7 de abril de 2017

SURVIVOR - EYE OF THE TIGER (1982)


Eye of the Tiger é o terceiro álbum de estúdio da banda norte-americana chamada Survivor. Seu lançamento oficial aconteceu em 8 de junho de 1982, através do selo Scotti Bros. As gravações se deram naquele mesmo ano com a produção sob responsabilidade de Frankie Sullivan.



O Survivor ficou mundialmente conhecido pela faixa-título deste álbum, “Eye of the Tiger”, trilha do filme Rocky III. Vamos falar da história da banda antes de abordarmos o disco, como de costume.

Os primórdios da história do Survivor estão atrelados aos de seu líder, Jim Peterik, e são deles que o Blog vai começar a contá-los.

Jim começou a se apresentar musicalmente ainda adolescente, no ano de 1964. Ele formou uma banda com seus colegas de escola, em Berwyn, nos Estados Unidos. Este grupo foi chamado The Ides of March.

O The Ides of March acabou gravando algumas canções de sucesso como “You Wouldn't Listen” e “L.A. Goodbye”, entre o fim da década de 60 e início da seguinte.

A faixa “Vehicle”, a qual conquistou a 2ª posição na principal parada de singles norte-americana, em maio de 1970, é tida como o single mais vendido na história da gravadora Warner Bros Records.

Simultaneamente, Peterik graduou-se na Morton West High School em 1968, e, depois, na Morton Junior College em 1970, frequentando aulas da faculdade enquanto “Vehicle” se tornava um hit nacional.

No início dos anos 70, Peterik compôs várias canções gravadas pela banda de jazz-rock chamada Chase. (Nota do Blog: O jazz-rock é um gênero de jazz caracterizado pela mistura de música rock com o jazz. A origem deste estilo remonta à década de 1960, época em que os músicos de rock começaram a incorporar nas suas músicas elementos de jazz como a improvisação e complexidade das composições. Desta união de elementos surgem bandas e músicos como, por exemplo, Tony Willians Lifetime e Mahavishnu Orchestra).

Em 1976, Jim lançou um álbum solo chamado Don't Fight the Feeling e saiu em turnê sob o nome de Jim Peterik Band, a qual contava com Bruce Gaitsch na guitarra, Terry Fryer nos teclados e a seção rítmica do Chase, com Dennis Keith Johnson no baixo e Gary Smith na bateria.

Jim Peterik

O grupo fez turnês com várias bandas mais populares da época, incluindo o Heart e o Boston.

Nas notas do álbum, escritas por Jim Charney, Peterik é referido como um 'sobrevivente' (em inglês, Survivor). Esta nota seria a inspiração para o nome do próximo grupo de Peterik.

Uma das outras inspirações, para a escolha de Peterik pelo nome Survivor de sua nova banda, foi a sua estreita fuga da morte, quando ele foi incapaz de fazer uma aparição em um show do Chase, marcado para a cidade de Jackson, em Minnesota, no dia 9 de agosto de 1974.

Ele acabou não entrando no avião que caiu e matou Bill Chase e a maior parte de sua banda.

Em 1978, enquanto se recuperava de uma pneumonia no hospital, Peterik fez planos para formar “a banda definitiva”, após sua recuperação.

A seção rítmica foi formada por Johnson e Smith e, por insistência do gerente de turnê Rick Weigand, Peterik se juntou ao guitarrista Frankie Sullivan (da banda Mariah).

Para completar o grupo, Peterik trouxe o vocalista Dave Bickler (ex-Jamestown Massacre), com o qual havia trabalhado, em Chicago, em sessões de jingles comerciais.

E assim nasceu o Survivor.

Em setembro de 1978, o Survivor fez seu primeiro show, no Lyons Township High School, em La Grange, no estado norte-americano do Illinois.

Uma das primeiras apresentações do Survivor (seu segundo show, de acordo com Peterik, na autobiografia denominada Through the Eye of the Tiger), no Haymakers Rock Club, em Wheeling, Illinois, na data de 15 de setembro de 1978, apareceu como uma gravação bootleg nos últimos anos.

O grupo tocou em pequenos clubes durante o resto daquele ano, sendo um deles a original "My Pi" Pizza, localizada na Sheridan Avenue, perto da Loyola University, em Chicago, onde encabeçou todos os sábados à noite, no andar de cima da área do bar.

Logo depois, o Survivor foi contratado pelo executivo da gravadora Atlantic Records A & R, John Kalodner.

