8 de abril de 2012

LYNYRD SKYNYRD - PRONOUNCED (1973)



Pronounced 'lĕh-'nérd 'skin-'nérd é o álbum de estreia da banda de Rock norte-americana Lynyrd Skynyrd. Seu lançamento oficial ocorreu no dia 13 de agosto de 1973, sob o selo Sounds of the South, associado à MCA Records, com a produção sob responsabilidade de Al Kooper, o qual trabalhou com a banda em outras oportunidades.

O início do Lynyrd Skynyrd pode ser datado do ano de 1964, quando surgiu uma banda chamada “The Noble Five”, na cidade de Jacksonville, na Flórida, nos Estados Unidos. Três amigos adolescentes decidiram formar uma banda de rock. Eram eles: Gary Rossington, Ronnie Van Zant e Allen Collins.


Em 1965, a banda muda seu nome para “My Backyard”. Já em 1968, o grupo vence uma competição local de bandas, ganhando o direito a fazer as apresentações de abertura para a banda de rock psicodélico Strawberry Alarm Clock.

Em 1970, Van Zant buscava um novo nome para o grupo (por exemplo, The Noble Five), antes que o grupo consentisse no nome “Leonard Skinner”.

O nome surgiu em uma “homenagem” ao professor de educação física, Leonard Skinner, da Robert E. Lee High School, conhecido por seguir estritamente a política da escola contra garotos que possuíssem cabelos compridos, que causou a saída de Gary Rossington da mesma, cansado de zombarem de seus longos cabelos.

Anos depois, antes do lançamento de seu álbum de estreia, o conjunto adotou uma nova grafia para o nome do grupo e, apesar da homenagem em tom de zombaria, acabou cultivando amizade com o professor Leonard Skinner com o passar dos anos, inclusive convidando-o a apresenta-los em um show no Jacksonville Memorial Coliseum.

Ainda em 1970, a banda contratou Alan Walden como seu manager, cargo que ele ocuparia até 1974, quando foi substituído por Pete Rudge.

Nos anos iniciais da década de 70, o grupo continuava se apresentando continuamente pela região sul dos Estados Unidos, desenvolvendo seu estilo musical característico e coletando pequenas experimentações musicais em estúdio.

Durante todo esse tempo, a banda apresentou algumas modificações na sua formação. O baixista Larry Junstrom deixou a banda, sendo substituído Greg T. Walker. Na mesma época, o baterista Ricky Medlocke entra no grupo como segundo batera, com o grupo realizando apresentações com dois sets de bateria, em um estilo próximo ao que o The Allman Brothers fazia.

O baterista ‘titular’ Bob Burns chegou a deixar a banda em 1971, com o grupo participando de uma seção de gravações no Muscle Shoals Sound Studio com Medlocke e Walker na seção rítmica, e sem a participação de Bob Burns.

Depois disso, Walker e Medlocke deixam a banda para ingressarem em outro grupo do mesmo estilo musical, o Blackfoot. A banda volta ao Muscle Shoals Sound Studio para uma segunda seção de gravações, desta vez com Bob Burns na bateria. Leon Wilkeson acaba se tornando o baixista fixo do conjunto, enquanto o roadie Billy Powell acaba assumindo os teclados.

Em 1971, o grupo já havia se fixado em Atlanta, na Geórgia, Estados Unidos, com o intuito de se aproximar do movimento do Southern Rock. Já em 1972, a banda já contava com a formação: Van Zant (vocal), Collins e Rossington (guitarras), Burns (bateria), Wilkeson (baixo), e Powell (teclado).

Naquele ano, o grupo se apresenta em um clube noturno em Atlanta e na plateia estava Al Kooper, músico, compositor e produtor do grupo Blood, Sweat, and Tears. Impressionado, Kooper assina um contrato da banda com o seu selo Sounds of the Soul, ao mesmo tempo que o conjunto ‘mudava’ seu nome para Lynyrd Skynyrd.

Com o contrato assinado, a banda entra em gravação de 27 de março a 1º de maio de 1973, no Studio One, em Doraville, na Geórgia, e ali começava a surgir Pronounced 'Lĕh-'nérd 'Skin-'nérd.

