7 de dezembro de 2015

RAINBOW - RITCHIE BLACKMORE'S RAINBOW (1975)


Ritchie Blackmore's Rainbow é o álbum de estreia da banda britânica chamada Rainbow. Seu lançamento oficial se deu em 4 de agosto de 1975, através dos selos Oyster (Reino Unido) e Polydor Records (Internacional). As gravações ocorreram entre 20 de fevereiro e 14 de março daquele mesmo ano, no Musicland Studios, em Munique, na Alemanha. A produção ficou por conta de Martin Birch, Ronnie James Dio e de Ritchie Blackmore.

O Rainbow é uma das mais fantásticas bandas da história do Rock. O Blog vai tratar um pouco de sua formação para depois falar do álbum.


Stormbringer, o nono álbum de estúdio do Deep Purple, foi lançado em novembro de 1974. Neste trabalho, os elementos de soul e funk que foram apenas pincelados no disco antecessor, Burn (1974), são muito mais proeminentes.

Além da faixa-título, o álbum Stormbringer teve um bom número de canções que receberam bastante circulação nas rádios, como "Lady Double Dealer", "The Gypsy" e "Soldier Of Fortune".

Desta forma, Stormbringer chegou ao 6º lugar da principal parada de sucessos no Reino Unido, conquistando a 20ª posição na correspondente norte-americana.

No entanto, o guitarrista da banda, Ritchie Blackmore, não gostou nenhum pouco do álbum, especialmente dos elementos de soul e funk, execrando-o publicamente como "música de engraxate".

Além disso, outro fator que desagradou profundamente Blackmore foi que seu desejo em regravar “Black Sheep of the Family”, da banda Quatermass, juntamente com a autoral “Sixteenth Century Greensleeves”, ambas prontamente rejeitadas pelo resto do Deep Purple.

Ritchie Blackmore
Simultaneamente, Ronnie James Dio estava tocando em um grupo chamado Elf, o qual foi formado por ele mesmo em 1967, com o nome de The Electric Elves.

Em 1975, a banda Elf estava trabalhando em seu terceiro (e que seria o último) álbum de estúdio, Trying to Burn the Sun (1975).

O grupo havia lançado seu álbum de estreia, autointitulado, em 1972, apresentando uma sonoridade que encontrava o Hard Rock e o Blues Rock.

O Elf conseguiu um moderado sucesso comercial, especialmente por ser constantemente a banda de abertura para o Deep Purple. Ali nascia o início de envolvimento entre Ritchie Blackmore e Ronnie James Dio.

Com a negativa do Deep Purple em regravar “Black Sheep of the Family”, Ritchie Blackmore decidiu, ainda em 1974, gravar a faixa sozinho.

Assim, Ronnie James Dio e o baterista Gary Driscoll, também do Elf, foram convidados a se juntarem a Blackmore nos Estados Unidos e gravarem com o guitarrista.

O resultado das gravações, em conjunto com o ótimo ambiente, encantaram Ritchie Blackmore, que ao final do trabalho, deixou o local com a ideia de gravar um trabalho solo.

Ainda em 1974, Blackmore tomou aulas de violoncelo com Hugh McDowell, do ELO. Mais tarde, o guitarrista afirmou que quando se toca um instrumento musical diferente, há um sentimento refrescante, pois existe um senso de aventura em não saber exatamente o acorde que se está tocando.

Estando satisfeito com os resultados das canções gravadas em Tampa, Blackmore decidiu recrutar os demais músicos da Elf e formar sua própria banda, ao invés de entrar em uma carreira-solo.

Inicialmente, a banda foi nomeada como Ritchie Blackmore's Rainbow, para depois ser encurtado para apenas Rainbow.

Assim, em sua primeira versão, o grupo era formado pelo guitarrista Ritchie Blackmore e os demais músicos que compunham o Elf: Ronnie James Dio nos vocais, Micky Lee Soule no piano/teclado, Craig Gruber no baixo e Gary Driscoll na bateria.

Desta forma, o Elf interrompeu as gravações de seu terceiro disco, Trying to Burn the Sun (1975), para gravar o primeiro trabalho do Rainbow.

A música do Rainbow foi parcialmente inspirada por música clássica (desde que Blackmore começou a tocar violoncelo para ajudá-lo a construir progressões de acordes interessantes), e Dio escreveu letras sobre temas medievais.

Além disso, Dio possuía um alcance vocal versátil capaz de cantar tanto Hard Rock quanto baladas mais leves, e, de acordo com Blackmore, ao ouvir o vocalista: "eu senti arrepios na espinha."

Ronnie James Dio

As gravações foram feitas em Munique, na Alemanha, no Musicland Studios e duraram três semanas, entre fevereiro e março de 1975.