Em 1979 foi lançado o álbum de estreia do grupo, o autointitulado Survivor, o qual não produziu nenhum single top 40 e não conseguiu o nível de sucesso que a banda esperava.

Mesmo assim, há faixas interessantes como “Somewhere in America”, a qual foi lançada como single e atingiu a modesta 70ª colocação na principal parada norte-americana do gênero. Outras canções que merecem destaque são “Let It Be Now” e “Youngblood”.

No primeiro álbum do Survivor, Peterik tocou a guitarra-base e as partes de órgão/teclados foram feitas pelo vocalista Dave Bickler, cujo papel, a partir de 1981, rapidamente se tornou o de vocalista e tecladista, além de compositor, com algumas partes do teclado nos álbuns sendo gravadas por músicos de sessão.

Frankie Sullivan

Em 1981, Johnson e Smith deixam a banda, pois eles tinham conflitos de agenda entre o Survivor e seus outros projetos. Ademais, Peterik considerou suas abordagens musicais excessivamente “jazzística” para a sonoridade proposta pelo grupo.

Eles foram substituídos pelo baterista Marc Droubay, amigo do guitarrista Frankie Sullivan, e pelo baixista Stephan Ellis, o qual Peterik e Sullivan haviam visto tocar em uma banda, no Flipper's Roller Boogie Palace, em Los Angeles, Califórnia, às 3 horas da madrugada!

Tanto Droubay quanto Ellis chegaram a tempo para gravar o segundo álbum da banda, Premonition, de 1981.

Premonition proporcionou ao Survivor maior popularidade junto ao público americano, dando à banda seu primeiro single no Top 40 da principal parada norte-americana, “Poor Man's Son”, na 33ª posição.

O segundo single retirado do disco, “Summer Nights”, não foi tão bem, com a 62ª colocação na Billboard.

Mas o álbum traz algumas composições que estão entre as favoritas dos fãs, como “Hearts A Lonely Hunter”, “Runway Lights” e “Love Is On My Side”, fazendo de Premonition o trabalho favorito na discografia da banda para muitos deles.

O nível de sucesso do grupo começaria a mudar quando o ator norte-americano Sylvester Stallone ouviu a canção “Poor Man's Son”.

Stallone gostou bastante da música e entrou em contato com o Survivor para que eles compusessem a faixa que se tornaria a trilha sonora do próximo filme estrelado por Sylvester, Rocky III, de 1982.

O Survivor aceitou o desafio e surgiu com a canção “Eye of the Tiger”.

Eye of the Tiger é, também, o nome do terceiro álbum do grupo. A arte da capa apresenta a figura de um tigre. A produção ficou a cargo do próprio guitarrista Frankie Sullivan.

Vamos às faixas:

EYE OF THE TIGER

A introdução quase apocalíptica de "Eye of the Tiger" é inconfundível, preparando o ouvinte para as guitarras entrarem fortemente no riff principal da canção. O ritmo é cadenciado, mas a seção rítmica dita o andamento com peso e uma presença formidável. A ótima atuação do vocalista Dave Bickler coroa tudo com estilo. Um clássico!

A letra remonta à temática da personagem Rocky Balboa, envolvendo luta e superação:

It's the eye of the tiger, it's the thrill of the fight
Risin' up to the challenge of our rival
And the last known survivor stalks his prey in the night
And he's watchin' us all in the eye of the tiger



“Eye of the Tiger” é, bem provavelmente, a música mais conhecida do Survivor.

Foi um sucesso gigantesco quando lançada como single. Ficou em primeiro lugar, nas paradas desta natureza, nos seguintes países: Austrália, Canadá, Finlândia, Irlanda, Japão, Noruega, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos.

Como dito, “Eye of the Tiger” também foi a música tema do filme Rocky III, o qual foi lançado um dia antes do single.

A canção foi composta pelo guitarrista Frankie Sullivan e pelo tecladista Jim Peterik e foi feita a pedido da estrela, roteirista e diretor do filme, Sylvester Stallone, depois que o Queen lhe negou a permissão para usar “Another One Bites the Dust”, a música que Stallone preliminarmente havia escolhido como o tema de Rocky III.

A versão da música que aparece no filme é a demo da canção. Esta versão do filme também continha rosnados de tigre, algo que não apareceu quando o álbum foi lançado.

De fato, “Eye of the Tiger” ficou definitivamente associada à franquia de filmes os quais contam a história do lutador Rocky Balboa.

Ela ganhou gigantesca divulgação pela MTV norte-americana, bem como nas estações de Rádio, dominando as paradas em todo o mundo durante 1982.

