30 de janeiro de 2015

BLUE CHEER - VINCEBUS ERUPTUM (1968)


Vincebus Eruptum é o álbum de estreia da banda norte-americana chamada Blue Cheer. Seu lançamento oficial ocorreu em 16 de janeiro de 1968, através do selo Philips Records. As gravações aconteceram em 1967, no Amigo Studios, em Hollywood, na Califórnia. A produção ficou a cargo de Abe 'Voco' Kesh.


Intrinsecamente ligado às origens do Heavy Metal, o Blog vai contar um pouquinho do início do Blue Cheer para depois se ater ao álbum propriamente dito.

As origens do Blue Cheer remontam ao ano de 1967 e estão fortemente ligadas à figura de Dickie Peterson, fundador da banda.

1967 foi o ano do chamado “Verão do Amor”, no qual a cena do Rock Psicodélico – especialmente originado na Califórnia – explodiu para o mundo. Foi neste contexto que o Blue Cheer surgiu e o qual Dickie Peterson estava inserido.

Dickie Peterson vivia em San Francisco, onde a supracitada cena musical dos anos sessenta estava começando a alcançar o mainstream.

Peterson tinha sido anteriormente membro da banda Andrew Staples & The Oxford Circle, bem como os futuros membros do Blue Cheer, Paul Whaley e Gary Lee Yoder.

A primeira formação do Blue Cheer contava com o vocalista e baixista Dickie Peterson, o guitarrista Leigh Stephens e Eric Albronda, como baterista.

Albronda mais tarde foi substituído por Paul Whaley, e, simultaneamente, o Blue Cheer adicionou o irmão de Dickie, Jerre Peterson (guitarra), Vale Hamanaka (teclados) e Jere Whiting (vocal e gaita).

Paul Whaley
Albronda continuou a sua associação com o Blue Cheer como um membro da administração do grupo, além de ser o produtor ou co-produtor de cinco álbuns da banda.

A banda foi gerenciada por um ex-membro dos Hells Angels (famoso grupo de motociclistas) de nome Gut.

Já de início, foi decidido que a formação inicial do conjunto deveria ser diminuída em termos de números de integrantes.

Existe um boato que o Blue Cheer decidiu adotar uma configuração de power trio após os caras assistirem à apresentação de Jimi Hendrix no Monterey Pop Festival, mas Dickie Peterson desmentiu isto posteriormente, em uma entrevista.

Hamanaka e Whiting foram convidados a se retirarem da banda e Jerre Peterson não quis permanecer no grupo sem eles, e, assim, também saiu do Blue Cheer.

Desta forma, Dickie, Leigh e Paul acabaram formando um trio.

Dickie Peterson
O nome Blue Cheer refere-se a uma variedade de LSD e é de onde provavelmente se origina a denominação da banda.

O grupo estava influenciado, sim, pelo Rock Psicodélico, mas também trazia uma forte carga de Blues Rock, além de uma característica própria: muito peso e distorção. Tudo isto foi levado para a gravação de seu álbum de estreia, Vincebus Eruptum.

A capa é simples, contando com uma fotografia do trio. Vamos às faixas:

SUMMERTIME BLUES

Um riff bem inspirado abre o álbum, com os vocais de Dickie Peterson consideravelmente agressivos, mostrando a atitude mais pesada da banda. A bateria de Paul Whaley é bastante inspirada, assim como o solo de Leigh Stephens. Outra característica é a alternância entre momentos mais cadenciados e outros mais rápidos. Ótima versão!

A letra traz o espírito malicioso do jovem:

Well Lord I got to raise a fuss, Lord I got to raise a holler
Well I been working all summer just to try and earn a dollar
Well Lord I tried to call my baby, I tried to get a date......
Sometimes I wonder what I'm a-gonna do
Lord there ain't no cure for the summertime blues

“Summertime Blues” é uma versão para o clássico originalmente composto por Eddie Cochran e Jerry Capehart, sendo gravado pelo primeiro.

Foi lançada como single e fez muito sucesso, chegando a ser considerada como a 'primeira música Heavy Metal' a entrar nas principais paradas de sucesso.


Atingiu a excelente 14ª posição da principal parada norte-americana desta natureza, ficando com a 3ª colocação na correspondente canadense. Chegou ao 1º lugar na Holanda!

