27 de setembro de 2016

SCORPIONS - ANIMAL MAGNETISM (1980)


Animal Magnetism é o sétimo álbum de estúdio da banda alemã Scorpions. Seu lançamento oficial aconteceu em 31 de março de 1980, através dos selos EMI e Mercury. As gravações ocorreram entre dezembro de 1979 e fevereiro do ano seguinte, nos estúdios Dierks Studios, em Colônia, na Alemanha e no Manta Sound Studios, em Toronto, no Canadá. A produção ficou a cargo de Dieter Dierks.



O Scorpions é uma das melhores bandas dentro do estilo Hard Rock, tanto nos anos 70 quanto nos 80. O Blog vai tratar dos fatos antecedentes ao lançamento do disco para depois se ater ao disco propriamente dito.

O genial guitarrista Uli Jon Roth deixou o Scorpions em 1978. Na metade daquele ano, após testar cerca de 140 guitarristas, o posto foi ocupado por Matthias Jabs.

Após a adição de Jabs, o Scorpions deixou a gravadora RCA para assinar com a Mercury Records, nos Estados Unidos, e a Harvest/EMI Electrola, em todo o mundo, para gravar seu próximo álbum, Lovedrive.

Apenas algumas semanas após de ter sido expulso da banda UFO, por conta de seu abuso com o álcool, o ótimo guitarrista Michael Schenker, irmão do também guitarrista do Scorpions Rudolf Schenker, retornou ao grupo por um curto período, durante as gravações de Lovedrive.

Isso deu à banda três guitarristas (embora a contribuição de Michael Schenker para a versão final do trabalho foi limitada a apenas três músicas). O resultado foi Lovedrive, um álbum que alguns críticos consideram ser o auge da carreira dos alemães.

Lovedrive apresenta algumas canções favoritas dos fãs como "Loving You Sunday Morning", "Always Somewhere", "Holiday" e a instrumental "Coast to Coast". O trabalho cimentou firmemente uma nova sonoridade do Scorpions, com canções totalmente Hard Rock misturadas a baladas melódicas.

Klaus Meine

A arte da Capa de Lovedrive, altamente provocativa, foi nomeada a "Melhor capa de álbum de 1979", pela revista Playboy, embora tenha sido alterada para o lançamento nos Estados Unidos.

Lovedrive chegou ao número 55 nas paradas dos EUA, além da 36ª posição na parada britânica, demonstrando que a banda estava expandindo suas fronteiras internacionalmente.

Após a conclusão e lançamento do álbum, o Scorpions decidiu manter Michael Schenker na banda, forçando Jabs a sair. No entanto, depois de algumas semanas de turnê, Michael, ainda lidando com o alcoolismo, perdeu uma série de shows chegando ao ponto de ter um colapso em pleno palco.

Desta forma, Jabs foi trazido de volta para substituí-lo nas ocasiões em que Michael simplesmente não conseguia tocar. Entretanto, em abril de 1979, durante uma turnê na França, Jabs foi contratado de forma permanente para substituir Michael.

Assim, o Scorpions era formado por Klaus Meine nos vocais, Matthias Jabs e Rudolf Schenker nas guitarras, Francis Buchholz no baixo e Herman Rarebell na bateria.

E foi esta formação que começou a trabalhar no álbum seguinte, Animal Magnetism.

Novamente a banda apostou em uma capa provocativa, desta vez mostrando uma garota ajoelhada e um Doberman Pinscher sentado, ambos à frente de um homem.

A capa do álbum foi criada por Storm Thorgerson, da empresa de design Hipgnosis, e, como as capas de álbuns anteriores do Scorpions, causou polêmica. No entanto, ao contrário de várias das capas de seus discos anteriores, a controvérsia não resultou na arte original sendo substituída por uma outra alternativa.

Matthias Jabs

O baixista do Scorpions na época, Francis Buchholz, recorda: "Herman veio com o título do álbum, Animal Magnetism, e todos nós gostamos, porque era um título interessante. Então tivemos este cara chamado Storm que estava fazendo as capas de álbuns do Pink Floyd, acho que ele fez aquele com o cara com as chamas (Nota do Blog: a capa de Wish You Were Here, de 1975). Assim, Storm veio com a idéia para a capa de Animal Magnetism; eu, pessoalmente, não gostei, mas o resto da banda adorou. Mas eu gostei do cão”.

MAKE IT REAL

"Make It Real" possui um riff principal bastante cativante, unindo o peso e a melodia em doses proporcionais. Desta forma, a composição usa uma técnica de "ir crescendo", em intensidade, até o ótimo refrão. Ótima música!

A letra traz uma mensagem de confiança:

Did you ever have a secret yearning
Don't you know it could come true
Now's the time to set wheels turning
To open up your life for you


“Make It Real” é um grande sucesso do Scorpions.