Nos Estados Unidos, manteve o número um na principal parada de singles, a Billboard Hot 100, por seis semanas consecutivas. A banda ganhou um Prêmio Grammy, de 1982, na categoria Best Rock Performance by Duo or Group With Vocal, na 25ª edição do Annual Grammy Awards.

A canção é também a trilha sonora para o filme de 1986 de mesmo nome, dirigido por Richard C. Sarafian e estrelado por Gary Busey.

A canção foi extensamente utilizada em vários outros filmes, programas de televisão e jogos de videogames.

Jim Peterik, anos mais tarde, afirmou que Sullivan e ele chegaram a cogitar nomear a música de “Survival”, mas o refrão era muito forte para negá-la o nome de “Eye of the Tiger”.

A canção foi indicada para a premiação da Academy Award de 1982, de Melhor Canção Original, a única indicação ao Oscar para o filme Rocky III. Mas acabou perdendo para “Up Where We Belong”, do filme An Officer and a Gentleman.

Dave Bickler

Também foi indicada para o Grammy de 1983, na categoria Canção do Ano, mas perdeu para o hit de Willie Nelson “Always on My Mind”.

Também foi eleita a 63ª colocada na lista Greatest Hard Rock Songs, do canal de televisão VH1, em 2009.

Um cover conhecido da faixa foi feito pela banda norte-americana Devil You Know, presente no álbum They Bleed Red, de 2015.

Em 2012, o Survivor processou o candidato presidencial republicano Newt Gingrich, no tribunal federal de Illinois, por usar “Eye of the Tiger” sem autorização, como música de entrada em seus comícios políticos que remontam até 2009. O processo foi posteriormente resolvido fora do tribunal. No mesmo ano, Sullivan também exigiu que Mitt Romney, também candidato republicano à presidência, deixasse de usar “Eye of the Tiger” em seus comícios de campanha.

Em 18 de novembro de 2015, a companhia de Frankie Sullivan, chamada Rude Music, entrou com uma ação no tribunal federal de Chicago, Illinois, contra a organização da campanha do ex-governador do Arkansas (e candidato presidencial republicano), Mike Huckabee, por usar “Eye of the Tiger” em uma manifestação política sem permissão.

A manifestação ocorreu em 8 de setembro de 2015, quando Kim Davis, um funcionário do condado de Kentucky, foi libertado da prisão depois de passar cinco dias se recusando a emitir licenças de casamento para casais do mesmo sexo no Kentucky.

Em junho de 2016, a CNN informou que Huckabee havia concordado, em um acordo confidencial e extrajudicial com a Rude Music, a pagar 25 mil dólares como compensação.

Apenas o single “Eye of the Tiger” suplanta a marca de 2 milhões de cópias comercializadas, somente nos Estados Unidos.



FEELS LIKE LOVE

Já "Feels Like Love" traz os típicos teclados do AOR do início dos anos 80, produzindo um efeito intenso e dando certa urgência à música. Também a guitarra de Frankie Sullivan aparece de maneira marcante, com um bom solo.

A letra possui temática romântica:

Girl it sure feels like love
I need every day
Yeah it sure feels like love
I've been waiting, so long waiting
And it feels like love



HESITATION DANCE

"Hesitation Dance" possui uma veia mais tradicional, com um formato mais Rock, com um pé no Blues. A bateria de Marc Droubay e o baixo de Stephan Ellis formam uma base sólida para que a guitarra de Frankie Sullivan seja a protagonista da faixa.

A letra é sobre conquistar uma garota:

Like a vision standin' there,
Lips poutin', a come-on stare,
Come on -- I thought I had your number,
Workin' up an appetite for love,
Don't let me die of hunger,
Ain't ya got no heart,
No compassion for your lover,
When I get you on the floor, I find it's just another



THE ONE THAT REALLY MATTERS

As guitarras de Frankie Sullivan e Jim Peterik estão muito presentes na quarta canção do disco. O riff é bem simples, mas forte e com o peso na dose exata. Quando chega o refrão, a sensação de ápice da música é construída com sucesso. Excelente atuação do vocalista Dave Bickler.

A letra é sobre desilusões amorosas:

I know your mind like the back of my hand,
A race that I ran before,
Are you so blind that you'd turn your back
On love and slam the door,
If you're searching for something more,
Have a good time,
But if you'd follow your heart,
You're gonna find that I'm...

Lançada como single, atingiu a 74ª posição da principal parada norte-americana desta natureza.



