervosa.

A banda seguiu para algumas datas de concertos na Europa em setembro, com sua primeira turnê nos EUA em outubro. Enquanto a turnê nos EUA seguia, a condição de Barrett ficava cada vez pior.

Durante as apresentações nos shows de Dick Clark e Pat Boone, em novembro, Barrett confundiu seus anfitriões por não responder a perguntas e permanecer olhando para o espaço. Ele se recusou a mexer os lábios quando chegou o momento de dublar “See Emily Play” no programa de Boone.

Após esses episódios embaraçosos, King encerrou a turnê nos Estados Unidos e imediatamente os enviou para Londres. Logo após seu retorno, eles fizeram suporte para o fantástico Jimi Hendrix durante uma turnê pela Inglaterra; entretanto, a depressão de Barrett piorou durante esta turnê, alcançando um ponto de crise em dezembro, obrigando o grupo a adicionar um novo membro à sua line-up.

David Gilmour

Em dezembro de 1967, o grupo adicionou o guitarrista David Gilmour, como o quinto membro do Pink Floyd. Gilmour já conhecia Barrett, tendo estudado com ele na Cambridge Tech, no início dos anos 1960.

Em janeiro de 1968, a Blackhill Enterprises anunciou Gilmour como o mais novo membro da banda; seu segundo guitarrista e quinto membro, sendo que o conjunto pretendia continuar com Barrett como um compositor. Jenner comentou: “A idéia era que Dave... cobriria as excentricidades [de Barrett] e quando isso não fosse viável, Syd só iria compor, apenas para tentar mantê-lo envolvido”.

Em uma expressão de sua frustração, Barrett, de quem se esperava compusesse singles de sucesso como “Arnold Layne” e “See Emily Play”, apresentou “Have You Got It Yet?” para a banda, mudando intencionalmente a estrutura da música em cada performance para tornar a canção impossível de se seguir e aprender.

Trabalhar com Barrett acabou se revelando muito difícil e as questões chegaram a uma conclusão em janeiro, enquanto a caminho de um show em Southampton, na Inglaterra, um membro da banda perguntou se eles deveriam levar Barrett. Segundo Gilmour, a resposta foi “Nah, não vamos nos incomodar”, sinalizando o fim da permanência de Barrett com Pink Floyd.

David Gilmour

Waters mais tarde admitiu: “Ele era nosso amigo, mas agora, na maioria das vezes, queríamos estrangulá-lo”. No início de março de 1968, o Pink Floyd se reuniu com seus parceiros de negócios Jenner e King para discutir o futuro da banda, com Barrett concordando em deixar o conjunto.

A Saucerful of Secrets, More e Ummagumma

Em 29 de junho de 1968, o Pink Floyd lançou seu segundo álbum, A Saucerful of Secrets. Neste trabalho, Roger Waters começou a desenvolver seu talento como compositor. O disco acabou atingindo a 9ª posição da principal parada britânica de álbuns. “Jugband Blues”, presente no trabalho, é a última contribuição de Syd Barrett no Pink Floyd.

A Saucerful of Secrets também marcou a primeira vez que a banda teve a arte da capa de um de seus trabalhos feita pela empresa Hipgnosis, a qual seria responsável por várias capas de seus futuros lançamentos.

A crítica especializada teve reações mistas em relação ao disco, com algumas referências a um trabalho “monótono”.

Já em 1969 sai o terceiro disco de estúdio do Pink Floyd, More, o qual foi gravado para ser trilha sonora do filme de mesmo nome, dirigido por Barbet Schroeder e estrelado por Mimsy Farmer.

More contém muitas faixas instrumentais e também conquistou a 9ª posição da principal parada britânica de álbuns. Aposta em uma sonoridade mais psicodélica, como seus dois antecessores. O álbum traz David Gilmour como único vocalista.

Em 25 de outubro de 1969, a banda lança seu quarto álbum, Ummagumma, o qual representou uma ruptura com seu trabalho anterior, apostando mais no nascedouro Rock Progressivo.

Lançado como um LP duplo, pelo selo Harvest da EMI, os dois primeiros lados continham performances ao vivo, gravadas no Manchester College of Commerce e no Mothers, um clube em Birmingham. O segundo LP continha contribuições experimentais de cada membro da banda.

Ummagumma recebeu críticas positivas após seu lançamento, em 1969. O álbum atingiu o 5º lugar na parada britânica de discos e nela permanecendo por 21 semanas.

