1 de fevereiro de 2015

WHITE LION - PRIDE (1987)


Pride é o segundo álbum de estúdio da banda norte-americana chamada White Lion. Seu lançamento oficial aconteceu em 21 de junho de 1987, através do selo Atlantic Records. As gravações ocorreram naquele mesmo ano. A produção ficou a cargo de Michael Wagener.

O White Lion é mais uma banda norte-americana de Hard Rock a aparecer no Blog, também representando o estilo Glam Metal. O Blog, como de costume, vai passear um pouco pela história da banda antes de se concentrar no álbum propriamente dito.


As origens do White Lion estão no ano de 1983, na cidade de Nova York, Estados Unidos, quando o vocalista dinamarquês Mike Tramp e o guitarrista norte-americano Vito Bratta decidiram formar uma banda.

Depois de se mudar da Dinamarca para a Espanha e, em seguida, para New York City, o vocalista Mike Tramp (anteriormente das bandas Mabel, Studs e Danish Lions) se encontrou com o guitarrista Vito Bratta (ex-Dreamer) em 1983.

Logo depois, eles decidiram montar uma nova banda e para tal recrutaram o baterista Nicki Capozzi e o baixista Felix Robinson (ex-Angel), batizando o grupo de White Lion.

White Lion rapidamente assinou um contrato com a Elektra Records em 1984, gravando seu primeiro álbum, Fight To Survive.

No entanto, a Elektra ficou insatisfeita com o resultado final da gravação, e após se recusar a lançar o álbum, rescindiu o contrato com a banda.

Ambos, Capozzi e Robinson, logo deixaram o grupo. Nicki Capozzi foi substituído pelo ex-baterista do Anthrax, Greg D'Angelo, e Felix Robinson foi substituído pelo baixista Dave Spitz (irmão do guitarrista do Anthrax, Dan Spitz).

Mike Tramp
Em torno de um mês após se juntar ao White Lion, Dave Spitz deixa o conjunto (aceitando um convite para tocar baixo com o Black Sabbath), sendo substituído por James Lomenzo.

O álbum Fight To Survive acabou sendo regravado com a nova line-up e foi lançado no Japão pela RCA Records, em 1984. O pequeno selo independente norte-americano, Grand Slam Records, finalmente lançou o disco nos Estados Unidos, em 9 de novembro de 1985.

Poucos meses depois, a Grand Slam Records decretou falência.

Fight To Survive alcançou o número 151 na principal parada norte-americana, a Billboard, e contou com a estreia do primeiro single e videoclipe da banda, para a música “Broken Heart”.

No início de 1986, o White Lion, com um membro feminino fictício (interpretado por Louise Robey), teve um breve papel no filme The Money Pit (no Brasil, “Um Dia a Casa Cai”), estrelado por Tom Hanks e Shelley Long.

No início de 1987, a banda assinou contrato com a Atlantic Records.

Vito Bratta
Logo depois, o grupo se reuniu para compor e gravar o seu segundo álbum de estúdio, que viria a se tornar Pride. O processo de gravação do disco acabou durando cerca de 6 semanas.

O álbum tem uma capa simples, com a face de um leão branco. Vamos às músicas:

HUNGRY

Um riff muito pesado e intenso marca o início de "Hungry". A bateria de Greg D'Angelo está bastante presente, mas o maior destaque é realmente a guitarra de Vito Bratta, brilhante. A sonoridade é o típico Hard oitentista dos Estados Unidos. Um início de altíssimo nível para o álbum Pride!

A letra tem teor sexual:

keep your engine running high
when you take my love inside
but hold the trigger on my loaded gun
baby take off of your leather
and show me all your lace
gimme loving one thousand ways



LONELY NIGHTS

Uma suave melodia introduz um riff pesado, mas desta feita em um andamento mais cadenciado, embora, simultaneamente, repleto de melodia. A atuação de Mike Tramp nos vocais cativa e é decisiva para o sucesso final da composição. Outra música bem acima da média.

A letra mostra alguém que sofre por amor:

and somewhere in the night
there's a little cry
a girl who says
hey I wanna die
there's no one here who really cares
but if there's someone here who understands
just someone here who'll try to lend a hand
and bring her home tonight, tonight



DON'T GIVE UP

"Don't Give Up" é uma faixa bem direta, com ritmo e andamento acelerado, em especial devido a um riff inspirado guiado pela guitarra de Vito Bratta. Os vocais de Tramp se casam perfeitamente com a sonoridade proposta. Boa canção.

A letra pode ser interpretada como uma motivação para se adentrar à vida adulta:

making money you never have enough
neverending bills are building up
and the tax man stalking at your door
never giving always wanting more
you feel like changing the times
to get some peace in your mind



SWEET LITTLE LOVING

Já em "Sweet Little Loving", o ritmo é mais leve e cheio de melodia, com uma pegada Hard Rock mais evidente, comum ao estilo Glam Metal, fato este que torna a faixa diferente das anteriores presentes no disco. Porém, isto apenas engrandece o valor de Pride, pois se está diante de outro ponto alto do trabalho. Excelente solo de Bratta.