I'M NOT THAT MAN ANYMORE

Já em "I'm Not That Man Anymore", o grande destaque é mesmo o vocalista Dave Bickler, com uma atuação muito emocionante. Isto fica mais palpável no refrão, muito intenso, com a voz de Dave se casando perfeitamente com a sonoridade. O solo de guitarra de Frankie Sullivan é ótimo.

A letra possui sentido de mudança de atitude:

Teardrops, falling from your eyes like raindrops,
Pouring from the skies,
Remember, you used to have the love I needed, back when we were young
Lovin' always came so easy, heaven shared our love,
Magic, the first time that I held you, you fit like a glove.
You'd soothe me, with a shrug of your heart you could move me,
It always seemed my love would find you, when you needed a friend
I would be the man who would understand you



CHILDREN OF THE NIGHT

"Children of the Night" possui as guitarras muito presentes com a seção rítmica ditando um ritmo mais acelerado, intercalado por curtas passagens lentas e extremamente melódicas. Frankie Sullivan faz um bom papel, assim como os vocais de Bickler se destacam.

A letra mistura rebeldia e romance:

There's a fine line, such a fine line, a very fine--line,
Between the day and the nighttime,
The wrong and the right time, for makin' sweet love,
Find a place to hide, anyplace to hide, hidin' in the -- darkness,
Feels like the right time, for love in the nighttime,
For makin' sweet love



EVER SINCE THE WORLD BEGAN

"Ever Since the World Began" é uma balada que conta com uma melodia simples, mas que funciona perfeitamente. O maior destaque é a boa atuação do vocalista Dave Bickler, emprestando muita emoção para a faixa.

A letra mistura destino e predestinação:

And we're just another piece of the puzzle,
Just another part of the plan
And we have waited for this moment in time
Ever since the world began

Foi também lançada como single, mas não obteve maior repercussão em termos de paradas de sucessos.



AMERICAN HEARTBEAT

Teclados e sintetizadores com força total marcam a abertura de "American Heartbeat". A canção possui o inafastável ar dos anos 80, com uma sonoridade Pop/New Wave muito proeminente. O ritmo é urgente, mas dotado de swing e muita melodia.

A letra é uma ode ao espírito norte-americano:

The night's alive with wind and fire
We telegraph our heart's desire
Through the night with our eyes
Wheels are turnin' fast and hard
Hearts are burnin' on the boulevard
Hear them pound young and proud
It's the American heartbeat
Chart the stars, head out for the action
Hit the streets and find some satisfaction



Lançada como single, atingiu a 17ª posição na principal parada norte-americana desta natureza.



SILVER GIRL

A nona - e última - faixa de Eye of the Tiger é "Silver Girl". Na última canção do disco, o Survivor volta a apostar nas guitarras mais presentes, embora o peso seja diminuto. O ritmo é bastante cadenciado, mas a melodia é agradável, especialmente no refrão. Ótimo solo do guitarrista Sullivan. 

A letra revela sofrimento amoroso:

Won't you lay with me (stay with me) one moment more,
I couldn't bear to see you walk out that door,
Stay with me, by my one in the world,
For just one golden moment, my silver girl



Considerações Finais

O sucesso estrondoso do single “Eye of the Tiger”, catapultou o álbum homônimo a marcas muito relevantes.

Eye of the Tiger atingiu a excepcional 2ª posição da Billboard, a principal parada norte-americana de discos!

A crítica especializada teve reações mistas ao álbum, alguns reverenciando-o, outros simplesmente odiando a sonoridade do grupo.

Em uma crítica retrospectiva, Greg Prato, do site AllMusic, faz uma revisão interessante, dando ao trabalho uma nota 3,5 de um máximo de 5 possível.

Sobre a época, Prato definiu bem: “(...) bandas tentavam atrair tanto o público pop quanto o (público) rock, combinando coros dignos de arena e pesados riffs de guitarra, culminando com uma saudável dose de melodia”.

Mais precisamente sobre Eye of the Tiger, Greg diagnostica: “(...) Eye of the Tiger é um álbum muitas vezes esquecido (…) A razão para isto é que, enquanto o grupo conseguiu apelar para ambos os públicos acima mencionados - como evidenciado pela 'Zeppelinana' “Hesitation Dance” e a forte balada “I'm Not That Man Anymore” - nada aqui realmente escala a mesma altura da faixa-título. Mas como uma lembrança do Rock mainstream do início dos anos 80, Eye of the Tiger é uma amostra fiel”.

O Survivor tentaria replicar o sucesso do disco com o sucessor, seu quarto álbum de estúdio, Caught in the Game, de 1983, mas que comercialmente se revelou uma decepção.