A versão do Blue Cheer para “Summertime Blues” é tão marcante que chegou a ficar na 73ª posição da lista The 100 Greatest Guitar Songs of All Time, da renomada revista Rolling Stone, de 2008.

Foi também esta versão do Blue Cheer que serviu de base para outro cover famoso da canção, desta feita lançado pelo Rush, em seu EP Feedback, de 2004.



ROCK ME BABY

O Blue Cheer adiciona um peso e distorção extravagantes ao ótimo Blues chamado "Rock Me Baby". O ritmo é cadenciado na medida exata, como pede o estilo original, casando-se perfeitamente com a interpretação que Dickie Peterson dá à canção. O solo de Leigh Stephens é bem legal. Outra boa versão.

A letra é simples e divertida:

Well ball me baby
Well ball me all night long (if you can)
Well ball me baby
Well ball me all night long (that feels pretty good)
Well roll me baby
Until my back ain't got no bones.
I ain't got no bones about you, don't bother me, no not at all!

Trata-se de outro cover, desta feita de um dos grandes clássicos do Blues, composto originalmente pelo mestre B.B. King e Joe Josea.



DOCTOR PLEASE

"Doctor Please" ressalta a influência da época em que o disco foi gravado, pois é nítida a percepção psicodélica presente na primeira composição autoral do álbum. O andamento lento e arrastado acaba se contraponto a outros em que a banda acelera o ritmo (e em especial durante o solo de Stephens). O resultado final soa de maneira bastante interessante.

A letra pode ser entendida como um pedido de socorro:

I got this funny feeling
Feeling inside my head
Without your good living, Doc
Well I believe that I'll be dead
Doctor don't you turn me down
And won't you hear what I say
I need your good living, Doc
And I need it right away!

Segundo Dickie Peterson, “Doctor Please” foi composta como uma apologia ao uso de drogas e, além disto, teria a escrito em cerca de '10 minutos'.



OUT OF FOCUS

Já "Out Of Focus" apresenta um riff bastante criativo, carregado de Rock sessentista, mas que ao mesmo tempo está embebido em um peso atordoante para a época. O Blues é outra influência nítida na canção, a qual possui um ritmo cadenciado, mas repleta de melodia e considerável dose do supracitado peso. Ótima composição.

A letra reflete uma reflexão:

Won't somebody tell me what's wrong
Cause Lord, I been searchin'
Searchin' so long
Oh, won't somebody
Oh, won't somebody
Tell me what's wrong with me

“Out Of Focus” também teria sido composta em poucos minutos, segundo Peterson.



PARCHMENT FARM

A quinta música do disco já apresenta um ritmo mais acelerado, contando com um riff rápido e preciso e, simultaneamente, com alto poder cativante. Contribui deveras para o ótimo resultado final a interpretação intensa de Peterson nos vocais. Mais uma versão que ficou excelente.

A letra é em tom de resignação:

I swear I'll be here for the rest of my life.
Yeah, I know I'll be here for the rest of my life.
I know I'll be here for the rest of my life.
All I did was shoot your wife.
She was no good, you can take my word for it!

“Parchment Farm” é outro cover, baseado na versão de Mose Alisson para “Parchman Farm”, de Bukka White.



SECOND TIME AROUND

A sexta - e última - canção de Vincebus Eruptum é "Second Time Around". Outra vez, o ouvinte está diante de um riff repleto de peso e personalidade, construindo uma melodia instigante. A distorção é outra característica palpável na composição, a qual conta com a presença marcante da bateria de Whaley. Fecha o álbum de ótima maneira.

A letra tem sentido de rompimento amoroso:

Listen here, babe
It's the end of the line
I'm so sorry that you outta time
I don't know what to do
I don't know what to say
All I know, try to leave that way



Considerações Finais

Catapultado pelo sucesso comercial do single “Summertime Blues”, Vincebus Eruptum foi um ótimo sucesso de vendas e crítica.

O álbum atingiu a excelente 11ª posição da principal parada de sucessos norte-americana, a Billboard! Ótimo para uma banda em seu disco de estreia e praticamente desconhecida.

Com o tempo, Vincebus Eruptum acabou caindo nas graças da crítica especializada em música.