Durante a gravação de “Pronounced”, o baixista Leon Wilkeson deixa temporariamente o Lynyrd Skynyrd, participando apenas em duas faixas. O guitarrista da banda Strawberry Alarm Clock, Ed King, foi chamado para tocar as partes de baixo nas faixas restantes do álbum, as quais já haviam sido escritas por Leon.

Além disso, King também tocou guitarra nas faixas do álbum e foi convidado a permanecer no grupo, como terceiro guitarrista, tornando-se possível a reprodução ao vivo do que se ouvia no álbum.

Leon Wilkeson retorna ao grupo logo após o lançamento de ‘Pronounced’, que se deu em 13 de agosto de 1973. A capa do trabalho conta com uma fotografia da banda com todos os músicos do grupo: Van Zant, Collins, Rossington, King, Wilkeson, Burns e Powell.



A fotografia da capa foi tirada na Main Street, em Jonesboro, na Geórgia. Curiosamente, foi retirada a poucos metros do local onde seria filmado cenas do longa “Smokey and the Bandit”, com Burt Reynolds e Jerry Reed, quatro anos depois.

I AIN’T THE ONE

O álbum é aberto com a música “I Ain’t The One”, apresentando a clássica sonoridade “Southern Rock”, a qual tornaria o grupo mundialmente conhecido. O riff, bastante criativo e empolgante, embala a canção. As guitarras são o principal destaque da faixa que apresenta um ótimo solo. Também Billy Powell se destaca nos teclados. Ótima música.



TUESDAY’S GONE

Uma das mais conhecidas canções do Lynyrd Skynyrd é a segunda faixa do álbum. Adorada pelos fãs, “Tuesday’s Gone” se tornou um clássico.

Trata-se de uma música com uma melodia bastante suave, próximo a uma balada. O trabalho de Ronnie Van Zant no vocal é excelente, contribuindo essencialmente para a qualidade final da canção.

A letra de “Tuesday’s Gone”, escrita por Van Zant, é uma metáfora para a história da própria banda. A vida normal que eles tinham (representada pela palavra Tuesday) iria embora para sempre, quando o grupo assinou o contrato com o selo Sounds Of The South.

Também era a canção favorita do guitarrista Allen Collins, em uma entrevista da década de setenta.

Na gravação contida em ‘Pronounced’, o baterista Bob Burns não é quem toca o instrumento na faixa. Foi excepcionalmente substituído pelo baterista da banda da Atlanta Rhythm Section's, Robert Nix, que foi quem gravou o clássico.

A canção está presente em diversos seriados e alguns filmes, com destaque para a aparição no filme Dazed and Confused, de 1993. Também está presente nos games Guitar Hero (Metallica) e Rock Band.

Certamente, uma das versões cover mais conhecidas para “Tuesday’s Gone” foi feita pelo Metallica e consta do álbum Garage Inc. (1998). Nesta versão, o Metallica conta com vários convidados, entre eles, Jerry Cantrell (Alice in Chains) e Gary Rossington, do próprio Lynyrd Skynyrd.



GIMME THREE STEPS

A terceira faixa do álbum é “Gimme Three Steps”. Outra canção clássica do Lynyrd Skynyrd.

A abertura da música apresenta um inspirado e criativo riff, bem característico do estilo da banda. Ele se desenvolve por toda a canção, tornando-a bastante empolgante. Mais uma vez o trabalho vocal de Van Zant é excelente, em especial no refrão, contagiante.

Liricamente, a canção trata de um personagem que está em um bar e dançando com uma garota chamada Linda e são surpreendidos por um homem, provavelmente o namorado (ou marido) da garota.



A canção teria sido baseada em uma experiência real da vida do vocalista Ronnie Van Zant, em um bar de motoqueiros em Jacksonville, conhecido como The Pastime, com direito a uma arma puxada em sua direção e que teria sido a inspiração para a composição da canção.

A música foi lançada como single, mas falhou na tentativa de entrar nas paradas de sucesso desta natureza, mesmo em se tratando de uma ótima faixa.