A letra tem conteúdo sexual:

late night work in sleezy bars
driving down the boulevard in fancy cars
she don't care what her daddy says
cause all that matters is how much it pays
for two hundred down you get a hell of a time
she takes you to the top , you never want to stop



LADY OF THE VALLEY

"Lady Of The Valley" possui mudanças de ritmo durante toda sua extensão, com momentos mais leves e suaves, os quais a aproximam bastante de uma balada. Em outros, no entanto, o peso e velocidade voltam com tudo, demonstrando que o grupo possuía influências vindas diretamente da New Wave Of British Heavy Metal. Grande música!

A letra é em tom de súplica:

in the valley lies the treasure
and the lady guards it well
he who bears all the pressure
is the one to break the spell
there's a sign that I've followed
and it has led me to your seat
I have brought my fallen brother
and I've laid him, yes I've laid him
at your feet



WAIT

O início leve e suave pode até enganar, mas logo o típico Hard Rock oitentista aparece em "Wait". O riff dá à canção melodia e ritmo, embora tanta a velocidade quanto o peso sejam bastante moderados. A música é cativante e empolga, com ótima atuação de Tramp. Um clássico!

A letra tem sentido de rompimento amoroso:

Wait just a moment before our love will die
cause I must know the reason why we say goodbye
wait just a moment and tell me why
cause I can show you lovin that you won't deny

“Wait” acabou se tornando uma das mais conhecidas canções do White Lion, frequentemente presente nos 'sets' de seus shows.


Foi o primeiro single lançado para promover o álbum Pride. Conseguiu atingir a ótima 8ª posição da principal parada de sucessos desta natureza nos Estados Unidos, a Billboard. Também conquistou a 48ª e a 88ª colocações, respectivamente, em suas correspondentes canadense e britânica.

Boa parte do sucesso do sucesso é devido à intensa circulação que o videoclipe feito para a música obteve na MTV norte-americana.



ALL YOU NEED IS ROCK 'N' ROLL

Nesta faixa, o White Lion volta a apostar mais no peso, mesmo que o andamento continue mais lento. Sempre melódico, a canção também empolga, especialmente devido ao interessante ritmo que a banda manifesta no refrão. Os vocais de Tramp estão um pouco mais contidos, mas funcionam de maneira exemplar.

A letra é uma ode ao Rock:

you can raise your hands
you can stomp your feet
get down and turn around
you can do it all cause there ain't no rules
when you feel the music
just move your feet, to that heavy beat

Também foi lançada como single, mas não obteve maior repercussão.



TELL ME

"Tell Me" possui a típica e clássica sonoridade do Glam Metal, ou seja, é um Hard Rock com algum peso e repleto de uma melodia empolgante. Os vocais de Tramp são bons e a guitarra de Bratta está bastante inspirada, construindo outro ponto alto do disco. O solo é repleto de feeling.

A letra possui conotação romântica:

tell me baby all through the night
that you'll never let me go
tell me baby cause I want the world to know
tell me baby I'm the only one
and who you ever need
tell me baby that you'll never let me go


Foi o segundo single lançado para promover o álbum Pride. Acabou alcançando a boa 58ª posição da parada norte-americana desta natureza.



ALL JOIN OUR HANDS

Nesta canção, o White Lion volta a apostar em sua veia mais pesada, flertando mais diretamente com a linha Heavy Metal, mesmo que o refrão possua uma tonalidade mais suave. É uma composição simples, embora com uma pegada bem interessante.

A letra possui uma mensagem de união, como sugere o título:

is this the way
we treat one another
days filled with hope
lives filled with fear
why must we live
at war with our brothers
when we could live
our future at last



WHEN THE CHILDREN CRY

A décima - e última - faixa de Pride é "When The Children Cry". Uma suave e bela melodia embala o início da canção, acompanhada por inspiradas linhas vocais de Mike Tramp. Assim a balada permanece durante toda sua extensão, sendo cortada apenas pelo excelente solo de Vito Bratta. Fecha o álbum de maneira marcante.

A letra possui uma terna mensagem de esperança:

When the children cry
Let them know we tried
´cause when the children fight
Then we know it ain´t right
When the children break
Let them know we´re awake
´cause when the children sings
The new world begins

“When The Children Cry” é uma balada que também se tornou um dos maiores sucessos da história do White Lion.


Seu videoclipe teve uma significativa veiculação na MTV norte-americana, contribuindo decisivamente para a popularização da canção

Lançada como single, atingiu a excepcional 3ª posição da principal parada de singles dos Estados Unidos. Ficou com a 88ª colocação na correspondente britânica.


Considerações Finais

Impulsionado pelo sucesso de, principalmente, “When The Children Cry”, o álbum fez bastante sucesso comercial. Atingiu a ótima 11ª posição da principal parada de sucessos dos Estados Unidos, a Billboard. Ainda conquistou as 44ª, 30ª e 51ª colocações nas paradas de sucesso de Canadá, Suécia e Reino Unido, respectivamente.