Escrevendo para o site de música AllMusic, Mark Deming descreveu Vincebus Eruptum como “uma celebração gloriosa do rock & roll primitivo, executado através de amplificadores Marshall suficientes para ensurdecerem um exército”, elogiando também “som e fúria” da banda como um dos movimentos fundadores do Heavy Metal.

O serviço de música online Rhapsody listou o álbum em sua lista 10 Essential Proto-Metal Albums, sugerindo que a banda “não apenas inspirou o termo power trio”, mas praticamente “inventou o heavy metal”.

Além disso, Vincebus Eruptum está presente no livro 1001 Albums You Must Hear Before You Die.

Para Jim Morrison, do The Doors, o Blue Cheer era “a banda mais poderosa que eu já vi” e para Eric Clapton, o grupo seria “provavelmente, os criadores do Heavy Metal”.

Apoiado pelo sucesso, o Blue Cheer lançaria seu segundo álbum de estúdio ainda em agosto de 1968, Outsideinside.



Formação:
Dickie Peterson - Vocal, Baixo
Leigh Stephens - Guitarra
Paul Whaley - Bateria

Faixas:
01. Summertime Blues (Cochran/Capehart) - 3:47
02. Rock Me Baby (King/Josea) - 4:22
03. Doctor Please (Peterson) - 7:53
04. Out of Focus (Peterson) - 3:58
05. Parchment Farm (Allison) - 5:49
06. Second Time Around (Peterson) - 6:17

Letras:
Para o conteúdo completo das letras, recomenda-se o acesso a: http://letras.mus.br/blue-cheer/

Opinião do Blog:
É claro que o surgimento do estilo musical chamado Heavy Metal foi a confluência de diversos e diferentes músicos, bandas e estilos musicais, os quais foram contribuindo com elementos diversificados em que, uma vez unidos, deram origem ao estilo. Vários foram os grupos que contribuíram para que a vertente Metálica do Rock surgisse e o Blue Cheer certamente está entre eles, de maneira relevante.

Esqueça, caro leitor, da técnica extremamente apurada e do requinte estilístico ao ouvir Vincebus Eruptum - mesmo porque a produção do álbum não é das melhores. O disco aqui apresentado é muito mais para ser sentido, pois a atitude de seus músicos é fator primordial na obra apresentada.

O Blue Cheer queria tocar alto - e certamente conseguiu - fazendo como talvez nenhuma banda naquele momento o fizera. É impressionante (lembrando o ano de 1968) a distorção presente no trabalho. 

Também é notável como a banda pretendia (e obteve sucesso) fazer um disco com peso, agressividade e força. Nisto, Vincebus Eruptum foi um marco importante no estilo de fazer músicas que não apenas fossem melódicas, mas que também mostrassem o peso e ferocidade que o Rock também poderia possuir.

Com base neste propósito, pode-se dizer que o objetivo foi amplamente alcançado, graças a atuação apaixonante com que Peterson, Stephens e Whaley atuam no álbum. Peterson, além do baixo, faz ótima aparição nos vocais, casando-os de maneira primordial com a parte instrumental a fim de transmitir a agressividade desejada pelo Blue Cheer.

Mesmo que metade do trabalho sejam covers, estamos diante de uma obra ímpar na história da música mais pesada. "Doctor Please" mistura peso e psicodelia de maneira brilhante, "Second Time Around" impressiona pela força e "Out Of Focus" é a melhor faixa do álbum.

Também merecem destaques o cover de "Rock Me Baby", bastante instigante, além da versão sublime de "Summertime Blues".

Somente por sua história e significado, Vincebus Eruptum já merecia ser ouvido pelos apreciadores de Rock. Mas é muito mais que isso: suas músicas são cativantes e a atitude contida nas canções são tocáveis como poucas vezes se viu. Um álbum importante, influente e essencial. Obrigatório!

3 comentários:

  1. Boa crítica! A verdade e que Vincebus Eruption foi o xermen de moito do que viria despois. Rock pesado dentro dun transfondo psicodélico... E coincido en que xunto o cover de Summertime Blues, Out Of Focus e do mellor dentro dun dos elepés imprescindibles de finais dos '60. Un saudo dende elruidodeunavida.blogspot.com.es

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo elogio, David. Embora eu não seja muito bom na língua espanhola, gostei bastante de seu Blog, repleto de material de ótima qualidade. Grande abraço!

    ResponderExcluir