SIMPLE MAN

Outra das grandes faixas da história do Lynyrd Skynyrd (e porque não, da música) é a quarta faixa do álbum: “Simple Man”.

“Simple Man” é uma balada de profunda e incrível inspiração. Suas linhas de guitarra, suaves e de absoluto feeling, são perfeitas e se casam com maestria na atuação de Ronnie Van Zant nos vocais, construindo uma faixa única. Brilhante!

A canção teria sido escrita pouco tempo após a morte da avó de Ronnie Van Zant, quando ele e Gary Rossington se encontraram no apartamento de Ronnie, compartilhando os conselhos que suas mães (e mulheres) lhes tinham dado ao longo dos anos.

Embora na canção haja os versos "Sit beside me, my only son", Ronnie não era o único filho, tendo duas irmãs (uma mais velha e uma mais nova) e dois irmãos mais jovens. Há a interpretação de que o vocalista estaria se referindo ao tempo em que seus dois irmãos mais jovens não teriam nascido, fazendo-o o filho mais jovem.

Bandas como Shinedown e Deftones são alguns exemplos de grupos que fizeram versões para o clássico “Simple Man”. Embora seja uma das canções mais conhecidas do grupo, não foi lançada como single para promover seu álbum de estreia.

“Simple Man” se tornou praticamente obrigatória nos shows do Lynyrd Skynyrd. O vocalista atual da banda, Johnny Van Zant resumiu bem o sentimento sobre a canção no comentário faixa-a-faixa para promover um DVD ao vivo Live From Freedom Hall, de 2010. Para ele, é uma canção que se trata de conselhos de mãe para filhos e que estes deveriam sempre ouvi-los e respeitá-los. Disse também que é a faixa ao vivo que provavelmente ele mais gosta de executar e uma das que os fãs mais “enlouquecem”.



THINGS GOIN’ ON

“Things Goin’ On” é a quinta faixa do álbum. Possui uma sonoridade que reflete bastante a forte influência que o Lynyrd Skynyrd possuía da música tradicional do sul dos Estados Unidos, em uma faixa bastante interessante.

A faixa é uma espécie de canção-protesto em relação a questões sociais e ambientais, especialmente no que diz respeito ao posicionamento dos políticos sobre estes problemas. Musicalmente, revela mais um pouco do estilo diversificado do grupo, fato que torna a banda única.

O primeiro verso da música é repetido ao final da canção e mostra a preocupação social com a vida no ‘ghetto’, e para uma banda oriunda do sul dos Estados Unidos, onde a segregação racial era ainda mais visível, acaba se tornando uma situação diária. A crítica aos políticos que nada faziam para mudar essa situação é ainda mais nítida nos versos:

I don't think they really care
I think they just sit up there



MISSISSIPI KID

A sexta faixa do trabalho é “Mississipi Kid”. É uma canção que demonstra a forte influência da tradicional música Country norte-americana para o Lynyrd Skynyrd, uma vez que a faixa se desenvolve inteiramente dentro deste estilo. Destaque para a gaita presente na canção, tocada pelo produtor do álbum Al Kooper.



POISON WHISKEY

O Southern Rock clássico está de volta na sétima faixa do trabalho, “Poison Whiskey”. É a única canção do primeiro disco a ter o guitarrista Ed King creditado como compositor. Possui guitarras marcantes e ótimos solos, tanto de guitarra (Rossington), quanto de teclado (Powell). Uma das melhores do álbum.



FREE BIRD

O álbum de estreia do Lynyrd Skynyrd é encerrado por um dos seus grandes clássicos e, talvez, sua canção mais conhecida e reverenciada: “Free Bird”.

As origens de “Free Bird” (ou Freebird, como aparece escrito na capa do single) remonta ao início da banda. O roadie e futuro tecladista da banda, Billy Powell, foi descoberto quando Ronnie Van Zant o viu tocar a introdução do que se tornaria a canção em um baile da escola, convidando-o para participar da banda.

Já a então namorada do guitarrista Allen Collins, Kathy, que se tornaria sua futura esposa, lhe fez certa vez a seguinte pergunta: "If I leave here tomorrow, would you still remember me?". Esta frase se tornaria o verso de abertura de “Free Bird”.