Atom Heart Mother

O álbum surgiu após o Pink Floyd ter terminado um trabalho para a trilha sonora do filme Zabriskie Point (dirigido por Michelangelo Antonioni e estrelado por Mark Frechette) em Roma, o qual terminou um pouco acrimoniosamente, e a banda voltou para Londres, no início de 1970, para os ensaios.

Diversas passagens musicais das sessões de Roma foram usadas para construir material novo durante esses ensaios, embora algumas delas, como “The Violent Sequence”, só seria usada mais tarde para se tornar o clássico atemporal “Us and Them”.

O grupo ficou entre fevereiro e agosto de 1970 trabalhando no disco. O estúdio escolhido foi o famoso Abbey Road.

Este foi o primeiro álbum do Pink Floyd a ser especialmente mixado para um som quadrafônico de quatro canais, assim como no formato estéreo convencional de dois canais. O SQ quadraphonic mix foi lançado em LP em um formato de matriz compatível com os players de som estéreo padrão da época.

A capa original do álbum, projetada pela Hipgnosis, mostra uma vaca de pé em um pasto sem texto nem qualquer outra pista sobre o que poderia estar no registro. Algumas edições posteriores têm o título e o nome do artista adicionado à capa.

Esse conceito foi uma reação do grupo à imagem que o associava ao rock psicodélico naquele momento. A banda queria explorar todos os tipos de música sem se limitar a uma determinada imagem ou estilo musical.

Dessa forma, o grupo pediu que seu novo álbum tivesse “algo simples” na capa, que acabou sendo a imagem de uma vaca. Storm Thorgerson, inspirado no famoso papel de parede de Andy Warhol, cow wallpaper, disse que ele simplesmente se dirigiu para uma área rural perto de Potters Bar e fotografou a primeira vaca que viu.

O proprietário da vaca identificou seu nome como “Lulubelle III”. Mais vacas aparecem na capa traseira, novamente sem texto ou títulos, e no interior do encarte. Também um balão cor-de-rosa na forma de um úbere de vaca acompanhou o álbum como parte estratégica da campanha de marketing da Capitol Records para o Pink Floyd finalmente estourar nos Estados Unidos.

As notas do encarte em edições posteriores de CD apresentam uma receita para um banquete beduíno tradicional de casamento, em um cartão intitulado “Breakfast Tips”. Olhando retrospectivamente para sua obra de arte, Thorgerson lembrou: "Acho que a vaca representa, em termos do Pink Floyd, parte de seu humor, o qual eu acho que é muitas vezes subestimado ou simplesmente não descrito.

Vamos às faixas:

ATOM HEART MOTHER

Não é fácil descrever uma obra vanguardista da magnitude de "Atom Heart Mother", uma canção a qual se apresenta como uma peça de teatro subdividida em 6 atos. Há passagens orquestradas grandiosas, o coral regido pelo maestro John Alldis emociona. Na passagem "Mother Fore", bluesística, Gilmour apresenta seu talento incomum em um solo de guitarra repleto de feeling. Experimentações, ruídos estereofônicos, enfim, tudo aquilo que se tornou marca registrada não apenas no Rock Progressivo, mas também no som consagrado do Pink Floyd. Genial!

Trata-se de uma faixa instrumental.

“Atom Heart Mother” é uma suíte de seis partes composta por todos os membros da banda e com auxílio do músico escocês Ron Geesin. (Nota do Blog: Suíte é como se chama o conjunto de movimentos instrumentais dispostos com algum elemento de unidade para serem tocados sem interrupções. Com o passar dos séculos, a suíte passou a significar uma seleção orquestral de uma obra maior. Além disso, vários compositores utilizam o nome pra designar apenas uma coleção de peças do mesmo estilo tematicamente, às vezes usadas como música incidental, como é o caso da suíte Peer Gynt, de Edvard Grieg).

As seis partes de “Atom Heart Mother” são: I. "Father's Shout"; II. "Breast Milky"; III. "Mother Fore"; IV. "Funky Dung", V. "Mind Your Throats Please" e VI. "Remergence".

Ron Geesin, como dissemos, é um músico e compositor escocês, conhecido por suas criações peculiares e novas aplicações de som. Depois que a banda se encontrou em um impasse sem saída sobre como completar a faixa-título de Atom Heart Mother, ele trabalhou com o Pink Floyd como orquestrador e organizador, também escrevendo parte da introdução com instrumentos de sopro.