Lançada como single, conquistou a 72ª posição na principal parada de singles desta natureza.



DON'T MAKE NO PROMISES (YOU BODY CAN'T KEEP)

A segunda faixa de Animal Magnetism é a menor, com menos de 3 minutos. Ela mantém a pegada intensa da canção anterior, mas sua característica é alternar passagens mais cadenciadas com outras mais velozes. O solo de guitarra é bem legal!

A letra possui sentido sexual:

Next day, can you believe, she was at the show
She said, hey man, you're great and she took me home
She started to undress, what a shock to see
Padded bra, blonde wig, not much left for me



HOLD ME TIGHT

Já em "Hold Me Tight", a banda acrescenta mais peso em sua sonoridade, apostando em um ritmo bem lento e, simultaneamente, criando um clima mais denso e sombrio. A parte instrumental é ainda mais valorizada graças a uma interpretação impecável de Klaus Meine. Grande momento do disco.

A letra mostra alguém dividido:

Alright don't want me to stay
Alright have it your way
Alright I'm leaving tonight
Alright woman, I'll get out of your sight



TWENTIETH CENTURY MAN

O riff principal de "Twentieth Century Man" é muito criativo, sendo mais leve e dotado de uma melodia maliciosa e contagiante. No refrão, toda esta malícia e lascividade são mais intensas e formam uma parceria interessante com a voz do vocalista Meine.

A letra é uma crítica ao homem moderno:

In the jungle of these times
There's nothing left for them to buy
They look for God on the screen
They've got even dream-machines
They are mesmerized



LADY STARLIGHT

"Lady Starlight" é a canção mais longa do álbum. Seu ritmo é mais lento e a intensidade é demasiadamente suave. A composição é dominada por uma melodia bastante leve, mas de uma beleza comovente (com a ajuda de uma orquestração muito eficiente) e que é elevada por uma atuação soberba dos vocais do ótimo Klaus Meine. Esta é uma das mais belas baladas que o Scorpions já fez. O solo de guitarra a partir do quarto minuto também agrada.

A letra é romântica:

Walking through a winter night,
Counting the stars
And passing time
Snow dances with the wind
I wish, I could be with you again

“Lady Starlight” foi lançada como single, mas não obteve maior repercussão em termos de paradas de sucesso deste tipo de lançamento.



FALLING IN LOVE

"Falling in Love" retorna ao típico Hard Rock que marcaria a banda especialmente nos anos 80, aliando doses certeiras de peso e um certo swing. A música vai direto ao ponto, contando com as guitarras muito acentuadas e bons vocais.

A letra é simples em tom sedutor:

Don't tell me your lies, I don't believe a word you say
You do realize, I move around from day to day
And I'm falling in love, it happens to me every day
I'm falling in love, love just seems to slip away



ONLY A MAN

Já em "Only a Man", o conjunto alemão faz uma construção bem criativa, com uma cadência mais pausada, marcando bastante os vocais, sendo tudo acompanhado por guitarras muito pesadas. O resultado final é bastante curioso e interessante, apesar do refrão não ficar no mesmo nível.

A letra fala de um homem tentando se justificar:

Woman, I'm only a man
Do the best that I can as you know
Woman, I'm only a man
Do the best that I can as you know
Now you know how I feel
Nothing is real



THE ZOO

Uma grande aula de Hard Rock. É assim que o Blog define a incrível faixa "The Zoo". A distorção e o peso das guitarras de Rudolf Schenker e Matthias Jabs chegam próximas à perfeição, construindo um ritmo pesado, denso e intenso. Os vocais de Klaus Meine se encaixam perfeitamente com a massa sonora, trazendo mais energia à composição em parceria com a seção rítmica. Brilhantemente, o refrão quebra toda esta construção soturna e traz luminosidade à música. Simplesmente genial!

A letra é boa e fala das cidades modernas:

We eat the night, we drink the time
Make our dreams come true
And hungry eyes are passing by
On streets we call the zoo



“The Zoo” é um grande clássico do Scorpions.

Lançada como single, alcançou a modesta 75ª posição da parada britânica desta natureza.

Schenker escreveu muito da música durante a primeira turnê da banda nos Estados Unidos, em 1979. Quando Meine ouvi pela primeira vez o riff de Schenker, ele se lembrou da visita anterior da banda a uma rua em New York City, onde em uma brincadeira foi referida como um "zoo".

Meine mais tarde compôs a letra da canção, que contêm referências a ruas da cidade, especialmente a 42nd Street, em New York.

Além de presença praticamente constante no set list dos shows do grupo, “The Zoo” está em praticamente todas as coletâneas e compilações do Scorpions.