É a única canção em que o guitarrista Gary Rossington não usa uma guitarra do modelo Les Paul. Para “Free Bird”, Rossington usou uma guitarra modelo Gibson SG.

“Free Bird” foi lançada como single em Novembro de 1974, tornando-se a 19ª colocada na parada de sucesso norte-americana dessa natureza, conseguindo a 31ª posição na sua correspondente britânica. Lançada como single para promover o álbum ao vivo One More From The Road, de 1976, ficou a 38ª posição da parada norte-americana.



A canção está na 191ª posição da lista de canções que “moldaram o rock and roll”, que foi formulada pelo Rock Roll Hall Of Fame. Em eleição realizada pelo canal VH1, ficou com a 26ª posição de melhor canção de Hard Rock, enquanto teve a 3ª posição de melhor solo de guitarra pela revista Guitar World – em boa parte pelo fenomenal solo realizado pelos três guitarristas na canção.

Obviamente, “Free Bird” se tornou um clássico obrigatório nos shows do Lynyrd Skynyrd, tradicionalmente como a canção que encerra o espetáculo. Muitas vezes, a faixa é estendida até perto de 15 minutos, dando espaço para improvisações.

Na década de setenta chegou a ser tão popular, que era pedida pelo público em apresentações de diferentes músicos e de diferentes estilos em qualquer apresentação dentro dos Estados Unidos. Uma espécie de “Toca Raul”, tão popular e conhecido no Brasil.

Após o terrível acidente que vitimou boa parte da banda em 1977, músicas eram tocadas nas reuniões tributo como instrumentais por parte dos músicos sobreviventes. Em “Free Bird”, com o microfone sendo deixado sozinho, iluminado solitariamente, como forma de homenagem, só realizada de maneira instrumental.

A tradição duraria até 1989, quando uma multidão enfurecida, clamou ao guitarrista Gary Rossington que o irmão mais novo do falecido Ronnie Van Zant, Johnny, cantasse a canção pela primeira vez – o que este jurou não mais fazer durante a turnê tributo.

É outra canção com várias versões cover por diferentes artistas, como exemplo, Peter Frampton. “Free Bird” é um verdadeiro hino do Rock and Roll.



Considerações Finais

Não é nenhum exagero afirmar que ‘Pronounced’ é um dos grandes álbuns de estreia de um grupo de Rock. Não apenas o sucesso comercial sugere isso mas também o impacto que suas canções têm até hoje junto ao público são ótimos instrumentos para aferir esta afirmação.

Distribuído pela MCA Records, o álbum atingiu a ótima 27ª posição da parada de álbuns dos Estados Unidos. Está na 401ª posição da lista de melhores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone. Estima-se que o álbum supere a casa de 2 milhões de cópias vendidas internacionalmente.

O sucesso da banda crescia rapidamente, boa parte devido à turnê que se seguiu após o lançamento de ‘Pronounced’, na qual houve diversas apresentações como banda de abertura para a famosa turnê Quadrophenia, do The Who.

Outro fator foi o lançamento do segundo álbum do grupo, o ótimo Second Helping, lançado em abril de 1974 e que continha o incrível sucesso: a canção “Sweet Home Alabama”.

Já consolidada como uma grande banda, cinco dias após o lançamento do álbum Street Survivors (1977) e, também, após cinco shows de sua turnê mais bem sucedida como banda principal, o avião Convair CV-300 ficou sem combustível no fim de seu vôo no dia 20 de outubro de 1977, caindo em uma floresta em Gillsburg, Mississipi.

Ronnie Van Zant:


No acidente, o vocalista Ronnie Van Zant, o guitarrista Steve Gaines e sua irmã Cassie Gaines (que fazia backing vocals na banda), o assistente de turnê Dean Kilpatrick, além do piloto Walter McCreary e do co-piloto William Gray, morreram com o impacto. Os demais membros da banda à época (Collins, Rossington, Wilkeson, Powell, Pyle, Hawkins) e o pessoal de apoio na turnê sofreram graves lesões. A tragédia encerrou o período clássico do grupo.