É a suíte não recortada mais longa do Pink Floyd (“Shine On You Crazy Diamond”, embora mais extensa, foi dividida entre os dois lados de Wish You Were Here, de 1975). O grupo a executou ao vivo entre 1970 e 1972, ocasionalmente com uma seção de bronze e um coro entre 1970-71.

A gravação começou com as partes de bateria e baixo, gravadas em uma única tomada para toda a suite, resultando em um tempo inconsistente ao longo da música. Roger Waters e Nick Mason tocaram por vinte e três minutos seguidos ininterruptamente.

A peça que ocupa todo o lado A do disco é uma progressão quando comparada às peças instrumentais anteriores do Pink Floyd, como “A Saucerful of Secrets” e “Interstellar Overdrive”.

Geesin escolheu o nome da primeira sessão, “Father's Shout”, inspirado no músico norte-americano de Jazz, Earl "Fatha" Hines, enquanto outros nomes como “Breast Milky” e “Funky Dung” foram retirados da capa do álbum.

Nick Mason

Os arranjos orquestrais apresentam uma seção de bronze completa, um violoncelo e o coral de 16 vozes de John Alldis, que tomam a maioria das linhas de melodia da música, enquanto o Pink Floyd fornece principalmente o background da canção.

Isto representa um reverso da prática da música pop dos anos 60, ou seja, usar a orquestração como pano de fundo e colocar a banda de rock comandando a melodia. No entanto, há várias ocasiões em que a guitarra elétrica de Gilmour e os teclados de Wright assumem a liderança melódica.

Em março, eles haviam terminado de gravar a canção, mas sentiram que estava bastante desfocada e precisava de algo mais. A banda havia sido apresentada a Ron Geesin através do gerente de turnê do Rolling Stones, Sam Cutler, e ficaram impressionados com a sua composição e capacidades de edição de fitas, particularmente Waters e Mason.

Geesin recebeu as faixas de suporte que o grupo havia gravado e pediu para compor um arranjo orquestral em cima delas, enquanto a banda saiu em turnê para os Estados Unidos. Geesin descreveu a composição e arranjo como “um inferno de muito trabalho. Ninguém sabia o que queria, eles não conseguiam ler música...” Segundo Geesin, Gilmour veio com algumas das linhas melódicas, enquanto o tecladista Richard Wright trabalhou na seção do meio com o coro.

Quando Ron chegou para gravar o seu trabalho, em junho, com a EMI Pops Orchestra, os músicos de sessão presentes não ficaram impressionados com a sua tendência em favorecer a música de vanguarda sobre as obras clássicas estabelecidas e, combinado com a relativa dificuldade de algumas das partes, assediaram-no durante a gravação.

John Alldis, cujo coral também está na faixa, tinha experiência em lidar com músicos de orquestras, e conseguiu orquestrar a performance em lugar de Geesin.

Quando Roger Waters ouviu David Gilmour tocando as partes de guitarra para esta faixa, ele disse que soou como a canção tema do filme de Western, The Magnificent Seven, de 1960, dirigido por John Sturges e estrelado por Yul Brynner.

A canção foi a última composição do Pink Floyd que foi creditada como sendo coescrita por alguém fora da banda, ao menos até 1979 (sem contar a contribuição de Clare Torry para “The Great Gig in the Sky”, pela qual foi creditada retroativamente devido a um acordo com o grupo).

O título de trabalho para esta peça mudou algumas vezes durante o processo de composição e gravação. Quando o primeiro tema principal foi composto, David Gilmour chamou-a de “Theme from an Imaginary Western”.

O primeiro título de trabalho para a peça de seis partes foi “Epic”, escrita com a letra de Ron Geesin no topo de sua pontuação original. O trabalho foi introduzido nos dias 27 e 28 junho de 1970, no Bath Festival of Blues and Progressive Music como “The Amazing Pudding”.

Em julho, Ron Geesin mostrou a Roger Waters a edição de 16 de Julho de 1970 do Evening Standard e lhe disse que havia encontrado o título da música no jornal. Waters viu um artigo sobre uma mulher grávida que havia recebido um marca-passo cardíaco. A manchete era Atom Heart Mother Named.