A turnê do álbum Pride começou em Julho de 1987, com o White Lion abrindo para a banda de Ace Frehley, Frehley's Comet. O próximo ano e meio foi preenchido com constantes turnês, com o grupo abrindo para conjuntos como Aerosmith, Ozzy Osbourne, Stryper e Kiss.

Em janeiro de 1988, o White Lion foi escolhido como banda de abertura para o AC/DC em sua Blow Up Your Video turnê norte-americana.

Quando o segundo single do álbum, "Tell Me", foi lançado, o White Lion tocou no Ritz Club, em New York City. O show foi filmado e depois foi ao ar pela MTV dos Estados Unidos.

O sucesso de "When the Children Cry" acabaria por impulsionar as vendas de Pride com bastante importância no processo. Além disso, Vito Bratta foi reconhecido por seus talentos instrumentais, acumulando prêmios como Best New Guitarrist tanto da revista Guitar World, quanto de outra publicação chamada Guitar for the Practicing Musician.

Na primavera (do hemisfério norte) de 1989, a turnê de Pride finalmente acabou, e a banda lançou seu primeiro vídeo intitulado "Live at the Ritz" e "One Night in Tokyo" ambos com shows completos em VHS.

Em seguida, a banda começou a trabalhar imediatamente em seu próximo álbum.

Mike Tramp considera Pride o melhor álbum do White Lion.

Pride ultrapassa a marca de 2 milhões de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.


Formação:
Mike Tramp - Vocal
Vito Bratta - Guitarras
James Lomenzo - Baixo e Backing Vocals
Greg D'Angelo - Bateria

Faixas:
01 - Hungry (Bratta/Tramp) - 3:55
02 - Lonely Nights (Bratta/Tramp) – 4:11
03 - Don't Give Up (Bratta/Tramp) – 3:15
04 - Sweet Little Loving (Bratta/Tramp) – 4:02
05 - Lady of the Valley (Bratta/Tramp) – 6:35
06 - Wait (Bratta/Tramp) – 4:00
07 - All You Need Is Rock 'n' Roll (Bratta/Tramp) – 5:14
08 - Tell Me (Bratta/Tramp) – 4:28
09 - All Join Our Hands (Bratta/Tramp) – 4:11
10 - When the Children Cry (Bratta/Tramp) – 4:18

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: http://letras.mus.br/white-lion/

Opinião do Blog:
O Blog já manifestou diversas vezes que gosta do chamado Glam Metal, tanto que vários álbuns que podem ser associados ao estilo já apareceram por aqui e muitos outros também ainda vão ser apresentados.

Pride é mais uma brilhante obra que o Hard Rock norte-americano produziu, sendo originado por uma ótima banda, a qual vivia seu melhor e mais inspirado momento. A verdade é que o White Lion caprichou neste álbum.

O ouvinte mais atento vai claramente identificar duas linhas diferentes presente no disco: as primeiras canções possuem uma pegada mais pesada, que flertam e tangenciam o Heavy Metal e, também, claramente beberam na fonte do Van Halen setentista.

Da metade para o final do trabalho, o White Lion mostra que estava inserido na música de sua época, produzindo canções típicas do Hard Rock oitentista norte-americano e que em muitos momentos podem lembrar bandas como o Mötley Crüe.

Mas o White Lion possuía personalidade própria e muita identidade, especialmente por conta de seu guitarrista, Vito Bratta, o grande destaque do álbum. Seus riffs e solos mostram que o guitarrista possuía boa técnica e excelentes referências, sendo o motivo primordial da música da banda possuir tanta qualidade.

Mike Tramp também faz bons vocais, inspirados, contribuindo de maneira correta para o sucesso do que se ouve. O mesmo pode ser dito da seção rítmica composta por Lomenzo e D'Angelo. As letras são na média geral.

Pride é um disco bastante homogêneo, sem momentos ruins. Há as ótimas "Hungry" e "Lonely Nights"; "When The Children Cry" é bonita e comovente; "Wait" e "Tell Me" são excelentes amostras de Glam Metal. Mas a melhor do álbum, para o Blog, é "Lady Of The Valley", música brilhante!

Enfim, Pride é um prato cheio para fãs de Hard Rock norte-americano, mas também para quem curte uma banda que flerte com o Heavy Metal. Cheio de personalidade e com um guitarrista brilhante, Vito Bratta, o álbum é extremamente recomendado pelo Blog. Obrigatório para quem gosta de um som Hard Rock!

4 comentários:

  1. ótima resenha ! Don't Give Up é muito boa, umas das minhas preferidas, e Vito Bratta é um cara virtuoso, possui varias tecnicas, deveria ter sido mais reconhecido, é uma pena que eles não estejam em atividades hoje em dia, realmente eles tinham um diferencial !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo elogio. Realmente, "Don't Give Up" é uma ótima canção em um disco que não tem músicas ruins. Também gosto demais do Vito Bratta, o timbre de sua guitarra é muito marcante. Pena que o grupo esteja em um grande hiato. Grande abraço!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Big Game é um bom disco também. Obrigado pelo comentário!

      Excluir