Durante as décadas seguintes, o Lynyrd Skynyrd teve diversas formações, alternando entre turnês ou mesmo gravando álbuns de inéditas, por vezes apostando em uma sonoridade mais pesada, mas sempre baseada no Southern Rock e mantendo esta verdadeira instituição do Rock & Roll viva.

Formação:
Ronnie Van Zant – Vocal
Gary Rossington – Guitarra Solo em "Tuesday's Gone", "Gimme Three Steps", "Things Goin' On", "Poison Whiskey", "Simple Man", Guitarra Base nas demais
Allen Collins – Guitarra Solo em "I Ain't The One" & "Free Bird", Guitarra Base nas demais
Ed King – Guitarra Solo em "Mississippi Kid", Baixo em todas as faixas, exceto em "Mississippi Kid" e "Tuesday's Gone"
Billy Powell – Teclado
Bob Burns – Bateria, exceto em "Tuesday's Gone"
Leon Wilkeson – Baixo em "Mississippi Kid" e "Tuesday's Gone"

Músicos Adicionais:
Al Kooper (Roosevelt Gook) – Baixo e Mellotron em "Tuesday's Gone", Bandolim e Bumbo em "Mississippi Kid", Órgão em "Simple Man", "Poison Whiskey" e "Free Bird", Mellotron em "Free Bird"
Robert Nix – Bateria em "Tuesday's Gone"
Bobbye Hall – Percussão em "Gimme Three Steps" e "Things Goin' On"
Steve Katz – Harmônica em "Mississippi Kid"

Faixas:
01. I Ain't the One (Rossington/Van Zant) – 3:53
02. Tuesday's Gone (Collins/Rossington/Van Zant) – 7:32
03. Gimme Three Steps (Collins/Van Zant) – 4:30
04. Simple Man (Rossington/Van Zant) – 5:57
05. Things Goin' On (Rossington/Van Zant) – 5:00
06. Mississippi Kid (Al Kooper/Van Zant/Burns) – 3:56
07. Poison Whiskey (King/Van Zant) – 3:13
08. Free Bird (Collins/Van Zant) – 9:18

Letras:
Para o conteúdo das letras, indicamos o acesso a: http://letras.terra.com.br/lynyrd-skynyrd/

Opinião do Blog:
Falar de uma banda como o Lynyrd Skynyrd é uma oportunidade para se divulgar um dos grandes nomes da história do Rock and Roll.

A banda teve sua trajetória marcada pela terrível tragédia que vitimou músicos e pessoal da equipe do conjunto, entre eles o vocalista e fundador do grupo, Ronnie Van Zant. Pelo menos, Ronnie deixou vários registros de toda sua criatividade e talento dos tempos anteriores ao acidente.

Esses álbuns da década de setenta são extremamente recomendados pelo blog, mostrando um grupo com uma sonoridade bastante criativa e uma identidade musical sólida e consistente. O Lynyrd Skynyrd gravou álbuns memoráveis como Second Helping (1974) e Street Survivors (1977).

‘Pronounced’ é um álbum quase perfeito, possuindo músicas incríveis como “Free Bird”, “Tueday’s Gone” e “Gimme Three Steps”. Isso sem falar na música preferida deste ‘blogeiro’, “Simple Man”, uma das mais belas canções de todos os tempos.

Para nossa sorte, o Lynyrd Skynyrd continuou mesmo depois da tragédia, excursionando e gravando álbuns de inéditas – com muito boa qualidade. E assim, espalhando e mantendo essa verdadeira nação do Rock viva, atraindo novos fãs e mostrando a todos o que é música de verdade.

Vale lembrar o respeito e a reverência com que os membros atuais do grupo, liderados pelo vocalista e irmão mais novo do falecido Ronnie Van Zant, Johnny, demonstram pelos músicos anteriores.

Johnny Van Zant:


Um declarado fã do Lynyrd Skynyrd era o falecido baixista do Metallica, Cliff Burton, o que me deixa em excelente companhia. Álbum e banda obrigatórios para fãs de Rock de verdade!

0 comentários:

Postar um comentário