O número foi realizado, ao vivo, e sem o envolvimento de qualquer membro do Pink Floyd, pela primeira vez em 36 anos, nos dias 14 e 15 de junho de 2008, pelo Canticum Choir, com o Royal College of Music na seção de bronze, Caroline Dale no violoncelo, Ron Geesin no piano, Andrea Beghi na bateria, Nadir Morelli no baixo, Federico Maremmi na guitarra e Emanuele Borgi no órgão Hammond. David Gilmour se juntou ao show na segunda noite, no Cadogan Hall, tocando sua Stratocaster preta na maior parte da faixa e lap steel guitar para as peças de slide.

Também foi tocada anteriormente por vários conjuntos, incluindo o Conservatoire national supérieur de musique et de danse (CNSMDP), de Paris, em Março de 2003 e a Banda Seamus, em 14 de Outubro de 2005.

Stanley Kubrick queria usar esta faixa para seu renomado filme A Clockwork Orange (Laranja Mecânica), de 1971; no entanto, a banda recusou dar a permissão. Kubrick, no entanto, incluiu a capa do álbum no filme que pode ser vista em uma prateleira na cena da loja de música. Anos mais tarde, Kubrick negou permissão a Roger Waters para usar amostras do áudio de seu filme 2001: Uma Odisseia no Espaço, em seu disco solo, Amused to Death, de 1992.



IF

A beleza simples, sutil e bucólica de "If" é cativante. Sua natural suavidade é acompanhada por uma ótima interpretação vocal de Roger Waters, perfeita para se casar com a leveza da parte instrumental. A guitarra de Gilmour, quando "corta" a faixa, é uma amostra do feeling descomunal do guitarrista. Belíssima!

A letra é uma reflexão sobre sua própria existência e a insanidade:

If I were to sleep, I could dream
If I were afraid, I could hide
If I go insane, please don't put
Your wires in my brain

Composta e cantada por Roger Waters, “If” leva em conta uma abordagem pastoral e folk, mas menciona a introspecção.

A canção foi tocada ao vivo em uma apresentação do DJ britânico John Peel, em 16 de julho de 1970, no Paris Theatre da BBC, em Londres. Durante esse show, Richard Wright tocou tanto órgão quanto baixo.

Waters tocou “If” inúmeras vezes em suas turnês solo, durante 1984/85 e em apoio a Radio K.A.O.S., de 1987. Para estas turnês solo, a faixa foi expandida tanto em letras quanto em seqüências de acordes.



SUMMER '68

"Summer '68" apresenta uma musicalidade intensa e muito cativante, um rock suave conduzido pelo tecladista Rick Wright. Há a presença de instrumentos de sopro e de orquestrações, os quais engrandecem a beleza da composição. Excelente composição.

A letra fala de um encontro de uma noite:

Not a single word was said, the night still hid our fears
Occasionally you showed a smile but what was the need
I felt the cold far too soon in a room of ninety-five

Escrita e cantada por Rick Wright, “Summer '68” descreve o encontro do músico com uma groupie.



FAT OLD SUN

"Fat Old Sun" traz uma sonoridade bem leve, conduzida por uma melodia harmoniosa e uma cativante condução vocal por parte de David Gilmour. O baixo, também tocado por David nesta canção, está perfeitamente colocado. O solo de guitarra de Gilmour é uma pequena amostra de seu talento e das razões dele ser considerado um dos grandes guitarristas de sua geração. Excelente música!

A letra contém um sentido bucólico:

Distant bells
New mown grass smells so sweet
By the river holding hands
Roll me up and lay me down

“Fat Old Sun” chegou a ser tocada antes mesmo do lançamento do álbum, em outubro de 1970.

A música é, talvez, melhor descrita como de inspiração pastoral, um hino de louvor ao campo, como outras da própria banda, como “Grantchester Meadows”. Os sons de sino, ouvidos no início e no fim da canção, foram, mais tarde, usados novamente em “High Hopes” do álbum The Division Bell, de1994 e em “Louder than Words” do álbum The Endless River, de 2014.

A faixa era tocada ao vivo pelo Pink Floyd entre 1970 e 1971. No palco, a canção foi transformada de uma balada folk em um próspero número de rock progressivo, a partir do solo blues rock após o último refrão. Os improvisos seguiam, geralmente, incluindo a bateria de forma livre, os solos de órgão e as progressões revisadas dos acordes baseados na linha vocal do verso “Sing to me”.