Como o trabalho fluiu de maneira orgânica, Blackmore sentiu que deveria deixar o Deep Purple para se dedicar de forma integral ao seu novo projeto. Segundo o guitarrista:

“Eu deixei o Deep Purple porque eu me encontrei com Ronnie Dio, e era tão fácil de trabalhar com ele. Ele foi originalmente só para fazer uma faixa de um LP solo, mas acabamos fazendo todo o LP em três semanas, e eu fiquei muito animado com tudo”.

Em 21 de junho de 1975, Ritchie Blackmore deixava o Deep Purple (pela primeira vez).

Com a influência musical e lírica do período medieval, a arte da capa contém um castelo e, obviamente, um arco-íris. Obra de David Willardson.

Vamos às faixas:

MAN ON THE SILVER MOUNTAIN

Um genial riff criado por Ritchie Blackmore é a base da canção. O ritmo é bem cadenciado e a sonoridade possui a intensidade exata. É o mais puro extrato do Hard Rock setentista, contando com uma boa presença do baixo de Craig Gruber. Para coroar a faixa brilhante, Ronnie James Dio tem uma atuação exemplar e Blackmore faz um solo sensacional no meio de "Man On The Silver Mountain". Espetacular!

A letra é fantasiosa sobre um homem a que todos clamam como um deus:

I'm the man on the silver mountain
I'm the man on the silver mountain
Come down with fire
Lift my spirit higher
Someone's screaming my name
Come and make me holy again

“Man On The Silver Mountain” é um dos maiores clássicos do Rainbow.

Foi o primeiro single lançado pelo grupo, mas não obteve maior repercussão em termos de paradas de sucesso.


Entretanto, tornou-se uma das canções favoritas do público e era bastante presente nos shows do grupo.

Entre versões covers mais famosas, encontram-se as da banda espanhola Mago de Oz, da sueca HammerFall e a presente no álbum tributo lançado em 2014 This Is Your Life, a qual conta com nomes como Rob Halford e Vinny Appice.

Dio, em sua carreira-solo, manteve “Man On The Silver Mountain” como parte constante de seu set-list. Após sua morte, em 2010, seu corpo foi sepultado em Los Angeles, nos Estados Unidos, e sua sepultura contém os dizeres “The man on the silver mountain Ronnie James Dio”.



SELF PORTRAIT

A banda mantém a pegada Hard Rock na faixa seguinte, "Self Portrait". O andamento continua cadenciado em um ritmo mais lento, mas com o peso necessário para abrilhantar a música. A guitarra de Blackmore continua insana e os vocais de Dio tornam tudo mais saboroso.

A letra possui conteúdo de magia:

Down, down, down
Spin me around and around
Draw me away to the night from the day
Leave not a trace to be found
Down, down

A banda de Ricthie Blackmore, chamada Blackmore's Night, fez uma versão folk para “Self Portrait”.



BLACK SHEEP OF THE FAMILY

Em sua terceira faixa, o álbum perde um pouco do peso presente anteriormente, ganhando um ritmo mais acelerado. Trata-se de um Rock muito bem executado, mas que não mantém totalmente o nível altíssimo das canções que a precedem.

A letra fala de destino:

The hour was wrong
And my shadow's getting long
My real life's a song, don't need much
But I've got an ache in my head
I wanna go to bed
Tomorrow I don't have to wake up, no

“Black Sheep Of The Family” é uma versão para a música originalmente gravada pela banda Quatermass, presente em seu álbum homônimo de 1970.



CATCH THE RAINBOW

Uma lindíssima melodia, suave e delicada, sai da guitarra de Ritchie Blackmore e hipnotiza o ouvinte. O ritmo é bem lento, o peso desaparece, mas a sonoridade envolve e contagia. A seção rítmica faz um belo trabalho e toda a angústia das letras é transferida à sonoridade da faixa. Mas nada adiantaria se a atuação de Ronnie James Dio não fosse espetacular, contando com sua interpretação perfeita. Uma das baladas mais tocantes de todos os tempos.

A letra pode ser inferida como uma metáfora para a vida:

When evening falls
She'll run to me
Like whispered dreams
Your eyes can't see

Embora nunca tenha sido lançada como single, “Catch The Rainbow” é um dos maiores clássicos da história do Rainbow.

Melodicamente, a canção se inspira na clássica "Little Wing", do The Jimi Hendrix Experience.

A banda Opeth e o Burning Starr fizeram versões para a canção como forma de homenagear Dio após seu falecimento.