Eye of the Tiger supera a casa de 1 milhão de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.



Formação:
Dave Bickler - Vocal
Frankie Sullivan - Guitarra-solo, Guitarra-base, Violão de 12 cordas, Backing Vocals
Jim Peterik - Guitarras, Violão de 12 cordas, teclados, Piano, Hammond B-3, Backing Vocals
Stephan Ellis - Baixo
Marc Droubay - Bateria
Músicos Adicionais:
Fergie Frederiksen - Backing Vocals
Daryl Dragon - Teclados adicionais, E-mu Emulator

Faixas:
01. Eye of the Tiger (Peterik/Sullivan) - 4:04
02. Feels Like Love (Peterik/Sullivan) - 4:08
03. Hesitation Dance (Peterik/Sullivan) - 3:52
04. The One That Really Matters (Peterik) - 3:32
05. I'm Not That Man Anymore (Peterik/Sullivan) - 4:49
06. Children of the Night (Peterik/Sullivan) - 4:45
07. Ever Since the World Began (Peterik/Sullivan) - 3:48
08. American Heartbeat (Peterik/Sullivan) - 4:10
09. Silver Girl (Peterik/Sullivan) - 4:52

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, indica-se o acesso a: https://www.letras.mus.br/survivor/

Opinião do Blog:
Por algumas vezes é difícil de se encaixar uma banda em um determinado estilo musical, pelo motivo de sua sonoridade trazer algumas marcas bem características de tipos musicais diversos entre si. O Survivor é inegavelmente um grupo de Rock, mas com uma também irrefutável forte influência Pop.

Na internet, encontrei sites classificando o Survivor como AOR (veja nosso dicionário) e penso que é uma classificação aceitável. Em várias canções do álbum aqui visitado, o conjunto soa como bandas como o Journey e o Reo Speedwagon, alguns dos expoentes do gênero.

Nesta fusão do Rock com o Pop, o Survivor por vezes opta por riffs com guitarras bem pesadas, com aqueles parecendo oriundos de bandas de Hard Rock, tamanha a potência e o peso que imprimem às canções.

Em outros momentos o Pop é a pegada total, com as guitarras relegadas a segundo (ou terceiro) plano, com as faixas dominadas por teclados e sintetizadores. E é nesta miscelânea sonora que o grupo se desenvolveu.

Eye of the Tiger é um álbum que apresenta um grupo com uma sonoridade bem definida e sabendo o que queria. Os riffs, quando preponderantes na canção, flertam com o Hard Rock, fazendo as guitarras soarem pesadas e intensas. Os solos de Frankie Sullivan são um ponto alto do disco.

Os teclados estão bastante presentes, mostrando o talento de Jim Peterik, este, o principal compositor do Survivor nesta fase. A seção rítmica dá peso, intensidade e muito balanço às canções. Mas o grande destaque individual do álbum, para o Blog, é Dave Bickler.

O vocalista traz uma contagiante carga emocional às faixas, sendo muito eficiente em casar a intensidade de sua voz com a sonoridade instrumental das canções. E, aqui cabe ressaltar, o trabalho muito bom dos Backing Vocals. As letras são simples.

É claro que a faixa "Eye of the Tiger" é o sucesso absoluto do álbum e, bem possivelmente, é a música mais conhecida do grupo. Confesso que a canção tem um forte lado emocional ligado ao autor deste post, pois é impossível ouvi-la e não me recordar de minha infância nos anos 80, assistindo aos filmes do grande Stallone interpretando Rocky Balboa. Bons tempos...

Mas o restante de Eye of the Tiger, embora não esteja no mesmo patamar de sua emblemática faixa-título, possui momentos bastante interessantes.

Há um ótimo solo de guitarra em "I'm Not That Man Anymore", uma balada que flerta com o Hard Rock setentista e possui um resultado bem legal. "Hesitation Dance" traz um riff simples, mas forte e marcante, que pode ser associado ao Rainbow pós-Dio. Nesta linha há a cativante "The One That Really Matters".

Porém, "Feels Like Love" e "American Heartbeat" não se casam com o tipo de sonoridade a qual agrade o autor do post. E o problema aqui sou eu, não as músicas.

Enfim, Eye of the Tiger fez muito sucesso e é um trabalho emblemático da musicalidade Rock do início dos anos 80. Traz um clássico indiscutível em sua faixa-título, mas não vive somente dela, apresentando outras agradáveis e divertidas composições. Álbum indicado pelo RAC, especialmente para fãs de Rock com muita pegada Pop.

0 comentários:

Postar um comentário