Mais recentemente, ela foi adotada por David Gilmour e executada acusticamente na turnê David Gilmour in Concert, entre 2000 e 2001, menos o solo de guitarra. Quando o gerente do Floyd, Steve O'Rourke, morreu em 2003, Gilmour, Wright e Mason tocaram “Fat Old Sun” (e “The Great Gig in the Sky”) em seu funeral.



ALAN'S PSYCHEDELIC BREAKFAST

A quinta - e última - faixa de Atom Heart Mother é "Alan's Psychedelic Breakfast". Trata-se de outra canção longa, superando a casa de 13 minutos e, assim como a suíte que dá nome ao disco, é outra composição conceitual. Entre ruídos de alguém preparando comida e se movimentando, há passagens com melodias belíssimas e cativantes. Muito interessante!

Embora instrumental, é possível ouvir Alan Styles pronunciar estas palavras:

Rise And Shine
("Oh... uh... me flakes... scrambled eggs, bacon, sausages, toast,
Coffee marmelade..
I like marmelade... pourridge..any cereal,
I like all cereals...oh god...")

É outra composição longa e predominantemente instrumental, dividia em três partes: I. "Rise and Shine"; II. "Sunny Side Up" e III. "Morning Glory". Foi composta principalmente por Nick Mason, mas creditada a todo o grupo.

A faixa apresenta o Pink Floyd tocando ao fundo com Alan Styles (um roadie do grupo que apareceu na capa de Ummagumma) falando sobre o pequeno almoço o qual ele está preparando e comendo, bem como de um café-da-manhã que ele teve no passado).

Há pausas significativas antes da primeira e entre as três partes instrumentais, onde apenas os murmúrios e movimentos de Alan (com ocasional ruído de fundo) são ouvidos.

Foi tocada ao vivo três vezes no Reino Unido durante o inverno britânico de 1970.

A banda de improvisação chamada The Breakfast retirou seu nome desta canção.



Considerações Finais

Atom Heart Mother fez sucesso comercial, especialmente no Reino Unido e na França.

O álbum conquistou a estupenda 1ª posição da principal parada britânica de álbuns, alcançando apenas a 55ª colocação na sua correspondente norte-americana. Ainda obteve os 4º, 5º e 8º lugares nas paradas de França, Holanda e Alemanha; respectivamente.

A reação da crítica à suíte sempre foi mista, embora todos os membros da banda expressaram negatividade em relação a ela nos últimos tempos.

Stephen Thomas Erlewine, do site AllMusic, em uma resenha retrospectiva, dá ao disco uma nota 3 de um máximo de 5, explicando: “(...) De toda forma, este é o álbum mais impenetrável do Pink Floyd lançado pela Harvest, o que também o torna um dos mais interessantes da época. Ainda assim, pode ser um gosto adquirido mesmo para os fãs, especialmente quando ele começa com uma peça orquestral de 23 minutos de comprimento em todo o primeiro lado, que pode não parecer apontar para qualquer lugar, mas é muitas vezes intrigante, mais no que sugere do que o de fato alcança”.

O crítico complementa: “Então, há momentos interessantes espalhados por todo o disco, e o trabalho que inicialmente parece tão impenetrável acaba sendo o momento mais forte de Atom Heart Mother. Aquela (faixa) que dura um lado inteiro ilustra que o Pink Floyd estava ficando melhor com uma imagem maior em vez dos detalhes, uma vez que o segundo lado acaba caindo com suas músicas, não importando quantos bons momentos existam”.

Os membros do Pink Floyd, na realidade, detonam a suíte. Gilmour disse que o álbum era “uma carga de lixo. Estávamos em um verdadeiro ponto baixo... Eu acho que nós estávamos raspando o barril um pouco naquele período”, afirmando “uma boa ideia, mas foi terrível... "Atom Heart Mother" soa como se não tivéssemos nenhuma ideia entre nós, mas nos tornamos muito mais prolíficos depois disso”. Da mesma forma, em uma entrevista em 1984, na BBC Radio 1, Waters disse: “Se alguém me dissesse agora - certo - aqui está um milhão de libras, saia e toque "Atom Heart Mother", eu diria que você deve estar brincando”.

A banda ficou inicialmente entusiasmada em tocar a suíte no início dos anos 1970. Uma apresentação foi gravada para a estação de televisão KQED, baseada em San Francisco, caracterizando apenas a faixa, em 28 de abril 1970.