SNAKE CHARMER

O Hard Rock forte e pesado está de volta em "Snake Charmer", com Ritchie Blackmore construindo um riff inspirado, mas, simultaneamente, repleto de malícia. O grande destaque vai mesmo para o guitarrista, o qual abusa do feeling. Boa presença, também, da bateria de Gary Driscoll.

A letra é em tom de fantasia e magia:

Close your door
He's on his way
He's coming out of the shadows now, now
No hope for you, ooh
Snake charmer
Snake charmer, now listen to me yeah



TEMPLE OF THE KING

O peso some novamente e Blackmore, outra vez, cria uma melodia incrivelmente bela e suave com sua guitarra. O andamento é lento e a sonoridade quase acústica envolve o ambiente, conquistando o ouvinte. O bom gosto é gigante, mas o grande destaque vai para a atuação espetacular de Ronnie James Dio e seu vocal impecável. Outra balada de nível estratosférico.

A letra, belíssima, também é sobre fantasia e encantamento:

Back with the people in the circle
He stands
Giving, feeling
With just one touch of a strong right hand
They know
Of the temple and the king

“Temple Of The King” é mais um clássico do Rainbow.


Também foi lançada como single, mas sem maior repercussão em termos de paradas de sucesso.

Entre as versões cover para a canção, encontram-se a de bandas como Mago de Oz (com letras em espanhol), Angel Dust, Axel Rudi Pell e do Scorpions.



IF YOU DON'T LIKE ROCK 'N' ROLL

Na menor canção do álbum, o Rainbow faz um Hard Rock brilhante com muita influência do Rock dos anos 50. O resultado é um faixa simples, direta, mas totalmente contagiante. Quem brilha bastante é o teclado de Micky Lee Soule. Empolgante!

A letra fala do espírito do Rock:

That just about explained it all
Well if you don't like rock 'n' roll
If you don't like rock 'n' roll
Well if you don't like rock 'n' roll
Then you're too late now
Then you're too late now



SIXTEENTH CENTURY GREENSLEEVES

Abusando de um ritmo mais lento, mas encontrando a cadência perfeita, o Rainbow apresenta a canção mais pesada presente no disco. A guitarra de Blackmore está brilhante, executando um solo sensacional exatamente no meio da faixa. Os vocais de Dio se casam de maneira simbiótica com a musicalidade apresentada. Outro momento incrível do trabalho!

A letra envolve um clima medieval:

It's only been an hour
Since he locked her in the tower
The time has come
He must be undone
By the morning



STILL I'M SAD

A nona - e última - faixa de Ritchie Blackmore's Rainbow é "Still I'm Said". O andamento é mais rápido, com a presença de pouco peso, e a guitarra de Ritchie Blackmore dá todas as cartas nesta canção. Encerra bem o álbum.

É um cover instrumental da faixa “Still I'm Sad”, da banda The Yardbirds, presente no álbum Having a Rave Up with The Yardbirds, de 1965.



Considerações Finais

Embora os singles não tenham feito mais barulho, o álbum foi bem em termo de paradas de sucesso.

O disco acabou atingindo a muito boa 11ª posição da principal parada britânica de sucessos, conquistando a 30ª colocação na correspondente norte-americana. Ainda ficou com os 10º e 24º lugares nas paradas de Noruega e Suécia, respectivamente.

O lançamento do vinil original possuía uma capa bem caprichada, embora reedições posteriores sob orçamento reduzido saíram com uma capa simples.

Muitas canções do álbum eram tocadas por line-ups posteriores do Rainbow. O álbum foi amplamente elogiado por seu conteúdo lírico de fantasia/heróico e pelo estilo de rock inovador.

O vocalista Ronnie James Dio considerou seu álbum favorito do Rainbow.

Apesar do título, implicando o disco ser um lançamento solo de Ritchie Blackmore, em anos posteriores, Blackmore tem brincado declarando que as contribuições de Dio garantiriam um rebatismo do trabalho como "Ritchie Blackmore and Ronnie James Dio' Rainbow".

Após as gravações do álbum, o restante da banda que era o Elf retornou para finalizar seu terceiro disco de estúdio, Trying to Burn the Sun, que foi lançado em junho de 1975.

Ronnie James Dio continuaria com o Rainbow e o Elf encerrava suas atividades por ali.

Dio e Blackmore fizeram a promoção do álbum. Logo depois de seu lançamento, Blackmore não ficou feliz em transportar todo o line-up do Elf junto para as performances ao vivo. Assim, o guitarrista demitiu todo mundo do grupo, exceto Dio.

Entre suas razões, Driscoll teria sido demitido por seu estilo R&B de tocar bateria e Gruber, devido ao seu jeito 'funkeado' no baixo.