Também foi aclamada pela crítica, tomando parte da lista de The Top 500 Heavy Metal Songs of All Time, de Martin Popoff, em 2002.



ANIMAL MAGNETISM

A nona - e última - canção de Animal Magnetism é a faixa-título, obviamente, de mesmo nome. Esta composição remete à fantástica primeira fase da banda, ainda nos anos 70. O flerte com o Heavy Metal é mais explícito. O ritmo é lento e sombrio, contando com as guitarras muito pesadas, e a bateria de Herman Rarebell e o baixo de Francis Buchholz elevam o peso à enésima potência. A cereja do bolo fica com a impecável atuação de Klaus Meine. Fabuloso!

A letra possui conteúdo sexual:

Make love to me right now
Love me till I'm down
You make me groove
I want ya, that's all I do
You let me groove
I want ya, that's all I do



Considerações Finais

Embalado por fortes canções como “Make It Real” e “The Zoo”, Animal Magnetism fez sucesso e mostrou que o Scorpions continuava no caminho correto.

O álbum conquistou a razoável 52ª posição na principal parada de sucessos norte-americana, atingindo a boa 23ª colocação na correspondente britânica. Também ficou com o 12º lugar na parada alemã.

Mais importante que isto, o álbum cimentou definitivamente a sonoridade que o Scorpions assumiria durante a década de 80 e o levaria a conquistar todo o mundo.

A revista Rolling Stone teceu críticas favoráveis ao trabalho. O crítico musical canadense Martin Popoff dá nota máxima ao disco. Quem destoa é Barry Weber, do AllMusic, que dá ao álbum 2,5 de um máximo de 5 estrelas possíveis, afirmando que: “muitas das canções soam como o trabalho de algum outro grupo de rock e simplesmente não se misturam como deveriam”.

Animal Magnetism supera a casa de 1 milhão de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.



Formação:
Klaus Meine - Vocal
Matthias Jabs – Guitarra-Solo e Backing Vocals
Rudolf Schenker – Guitarra-Base e Backing Vocals
Francis Buchholz – Baixo e Backing Vocals
Herman Rarebell – Bateria e Backing Vocals
Músicos adicionais em "Lady Starlight":
Allan Macmillan – arranjos em cordas e metais, condutor
Adele Arman, Victoria Richard - violinos
Paul Arman - viola
Richard Arman - violoncelo
Charles Elliot - baixo
Melvin Berman - oboé
George Stimpson, Brad Wamaar - trompas

Faixas:
01. Make It Real (Schenker/Rarebell) - 3:49
02. Don't Make No Promises (Your Body Can't Keep) (Jabs/Rarebell) - 2:55
03. Hold Me Tight (Schenker/Meine/Rarebell) - 3:53
04. Twentieth Century Man (Schenker/Meine) - 3:00
05. Lady Starlight (Schenker/Meine) - 6:15
06. Falling in Love (Rarebell) - 4:09
07. Only a Man (Schenker/Meine/Rarebell) - 3:32
08. The Zoo (Schenker/Meine) - 5:28
09. Animal Magnetism (Schenker/Meine/Rarebell) - 5:56

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: http://letras.mus.br/scorpions/

Opinião do Blog:
Para fãs das vertentes mais pesadas do Rock, como o Hard Rock e o Heavy Metal, os carros-chefes do Blog, é indubitável que o Scorpions é uma das melhores e mais importantes bandas dentro destas vertentes. Os alemães contribuíram com álbuns essenciais para fãs deste tipo de sonoridade.

Entre o fim dos anos 70 e o início da década seguinte, o grupo alemão resolveu mudar sua sonoridade, especialmente após a saída do excepcional guitarrista Uli Jon Roth. O Scorpions resolveu ser mais Hard e menos Heavy, em uma visão muito simplista da coisa, mas que facilita o entendimento.

A partir de então, o grupo continuou com canções intensas, mas um pouco mais leves e mais acessíveis. Entretanto, para o Blog, a qualidade não caiu. O ótimo Lovedrive já apontava para o que viria.

Com Matthias Jabs, um ótimo guitarrista, muito melódico, efetivado no 'time', a banda ficou ainda mais entrosada. O resultado é o excelente Animal Magnetism. O destaque fica dividido entre o ótimo trabalho das guitarras e a atuação praticamente perfeita de Klaus Meine nos vocais.

As letras são boas e merecem uma conferida.

"Make It Real" é um excelente jeito de se começar um álbum de Hard Rock, com peso e intensidade em medidas corretas. A maliciosa "Hold Me Tight" é uma das faixas mais subestimadas desta fase do Scorpions. E "Lady Starlight" é de uma sutileza tocante.