Duas atuações memoráveis ocorreram no Festival Bath Festival of Blues and Progressive Music, em 27 de Junho, e no Blackhills Garden Party, no Hyde Park, Londres, em 18 de Julho. Em ambas as ocasiões a banda foi acompanhada pelo John Alldis Choir (coral) e pela seção de bronze Philip Jones Brass Ensemble.

Depois, a banda contratou uma seção de bronze e um coral, para a turnê, apenas com o propósito de executar a suíte. No entanto, isso fez com que a turnê desse prejuízo financeiro e o grupo encontrasse problemas com os músicos contratados, os quais mudavam a cada show, fazendo com que o conjunto contasse apenas com quem estivesse disponível, fato que, combinado com a falta de ensaios e problemas de microfone para todo o coral, fazia a performance ao vivo e completa mais problemática.

Um arranjo posterior sem a seção de bronze ou corais, reduzido de 25 minutos para quinze, omitindo as seções de “colagem” e a retomada do tema principal no encerramento, permaneceu em seu repertório ao vivo em 1972. Por exemplo, durante o primeiro concerto daquele ano, no meio da primeira apresentação pública de The Dark Side of the Moon, em Brighton, problemas técnicos resultaram no abandono desse esforço, substituída por “Atom Heart Mother”.

A última apresentação ao vivo da suíte “Atom Heart Mother”, pelo Pink Floyd, ocorreu em 22 de maio de 1972, no Estádio Olímpico de Amsterdã, Holanda.

O Pink Floyd percorreu amplamente toda a América do Norte e a Europa em 1970. Em 1971, Pink Floyd ficou em segundo lugar na votação dos leitores da Melody Maker, e, pela primeira vez, estavam fazendo lucro.

Paralelamente, Mason e Wright tornaram-se pais e compraram casas em Londres, enquanto Gilmour, ainda solteiro, mudou-se para uma fazenda do século XIX em Essex. Waters instalou um estúdio de gravação em sua casa em Islington, no que era anteriormente um canteiro de ferramentas, na parte de trás de seu jardim.

Em janeiro de 1971, ao retornar da turnê de Atom Heart Mother, o Pink Floyd começou a trabalhar em novos materiais. Meddle, seu sexto álbum de estúdio, seria lançado em outubro daquele ano.

Atom Heart Mother supera a casa 500 mil cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.



Formação:
Roger Waters - Baixo, Violão e Vocal em 2, efeitos de fita, colagens de fita
David Gilmour - Guitarras, Vocal, Baixo e Bateria em 3
Rick Wright - Teclados, Vocal em 4
Nick Mason - Bateria, Percussão, engenharia de som em 5
Músicos Adicionais:
EMI Pops Orchestra - Seções de bronze e Orquestra
Haflidi Hallgrimsson - Violoncelo
John Alldis Choir - Vocais
Alan Styles - Voz e Efeitos Sonoros em 5

Faixas:
01. Atom Heart Mother (Mason/Gilmour/Waters/Wright/Geesin) – 23:44
     I. "Father's Shout"
     II. "Breast Milky"
     III. "Mother Fore"
     IV. "Funky Dung"
     V. "Mind Your Throats Please"
     VI. "Remergence"
02. If (Waters) - 4:31
03. Summer '68 (Wright) - 5:29
04. Fat Old Sun (Gilmour) - 5:22
05. Alan's Psychedelic Breakfast – (Waters/Mason/Gilmour/Wright) – 13:00
     I. "Rise and Shine"
     II. "Sunny Side Up"
     III. "Morning Glory"

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/pink-floyd/

Opinião do Blog:
Após um período muito longo, uma das maiores bandas de todos os tempos na história da música volta às páginas do Rock: Álbuns Clássicos: o Pink Floyd. Dispensável, entretanto, tanto apresentações quanto enaltecimento de uma das mais importantes instituições da música no século passado.

Também seria chover no molhado repercutir a qualidade desta formação do Pink Floyd, responsável por gravar algumas das obras mais aclamadas de toda a história da indústria musical como The Dark Side of the Moon ou The Wall. Waters, Gilmour, Mason e Wright completam uma das melhores e mais competentes formações da história do Rock.

Entretanto, hoje o Blog preferiu abordar um momento da carreira do grupo britânico anterior a sua consagração definitiva. Atom Heart Mother divide opinião da crítica especializada e até de parte dos fãs, embora tenha caído no gosto de quem faz esta página.