Desta forma, a primeira formação do Rainbow, a qual gravou seu primeiro álbum, nunca fez um show juntos. A intensa troca de integrantes seria uma constante nos anos subsequentes do Rainbow.

Para a primeira turnê mundial, que se iniciou em 10 de novembro de 1975, Blackmore recrutou o baixista Jimmy Bain, o tecladista Tony Carey e o baterista Cozy Powell, o qual já havia trabalhado com Jeff Beck.

Esta também seria a formação que gravaria o segundo álbum da banda, o inesquecível Rising (1976).


Formação:
Ronnie James Dio - Vocal
Ritchie Blackmore - Guitarra
Micky Lee Soule - Piano, Mellotron, Órgão
Craig Gruber - Baixo
Gary Driscoll - Bateria
Músico Adicional:
Shoshana - Backing Vocals

Faixas:
01. Man on the Silver Mountain (Blackmore/Dio) - 4:42
02. Self Portrait (Blackmore/Dio) - 3:17
03. Black Sheep of the Family (Hammond) - 3:22
04. Catch the Rainbow (Blackmore/Dio) - 6:27
05. Snake Charmer (Blackmore/Dio) - 4:33
06. Temple of the King (Blackmore/Dio) - 4:45
07. If You Don't Like Rock n' Roll (Blackmore/Dio) - 2:38
08. Sixteenth Century Greensleeves (Blackmore/Dio) - 3:31
09. Still I'm Sad (Samwell-Smith/McCarty) - 3:51

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: http://letras.mus.br/rainbow/

Opinião do Blog:
O Rainbow atingiu seu momento de maior sucesso comercial no início da década de 80, contando com uma sonoridade com mais influência Pop e uma abordagem mais ampla de sua música. Alguns bons trabalhos foram lançados, mas o momento apontado neste post é outro.

Embora não coincida com seu apogeu comercial, para o Blog, o ápice criativo e musical do Rainbow foi nos seus trabalhos iniciais, quando os gênios de Ritchie Blackmore e Ronnie James Dio se encontraram e produziram músicas que entraram para a história do Rock.

Ritchie Blackmore deixou o Deep Purple e sua união com praticamente todo o Elf, formando o Rainbow, mostrou-se a atitude mais que correta. O grupo se tornaria uma referência dentro do Hard Rock produzido naquela época.

Músicos experiente e com boa qualidade, Gary Driscoll, Micky Lee Soule e Craig Gruber fazem sua parte de maneira competente, contribuindo decisivamente para a qualidade do que se ouve. Mas, obviamente, a missão deles é preparar o terreno para que as duas estrelas da banda brilhem.

Inicialmente planejado para se tornar um trabalho solo de Ritchie Blackmore, é claro que a guitarra é um grande destaque no disco. Os solos esbanjam o talento incomum de Ritchie, transbordando técnica, feeling e muita sensibilidade. Os riffs e melodias criados pelo guitarrista neste álbum estão entre os melhores que Blackmore fez surgir em sua incrível carreira.

Mas, apesar de tudo isso, quem rouba a cena é o vocalista Ronnie James Dio. Sem a atuação monumental e impecável do baixinho de voz gigantesca, o resultado não seria tão impactante. Dio transmite uma incrível emoção com sua interpretação, casando seus vocais perfeitamente com a parte instrumental.

As letras abusam da temática fantástica, mas podem ser transportadas para a realidade, fazendo um arcabouço perfeito para a obra.

Ritchie Blackmore's Rainbow é um dos discos de estreia preferidos do Blog e só não está mais em alta conta por causa dos 2 covers presentes no álbum. Não são mal tocados e executados, longe disso, mas acabam destoando do restante do material.

O trabalho apresenta algumas pauladas com o melhor que o Hard Rock setentista produziu. "Self Portrait" e "Sixteenth Century Greensleeves" são aulas de peso e melodia. "If You Don't Like Rock N' Roll" é um banho de criatividade e "Man On The Silver Mountain" é um clássico da música dos anos 70.

Não bastassem estas pérolas, o álbum ainda traz a belíssima "Temple Of The King", a qual abusa da sensibilidade melódica de Ritchie Blackmore. E há espaço para "Catch The Rainbow", com uma atuação magnífica de Dio, uma das mais lindas baladas da história da música.

É até difícil de imaginar que o Rainbow ainda faria melhor em seus álbuns seguintes, especialmente no extraordinário Rising, lançado em 1976. Mas o álbum de estreia do grupo é uma aula de Hard Rock setentista, contando com canções inspiradas e que influenciariam um incontável número de bandas que surgiriam posteriormente. É o disco que marca uma das melhores uniões de talentos da história do Rock, entre Blackmore e Dio. Obrigatório para fãs de boa música!

0 comentários:

Postar um comentário