Outra faixa que está entre as preferidas da banda, para o blogueiro, é a pesadíssima "Animal Magnetism", com um clima sombrio que conquista fãs de Hard/Heavy.

E ainda se tem "The Zoo", composição que disputa o posto de favorita do Scorpions para quem está escrevendo este texto. Faixa incrível, criativa e que depois seria arruinada pelo próprio conjunto em Acoustica (2001), ficando quase irreconhecível.

Enfim, o Scorpions dispensa maiores apresentações para quem é fã de Hard Rock. Banda obrigatória aos admiradores do estilo. Animal Magnetism é uma de suas obras mais importantes, portadora de músicas que possuem o DNA do grupo alemão impresso em sua sonoridade. Mais que obrigatório, o disco é indispensável na coleção dos fãs de música mais pesada. Até o próximo post!

5 comentários:

  1. Segundo disco de uma trilogia que começou com o anterior Lovedrive (1979) e que acabou exitosamente com Blackout (1982), Animal Magnetism é talvez um dos mais subestimados discos do Scorpions, pra muitos a melhor banda de rock da Alemanha (não pra mim). Mas estes três citados são do meu top 5 do grupo. Foi sim um álbum muito desvalorizado na época, mas hoje os fãs reconhecem este como uma das obras-primas do Scorpions

    Lembro que foi no final da turnê deste disco, o letrista e vocalista Klaus Meine perdeu a voz por conta de um nódulo nas cordas vocais, o que o motivou a fazer uma delicada cirurgia e vários tratamentos. Felizmente ele conseguiu se recuperar e gravou com a banda aquele que eu considero o Magnum Opus do Scorpions: o citado Blackout, que já foi resenhado aqui no blog. Pena que em Love at First Sting, célebre disco de 1984, o grupo mudou totalmente de direção e já não era mais o mesmo dos tempos de Uli Jon Roth e de Lovedrive...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro ótimo comentário, prezado Igor. Suas observações são muito pertinentes e enriquecem o post. Como já disse anteriormente, eu até gosto do Love at First Sting (e músicas como "Big City Nights", "Rock You Like a Hurricane" e "Coming Home"), mas ele não está no mesmo nível da trilogia que você citou.

      Acho que a questão do Scorpions ser, ou não, a melhor banda da Alemanha é relativa, como tudo pode ser assim levado na música. Tem gente que trata a música pela sua importância, outros por números de vendas. Estas coisas são importantes, sim, e nos meus textos até as levo em consideração também, mas o Blog opta pela abordagem da música como uma experiência sensitiva de quem o escreve.

      Já ouvi álbuns alemães que mudaram a história da música como Tago Mago e Autobahn, por exemplo, mas é um tipo de música que não me emociona. E muita gente boa (muito mais capacitada que eu, inclusive) consideram obras-primas da música (e acho que são fundamentais mesmo).

      Mas eu não seria totalmente honesto com meus poucos, mas fiéis leitores, escrevendo sobre algo que não me diz muita coisa. O Blog é voltado para o Heavy Metal e Hard Rock (embora, a partir de 2017, as coisas vão começar a mudar um pouco). E, neste contexto, o Scoprions é uma das bandas mais importantes, como, dentro da linha Hard/Heavy, são bandas como Blind Guardian, Gamma Ray, e, principalmente, o Helloween e o Accept (esta, talvez, minha favorita).

      Mas muito obrigado por, novamente, engrandecer o post com sua opinião. E peço, sempre que lhe for possível, continuar contribuindo com seus ótimos comentários. Saudações!

      Excluir
    2. Inclusive LAFS já foi resenhado aqui, e eu tinha comentado que este não é um álbum fácil de ouvir como um outro qualquer; no meu caso, a audição do disco todo é muito difícil por causa da balada "Still Loving You" cujo sucesso na época significou a chamada "crise do rock mundial". Caso não saiba, a balada de maior sucesso do Scorpions até hoje (que talvez seja a canção mais emblemática do grupo) é sem dúvida, "Wind of Change" do disco Crazy World (1990) que quero muito vê-lo por aqui. No mais, valeu por ter citado "Coming Home" que é a música que meu pai mais gosta do Scorpions.

      Obrigado de novo por citar o Accept em seu comentário, e por favor eu sugiro novamente uma resenha de Metal Heart (1985) e Russian Roulette (1986). Saudações pra você também, amigão!

      Excluir
    3. "Wind of Change" é uma das minhas baladas favoritas, meu caro. Seu pai tem bom gosto, "Coming Home" é uma música excelente.

      No mais, suas ótimas sugestões foram anotadas e espero atendê-las no futuro. Grande abraço!

      Excluir
    4. Tá certo, amigo. Obrigado de novo e fico no aguardo!

      Excluir