Trata-se de uma obra de vanguarda e um momento importantíssimo na carreira do Pink Floyd. Não apenas por romper de maneira mais efetiva com seu passado no Rock Psicodélico e, ao mesmo tempo, com a dependência de seu antigo mentor, Syd Barrett.

Mas, sobretudo, Atom Heart Mother lança alguns dos pilares que se tornariam marcas no Rock Progressivo e, em especial, em obras futuras do conjunto. A presença de experimentações estereofônicas, como as que estão em "Alan's Psichedelic Brekfast", seriam exaustivamente aprimoradas em The Dark Side of the Moon (1973). Além disso, a ideia de música conceitual, como na própria "Alan's" e na suíte principal do álbum, amadurecer-iam-se, mais tarde, no surgimento do álbum conceitual, tão explorado dentro do Rock Progressivo.

As letras do Pink Floyd fogem dos lugares comuns e merecem uma conferida.

"If" é uma faixa minimalista e por si só traz uma das grandes características do grupo: uma abordagem mínima e, simultaneamente, genial. "Summer '68" é divertida e ao mesmo tempo instigante e "Fat Old Sun" é uma amostra pequena, mas suficiente, da genialidade de David Gilmour.

Embora criticada e mesmo sendo minoria, o RAC assume sua apreciação e fascinação pela belíssima suíte "Atom Heart Mother", um verdadeiro presságio daquilo que o Pink Floyd viria a produzir no futuro.

Concluindo, Atom Heart Mother rompe com o passado e apresenta os primeiros sinais da banda genial que o Pink Floyd se tornaria, apontando elementos os quais fariam que o grupo se constituísse não apenas em um dos pilares fundamentais do Rock Progressivo, mas em uma das formações musicais mais espetaculares que passaram pelo planeta. Um álbum muito acima da média de uma das bandas obrigatórias para qualquer fã de Rock que se preze. Até o próximo post!

3 comentários:

  1. Como eu disse no post em que Wish You Were Here (1975) foi resenhado há uns anos atrás aqui no blog, o Pink Floyd é, dentre todas as bandas que eu conheço, a minha favorita, responsável pela criação de álbuns históricos não apenas do rock, mas de toda a história da música, como The Dark Side of the Moon (1973), o já citado Wish You Were Here, Animals (1977) e o disco duplo The Wall (1979) que até hoje despertam o interesse de muitas gerações ao redor do mundo.

    Agora, em relação ao álbum resenhado, pertencente á primeira fase da banda, considero Atom Heart Mother um dos mais fracos (senão o mais fraco) de sua discografia. Musicalmente falando, o disco em si é bom, mas pra mim está um pouco abaixo do que o PF iria fazer depois, a partir de 1971 com Meddle (que contém a soberba canção "Echoes"). Só ouvi este álbum pouquíssimas vezes, depois me desencantei dele. E a capa da vaca só não é a mais tosca aos meus olhos por que este posto pertence ao Balls to the Wall (disco da banda alemã Accept, lançado em 1984) que foi resenhado no ano passado aqui no blog, apesar de compreender seu significado.

    Enfim, eu esperava um outro disco qualquer do PF sem ser este Atom Heart Mother (incluindo aqueles que citei no começo) para representar sua volta aqui neste blog sensacional. Mas tudo bem, esta é uma boa oportunidade para conhecer a história da banda antes do sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos elogios ao Blog, prezado Igor. O que eu acho do Atom Heart Mother está bem claro no post, vejo ele como o ponto de partida para a melhor fase do grupo. Até gosto de algumas coisas do Ummagumma, mas o Pink Floyd, para mim, começa mesmo no Atom Heart Mother. Tudo que veio antes não faz minha cabeça e nem meus ouvidos. Grande abraço!

      Excluir
    2. Olha, eu acho que a melhor fase da banda começou com The Dark Side of the Moon e terminou com The Final Cut (1983), último disco de Roger Waters na banda. Já na fase pós-Waters, com David Gilmour no comando, gosto bastante do The Division Bell (1994).

      Sobre a questão do Atom Heart Mother, é como eu disse: o disco musicalmente é bom de se ouvir, mas o grande problema de minha parte é a capa da vaca. Acho que a banda deveria ter pensado em algo melhor e "menos" ousado (porém, mais simples) do que o que saiu e ficou eternizado na história (servindo até de inspiração para o Aerosmith fazer a capa do multiplatinado Get a Grip, de 1993). Abração pra você também, chefe Daniel!

      Excluir